Apostila de fisiopatologia da nutrição e dietoterapia

Apostila de fisiopatologia da nutrição e dietoterapia

(Parte 1 de 8)

Profa. Ms Adriana Cruz Lopes

Módulo I – Fisiopatologia e Dietoterapia I

Profª Ms Adriana Lopes 2

Compreende o tratamento através da dieta e envolve modificações na ingestão diária de alimentos. Pode ser um tratamento auxiliar ao tratamento medicamentoso ou constituir a única forma de intervenção terapêutica. A dietoterapia é um tipo de tratamento que tem por base a modificação dos alimentos pela adição de substâncias alimentares com propriedades de cura, ao tempo de suprimir outras, cujo organismo doente se encontra incapacitado de metabolizar, o que por si só neste último caso induz ou agrava a doença.

Modificações do padrão dietético normal, aplicadas em cada caso conforme necessário para atender as necessidades individuais (ex: capacidade de digestão e absorção, alívio da doença, fatores psicossociais).

Módulo I – Fisiopatologia e Dietoterapia I

Profª Ms Adriana Lopes 3

1° item da prescrição médica; Tem a mesma finalidade da prescrição medicamentosa, designando o tipo, quantidade freqüência e via de administração dos alimentos; Deve ser um consenso entre médicos e nutricionistas.

Aspectos a serem considerados na prescrição dietoterápica

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL (Indicadores antropométricos, bioquímicos, dietéticos e clínicos)

CÁLCULOS DAS NECESSIDADES NUTRICIONAIS (energia, proteínas, lipídios, carboidratos, minerais, vitaminas, etc)

DETERMINAÇÃO DA VIA DE ADMINISTRAÇÃO (Oral, enteral, parenteral)

Módulo I – Fisiopatologia e Dietoterapia I

Profª Ms Adriana Lopes 4

PROCESSO DO CUIDADO NUTRICIONAL Consiste de:

Avaliação do estado nutricional; Identificação das necessidades ou problemas nutricional; Planejamento e priorização dos objetivos do cuidado nutricional para atingir essas necessidades; Complementação de atividades nutricionais para atingir os objetivos; Avaliação do cuidado nutricional.

SAÚDEHÁBITOS ALIMENTARES DOENÇA

EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Médico, dentista, fisioterapeuta, enfermeiro, farmacêutico, fonodiólogo, psicólogo e nutricionista.

Custo hospitalar; Triagem hospitalar:

Idade; Altura; Peso habitual e ideal; Alteração do apetite; Disfagia ou dificuldade de mastigação; Presença de náuseas; Vômitos; Diarréia; Avaliação geral do trato gastro intestinal

Albumina sérica; Hemoglobina; Hematócrito; Contagem total de linfócitos; Glicemia; Proteínas totais e frações; Colesterol total e frações; Triglicérides; Uréia; Creatinina; ETC.

Avaliação de todos os pacientes no máximo em 3 dias após a entrada e deverá ser repetida a cada 7 dias no mínimo;

Risco nutricional aumenta em pacientes hospitalizados por duas semanas ou mais

Módulo I – Fisiopatologia e Dietoterapia I

Profª Ms Adriana Lopes 5

Incluem todas as atividades ou intervenções que possibilitarão ao pacientes atingir os objetivos já definidos; Atividades incluídas:

Prescrição de dieta; Aconselhamento e orientação nutricional; Abastecimento de alimentos necessários;

Aconselhamento sobre auxílios públicos e vales alimentos (o que ajudará o paciente a resolver economicamente suas necessidades nutricionais);

Intervenções ou ações são numeradas para se correlacionarem com os objetivos que elas devem atingir. Devem ser completas e incluir condições que, onde, quando e como da atividade, a fim de que toda a equipe de saúde (incluindo paciente) saberá o que está sendo feito; As informações sobre o tratamento e progresso de um pacientes deverão ser acessíveis à equipe de saúde, à partir de um registro centralizado.

O processo de cuidado nutricional, tal como aplicado a um paciente em um hospital ou ambulatório, deve ser documentado em um registro de saúde Î Prontuário Apresenta as seguintes vantagens:

Ajuda o paciente a compreender seu cuidado nutricional e saber que deverá ser participante ativo;

Módulo I – Fisiopatologia e Dietoterapia I

Profª Ms Adriana Lopes 6

Ajuda a assegurar que o cuidado nutricional será relevante, completo e efetivo por fornecer um registro que identifica os problemas e estabelece critérios para avaliá-lo; Permite a toda equipe compreender as razões para o cuidado nutricional e os meios pelos quais será fornecido; Permite a toda equipe de saúde a participar do cuidado nutricional e reforçar a educação do paciente sempre que houver uma oportunidade.

Um registro detalhado de cuidados nutricionais pode ficar com o nutricionista, mas, neste caso, as informações nele contidas deverão ser periodicamente sumarizadas no registro permanente de saúde.

Módulo I – Fisiopatologia e Dietoterapia I

Profª Ms Adriana Lopes 7

ETAPAS COMPONENTES FATORES A CONSIDERAR 1. Avaliação do Estado Nutricional

Coletar informações (dados) Identificar problemas

As informações deverão ser precisas, pertinen ao paciente e apropriadamente interpretadas; Os problemas deverão receber o mesmo núm que consta no registro médico, colocados graus de prioridade de acordo com importância, estar relacionados com dados avaliação e incluir problemas presentes e potencial.

2. Planejamento do Cuidado Nutricional

Estabelecer objetivos

Informações adicionais necessárias Recursos disponíveis Nível educacional do paciente e sua família Modificação da dieta Suplementação de nutrientes Medidas para possibilitar ao paciente atingir necessidades nutricionais Tratamento dos problemas médicos que afetam estado nutricional

3. Implementação Cuidado Nutricional

Determinar intervenções nutricionais

Modificação da alimentação necessária a torn aceitável ao paciente Ensinamentos ao paciente e sua família a resp do plano do cuidado nutricional Provisão dos suplementos nutricionais necessá de forma aceitável Resolução de problemas de saúde Inscrição do paciente em programas de assistên alimentar, se necessário.

4. Avaliação do Cuidado Nutricional

Determinar a eficácia do cuidado nutriciona alterá-los, se necessário.

Monitoração da ingestão alimentar e fluidos Avaliação da ingestão para se adequar às me das necessidades nutricionais do paciente Avaliação do conhecimento nutricional refletido alteração comportamental (escolha alimentar) Monitoração dos dados bioquímicos relaciona com o estado nutricional Monitoração dos dados antropométricos Monitoração do estado clínico

Avaliação deverá incluir uma comparação entr comportamento observado e o esperado Uma determinação da eficácia da intervenção atingir os objetivos Uma explicação da eficácia e ineficácia intervenção ou sugestões para revisão do plan o cuidados, baseadas na avaliação.

Módulo I – Fisiopatologia e Dietoterapia I

(Parte 1 de 8)

Comentários