(Parte 1 de 3)

Siste ma circulatório - realiza o trans porte que per mite troc as.

Vál vu las são pregas datúnicaínti ma-som ent e m veias. Na 4ª vé rtebralom bar surge m as ar térias ilíacas com uns

Na 4ª vé rtebralom bar surge m as ar térias ilíacas com uns De E.

Acap acidad e dosiste ma ve nos oé mai or que o ar terial.

San gu e: plas ma + ele mentos figu rad os - eritrócitos, leucócitos e plaq uetas.

He mop oi ese-for maç ão decélulas san gu íneas.

O passo inicial na abordage m do choque e m u m doente trau matizado é reconhecer sua presença. Nenhu m teste laboratorial diagnostica i mediata mente o choque. O diagnóstico inicial é baseado na avaliaçãoclínica.

É u ma anor malidade do siste ma circulatório, que resulta e m perfusão orgânica inadequada e conseqüente menteorgânica inadequada e conseqüente mente u ma di minuição de oxigênio paracélulase tecidos.

•Falha no mecanismo que bombeia o sangue (coração);

•Problemas nos vasos sangüíneos (alteração

•Problemas nos vasos sangüíneos (alteração na resistência da parede vascular);

•Baixo nível de fluido no corpo (sangue ou líquidos corporais).

• C H O QUE HIP OV OLÊ MIC O: He morrágico e não

He morrági co: perda de sangu e, plas ma ou líqu idos extracelulares;

• C H O QUE CARDI O GÊNIC O: baixo rend i ment o cardíaco (ins uficiênc ia mioc árdi ca);

(ins uficiênc ia mioc árdi ca);

• C H O QUE DISTRIBUTIV O: di minui ção do tôn us va scul ar. Divi di do e m:

• C H O QUE OBSTRUTIV O: obstruç ão mecânica do fluxo sangüí ne o.

Volume sangüíneo di minuído

Retorno venoso di minuído

Choque HipovolêmicoChoque Hipovolêmico

Volume sistólico di minuído

Débito cardíaco di minuído

Perfusão tecidual di minuído

• He morragia: É definida co mo u ma perda significativa de sangue. O volu me sanguíneo de u m adulto nor mal é aproxi mada mente 7 % doseu pesocorporalideal,e mcriançasconsidera-se8à9 %dopesocorporalou80à90 ml/Kg.%dopesocorporalou80à90 ml/Kg.

• Causas: Trau mas, varizesesofagianassangrantes, aneuris madeaorta,etc.

Nos casos de Diabetes Mellitus e Insipidus, quei maduras, desidratação, diarréias, etc.

Classe I – 15 % da vole mia, nor mal mente assinto mática(Doadoresdesangue);

Si nais de si nto mas: Taquicardia > 100 bp m, taquipnéia 20-30rp m, ansiedade, volu me urinário de20-30 ml/h.

Trata me nto: Reposição de volu me(Ringer, SF 0,9 % eoutros).

Ø ClasseIII– 30% a 40% da vol e mia.

Si n ai s de si nt om as: Taqui cardia > 120 bp m,taqui pné ia 30- 40 rp m, hi pot ens ão, conf us ão ment al, vol um e uriná rio de 05- 15 ml/h.

Tr at a me nt o: Reposição de vol um e (Ringe r, SF 0,9% ) e sangue .sangue .

Ø ClasseI V– aci ma 40% da vol e mia.

Si nai s de si nto mas: Taqui cardi a acentuada, taqui pnéia 35 rp m, hi potens ão severa, pele fria e pálida, depressão do S NC pode ndo che ga raocom a.

Trat a me nt o: Reposição de vol ê mica com sangue e correção cirúr gi ca da caus a.

• hipotensão • taquicardia

•pulso fino e taquicárdico

•pele fria e pegajosa

•resfriamento das extre midades

• hipoter mia

•respiração superficial,

•pele fria e pegajosa •sudorese abundante

•Mucosas descoradas e secas

• palidez

• cianose

•respiração superficial, rápida e irregular

• sede

•náuseas e vômitos

•alterações neurossensoriais.

(Parte 1 de 3)

Comentários