Perfil sociodemográfico dos idosos de uma área de abrangência do Programa Saúde

Perfil sociodemográfico dos idosos de uma área de abrangência do Programa Saúde

(Parte 1 de 3)

Disponible en: http://redalyc.uaemex.mx/src/inicio/ArtPdfRed.jsp?iCve=84212107003

Redalyc

Sistema de Información Científica Red de Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal

Souza Santos, Gerson de; Iwanow Cianciarullo, Tamara

Perfil sociodemográfico dos idosos de uma área de abrangência do Programa Saúde da Família do município de Guarulhos - SP

Saúde Coletiva, Vol. 3, Núm. 6, 2009, p. 200-206

Editorial Bolina Brasil

¿Cómo citar?Número completo Más información del artículo Página de la revista

Saúde Coletiva ISSN (Versión impresa): 1806-3365 editorial@saudecoletiva.com.br Editorial Bolina Brasil

w.redalyc.org Proyecto académico sin fines de lucro, desarrollado bajo la iniciativa de acceso abierto

200 Saúde Coletiva 2009;07 (3):200-206

Santos GS, Cianciarullo TI. Perfil sociodemográfico dos idosos de uma área de abrangência do Programa Saúde da Família do município de Guarulhos - SP perfil do idoso

Perfil sociodemográfico dos idosos de uma área de abrangência do Programa Saúde da Família do município de Guarulhos – SP

O objetivo deste trabalho é descrever as condições sociodemográficas da população idosa residente em uma área adscrita ao Programa de Saúde da Família. Trata-se de um estudo exploratório e descritivo, realizado em uma Unidade Básica de Saúde da Família. Os dados foram obtidos a partir de prontuários dos indivíduos acima de 60 anos, cadastrados na Estratégia Saúde da Família e acompanhados por uma equipe de saúde, com território delimitado. Seus resultados apontam uma média de idade dos idosos de 69,8 anos, sendo a maioria (64%) mulheres. Grande parte (52%) dos idosos informou viver com o cônjuge e 37% eram viúvos. O grupo etário predominante foi de 60-70 anos (47%); o grupo étnico com maior representatividade foi de cor branca (42%); o Estado que apresentou maior número de migrantes foi o de Pernambuco (35%). Em relação à escolaridade, 49% são analfabetos e 3% estudaram entre um e quatro anos. Quanto ao tipo de moradia: 85% moram em casa construída de tijolos e 15% em casas de madeira popularmente conhecidas como “barraco”; 52% possuem casa própria e 48% pagam aluguel; 95% possuem instalação sanitária do tipo unifamiliar; 84% destinam os dejetos para o sistema público, enquanto 16% utilizam o esgoto aberto. Em relação à quantidade de cômodos por domicilio, 42% das moradias possuem de cinco a sete cômodos. 7% moram em apenas dois cômodos. A maior parte (73%) dos idosos reside com familiares. As morbidades mais prevalentes foram: dislipidemia (59%), hipertensão arterial (5%) e diabetes (28%). Apenas (21%) dos idosos realizavam atividade física. Em relação a prática religiosa, a maior parte dos idosos (59%) era constituída por católicos, seguida de evangélicos (31%) e espíritas (10%). O perfil demográfico do grupo estudado mostrou características diversificadas quando comparadas a outros estudos semelhantes. Por se tratar de um grupo etário em rápido crescimento no mundo, as características demográficas são imprescindíveis para o estabelecimento de políticas públicas de saúde que visem controlar o estado de saúde da população para a melhoria da qualidade de vida. Descritores: Perfil sociodemográfico, Idosos, Estratégia Saúde da Família, Envelhecimento.

The objective of this work is to describe the social-demographic conditions of the elderly population, residing in an area that was added to the Family Health Care Program. It’s an exploratory and descriptive study, carried out at a Family Health Care Unit. The data was obtained from medical records of persons over 60 years of age, registered in the Family Health Care Strategy, and monitored by a health care team, in a limited territory. The results show an average age for the elderly of 69.8 years, the majority (64%) being women. A great number (52%) of the elderly stated that they lived with their partner, and 37% were widowed. The predominant age group was between 60-70 years old (47%); the ethnic group most represented was Caucasian (42%); the state that presented the highest number of migrants was Pernambuco, Brazil (35%). As to schooling, 49% are illiterate and 3% attended school between the ages of 1 and 4 years. Regarding the type of dwelling: 85% live in houses made of bricks and 15% in houses made of wood, popularly known as barracos (crude wooden huts); 52% own their homes and 48% pay rent; 95% have sanitary installations of the uni-family type; 84% send wastes into the public system, while 16% use open sewage. As to total rooms per dwelling, 42% of the homes have between 5 and 7 rooms. 7% live in only 2 rooms. Most (73%) of the elderly reside with family members. The most prevailing morbidities were: dislipidemy (59%), hypertension (5%), diabetes (28%). Only (21%) of the elderly carried out physical activities. Regarding religious practice, most of the elderly (59%) consisted of Catholics, followed by Protestants (31%) and Spiritualists (10%). The demographic profile of the group studied showed diversified characteristics when compared to other similar studies. Because it is an age group which is growing rapidly worldwide, the demographic characteristics are indispensable for the establishment of public health care policies which are aimed at controlling the state of health of the population for the improvement in quality of life. Descriptors: Social-demographic profile, The elderly, Strategies Family Health Care, Aging.

