Anarquia e Cristianismo - Jacques Ellul

Anarquia e Cristianismo - Jacques Ellul

(Parte 1 de 4)

Anarquia e Cristianismo

Jacques Ellul

Nota do tradutor

Desde já adianto que este é um trabalho amador. O meu, não o de Jacques Ellul. Quando comecei a ler o livro, após o terceiro ou o quarto parágrafo, já pensava “fulano, sicrano e beltrano deviam ler este livro!”, mas eu sabia que eles talvez não tivessem tempo, paciência ou mesmo o conhecimento para um livro em inglês. Aí começou a minha vontade traduzi-lo.

Obviamente, não pensei nesse trabalho apenas para meus amigos, mas para que esta obra pudesse atingir mais pessoas, que ela se tornasse mais acessível, e essa é a minha única intenção. Que através destas linhas, mais e mais pessoas se tornem conscientes do amor de Deus, e, aquelas que já O conhecem, que possam se tornar livres da opressão que vivemos.

Tentei passar ao leitor o que eu também aprendi ao traduzir esta obra. Todas as anotações que eu fiz, simbolizei com o (N. do T.), as demais, são todas de Ellul.

Agradeço aqui ainda, a Deus, pelo seu amor, pela libertação e pelas minhas capacidades. Agradeço também à minha companheira e esposa, Cibele, que da maneira dela, esteve ao meu lado me apoiando, me ouvindo falar sobre o livro incessantemente, e, de noite, ao dormir, não se incomodou com o tec-tec das teclas do computador.

“...e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.” (Jo 8:32)

Filipe Ferrari, 13 de agosto de 2009 – filipe.ferrari@gmail.com

INTRODUÇÃO

A questão que estou querendo discutir aqui, é muito difícil, pois opiniões firmes têm sido alcançadas por ambos os lados e nunca foram sujeitadas a um mínimo exame. É tido como certo que anarquistas são hostis a todas as religiões (e cristianismo é classificado como uma). Também é garantido que cristãos devotos abominam a anarquia como fonte de desordem e negação de uma autoridade estabelecida. São essas crenças simplistas e incontestadas que me proponho a mudar. Entretanto, pode ser útil dizer de onde eu venho, como os estudantes costumavam dizer em 1968. Sou cristão, não por ascendência, mas por conversão.

Quando era jovem, tinha um horror por movimentos fascistas. Demonstrei contra as “Cruzes em chamas”1 em 10 de fevereiro de 1934. Intelectualmente, eu era muito influenciado por Marx. Eu não nego que isto foi devido mais a considerações familiares do que intelectuais. Meu pai perdeu o emprego depois da crise de 1929, e tivemos que aprender como era estar desempregado em 1930. Também houveram circunstâncias individuais. Como estudante, entrei em conflito com a polícia (em greves, por exemplo), e comecei a abominar não só o sistema capitalista como também o Estado. A descrição nietzschiana do Estado como o monstro mais indiferente de todos os monstros indiferentes me pareceu ser básica.

Embora eu gostasse das análises de Marx, incluindo sua visão de uma sociedade na qual o Estado seria extinguido, foram parcos os meus contatos com comunistas. Eles me enxergavam como um pequeno-burguês intelectual, pois eu não demonstrava total respeito pelas ordens de Moscou, e os considerava insignificantes, pois não demonstravam ter um verdadeiro conhecimento do pensamento de Marx. Eles leram o manifesto de 1848, e foi tudo. Eu rompi com eles totalmente depois dos ensaios de Moscou, não favoráveis a Trotsky, pelos marinheiros de Cronstadt2 e o governo Makhno me pareceu ser verdadeiramente revolucionário, e não pude perdoar seu esmagamento, assim como não pude acreditar que os grandes companheiros de Lênin eram traidores, anti-revolucionários, etc. Para mim, a condenação dos marinheiros foi simplesmente outra manifestação do monstro indiferente. Também vi que houve, sem grandes dificuldades, uma transição da ditadura do proletariado à uma ditadura sobre o proletariado. Posso garantir que ninguém que estivesse disposto poderia perceber em 1935 e 1936, o que seria denunciado vinte anos depois. Ademais, nada havia sobrado dos dois princípios básicos do internacionalismo e do pacifismo, que deveria ter resultado em anti-nacionalismo.

Minha admiração por Marx também foi atingida pelo seguinte fato. Ao mesmo tempo em que eu lia Marx, também lia Proudhon, que não me impressionava tanto, mas que eu gostava muito, então me escandalizei com a atitude de Marx em relação a ele em sua disputa3. Por fim, o que me levou a detestar comunistas foi a sua postura durante a Guerra Civil Espanhola, e o terrível assassinato dos anarquistas de Barcelona.

Muitas coisas, incluindo contatos naquele tempo com anarquistas espanhóis, me atraíram para o anarquismo. Mas havia um obstáculo insuperável – eu era cristão. Eu vim de encontro a este obstáculo toda minha vida. Por exemplo, em 1964, fui atraído por um movimento muito próximo do anarquismo, o situacionismo. Tive muitos contatos amigáveis com Guy Debord, e um dia eu perguntei abruptamente se eu poderia me juntar ao seu movimento e trabalhar com ele. Guy respondeu que poderia perguntar aos seus camaradas. Sua resposta foi franca. Como eu era um cristão, não poderia pertencer ao seu movimento. De minha parte, não poderia renunciar minha fé. Reconciliar as duas coisas não era um problema fácil. Era possível conceber ser um cristão e um socialista. Houve um socialismo cristão por muitos anos, e aproximadamente em 1940 um socialismo moderado clamou seus ensinamentos morais da Bíblia. Mas parecia difícil ir além disso. Dos dois lados a incompatibilidade parecia ser absoluta.

Embarquei então em uma longa jornada espiritual e intelectual, não para reconciliar as duas posições, mas para ver se eu estava esquizofrênico. O estranho resultado foi que quanto mais eu estudava e mais eu entendia seriamente a mensagem bíblica em sua totalidade (e não simplesmente o “evangelho gentil” de Jesus), mais eu via o quanto impossível era conceder simples obediência ao Estado, e como havia na Bíblia uma orientação para um certo anarquismo. Naturalmente, era uma visão pessoal. Nesse ponto, reparti a companhia com o teólogo que havia me formado, Karl Barth, que continuava a defender a validade da autoridade política. Mas durante os últimos anos, passei por outros estudos apontando na mesma direção, especialmente nos EUA: Murray Bookchin, que claramente admite que a origem do cristianismo estava no pensamento anarquista, e Vernand Eller. Não devo esquecer o pioneiro, Henri Barbusse, que não era um anarquista de fato, mas cujo trabalho sobre Jesus mostrava claramente que Jesus não era um simples socialista, mas um anarquista – e quero salientar aqui que considero o anarquismo como a forma mais completa e mais séria de socialismo. Devagar então, e por conta própria, não emocionalmente, mas intelectualmente, cheguei à minha presente posição.

