Aula de farmacologia - digitálicos

Aula de farmacologia - digitálicos

Insuficiência Cardíaca Disciplina de Farmacologia

Importância do SCV

DC/ litros / min

De acordo com sua performance o coração pode estar:

repousomédia alta atividade

Normal hipof unc iona nt e hiperfuncionante

Tentou deitar, vo ltou a pior ar a par tir daí não con seguiu mais

Paciente foi atendido de madrugada na sala de emergência do hospital queixando-se de que acordara, há uma hora, com intensa falta de ar que aliviou parcialmente ao sentar-se no leito.

Tentou deitar, vo ltou a pior ar a par tir daí não con seguiu mais dor mir.

Seu cor aç ão par ecia que ia saltar pela boc a, a falta de ar se intesificou detal man eira a pon to de deixá- lo desesperad o e co m asensaç ão de queia mor rer.

O raio X de tórax mostrou um acentuado aumento da área cardíaca diagnóstico de ICC.

Os sinais e sintomas são secundários a disfunção ventriculare pode afetar

-ventrículo direito

- ve ntrículo esquerdo

- am bos- am bos

(240mil/ano) 2 milhões de pacientes no Brasil Taxa de mortalidade anual 10%

ho mens mulheres

Casos para cada 100.0 indivíduos segundo faixa etária

Sem tratamento 82% dos homens e 67% das mulheres morrem em 6 anos após o início. Com tratamento a mortalidade é reduzida em 40%.

I. POR DIMINUIÇÃO DA FORÇA DE CONTRAÇÃO I. POR DISFUNÇÃO DIASTÓLICA ( deficiência de enchimento)

Principais Causas

Isque mia miocárdica Anor malidades congênitas Infecções Drogas

Drogas como fator precipitante

• Agonistas adrenérgico s deco ngestionantes(va so co nstrictores) ca fé/ch á anfeta minasanfeta minas efedrina

•Drogas que causam retenção de sódio e água co rtico steróides daines

•Agentes inotrópicos negativos beta bloqueadores bloqueadores dos canais de cálcio agentes antiarrítmico s

DC x pressão atrial direita

DC L/min 25

0+4 +8 +12 +16 +20 pres. Atrial direita

atividade

Repouso moderada alta

pulmonar

Artéria 18m m Hg

Veia cava

5 mmHg

veia pulmonar

8 mmHg

Aorta

85 mmHg

5 mmHg 85 mmHg

DC 6L/min nor mal

ANÓXIA CO2 DISPNÉIA

DC x pressão atrial direita

DC L/min 25

0+4 +8 +12 +16 +20 pres. Atrial direita

atividade

Repousomoderada alta
pulmonar

Artéria 35 mmHg

Veia cava

5 mmHg

veia pulmonar

20 mmHg

Aorta

85 mmHg

O2 Edema pulmon ar O2

5 mmHg 85 mmHg

DC 4 L/min nor mal

pulmonar

Artéria 18 mmHg

Veia cava

15 mmHg

pulmonar

veia 8 mmHg

Aorta

85 mmHg

15 mmHg DC 4 L/min

Edema periférico

•Estímulo mecânico • Hor mônios

• Neurotrans missores

Alterações moleculares que Alterações moleculares que influenciam nainfluenciam nainfluenciam nainfluenciam na

ExcitaçãoExcitação-- contraçãocontração Proteínas contráteisProteínas contráteis e reguladorase reguladoras Vias de sinalização Vias de sinalização

Alterações estruturais e funcionaisAlterações estruturais e funcionais

Decorrentes da Remodelagem Decorrentes da Remodelagem cardíacacardíaca

1.Curto prazo:

-lei de starling 2.Longo prazo:

-ativação simpática

- angiotensina - aldosterona

- vasopressina

-fator natriurético

- endotelina

CONDUTA TERAPÊUTICA GERAL Restaurando o rítmo da vida

Objetivos do tratamento

Sobrevida

Qualidade de vida

Capacidade física

Morbidade

Alterações neurohu morais

Da progressão da doença Sinto mas

Medidas gerais no tratamento da ICCMedidas gerais no tratamento da ICC 1.Tto. das doenças associadas

2. controle do peso

3. Suspender o tabagismo

Medidas gerais no tratamento da ICCMedidas gerais no tratamento da ICC 4. Restrição moderada do sal

