telescópio de newton 10

telescópio de newton 10

(Parte 1 de 2)

Aula 10 – Telescópios História dos Telescópios

• O telescópio (refrator) foi inventado na Holanda, mas existe controvérsia sobre seu inventor. A invenção normalmente é designada a Hans Lippershey, um fabricante de óculos holandês, aproximadamente no ano de 1608.

• Em 1609, o italiano Galileo exibiu o primeiro telescópio que se tem registro.

Luneta Astronômica de Galileo. Com este instrumento, Galileo descobriu as manchas solares e as luas de Júpiter, entre outros.

• O alemão Johannes Kepler descobriu o princípio do telescópio astronômico com duas lentes convexas. Esta idéia foi empregada de fato em um telescópio construído por Christoph Scheiner, jesuíta alemão, aproximadamente em 1630. Por causa das dificuldades causadas pela aberração esférica, telescópios astronômicos tinham que ser construídos com uma considerável distância focal, alguns deles com até 61 m de comprimento.

• A invenção do vidro acromático em 1757 pelo britânico John Dollond e a melhoria do vidro óptico, que começou em 1754, permitiram logo a construção de refratários que melhoraram muito os telescópios. As lentes de Dollond eram de 7,5 - 10 cm, estes telescópios tiveram dimensões modestas.

• Métodos de fabricação que foram descobertos permitiram fabricar discos grandes de vidro no final do século XVIII por Pierre Louis Guinand, um suíço que foi associado do físico alemão Joseph von

Fraunhofer. A descoberta de Guinand permitiu a fabricação de telescópios tão grandes quanto 25 cm em diâmetro.

• o americano e astrônomo Alvan Clark, gradualmente alcançou o mais alto grau como fabricante de lentes para telescópios. Ele junto com seu filho Alvan Graham Clark construiu as lentes para os principais observatórios americanos, para o Observatório Russo Imperial em Pulkovo e para outras instituições européias.

• Um espelho côncavo é usado para formar uma imagem no telescópio refletor. Foram inventadas numerosas variedades deste telescópio e muitas das descobertas astronômicas mais importantes foram feitas com eles. No início do século XVII, o jesuíta italiano Niccolo Zucchi foi o primeiro a usar uma lente no olho para ver a imagem produzida por um espelho côncavo. Mas o matemático escocês James Gregory descreveu o primeiro telescópio com um espelho refletor em 1663.

• O matemático e físico inglês Isaac Newton construiu um telescópio refletor em 1668, mas a observação era difícil porque a ocular e a cabeça do observador cortavam uma porção grande dos raios incidentes. Gregory corrigiu esta dificuldade interpondo um segundo espelho côncavo que refletiu os raios para a ocular. Henry Draper, um dos astrônomos americano que começou cedo a construir um espelho refletor, usou um prisma de total reflexão em vez do espelho plano.

• O francês Giovanni D. Cassegrain inventou um telescópio aproximadamente em 1672 e usou um espelho convexo em vez de um côncavo, no lugar do prisma.

• O inglês William Herschel inclinou o espelho no telescópio dele e colocou a ocular de forma que isto não bloqueasse mais os raios incidentes. Os espelhos de Herschel eram tão grandes quanto 122 cm de diâmetro, com um tubo aproximadamente de 12,2 m de comprimento. Os espelhos para telescópios refletores eram feitos normalmente de metal de speculum, uma mistura de cobre e estanho, até que o químico alemão von Justus Liebig descobriu o método de depositar um filme de prata em uma superfície de vidro. Esse tipo de prateado de espelhos foi logo adotado por todos, porque não só facilitou a construção do espelho, como também foi possível a qualquer hora repratear os espelhos sem destruição de sua configuração. Pouco depois o prateamento foi substituído por alumínio que dura mais tempo.

• Em 1931, o alemão russo-nascido Bernhard Schmidt inventou uma combinação de telescópio refletor-refrator que pôde fotografar grandes áreas do céu com precisão. O telescópio de Schmidt é um exemplo que contém uma lente fina e um espelho côncavo com um prato corretor.

