Dourado (Salminus maxilosus)

Dentre os milhares de peixes de água doce do Brasil, o dourado (Salminus maxilosus) é um dos mais famosos, principalmente entre os pescadores esportivos e os apreciadores de suas qualidades gastronômicas. Mas, na natureza, ele é muito mais do que isso. Com um corpo que pode chegar a 1 metro de comprimento, dentes afiados e mandíbulas potentes, o dourado é um dos mais importantes predadores ativos de nossos rios e, por isso, uma espécie-chave no equilíbrio ecológico dos ambientes onde vive. Infelizmente, porém, esse peixe, assim como tantas outras espécies, vem sendo vítima do desrespeito ao meio ambiente. Além da poluição e do assoreamento, presentes em boa parte dos rios brasileiros, há outros problemas não tão evidentes que afetam a sua sobrevivência. Um dos mais sérios é a presença de inúmeras barragens de usinas hidrelétricas ao longo de muitos rios. O dourado é um peixe de piracema, isto é, precisa subir os rios para desovar, mas as barragens impedem a sua passagem. Mesmo quando conseguem transpor esses obstáculos, através de passagens construídas especialmente para eles, os peixes acabam se desorientando do outro lado, por encontrarem água parada onde deveria haver correnteza. O resultado é que milhares de fêmeas nunca chegam ao seu destino, deixando de desovar.

Esse é um dos motivos para o desaparecimento quase total da espécie nos rios do estado de São Paulo, onde antes era abundante. No Pantanal, entretanto, o dourado ainda pode ser encontrado com facilidade. Uma boa alternativa para observar esses belos peixes de perto, em seu hábitat natural, é conhecer os rios da cidade de Bonito, no Mato Grosso do Sul.

Texto escrito especialmente para este site por Luciano Candisani, fotógrafo da natureza com formação biológica w.editorasaraiva.com.br/biosonialopes

Comentários