Farmacia hospitalar módulo 02

Farmacia hospitalar módulo 02

(Parte 1 de 3)

Curso de Farmácia Hospitalar

Atenção: O material deste módulo está disponível apenas como parâmetro de estudos para este Programa de Educação Continuada, é proibida qualquer forma de comercialização do mesmo. Os créditos do conteúdo aqui contido é dado a seus respectivos autores descritos na Bibliografia Consultada.

36 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores

Nas instituições hospitalares, o contato diário do serviço de farmácia com as unidades de internação e demais serviços acontece principalmente, por meio do setor de distribuição, fazendo dele o cartão de apresentação da farmácia hospitalar. Vários fatores interferem na implantação e/ou implementação de um sistema de medicamentos (SDM), e os principais são:

• Características do hospital como: complexidade, tipo de edificação e fonte mantenedora;

• Existência de padronização de medicamentos atualizada;

• Existência de controle de qualidade de produtos e processos;

• Manual de normas e rotinas aplicável.

O sistema de distribuição coletivo é o mais primitivo e arcaico dos sistemas, entretanto ainda há hospitais brasileiros que o adotam.

sendo solicitado e por quanto tempo será necessário

O sistema coletivo se caracteriza, principalmente, pelo fato de os medicamentos serem distribuídos por unidade de internação e/ou serviço a partir de uma solicitação de enfermagem, implicando a formação de vários estoques nas unidades assistenciais. Neste sistema, os medicamentos são liberados sem que o serviço de farmácia tenha as seguintes informações: para quem o medicamento esta sendo solicitado, porque esta

Neste modelo, a farmácia hospitalar é um mero repassador de medicamentos em suas embalagens originais segundo o solicitado pela enfermagem. Nos sistema de distribuição, constata-se que a assistência ao paciente fica

37 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores prejudicada pela não participação do farmacêutico na revisão e analise da prescrição medica. E também pelo fato de enfermagem estar mais envolvida com as questões relacionadas aos medicamentos do que a própria farmácia.

Vários trabalhos relatam que a enfermagem, neste sistema, gasta cerca de 25% do seu tempo de trabalho em procedimentos relacionados aos medicamentos como: transcrever prescrição, verificar o estoque existente na unidade, preencher solicitação, ir à farmácia, aguardar separação dos mesmos, transportá-los até a unidade, guardá-los nos seus devidos lugares, separar os que são necessário, a cada horário, fazer cálculos, prepará-los e administrá-los.

Uma grave conseqüência é o alto índice de erros de administração de medicamentos que este sistema gera, desde o alto da prescrição ate o momento da administração dos mesmos. Os principais erros descritos são:

• Administração de medicamentos não prescritos.

Outro aspecto importante é o alto custo deste sistema para intuição devido às perdas, por existirem vários pontos de estoque facilitando desvios, armazenamento inadequado ou caducidade dos medicamentos.

Desvantagens do sistema de distribuição Coletivo

O sistema de distribuição coletivo apresenta as seguintes desvantagens: • Transcrições das prescrições médicas:

• Maior incidência de erros na administração de medicamentos:

• Consumo excessivo do tempo da enfermagem em atividades relacionadas ao medicamento:

• Uso inadequado de medicamentos nas unidades assistenciais:

38 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores

• Impossibilidade de faturamento real dos gastos por paciente: • Alto custo institucional.

Vantagens do sistema de distribuição Coletivo

O sistema de distribuição coletivo apresenta as seguintes vantagens: • Grande disponibilidade de medicamentos nas unidades assistências;

• Redução do numero de solicitações e devoluções de medicamentos à farmácia;

• Necessidade de menor número de funcionários na farmácia;

• É importante ressaltar que, na realidade, as vantagens citadas são obstáculos para uma assistência farmacêutica de qualidade ao paciente.

O sistema de distribuição individualizado se caracteriza pelo fato de o medicamento ser dispensado por paciente, geralmente para um período de 24 horas. Este sistema se divide em indireto e direto.

No sistema de distribuição individualizado indireto, a distribuição é baseada na transcrição da prescrição medica. A solicitação à farmácia é feita por paciente e não por unidade assistencial como no coletivo.

No sistema de distribuição individualizado direto, a distribuição é baseada na copia da prescrição medica, eliminando a transcrição. Neste contexto, é possível uma discreta participação do farmacêutico na terapêutica medicamentosa, sendo já um grande avanço para a realidade brasileira.