Telescópio Refrator (Luneta Astronômica)

O telescópio refrator utiliza o princípio da refração luminosa. Este instrumento possui uma lente objetiva que capta a luz dos objetos, e forma a imagem no foco. Logo atrás, temos uma segunda lente chamada de ocular. A ocular funciona como uma lupa, aumentando a imagem formada pela objetiva.

Importante notar que a imagem da luneta astronômica é invertida, ao contrário da imagem da luneta marítima.

A objetiva é um sistema convergente, de grande distância focal (denotada por F), a qual é da ordem de 1 a 20 metros. A idéia é que se forme uma imagem real de uma estrela no infinito. O aumento vai ser proporcional à distância focal da luneta, assim como o tamanho do tubo da mesma.

A imagem real deve ser formada de tal modo que possa ser observada por uma “lupa”, isto é, uma lente divergente, a qual chamamos de ocular. A ocular, que pode conter uma ou mais lentes, deve ter uma distância focal curta, de modo que o aumento resultante seja máximo. Para que se possa focalizar, isto é, coincidir os pontos focais da objetiva e da ocular, que movemos a ocular durante ma observação.

Podemos definir o Aumento como: A= a/a’ ; sendo a o diâmetro aparente da imagem e a’ o diâmetro aparente do objeto. Para o caso em que o foco da ocular (f) coincide com o foco da objetiva (F), temos que o aumento é A= F/f.

Tão importante quanto o aumento é a Luminosidade. Esta é a razão entre a luz que chega na objetiva (ou no espelho, como veremos) e a quantidade de luz que atinge a pupila do olho. Estabelecendo que o diâmetro da pupila dilatada é de 6mm, a luminosidade será calculada por: L=D2/36, onde D é o diâmetro da objetiva (ou do espelho).

Para não haver perda de luminosidade, o diâmetro da “pupila de saída”, isto é, da ocular, deve ser da ordem de 6mm.

Quanto mais luminoso é um telescópio, mais luz ele pode captar, de modo que objetos de alta magnitude (baixo brilho) serão mais facilmente observados. Por exemplo, para se observar estrelas 4 vezes mais luminosas, é necessário duplicar o tamanho da objetiva ou do espelho (e isto independe do aumento).

A objetiva é composta por duas lentes convergentes, sendo uma de característica biconvexa, mas cada lado com um raio de curvatura. Esta é feita de um vidro a base de cal, que dispersa o verde. Já a outra lente, pesada vista a grande quantidade de chumbo em sua composição, dispersa o violeta. Esta possui a característica de um menisco divergente, com uma face côncava e a outra ligeiramente convexa. A duas lentes são acopladas, mas jamais coladas.

Esquema de uma objetiva. Em verde a lente biconvexa e em violeta a lente menisco divergente.

A ocular foi desenvolvida principalmente por Huyghens e Ramsdem, cujo os modelos criados por estes até hoje são utilizados. No caso da ocular de Huyghens (ocular negativa), ambas as lentes possuem a convexidade voltadas para o objeto (vide ilustração, na direita), e a imagem é formada entre as lentes. Na ocular de Ramsdem, as convexidades estão voltadas uma para a outra, e a imagem se forma antes destas, isto é, mais perto da objetiva.

Aberrações:

A ilustrações abaixo mostram as possíveis aberrações de uma lente simples, as quais indeferem a observação astronômica.

Aumento e poder de Resolução

Quanto maior o aumento, menos nítida e mais escura é a imagem resultante. Para estabelecer este aumento, os fabricantes se utilizam do diâmetro da objetiva ou do espelho em milímetros multiplicados por 1,5 (condições normais), multiplicadas por 2,0 (ótimas condições da atmosfera e do equipamento) ou 2,4 (máximo). Assim, o aumento máximo de uma luneta de 75mm é de 180x.