5. Evitar excessos alimentares 6. Exercício de leve a moderado

Trata mento far macológico - cardiotônicos

- diuréticos

- vasodilatadores

Medidas gerais no tratamento da ICCMedidas gerais no tratamento da ICC

- vasodilatadores considerar o uso de agentes: -anticoagulantes

- antiagregantes plaquetários

- antitro mbóticos

- antilipidêmicos

Conduta Geral Para I.C.C. AGUDA

1. Sentar o paciente: ↓ ↓↓

↓pré- carga

2. Suspender medicação que agravam IC 3. Morfina

4. Furosemida

5. repor K+ e Mg + se necessário

6. Vasodilatadores

7. Digoxina 8. Oxigênio p/ corrigir hipóxia

Conduta Geral: I.C.C. CRÔNICA β ββ β- Bloqueadores

Inibidores da ECA -Bloq. dos recep. AT1

Diuréticos tiazídicos

Furosemida ou diuréticos co mbinados

Espironolactona avaliar usoavaliar uso

Hidralazina e Nitratos (paciente não tolera ECA Digoxina na fibrilação atrial

NYHA I Assinto mático

Sinto mas

Leves + dispnéia grande esforços

Sinto mas

Médios a graves dispnéia ao esforços de médio a moderado

Sinto mas Refratários dispnéia em repouso

Digoxina ritmo sinuasal Warfarin na fibrilação atrial diur éticos va sodi latador es Beta bloque ador es cardiot ôni cos

Diuréticos na ICC: sãodrogas de 1a escolha (aliviar edema e dispnéia)

Insuficiência cardíaca leve Tiazídicos: clortiazida -clortalidona poupador de potássio: epironolactona

Insuficiência cardíaca grave •Diuréticos de alça: furosemida(+ usado) limitações para o uso de diuréticos

•anormalidade do equilíbrio ácido básico podendo causar arritmias

• hipopotasse mia

•se usar os inibidores da ECA cuidado com o uso de diuréticos poupadores de potássio

ON sintetase

L- arginina

ON L- citrolina endotélio

É metabolizado liberando ON

guanilatociclase

GTP GMPc GMPc. PK mios ina ⊕

Miosina. P ⊕ actina cont ração

++++++++++++++hiperpolariza

Outros sugerem que a hidralazina diminuiria a atividade do

IP3 ( diminuindo assim liberação do cálcio pelo retículosar - coplas mático)

IECA: captopril -enalapril

Angiotensinogênio

Angiotensina I RENINA cininogênio

Kalicreina INIBEM

VC

↑aldosterona aumento da PA

↑PGLs cininase I LITOS

Vantagens do uso de inibidores do SRA

RETENÇÃO DE Na e H20

DE Na e H20TERONA

•DENSIDADE DE RECEPTORES BETA 1 •A CARDIOTOXIDADE DO NHA

•ÚTIL NO Tto. DA HIPERTENÃO

•Alívio dos sintomas a longo prazo • a remodelação e progressão• a remodelação e progressão

• tempo de hospitalização

• incidência de morte súbita

Uso apenas emergencial paciente hospitalizado e refratário a outros Ttos.

droga mecanis mo Redução précarga

Redução pós carga

•• glicosídeos cardiotônicosglicosídeos cardiotônicos -- ouabainaouabaina

-- digoxinadigoxina

Inotrópicos Positivos

-- digoxinadigoxina --digitoxina digitoxina

Inibidores da FosfodiesteraseInibidores da Fosfodiesterase -- AmrinoneAmrinone

-- MilrinoneMilrinone

PLANTAS MEDICINAIS CONTENDO GLICOSÍDEOS CARDÍACOS JÁ ERAM CONHECIDAS CONHECIDAS PELOS ANTIGOS EGIPCIOS À 3000 ANOS.

Fórmula estrutural básica dos digitálicos

OH –presença obrigatória no C14 p/ ação farmacológica

DC x pressão atrial direita

DC L/min 25

0+4 +8 +12 +16 +20 pres. Atrial direita

atividade

Repousomoderada alta

Com tratamento farmacológico

Canal de Ca++ voltagem dependente

ATPase

Na/K dependente

Ca++ livre con traç ão

Restabelecimento da condição homeostática

Armazenamento de Ca no REP

Canal de Ca++ voltagem dependente

ATPase dependente digital

Aumenta concentração

Ca++ livre

Aumenta concentração de Na intracelular

Contrações mais intensas

Armazenamento de Ca no REP

Pot. ação

Bioluminescência com ae quar ina tensão

Atenção:

OS EFEITOS TERAPÊUTICOS COM DIGITÁLICOS ACONTECEM COM UMA INIBIÇÃO DA BOMBA DE SÓDIO E / POTÁSSIO NA ORDEM DE 20 –40 % .

INIBIÇÃO MAIOR DO QUE 40 % CAUSA EFEITOS T ÓXIC OS.T ÓXIC OS.

A DOSE TERAPÊUTICA DE DIGITÁLICOS EXIGE UMA QUANTIDADE EQUIVALENTE A 50 –60% DA DOSE T ÓXICA

1.TRATAMENTO SINTOMÁTICO DE ICC

2.CONTROLE DO FLUTTER E DA FIBRILAÇÀO ATRIAL

3. CHOQUE CARDIOGÊNICO

•Hipertireoidismo, •Hipertireoidismo, •Beriberi,

•Anemia,

•Shunts arteriovenosos.

Comentários