Preciso esclarecer mais um ponto antes de começar meu assunto. Qual é o meu propósito ao escrever estas páginas? Penso que isso é importante para evitar qualquer equívoco. Primeiro, isso deve ficar claro, não tenho nenhum objetivo proselitista. Não estou tentando converter anarquistas à fé cristã. Isto não é simplesmente uma questão de honestidade. Repousa em bases bíblicas. Por séculos as igrejas têm pregado que devemos escolher entre danação e conversão. Com bons pregadores e missionários zelosos, conversões têm acontecido a todo custo para salvar almas. Ao meu ver, entretanto, isso é um erro. Para ter certeza, há versículos que nos dizem que ao crermos, seremos salvos. Mas o ponto fundamental aqui é esquecido, de que não devemos pegar versículos fora de seu contexto (a história ou o argumento) ao qual pertencem. Minha crença própria é de que a Bíblia proclama uma salvação universal na qual Deus em graça garante a todos nós. Mas o que dizer de conversão e de fé? Isso é outra questão. Não tem muito a ver com salvação, a despeito do senso comum. Isso é uma tomada de responsabilidade. Depois da conversão, nos comprometemos com um certo padrão de vida e a um certo dever que Deus requer de nós. Assim, aderir a fé cristã não é de forma alguma um privilégio em relação a outras pessoas, mas uma responsabilidade a mais, um novo trabalho. Não estamos, então, a empenhar-nos no proselitismo.

Por outro lado, não estou de maneira alguma tentando dizer aos cristãos que eles devem tornar-se anarquistas. Meu ponto é simplesmente esse. Entre as opções políticas, se eles tomarem um caminho político, não deveriam excluir o anarquismo de primeira, ao meu ver, ele parece ser a posição mais próxima do pensamento bíblico. Naturalmente, sei que tenho poucas chances de ser ouvido, pois não é fácil ignorar preconceitos seculares inveterados. Devo também dizer que meu objetivo não é que os cristãos devam tomar essa posição como um dever, pois novamente, apesar da visão de muitos séculos, a fé cristã não nos traz um mundo de deveres e obrigações, mas sim uma vida de liberdade. Não sou eu quem digo isso, mas Paulo em muitos lugares (por exemplo: 1 Coríntios).4

Terceiro, não estou tentando reconciliar as duas formas de pensamento e de ação, duas atitudes de vida, as quais eu mantenho. Agora que o cristianismo não é mais dominante na sociedade, é uma mania estúpida da parte dos cristãos agarrar-se a esta ou aquela ideologia e abandonar aquilo que os embaraça no cristianismo. Por isso, muitos cristãos tornaram-se stalinistas após 1945. Eles enfatizaram qualquer coisa que o cristianismo dissesse sobre a pobreza, justiça social, sobre tentativas de mudar a sociedade e negligenciaram o que achavam desconfortável – a proclamação da soberania de Deus e a salvação em Jesus Cristo. Nos anos 1970, vimos a mesma tendência nas chamadas teologias da libertação. De uma forma extrema, foi encontrada a possibilidade de associação com movimentos revolucionários sul-americanos. Qualquer pessoa pobre era supostamente idêntica a Jesus Cristo. Assim, não há problema. Ao evento de dois mil anos atrás, pouca atenção é dada. Essas orientações foram largamente precedidas pelo protestantismo racional do começo do século XX, com suas simples suposições que a ciência sempre está certa, e tem a razão, e que para preservar a Bíblia e o Evangelho, devemos abandonar tudo o que for contrário à ciência e à razão, por exemplo, a possibilidade de Deus ter encarnado em um homem, juntamente com os milagres, a ressurreição, etc.

Finalmente, no nosso tempo, encontramos novamente a mesma atitude conciliatória de abandono de uma parte do cristianismo, dessa vez, em favor do Islã. Cristãos querem apaixonadamente se entender com muçulmanos, e em conversações (das quais eu participei), insistem fortemente em dois pontos de acordo, por exemplo, que as duas religiões são monoteístas e ambas são religiões do livro5, etc. Nenhuma referência é feita ao ponto de conflito, ou seja, Jesus Cristo. Eu me pergunto por que eles ainda chamam sua religião de cristianismo. Leitores estão prevenidos então, que eu não estou aqui para demonstrar um ponto de convergência entre anarquismo e a fé bíblica. Estou defendendo o que eu creio ser o sentido da Bíblia, o que pode se tornar para mim, a verdadeira Palavra de Deus. Acho que dialogando com aqueles que possuem diferentes visões, se for para ser honesto, devemos ser verdadeiros a nós mesmos, e não dissimular ou abandonar o que pensamos. Embora leitores anarquistas possam achar nestas páginas muitas declarações que lhes pareçam chocantes ou ridículas, isso não me preocupa.

O que, então, estou tentando fazer? Simplesmente apagar um grande desentendido pelo qual o cristianismo é culpado. Tem se desenvolvido uma espécie de corpo que praticamente todos os grupos cristãos aceitam, mas que não tem nada em comum com a mensagem bíblica, seja na Bíblia Hebraica, que chamamos de Antigo Testamento, ou nos evangelhos e epístolas do Novo Testamento. Todas as igrejas respeitam escrupulosamente e oferecem suporte à autoridade do Estado. Elas transformaram o conformismo em uma grande virtude. Elas toleraram injustiças sociais e a exploração de pessoas umas pelas outras, declarando que é vontade divina que alguns sejam senhores e outros servos, e que sucesso sócio-econômico é um sinal externo de bênçãos divinas. Elas inclusive transformaram uma Palavra de liberdade e libertação em moralidade, o mais espantoso aqui é que não pode existir uma moral cristã se realmente seguirmos o pensamento evangelizador. O fato é que é muito mais fácil julgar erros de acordo com uma moral estabelecida do que enxergar as pessoas como um todo vivo e entender porque elas agem como agem. Finalmente, as igrejas instituíram um clero equipado com conhecimento e poder, embora isso seja contrário ao pensamento evangelizador, como foi inicialmente realizado quando os clérigos eram chamados de ministros, o ministério sendo serviço e o ministro um servo dos demais.