Já na ocular, temos o aumento representado por números como 24x, 18x, etc. Isto equivale, por exemplo, a um aumento de 24 vezes por cada centímetro de abertura da objetiva ou do espelho. No entanto, as oculares de menor aumento, ou seja, mais fracas (2x, 4x) são melhores em condições atmosféricas desfavoráveis. Em geral o valor da ocular deve ser dividido por 2 devido a turbulência da atmosfera.

O poder de resolução significa o poder de separação de dois objetos aparentemente muito próximos no céu, isto é, com uma distância angular muito pequena. É proporcional ao diâmetro da objetiva ou do espelho. Uma fórmula prática é: P=240/D [segundos de arco], onde P é o poder separador, e D o diâmetro em milímetros da objetiva ou do espelho. Assim, se D=75mm, P=3 segundos de arco. O olho humano separa 60 segundos de arco.

Telescópios Refletores

Utilizam as mesmas relações que as lunetas, sempre se alterando a objetiva pelo espelho. As oculares são as mesmas. Possuem como principal vantagem à ausência de aberrações ópticas (a não ser defeitos na curvatura do espelho), visto que o espelho é de mais fácil construção e manutenção que as lentes. Como é muito mais fácil apoiar um espelho que uma lente, eles possuem um diâmetro muito maior que das lunetas, sendo assim mais luminosos e de melhor resolução.

Tipos de telescópios: Newtoniano (espelho esférico)

Cassegrain (espelho parabólico)

Schmidt: une uma objetiva e um espelho primário. E

Maksutov: pequena alteração no telescópio de Schmidt. Schmidt-Cassegrain: Mais utilizado atualmente.

Montagens

• Chamamos de Montagem para telescópio a estrutura destinada à sustentação do tubo e os demais acessórios ópticos que compõem o telescópio.

• Uma montagem que apresenta uma estrutura muito leve permite que qualquer toque ou mesmo uma leve brisa transmita uma vibração ao telescópio prejudicando a visão dos objetos. Uma boa montagem deve apresentar uma estrutura forte e proporcional às dimensões do tubo.

• Além disso a montagem deve apresentar movimentos suaves o que implica uma certa precisão por parte de seus eixos.

A montagem deve facilitar a observação, assim, em geral, são feitas de modo a se utilizar o sistema de coordenadas astronômicas. O esquema abaixa indica uma montagem genérica, que mostra como coincidir o movimento do telescópio com o movimento aparente dos astros.

A partir desta montagem genérica, podemos partir para as montagens específicas:

• Montagem Azimutal: Trata-se do tipo de montagem mais simples e barata. Nesta montagem o telescópio gira em torno de um eixo vertical que faz que o tubo realize um movimento paralelo ao horizonte. A montagem apresenta também um outro eixo na posição horizontal que permite um movimento de altura. Esse tipo de estrutura normalmente é montada sobre um tripé simples, o que a torna uma montagem leve e de fácil manuseio. Entretanto este tipo de montagem apresenta algumas limitações para fins astronômicos, pois ela não acompanha o movimento aparente dos astros (provocado pela rotação da Terra). Para acompanhar um determinado astro e mantê-lo centralizado no campo de visão, é preciso acionar ambos os movimentos. Por esses motivos a montagem azimutal apresenta um bom desempenho em observações terrestres e para observações celestes que não apresente necessidade de grande precisão no acompanhamento.