As prescrições podem ser encaminhadas à farmácia de diversas formas tais como:

A) Prescrição com cópia carbonada – prescrição em duas vias, com carbono entre as folhas ou impressora confeccionado de modo a se obter uma copia direta. Esta forma proporciona ao farmacêutico uma via da prescrição e não requer equipamentos especiais; B) Prescrição por fotocópias – utilização de maquinas copiadoras para produzir uma copia exata da prescrição medica; C) Prescrição via fax – Utilização de aparelho de fax para emissão na unidade

39 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores assistencial e recepção na farmácia. Os inconvenientes do uso desta tecnologia são: permitir o envio de uma mesma prescrição mais de uma vez, gerar emissão de documentos ilegíveis induzindo aparecimento de novas fontes de erros de administração de medicamentos e permitir a perda das informações com o passar do tempo. Porém diminui o tempo gasto com o transporte de documentos; D) Prescrição informatizada – em cada unidade assistencial existe um terminal de computador no qual os médicos fazem diariamente a prescrição que é remetida à farmácia. Algumas das vantagens deste processo são a eliminação de falhas devido à má qualidade da grafia médica e a redução do tempo gasto com transporte de documentos; E) Sistema de radiofreqüência interligando computadores e leitores ópticos – o medico utiliza um terminal com uma tela que pode ser operado por meio de uma espécie de caneta eletrônica. Esta forma permite a verificação imediata de dados do paciente e agilização da prescrição, que poderá ser feita próximo ao leito. Implica diminuição do numero de terminais de computador na área hospitalar, redução der cabos de interligação e agilização da disponibilidade da prescrição para a farmácia e serviços de apoio.

Desvantagens do Sistema de Distribuição Individualizado

O sistema de distribuição apresenta as seguintes desvantagens: • Erros de distribuição e administração de medicamentos;

• Consumo significativo do tempo de enfermagem em atividade relacionadas aos medicamentos;

• Necessidade por parte da enfermagem de cálculos e preparo de doses;

• Perdas de medicamentos devido a desvios, caducidade e uso inadequado.

Vantagens do Sistema de Distribuição Individualizado

O sistema de distribuição individualizado apresenta as seguintes vantagens: • Possibilidade de revisão das prescrições médicas;

40 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores

• Pode estabelecer devoluções; • Permite faturamento mais apurado do gasto por paciente.

Sistema de Distribuição Combinado ou Misto

No sistema de distribuição combinado ou misto, a farmácia distribui alguns medicamentos mediante solicitação e outros por copia da prescrição médica, portanto, parte do sistema é coletivo e parte individualizado.

Geralmente, as unidades de internação de forma parcial ou integral, são atendidas pelo sistema individualizado e os serviços (radiologia, endoscopia, ambulatórios, serviços de urgência e outros) são atendidos pelo sistema coletivo. É indicado que, neste sistema as solicitações encaminhadas pelas unidades assistenciais sejam embasadas em relação de estoque previamente estabelecidas entre farmácia e enfermagem. Estes estoques deverão ser controlados e repostos pela farmácia mediante documento justificando o uso do medicamento.

No final da década de 1950, com lançamento no mercado de medicamentos novos e mais potentes, mas também causadores de efeitos colaterais importantes, iniciou-se a publicação de trabalhos sobre a incidência de erros de administração de medicamentos em hospitais. Os resultados mostraram a necessidade de que os sistemas tradicionais (coletivo e individualizado) fossem revistos, visando melhorar a segurança na distribuição e na administração dos medicamentos.

Foi neste contexto, que nos anos de 1960, farmacêuticos hospitalares americanos desenvolveram o sistema de distribuição por dose unitária.

Analisando os SDMs, o sistema de distribuição por dose unitária é o que oferece melhores condições para um adequado seguimento da terapia medicamentos do paciente. Vários trabalhos científicos demonstraram que este sistema é mais seguro para o paciente, visto que reduz a incidência de erros, utiliza mais efetivamente os recursos profissionais e é mais eficiente e econômico para a instituição.

41 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores

Estudos demonstraram que nos hospitais que adotaram o sistema de distribuição por dose unitária houve uma importante redução de gastos com medicamentos variando de 25% a 40%.

É importante fazer uma diferenciação entre os sistemas de distribuição por dose unitária e dose unitária de medicamentos. O conceito de distribuição por dose unitária é a distribuição ordenada dos medicamentos com formas e dosagens prontas para serem administradas a um determinado paciente de acordo com a prescrição médica num certo período de tempo. A dose unitária industrial corresponde à dose padrão comercializada pelos laboratórios, fornecida em embalagem unitária em que constam a correta identificação do fármaco, prazo de validade, lote, nome comercial e outras informações.