Por isso, devemos eliminar dois mil anos de erros cristãos acumulados, ou tradições enganadas,6 e não digo isso como um protestante acusando católicos romanos, pois somos todos culpados pelos mesmos desvios e aberrações. Não quero também dizer que serei o primeiro a fazer esse movimento, ou que eu descobri alguma coisa. Não pretendo ser capaz de desvendar coisas escondidas desde o princípio do mundo. A posição que eu tomo não é novidade no cristianismo. Primeiro irei estudar as fundações da relação entre cristianismo e anarquismo. Então, darei uma olhada na atitude dos cristãos dos três primeiros séculos. Mas o que eu escrevo, não é um ressurgimento súbito após dezessete séculos de obscurantismo. Sempre houve anarquismo cristão. Em todos os séculos houveram cristãos que descobriram a simples verdade bíblica, seja intelectual, mística ou socialmente. Entre eles, há grandes nomes, por exemplo, Tertuliano, Fra Dolcino, Francisco de Assis, Wycliffe, Lutero (exceto por dois erros, de recolocar o poder nas mãos dos príncipes e de apoiar o massacre de camponeses rebeldes), Lammenais, John Bost e Charles de Foucauld.

Para um estudo detalhado recomendo o excelente trabalho de Vernand Eller7. Esta obra traz à luz o verdadeiro caráter do anabatismo, que rejeita o poder das regras e que não é apolítico, como comumente se diz, mas verdadeiramente anarquista, ainda com a nuance que cito ironicamente, que os poderes divinos são um flagelo enviado para punir os ímpios. Cristãos, entretanto, se agirem de maneira correta e não forem ímpios, não precisam obedecer autoridades políticas, mas devem se organizar em comunidades autônomas à margem da sociedade e governo. Mesmo com maior rigor e estranhamento, aquele homem extraordinário, Cristoph Blumhardt, formulou um anarquismo cristão consistente próximo do fim do século XIX. Pastor e teólogo, ele aderiu à extrema esquerda, mas não se juntou ao debate de tomar o poder. No Congresso Vermelho8 ele declarou: “Estou orgulhoso de estar diante de você como um homem; e se a política não consegue tolerar um humano como eu, então a política que se dane!” Essa é a verdadeira essência do anarquismo: tornar-se um ser humano, sim, mas um político, nunca. Blumhardt teve que deixar o partido!

No meio do século XIX Blumhardt foi precedido no caminho anarquista por Kierkegaard, o pai do existencialismo, que não se deixou ser enredado por qualquer poder. Ele é desprezado e rejeitado hoje como um individualista. Para ser claro, ele condenou impiedosamente as massas e toda autoridade, mesmo a baseada na democracia. Uma de suas frases foi “não há engano ou crime mais horrível para Deus do que aqueles cometidos pelo poder. Por que? Porque o que é oficial é impessoal, e ser impessoal é o maior insulto que pode ser feito a uma pessoa.” Em muitas passagens Kierkegaard se mostra como um anarquista, embora naturalmente, não use o termo, pois este ainda não existia.9

Finalmente, a prova mais convincente de Eller é que Karl Barth, o grande teólogo do século XX foi um anarquista antes de ser um socialista, mas favorável ao comunismo, do qual se arrependeu. Esses simples fatos mostram que meus estudos não são uma exceção no cristianismo.

Juntamente com os ilustres intelectuais e teólogos, não devemos esquecer os movimentos populares, a constante existência de pessoas humildes que viveram uma fé e uma verdade que era diferente daquela proclamada pela igreja oficial, e que achava sua fonte direta mais no Evangelho do que no movimento coletivo. Essas vítimas humildes mantiveram uma fé real e viva sem serem perseguidas como hereges, pois não causaram escândalos. O que estou adiantando, não é uma redescoberta da verdade. Ela sempre foi mantida, mas por um pequeno número de pessoas, na maioria anônimas, embora seus traços permaneçam.10 Elas sempre estiveram lá mesmo que constantemente apagadas pelo cristianismo oficial e autoritário dos dignitários da Igreja. Sempre que tentaram lançar uma renovação, o movimento começado nas bases do Evangelho e de toda a Bíblia foi rapidamente pervertido e reencontrou seu caminho na conformidade oficial. Isso aconteceu com os franciscanos após Francisco de Assis e aos luteranos após Lutero. Externamente, então, elas não existiram. Apenas vemos e conhecemos a pompa da grande Igreja, as encíclicas pontíficas e as posições políticas dessa ou daquela autoridade protestante.

Eu tenho um conhecimento concreto disso. O pai de minha esposa, que foi um não-cristão obstinado, me contou quando tentei explicar para ele a verdadeira mensagem do Evangelho, que fui o único a lhe dizer isso, que ele só ouvira isso de mim, e o que ouvia nas igrejas era o extremo oposto. Agora, eu pretendo não ser mais o único a dizer isso. Agora há uma corrente fiel subterrânea, mas não menos invisível ao fiel. É isso que está mantendo a Palavra bíblica. Isso, e não o resto – a pompa, os espetáculos, declarações oficiais, o simples fato de organização de uma hierarquia (que o próprio Jesus claramente não criou), uma autoridade institucional (que os profetas nunca tiveram), um sistema judicial (ao qual os verdadeiros representantes de Deus nunca tiveram recurso). Essas coisas visíveis são o aspecto sociológico e institucional da Igreja, porém, não mais; eles não são a Igreja. Para quem está de fora, eles obviamente são a Igreja. Embora, não possamos julgar pessoas de fora quando elas mesmas julgam a Igreja. Em outras palavras, anarquistas estão certos em rejeitar o cristianismo. Kierkegaard foi o atacante mais violento de todos. Aqui quero deixar outra observação e dissipar alguns equívocos. Eu não vou tentar justificar o que é dito pela Igreja oficial ou pela maioria destes que são chamados de cristãos sociológicos, esses que dizem serem cristãos (felizes em diminuir números, e são eles que deixam a Igreja em tempos de crise) e aqueles que se comportam precisamente de uma maneira não-cristã, como os patronos da Igreja no século XIX, que usavam certos aspectos do cristianismo para aumentar o seu poder sobre outros.

I – ANARQUIA DE UM PONTO DE VISTA CRISTÃO

1 – O que é anarquia?

Existem diferentes formas de anarquia e diferentes correntes. Primeiramente, devo dizer qual é o meu contexto de anarquia. Por anarquia, eu primeiro me refiro à não-violência. Portanto, não posso aceitar niilistas ou anarquistas que escolhem a violência como maneira de ação. Eu certamente entendo o recurso da violência, da agressão. Lembro-me de passar pela Bolsa de Paris e dizer a mim mesmo que uma bomba poderia ser colocada ali. Isso serve como um símbolo e um aviso. Não conhecendo ninguém que fabricasse uma bomba, não fiz nada!