• Montagem Equatorial: também apresenta dois eixos ortogonais. Um desses eixos chamado de eixo de ascensão reta ou polar, é posicionado de forma paralela ao eixo de rotação da Terra, permitindo assim o acompanhamento dos astros por meio de um único movimento. O outro eixo chamado de declinação é colocado perpendicularmente ao eixo polar. Esse tipo de montagem apresenta uma construção bem mais complexa que a azimutal, pois exige grande precisão nos eixos, no sistema de engrenagens e motorização responsáveis por um preciso acompanhamento. A montagem deve ser sustentada por uma estrutura bem robusta e pesada como tripés apropriados ou mesmo pedestais fixados ao solo. Para funcionar corretamente a montagem deve apresentar um posicionamento preciso, com o eixo polar voltado para o ponto cardeal sul (para os países do hemisfério sul) e com a inclinação correspondente com a latitude no local. Esta montagem também trabalha com círculos graduados (ascensão reta e declinação) que permitem fazer a localização de objetos por meio de coordenadas. Possui inúmeras variantes, entre eles, a montagem de Chassi e de Berço, próprias para telescópios profissionais, de grande porte.

Equatorial germânica, acima e equatorial do tipo berço, ao lado.

Por que colocar telescópios no espaço?

As turbulências atmosféricas causam a cintilação das estrelas, bem como uma redução na definição das imagens de planetas e de objetos distantes. Dentre as muitas técnicas desenvolvidas para minimizar os efeitos da atmosfera, a mais satisfatória é a chamada óptica ativa, na qual o espelho primário é composto de uma série de segmentos hexagonais, os quais se movimentam de forma coordenada, sendo o efeito final uma constante mudança na curvatura do espelho, driblando assim, com consideráveis limitações, os efeitos da atmosfera.

Assim, colocar o telescópio no espaço elimina completamente estes problemas.

Telescópio Hubble

• Telescópio refletor, de espelho esférico (newtoniano) de 2,4 m; • Baixa órbita da Terra (600km de altitude);

• Lançado em 25/04/1990;

• Teve manutenção em dez/93 e fev/97;

• Órbita com duração de 97 min;

• Tem 1 ton e 13,3 m de comprimento.

• Como instrumentos de detecção, utiliza câmeras CCD (coupled charged device) de alta definição (20 microsegundos) no visível, no ultravioleta e infravermelho próximos. Utiliza espectrômetros de alta sensibilidade também na região do ultravioleta e infravermelho próximo.

Radiotelescópios

A atmosfera terrestre é transparente para alguns comprimentos de onda e opaca para outros. O gráfico abaixo exibe isto claramente:

Como se pode perceber, a maior janela compreende justamente a região das ondas de rádio (entre 1MHz e 30GHz). Assim, é esta região a qual podemos observar, da superfície da Terra, uma maior quantidade de fenômenos.

• A Rádio-Astronomia teve seus primórdios na última década do século

XIX poucos anos depois da descoberta das ondas de rádio por Hertz. Sir Oliver Lodge, na Inglaterra, previu a possibilidade de detectar ondas hertzianas solares em 1894. Suspeita-se ter ele tentado fazer ensaios, sem resultados.

• Em 1905 na França, Charles Nordmann, orientado por Henri

Poincaré, publicava resultados inconclusivos sobre identificação de ondas hertzianas solares usando antena com dezenas quilômetros de fios sobre as geleiras do Monte Branco, nos Alpes.

• Em 1932 Karl Jansky, pesquisando a origem de ruido estático em 20

Mc/s, para os laboratórios da Bell, nos USA, arriscou afirmar que sua origem era extraterrestre, com máximo na passagem do plano da Via Láctea pelo eixe da antena. Foi o marco inicial da rádio-astronomia.

• Paralelamente, ainda nos fim dos anos 30 um rádio-amador norteamericano entusiasta, Grote Reber, construiu o primeiro rádiotelescópio propriamente dito, publicando em 1940 os primeiros resultados sobre “estática cósmica” e o primeiro rádio-mapa da nossa Galáxia.

O refinamento da resolução é feito a partir do uso de técnicas de interferometria, nas quais vários radiotelescópios têm seus sinais ligados de modo a se sobreporem, eliminando assim os ruídos e melhorando a definição:

Foram os radiotelescópios os responsáveis pela descobertas dos pulsares e dos Quasares, estes últimos os objetos mais luminosos e distantes já detectados no universo.

(Parte 1 de 2)

Comentários