Portanto, um serviço que adote o sistema de dose unitária propriamente dito deverá distribuir todos os medicamentos, em todas as formas farmacêuticas prontos para uso sem necessidade de transferências ou cálculos por parte da enfermagem.

Acondicionamento e Embalagem de Dose Unitária

Um dos fatores de relevância no sistema de distribuição de medicamentos por dose unitária e a forma pela qual são acondicionados e embalados os medicamentos. Na escolha do acontecimento e/ou da embalagem, deve-se considerar:

• A adequação às condições físicas do hospital;

• As condições financeiras da instituição;

• As considerações farmacológicas, tais como estabilidade, fotossensibilidade entre outros;

Materiais Utilizados no Preparo de Dose Unitária

Para garantir a manutenção da qualidade dos produtos é de suma importância que para cada produto seja verificado em publicações cientificas atualizadas o tipo de envase mais apropriado. O fracionamento ou reembalagem de medicamentos para o sistema de distribuição

42 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores individualizado e/ou por dose unitária deve ser efetuar em condições semelhantes às utilizadas pelo fabricante, de forma a impedir, tanto uma possível alteração de estabilidade como a contaminação cruzada ou microbiana. Entre os materiais mais utilizados estão os plásticos, laminados, vidros e alumínio.

Líquidos para uso oral

O envase deve ser suficiente para liberar o conteúdo total etiquetado.É aceitável que sejam necessários um acréscimo de volume conhecido, dependendo da forma de envase, do material e da formulação do medicamento. A concentração do fármaco deve ser especificadas em unidade de peso por medida (mg/mL; g/mL). As seringas para administração oral na devem permitir a colocação de agulha. Os envases devem permitir a administração de seu conteúdo diretamente ao paciente.

Sólidos de Uso Oral

Para embalagem tipo blister deve-se ter um verso opaco que permita imprimir informações e o outro devera ser de material transparente. O mesmo deve permitir fácil remoção do medicamento.

Medicamentos para uso Parenteral

Uma agulha de tamanho apropriado deve ser parte integral da seringa. A seringa deve estar pronta permitindo que o seu conteúdo seja administrado ao paciente sem necessitar de instruções adicionais. A proteção da agulha deve ser impenetrável, preferencialmente de um material rígido, evitando acidentes. A seringa deve permitir fácil manuseio e visualização de seu conteúdo.

Outras formas Farmacêuticas

Os medicamentos para uso oftálmico, supositórios, ungüentos, entre outros, devem ser adequadamente etiquetados, indicando seu uso via, via de administração e outras

43 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores informações importantes. REQUISITOS PARA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO POR DOSE UNITARIA

• Farmacêutico hospitalar com treinamento específico para este fim • Laboratório de farmacotécnica;

• Dispositivo para entrega de doses unitárias (carrinhos, cestas e outro);

• Maquinas de soldar plásticos;

• Central de preparações estéreis;

• Padronização de medicamentos;

• Material de embalagens: sacos e potes plásticos: frascos de plásticos, de vidro, de alumínio: caixas de madeiras ou acrílico;

• Envasadora (líquidos, cremes, pomadas);

• Máquina de cravar frascos;

• Rotuladora;

• Envelopadora – máquina de selagem e etiquetagem de comprimidos;

• Máquina para lavar frascos;

• Terminal de computadores.

O sistema de distribuição por dose unitária apresenta as seguintes vantagens.

• Identificação do medicamento ate o momento de sua administração, sem necessidade de transferência e cálculos;

• Auxílio no controle da infecção hospitalar devido à higiene e à organização no preparo de doses;

• Grande adaptabilidade a sistemas automatizados e computadorizados;

• Faturamento mais exato do consumo de medicamentos utilizados por cada paciente;

4 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores

• Maior segurança para o médico em relação ao cumprimento de suas prescrições;

• Participação efetiva do farmacêutico na definição da terapêutica medicamentosa. Redução da incidência de erros de administração de medicamentos;

• Redução do tempo da enfermagem com atividades relacionadas ao medicamento permitindo maior disponibilidade para o cuidado do paciente;

• Diminuição de estoques nas unidades assistenciais com conseqüente redução de perdas;

O sistema de distribuição apresenta as seguintes desvantagens.

• Dificuldade de se obter no mercado farmacêutico todas as formas e dosagens para uso em dose naturais;

(Parte 1 de 3)

Comentários