O recurso à violência é explicável, penso eu, em três situações. Primeiro, temos a doutrina dos niilistas russos que se a ação é usada sistematicamente para matar aqueles que mantém o poder – ministros, generais e chefes de polícia – a longo prazo as pessoas terão tanto medo em assumir as funções do Estado, que este combalirá e será facilmente derrubado. Achamos algo parecido nos terroristas modernos. Entretanto, esta linha de pensamento subestima a habilidade dos órgãos do poder, assim como da sociedade, de resistir e reagir.

Então, há desespero quando a solidez do sistema é vista, quando a impotência de estar cara-a-cara com uma administração, ou um sistema econômico invencível (quem pode prender multinacionais?), e a violência é uma espécie de choro de desespero, um último ato no qual um esforço é feito para dar expressão pública a uma discussão ou uma odiada opressão. É o nosso desespero presente que está chorando alto, mas também é a confissão de que não há outra maneira de ação e não há razão para a esperança.

Finalmente, há o oferecimento de um símbolo ao qual eu já fiz uma alusão. Um aviso é dado que aquela sociedade é mais frágil do que se supõe e que forças secretas estão trabalhando para derrubá-la.

Não interessa, entretanto, qual seja a motivação para a violência ou agressão, eu sou contrário. Sou contrário em dois níveis. O primeiro é simplesmente tático. Vemos que movimentos não-violentos, quando bem geridos (e isso requer uma disciplina forte e boa estratégia), são muito mais efetivos do que movimentos violentos (a não ser quando uma verdadeira revolução é deflagrada). Não pensamos apenas no sucesso de Gandhi, mas mais perto de casa é evidente que Martin Luther King fez muito pelo avanço da causa dos negros americanos, considerando que movimentos posteriores, como os Panteras Negras e os muçulmanos negros, que quiseram avançar rapidamente através do uso da violência, não apenas não ganharam nada como inclusive perderam alguns dos avanços conseguidos por King. Igualmente, os movimentos em Berlim em 1956, depois na Hungria e na Tchecoslováquia, todos falharam, mas Lech Walesa, ao impor uma forte disciplina de não-violência no seu sindicato se manteve firme contra o governo polonês. Uma das falas do grande líder sindical dos anos 1900-1920 foi: “greves, sim, mas violência, nunca”. Finalmente, embora isso seja discutível, o grande chefe zulu na África do Sul, Buthelezi, apoiava uma estratégia de total não-violência, o oposto de Mandela (da tribo Xhosa), e por tudo, poderia fazer infinitamente mais pelo fim do Apartheid do que o que foi alcançado pela violência errática (muitas vezes entre negros) do Congresso Nacional Africano. Um governo autoritário só pode responder à violência com violência.

Minha segunda razão é obviamente cristã. Biblicamente, amor é o caminho, não violência (a despeito das guerras narradas na Bíblia Hebraica,11 as quais eu francamente confesso serem bastante embaraçosas).12 Não usar a violência contra aqueles que estão no poder, não significa não fazer nada. Irei demonstrar que o cristianismo significa uma rejeição ao poder e uma luta contra o mesmo. Tal fato foi completamente esquecido durante os séculos da aliança do trono com o altar, ainda mais quando o papa se tornou o líder de um Estado, e por vezes agiu mais dessa maneira do que o líder da Igreja13.

Se eu excluir o anarquismo violento, ainda fica o pacifista, anti-nacionalista, anti-capitalista, moral e anti-democrático anarquismo (que é hostil à falsa democracia criada pelos estados burgueses). Subsiste ainda o anarquismo que age pelos meios de persuasão, pela criação de pequenos grupos e redes, denunciando falsidade e opressão, visando uma real derrubada de todos os tipos de autoridade, com as pessoas falando ao fundo e se organizando. Tudo isso é muito próximo a Bakunin.

Entretanto, ainda há o ponto delicado da participação em eleições. Os anarquistas devem votar? Caso sim, devem formar um partido? De minha parte, assim como muitos anarquistas, eu acho que não. Votar é tomar parte na organização da falsa democracia que foi instaurada forçadamente pela classe média. Não importa se o voto é para a esquerda ou para a direita, a situação é a mesma. E, para organizar um partido, é necessário adotar uma estrutura hierárquica e o desejo de ter uma parte no exercício do poder. Não podemos esquecer em que grau a presença do poder corrompe. Quando os antigos socialistas e sindicalistas chegaram ao poder na França em 1900-1910, um forte argumento, é que eles se tornaram os piores inimigos do sindicalismo. Temos só que lembrar de Clémenceau e Briand. Esse é o porque, em um movimento muito próximo ao anarquismo, como os ecologistas, sempre me opus à participação política. Sou totalmente hostil aos movimentos verdes, e na França, temos visto muito bem quais são os resultados da participação política dos Ecolos (ambientalistas) em eleições. O movimento se dividiu em vários grupos rivais, três líderes declararam sua hostilidade publicamente, debates de falsas questões enevoaram o verdadeiro objetivo, dinheiro foi gasto em campanhas eleitorais e nada foi conquistado. De fato, a participação nas eleições reduziu fortemente a influência do movimento. O jogo político pode deixar de produzir importantes mudanças na sociedade e devemos rejeitar radicalmente tomar parte nisso. A sociedade é muito complexa. Interesses e estruturas estão extremamente integrados uns aos outros. Não podemos esperar modificá-los pelo caminho da política. O exemplo das multinacionais é o suficiente para nos mostrar isso. Na visão da economia global solidária, a esquerda não pode mudar a economia de um país quando está no poder. Aqueles que dizem que uma revolução global é necessária, se não vamos apenas mudar o governo, estão corretos.

Mas isso significa então que não devemos agir? Isso é constantemente ouvido quando avançamos em uma tese radical. Como se o único modo fosse a política! Eu creio que anarquia primeiramente implica em objeção consciente – a tudo que constitui nossa sociedade capitalista (ou socialista e degenerada) e imperialista (seja burguesa, comunista, branca, amarela ou negra). Objeção consciente é uma objeção não somente ao serviço militar, mas a todas as demandas e obrigações impostas pela nossa sociedade: impostos, vacinações, educação compulsória, etc.

Naturalmente, sou favorável à educação, mas apenas se adaptada à criança e não obrigatória quando as crianças são obviamente não preparadas para aprender dados intelectuais. Temos de moldar a educação de acordo com os dons das crianças.

No que diz respeito à vacinação, tenho em mente um exemplo notável. Um amigo meu, um homem letrado, licenciado em matemática e anarquista (ou muito próximo de ser), decidiu retornar ao campo. Na dura região de Haut-Loire14, ele criou gado por dez anos nos altos planaltos. Ele se negou – esse é o ponto da história – a vacinação obrigatória contra doenças do casco e da boca, alegando que se ele os criasse cuidadosamente, distante de qualquer outro rebanho, não haveria perigo de contrair qualquer doença. Foi aí que os problemas começaram a se tornar interessantes. Oficiais veterinários vieram até ele e lhe aplicaram uma multa. Ele levou o caso à corte, mostrando provas da incompetência e de acidentes ligados à vacinação. Ele perdeu a primeira, mas na apelação, com a ajuda de relatórios de biólogos e veterinários importantes, foi triunfantemente absolvido. Esse é um ótimo exemplo do caminho em que podemos encontrar um pequeno espaço livre em um emaranhado de regulamentos. Mas nós temos que querer, não desperdiçar nossas energias, e atacando um único ponto, vencendo por repelir a administração e suas regras.

Temos uma experiência parecida na luta contra a Comissão Costeira da Aquitânia15. Através de enormes esforços, conseguimos bloquear certos projetos, que seriam desastrosos para a população local, mas apenas sob julgamento, até mesmo nos níveis mais altos.16 Naturalmente, essas ações eram pequenas, mas, se realizássemos muitas delas, e fôssemos vigilantes, colocávamos em xeque a onipresença do Estado, apesar da “descentralização” promovida ruidosamente por Defferre, que fez a defesa da liberdade mais difícil. O inimigo hoje não é o Estado central17 mas a onipresença da administração. É essencial que apresentemos objeções a tudo, especialmente à polícia e à desregulamentação do processo judicial. Devemos desmascarar a falsidade ideológica dos vários poderes, e devemos especialmente mostrar a famosa teoria da regra da lei, que embala a democracia, que é uma mentira do começo ao fim. O Estado não respeita suas próprias regras. Devemos desconfiar de todas suas ofertas. Devemos sempre lembrar que quando ele paga, ele escolhe a música.

Recordo dos clubes de prevenção que fundamos em 1956 para lidar com jovens desajustados. Nossa premissa era que não eram os jovens os desajustados, mas a sociedade em si.18 Enquanto os clubes eram financiados por muitas maneiras, incluindo subsídio, eles iam bem e progrediam, não ajustando pessoas à sociedade, mas ajudando-as a formar suas próprias personalidades e substituir atividades destrutivas (drogas, etc.) por atividades construtivas e positivas. Entretanto, tudo mudou quando o Estado tomou para si o financiamento total, sob as idéias de Mauroy, o ministro, que tinha sua própria idéia de prevenção, criando o Conselho Nacional de Prevenção, que foi um desastre.

Um ponto importante que quero enfatizar é que houveram muitos esforços sugeridos ao longo das linhas. Tenho em mente um muito importante, que é a objeção aos impostos. Obviamente, se pagadores individuais decidirem não pagar seus impostos, ou não pagarem a parte proporcional a gastos militares, isso não é um problema para o Estado. Eles são presos e sentenciados. Numa questão dessa, muitas pessoas devem agir juntas. Se seis mil ou vinte mil pessoas se decidirem a fazer isso, o Estado é colocado em uma posição embaraçosa, especialmente se a imprensa for envolvida. Mas para fazer isso possível, deve haver uma lenta preparação: campanhas, conferências, tratados, etc.

Mais imediatamente praticável, embora precise também de muitos participantes, é a organização de uma escola por pais à margem da educação pública, assim como da educação privada oficial. Tenho em mente uma escola na qual os pais decidam a organização, instruindo em campos nos quais eles sejam capazes e tenham autorização para ensinar. Pelo menos, poderiam organizar uma escola alternativa como o Liceu de Saint-Nazaire fundado pelo irmão de Cohn Bendit. A melhor maneira seria uma gerida pelos representantes das partes interessadas: estudantes, pais e professores.

Sempre que tais empreendimentos são realizados, precisam ser organizados à parte de autoridades políticas, financeiras, administrativas e legalistas, com uma base totalmente individual. Um exemplo pessoal divertido vem dos tempos da guerra, quando éramos refugiados na área rural. Após dois anos, tínhamos a confiança e a amizade dos aldeões. Algo estranho então aconteceu. Os habitantes locais sabiam que eu tinha estudado leis e vieram me consultar e pedir que resolvesse disputas. Comecei então a ser advogado, juiz de paz e tabelião. Obviamente, esses serviços gratuitos não tinham valor perante a lei, mas tinham para as partes envolvidas. Quando pessoas assinavam um acordo selando uma disputa ou resolvendo um problema, todas elas consideravam as assinaturas não sem menos valor ou autoridade das que fossem oficiais.

Naturalmente, esses exemplos modestos de ações marginais que repudiam a autoridade não devem nos fazer negar a necessidade de uma difusão ideológica do pensamento anarquista. Creio que a nossa época é favorável para esse ponto de vista, dado o vácuo absoluto de um pensamento político relevante. Os liberais ainda imaginam estar no século XIX. Os socialistas não possuem um modelo real de socialismo para oferecer. Os comunistas são simplesmente ridículos e mal se reergueram do pós-stalinismo. Os sindicatos estão preocupados apenas em defender suas posições.19 Nesse vácuo, o pensamento anarquista tem a sua oportunidade caso se modernize e forneça suporte para grupos embrionários existentes, como os ecologistas.

Eu me encontro muito próximo de uma das formas de anarquismo, e creio que a luta anarquista é uma boa. O que me separa então, do verdadeiro anarquismo? Problemas religiosos à parte, que devemos pensar mais demoradamente, eu penso que o ponto de divisão é o seguinte. O verdadeiro anarquista pensa que a sociedade anárquica – sem Estado, sem organização, sem hierarquia e autoridades – é possível, razoável e praticável. Eu não. Em outras palavras, eu creio que a luta anarquista, a briga por uma sociedade anarquista é impossível. Ambos os pontos merecem explicação. Começarei com o segundo.

Na verdade a visão ou a esperança de uma sociedade sem autoridades ou instituições repousa na convicção de que as pessoas são naturalmente boas e que somente a sociedade é corrupta. No extremo disso, achamos certas declarações, tais como: a polícia provoca assaltos, acabe com a polícia e os assaltos cessarão. O que a sociedade faz, de fato, desempenha um papel preponderante na deturpação de indivíduos, isso parece claro o suficiente para mim. Quando há rigor, coação e repressão em excesso, de uma maneira ou de outra as pessoas precisam extravasar, geralmente por meio da violência e agressão. A deturpação atual no Ocidente toma outra forma, por meio da propaganda, que promove o consumo (e roubo, quando as pessoas não conseguem adquirir coisas), assim como a pornografia aberta e a violência na mídia. O papel dos meios de comunicação no aumento da delinqüência e no ódio aos demais é considerável. Entretanto, a sociedade não é totalmente responsável.

A política sobre drogas na Holanda mostra um importante exemplo. Face a face com o aumento do tráfico e uso de drogas, o governo holandês optou em 1970 por uma política diferenciada da encontrada em outros países. Para afastar a tentação do fruto proibido, o uso de drogas foi legalizado, e para fiscalizar a venda de drogas o governo abriu centros onde os usuários poderiam recebê-las de graça e com acompanhamento médico, as doses necessárias. Acreditava-se que isso poderia deter o comércio e seus males (a dependência aos traficantes, preços exorbitantes e os crimes para a obtenção de dinheiro). Também se acreditava que a ânsia por drogas poderia diminuir. Mas nada disso aconteceu. Amsterdam virou a capital das drogas, e o centro da cidade possui uma concentração horrível de viciados. O fim da repressão não acaba com as ânsias humanas. A despeito da crença no contrário, isso não é bom.

Minhas considerações sobre isso, não tem conexões sobre a idéia cristã de pecado. O pecado, efetivamente, só existe em relação a Deus. O engano de séculos de cristianismo foi considerar o pecado como uma falha moral. Biblicamente, esse não é o caso. Pecado é um rompimento com Deus e seus vínculos. Quando eu digo que as pessoas não são boas, não estou adotando um ponto de vista cristão ou moral. Estou dizendo que duas das grandes características humanas são cobiça e fome de poder. Encontramos esses traços sempre e em todo lugar. Se, então, damos às pessoas completa liberdade de escolha, elas vão inevitavelmente tentar dominar alguém ou algo, e irão inevitavelmente cobiçar o que pertence ao próximo, e é uma estranha forma de cobiça que nunca poderá ser satisfeita, pois uma vez que o objeto de desejo é conquistado, a atenção é dirigida para outra coisa. Rene Girard demonstrou muito bem quais são as implicações da cobiça20. Nenhuma sociedade é possível entre pessoas que competem por poder ou que cobiçam a mesma coisa. Nessa visão, uma sociedade anarquista ideal nunca poderia ser alcançada.

Isso poderia ser negado ao dizer que as pessoas são originariamente boas, e o que temos hoje é o resultado de séculos de declínio. Minha resposta então é que teríamos que ter um período transitório, pois tendências tão fortemente enraizadas não seriam erradicadas em uma geração. Por quanto tempo então devemos reter as estruturas e as autoridades necessárias esperando que estas adotem políticas justas e firmes o suficientes que nos direcionem no caminho certo? É nossa esperança o desaparecimento do Estado? Nos já temos a experiência de como essa teoria funciona. Devemos sempre lembrar que todo poder corrompe, e poder total, corrompe totalmente. Essa tem sido a experiência de todos os milenares e “cidades divinas”, etc.

De minha parte, o que parece ser justo e possível é a criação de novas instituições de nível de base. As pessoas podem montar as instituições apropriadas (como as citadas acima) que irão de fato substituir a autoridade e o poder que devem ser destruídos. No que diz respeito à realização, minha visão é próxima daquela dos anarco-sindicalistas de 1880-1900. Eles acreditavam que os sindicatos e salões trabalhistas deveriam substituir as instituições do Estado da classe média. Estes nunca deveriam funcionar de uma maneira autoritária e hierárquica, mas sim estritamente democrática, e deveria levar à federações, sendo a ligação federativa o único vínculo.

Nós sabemos, claro, o que aconteceu. No começo do ano de guerra, de 1914, a política deliberada foi a de remover os melhores anarco-sindicalistas, e o movimento sindical sofreu uma mudança radical com a nomeação de oficiais permanentes. Isso foi um grande erro. Imediatamente os sindicatos perderam seu caráter original, tornando-se solo fértil para uma elite proletária.

Em suma, não tenho fé em uma sociedade anarquista pura, mas creio na possibilidade de criar um novo modelo social. A única coisa é que temos que começar de novo. Os sindicatos, as uniões, descentralização, o sistema federativo – tudo se foi. O uso perverso destes os destruiu. O problema todo é urgente porque nossas formas políticas estão gastas e praticamente inexistentes. Nossos sistemas parlamentares e eleitorais e nossos partidos políticos são tão fúteis como ditadores são intoleráveis. Nada é deixado. E esse nada é cada vez mais agressivo, totalitário e onipresente. Nossa experiência hoje é de instituições políticas vazias, nas quais ninguém mais confia, de um sistema de governo que funciona apenas para os interesses de uma classe política, e ao mesmo tempo de um quase infinito crescimento de poder, autoridade e controle social, que faz qualquer uma de nossas democracias um mecanismo mais autoritário do que o Estado napoleônico.

Esse é o resultado da tecnologia. Não podemos falar de uma tecnocracia, pois os técnicos não estão oficialmente no poder. Entretanto, todo o poder do governo deriva da tecnologia, e detrás das cortinas, os técnicos provêm a inspiração e fazem as coisas acontecerem. Não há razão em discutir aqui o que todos sabem, o crescimento do Estado, da burocracia, da propaganda (disfarçada sob o nome de informação pública), do conformismo, da política expressa de nos transformar a todos em consumidores e produtores, etc. Para esse desenvolvimento praticamente não há resposta. Ninguém suscita a questão21. As igrejas mais uma vez traíram sua missão. Os partidos estão desatualizados no jogo. Nessas circunstâncias, considero a anarquia como o único desafio sério, como o único meio de alcançar sensibilização, o primeiro passo.

Quando falo de um desafio sério, o caso é que na anarquia não há possibilidade de reencaminhar o reforço do poder. Existe essa possibilidade no marxismo. A idéia da ditadura do proletariado pressupõe poder sobre o resto da sociedade. Não é um simples caso de poder da minoria sobre a maioria, ao invés do contrário. A questão é o poder de algumas pessoas sobre outras. Infelizmente, como eu já disse, não acho que podemos mesmo prevenir isso. Mas podemos lutar contra. Podemos nos organizar à margem. Podemos denunciar não apenas os abusos de poder, mas os abusos DO poder. Apenas a anarquia fala assim, e assim deseja.

Na minha visão, há mais a ser feito do que promover e estender o movimento anarquista. Ao contrário do que é pensado, o movimento pode ter uma audiência maior do que antes. A maioria das pessoas vivem negligentemente, curtidas, tornando-se terroristas, ou escravas da TV, do falatório político ou das políticas. Elas não vêem muita esperança para si. Estão também exasperadas pelas estruturas burocráticas ou pelos conflitos administrativos. Se denunciarmos isso, podemos ganhar a atenção do grande público. Em suma, quanto mais o poder do Estado e da burocracia cresce, mais a afirmação da anarquia é necessária, como a base, a última defesa do individual da humanidade. A anarquia deve recuperar a mordacidade e a coragem da humanidade. Ela tem um futuro brilhante pela frente. Esse é porque de eu adotá-la.

2. Queixas dos anarquistas contra o cristianismo.

Tentarei lembrar aqui dos ataques anarquistas do século XIX contra o cristianismo, e me explicar, sem dissimular o que deve ser dito realmente. Não é uma questão de justificar o cristianismo. Poderia começar relembrando a diferença que tenho dito em todos os lugares entre cristianismo (ou cristandade) e a fé Cristã como a encontramos na Bíblia22. Creio que os ataques ao cristianismo encontram-se em duas categorias: os essencialmente históricos e os metafísicos. Começarei com os primeiros.

A primeira tese básica é que religiões de todos os tipos geram guerras e conflitos que são afinal muito piores que os puramente políticos ou caprichosos conflitos de regras, pois nos religiosos, a questão da verdade é central, e o inimigo, sendo a encarnação do mal e da falsidade, tem que ser eliminado. Isso é completamente verdadeiro. Verdadeiro não somente se pensarmos nas religiões tradicionais, mas também nas religiões que as substituíram: a religião do nacionalismo, por exemplo, ou a do comunismo, ou aquela do dinheiro. Todas as guerras causadas em nome da religião são inexplicáveis, assim como foram as guerras romanas. Naquele caso a guerra foi tão atroz que o mal que isso causou não pode se tornar bom por meio de sacrifícios (pia-culum). Entretanto, nossas guerras são inexpiáveis porque o adversário deve ser totalmente esmagado, sem exceção ou piedade.

O exemplo para tais guerras pode ser encontrado na Bíblia, onde de vez em quando um herem23era declarado contra um inimigo do povo judeu, sendo o fato que esse povo hostil deveria ser destruído, mulheres e crianças e até mesmo seu gado. Naturalmente, os versículos que referem-se ao herem são um desafio complicado para aqueles que levam a Bíblia ao pé da letra.

Temos então as guerras travadas pelo Islã. Os princípios seguidos por eles são os seguintes. Todas as crianças que vêm ao mundo são muçulmanas por nascimento. Se elas param de ser, é culpa dos pais e da sociedade. O dever de todos os muçulmanos é trazer os outros à verdadeira fé. A esfera do Islã (a umma ou comunidade) é o mundo todo. Ninguém deve escapar. Por isso, o Islã deve conquistar o mundo. A idéia de uma guerra santa (jihad) é o resultado. Não insistirei nisso; é evidente e não é o meu foco. Islâmicos mostram cada vez mais que seus seguidores são fanáticos e que estão prontos tanto para morrer como para matar sem restrições.

Também houveram guerras “cristãs”. Não começaram senão no império carolíngio. As guerras travadas pelos imperadores cristãos de Roma (após Constantino) não foram religiosas. Como aquelas do século IV, aconteceram por conta da defesa das fronteiras do império. A idéia de guerra religiosa surgiu apenas no século VIII, após a desintegração do império e no período merovíngio. Minha visão pessoal é de que as guerras santas do cristianismo foram uma imitação do que o islã vinha fazendo há séculos. Guerra torna-se um meio de ganhar novos territórios e de forçar povos pagão a tornarem-se cristãos. O auge veio com Carlos Magno, consagrado “bispo externo”24, o qual a ação contra os saxões é bem conhecida. Tendo conquistado parte da Saxônia, deu aos seus habitantes a escolha de tornarem-se cristãos ou serem condenados à morte, e seis mil saxões foram massacrados. Seguiram-se então uma longa séries de Cruzadas, guerras internas, e nos séculos XVI e XVII as guerras da religião no stricto sensu entre Protestantes e Católicos, e todas suas atrocidades já familiares (por exemplo o partido de Cromwell). Por fim, temos as guerras “coloniais”, nas quais, na verdade, religião não era nada mais que um pretexto, disfarce ideológico ou justificação, então essas não foram realmente guerras religiosas, embora a religião estivesse fortemente implicada.

A religião é, então, uma fonte incontestável de guerras. Minha resposta pessoal é a seguinte. Há uma grande diferença entre uma religião que faz da guerra um dever sagrado ou um teste ritual (como entre tribos Indianas e Africanas), e uma religião que reprova, rejeita, condena e elimina toda violência. No primeiro caso há um acordo entre a mensagem central do que deve ser a verdade e a promoção de guerras. No segundo caso há uma contradição entre a revelação religiosa e o empreendimento de guerras. Até mesmo autoridades, intelectuais e a opinião pública à qual é levada a um esquecimento geralpela pregação belicista pode apoiar a legitimidadede uma guerra, e o dever dos que crêem frente a isso é relembrar o centro da mensagem espiritual e realizar uma contradição radical à falsidade da guerra. Naturalmente, isso é muito difícil. Os que crêem devem ser capazes de se desprender da sociologia atual e ter coragem de se opor a intelectuais e à turba. Esse é o problema para o cristianismo. Eu nunca entendi como a religião a qual o centro é o de que Deus é amor, e de que amamos nossos próximos como a nós mesmos, pode apoiar guerras que são totalmente injustificáveis e inaceitáveis frente às revelações de Jesus. Várias justificativas me são familiares, as quais consideraremos mais tarde. A realidade imediata, entretanto, é que a revelação de Jesus não deveria se tornar uma religião. Todas as religiões levam à guerra, mas a Palavra de Deus não é uma religião, e a mais séria de todas as traições foi transformá-la em uma.25

No que diz respeito à fé cristã, permanecem duas questões, ambas ligadas ao que segue. A primeira refere-se à verdade e a segunda à salvação. Temos visto que um dos ataques contra a religião é que essa diz ser a única verdade. Isso é correto, e o cristianismo não escapa ao ataque. Mas o que queremos dizer quando falamos sobre verdade cristã? O texto central é a fala de Jesus: “Eu sou a verdade”. Contrariando o que pode ter sido dito e feito depois, a verdade não é uma coleção de dogmas, concílios ou decisões papais. Não é doutrina. Não é nem mesmo a Bíblia considerada como um livro. A verdade é uma pessoa. Então, não é uma questão de aderir à doutrina cristã. É a questão de confiar em uma pessoa que nos fala. A verdade cristã pode ser agarrada, ouvida e recebida somente pela e na fé. Mas a fé não pode ser forçada. A Bíblia nos diz isso. Assim como o senso comum. Não podemos forçar uma pessoa a confiar em alguém quando há desconfiança. De maneira alguma, então, a verdade cristã pode ser imposta pela violência, guerra, etc. Paulo antecipou o que poderia acontecer quando nos aconselhou a praticar a verdade em amor. Temos que praticar isso, não adotar um sistema de pensamento. Isso significa que temos que seguir Jesus, ou imitá-lo. Mas essa verdade ainda é exclusiva. Por isso, nos é dito que seguremos essa verdade em amor. Isso é muito difícil. Na história da igreja, houve uma constante oscilação entre explorar a verdade sem amor (coação, etc.) e salientar o amor, mas negligenciando completamente o evangelho.

O segundo problema refere-se à salvação. Uma idéia fixada no cristianismo é que todos estão perdidos (ou condenados, embora este não seja um termo bíblico) a não ser que creiam em Jesus Cristo. Para salvá-los – e aqui torna-se um sério problema – devemos primeiramente declarar a eles salvação em Jesus Cristo. Sim, mas suponha que as pessoas não acreditem nele? Progressivamente a idéia surge como se tivéssemos que forçá-las a acreditar (como no caso de Carlos Magno ou as conquistas tais como no Peru, etc.). A força usada pode ser severa ao ponto da ameaça e realização de uma sentença capital. A grande justificativa (como no caso do Grande Inquisidor) é que a alma das pessoas deve ser salva. Comparado à felicidade eterna, o que importa a execução física? Essa execução pode até ser chamada de auto de fé.

Obviamente, temos aqui o oposto completo da pregação de Jesus, as epístolas de Paulo e também dos profetas. A fé deve nascer como um ato livre, não forçado. De outra maneira, não tem sentido. Como podemos pensar em um Deus que Jesus chamou de Pai, desejar uma fé sob coação? No que concerne à essas críticas do cristianismo e cristandade, é claro que cristãos que tentam ser fiéis à Bíblia irão concordar que os anarquistas estão certos em denuncias tais ações e práticas (como a política da violência, força e guerra).

A segunda crítica histórica aproxima-se da primeira. É sobre o conluio com o Estado. Desde os dias de Constantino (e durante muitos anos importantes historiadores duvidaram da sinceridade dessa conversão, vendo na mesma um ato puramente político) o Estado tem supostamente sido cristão.26 A igreja recebeu uma grande ajuda em troca. Assim, o Estado tem auxiliado a forçar pessoas a se tornarem “cristãs”. Foram dados importantes subsídios. Locais de culto foram salvaguardados. Privilégios foram garantidos ao clero. Entretanto, a igreja também teve que permitir que imperadores interferissem em sua teologia, às vezes decidir o que seria doutrina verdadeira, convocar concílios, supervisionar a nomeação de bispos, etc. A igreja também teve que apoiar o Estado. A aliança entre trono e altar não vem da Reforma, mas do século V. Tentativas foram feitas para se separar os dois poderes, o temporal e o espiritual, mas estes foram confundidos constantemente. Como eu citei anteriormente, o papa se tornou o papa interno, o imperador o externo. As muitas cerimônias (coroações, te déums), tinham em seu íntimo a idéia de que a igreja deveria servir ao Estado, ao poder político, e garantir a submissão do povo a isso. De sua maneira cínica, Napoleão disse que o clero controla o povo, os bispos o clero, e ele próprio os bispos. Ninguém mais poderia mostrar de maneira mais clara a situação real de que a igreja era um agente de propaganda do Estado. Obediência às autoridades era também um dever cristão. O rei era designado divinamente (embora tenha surgido uma dissidência sobre como confirmar isso), e dali em diante desobedecer o rei era desobedecer a Deus. Mas não podemos generalizar. Estou apontando aqui o que é ensino oficial, aquele do alto clero e da política da igreja (tanto entre ortodoxos como luteranos). Na base, entretanto, entre o baixo clero, a posição era muito menos certa. No que diz respeito ao período que eu conheço melhor27, nos séculos XIV e XV, na maioria das revoltas camponesas o clero marchou com seus paroquianos como revolucionários e freqüentemente encabeçava os levantes. Entretanto, o normal era se tornar um massacre.

Devemos nos perguntar se as coisas tornaram-se diferentes sob sistemas democráticos. Muito menos do que possamos imaginar! O pensamento central ainda é de que o poder vem de Deus. Conseqüentemente o Estado democrático também é de Deus. O estranho é que isso era uma idéia antiga. Desde o século IX alguns teólogos estabeleceram que todo poder vem de Deus através do povo. Francamente, entretanto, isso não levou diretamente à democracia. Em democracias “cristãs” encontramos uma aliança similar à já descrita, exceto pelo que a igreja agora tem menos vantagens. Em democracias laicas há uma teórica separação completa, mas esse não é o caso. A igreja tem demonstrado muita incerteza teológica nessa área. Na França, a igreja foi monarquista com os reis, imperialista com Napoleão e republicana com a República (com alguma hesitação por parte dos católicos romanos, mas não dos protestantes). O melhor exemplo é que a igreja, onde pode, se tornou marxista em territórios comunistas.

Sim, de fato, na Hungria e Tchecoslováquia, as igrejas reformadas tornaram-se abertamente comunistas com Hromadka e Bereczki. E na URSS não podemos esquecer que durante a guerra, em 1941, Stalin pediu apoio à Igreja Ortodoxa (através de empréstimos, por exemplo), e a igreja estava feliz em fazê-lo. A Igreja Ortodoxa, então, é uma apoiadora do regime. A Igreja Católica Romana é menos complacente, mas não devemos esquecer que com Hitler, se não ajudaram diretamente o regime, o apoiou na Alemanha. O papa fez até mesmo um acordo com Hitler. O caso é que não importa a forma de governo; nos altos escalões, e em suas diretivas, a igreja sempre está do lado do Estado.

(Parte 1 de 4)

Comentários