El objetivo de este trabajo es describir las condiciones socio-demográficas de la población mayor, residente en una área adscrita en el Programa de Salud de la Familia. Este es un estudio descriptivo y exploratorio hecho en una Unidad Básica Salud de la Familia. Los datos fuero obtenidos a través de los prontuarios de personas arriba de 60 años, catastrados y acompañados por un equipo en la Estrategia Salud de la Familia con territorio delimitado. Los resultados señalan un promedio de edad de los ancianos de 69.8 años, siendo las mujeres la mayoría (64%). La grande parte (52%) informo vivir con el conjugue y 37% eran viudos. El grupo etário predominante estaba de 60-70 años (47%); el grupo étnico con una representación más grande eran blancos (42%); el estado que presentó el mayor número de migrantes era Pernambuco, Brasil (35%). En relación a la escolaridad 49% es analfabeto y 3% habían estudiado entre 1 y 4 años. Cuánto al tipo de habitación: 85% viven en casa de ladrillos y 15% de madera, en casas conocidas popularmente como “barraco”; 52% poseen casa propia y 48% alquilan; 95% poseen instalación sanitaria del tipo unifamiliar; 84% destinan los dejectos para el sistema público, mientras el uso de 16% de alcantarillas abiertas. En relación la cantidad de cómodos por domicilio, 42% de las cubiertas posee de 5 a los 7 cómodos. 7% viven en solamente 2 cómodos. La mayoría (73%) de los ancianos habitan con

Santos GS, Cianciarullo TI. Perfil sociodemográfico dos idosos de uma área de abrangência do Programa Saúde da Família do município de Guarulhos - SPSantos GS, Cianciarullo TI. Perfil sociodemográfico dos idosos de uma área de abrangência do Programa Saúde da Família do município de Guarulhos - SP Saúde Coletiva 2009;07 (3):200-206 201 perfil do idoso

O envelhecimento populacional é um dos maiores desafi os da saúde pública contemporânea. Este fenômeno ocorreu inicialmente em países desenvolvidos, mas, mais recentemente é nos países em desenvolvimento que o envelhecimento da população tem ocorrido de forma mais acentuada. No Brasil, o número de idosos (60 anos de idade) passou de 3 milhões em 1960 para 7 milhões em 1975, e chegando a 14 milhões em 2002. Estima-se que alcançará 32 milhões em 20201.

Sem dúvida, um dos maiores feitos da humanidade foi a ampliação do tempo de vida, que se fez acompanhar de uma melhora substancial dos parâmetros de saúde das populações, ainda que essas conquistas estejam longe de se distribuir de forma equitativa nos diferentes países e contextos socioeconômicos. O que era antes um privilégio de poucos, chegarem à velhice, hoje passa a ser norma, mesmo nos países mais pobres. Essa conquista maior do século X se transforma, no entanto, em um grande desafio para o século que se inicia. O envelhecimento da população é uma aspiração natural de qualquer sociedade, mas não basta por si só. Viver mais é importante desde que se consiga agregar qualidade aos anos adicionais de vida. Dessa forma, surgem os seguintes desafios para o setor da saúde pública, como reconhece a Organização Mundial da Saúde: (a) Como manter a independência e a vida ativa com o envelhecimento? (b) Como fortalecer políticas de prevenção de agravos e promoção da saúde, especialmente aquelas voltadas para os idosos? (c) Como manter e/ou melhorar a qualidade de vida com o envelhecimento?1

Estudos recentes apontam que o envelhecimento populacional é uma resposta à mudança de alguns indicadores de saúde, especialmente a queda da fecundidade e da mortalidade e o aumento da esperança de vida. Não é homogêneo para todos os seres humanos, sofrendo infl uência dos processos de discriminação e exclusão associados ao gênero, à etnia, ao racismo, às condições sociais e econômicas, à região geográfi ca

Recebido: 03/04/2009 Aprovado: 02/08/2009 el familiar. Las morbidades más frecuentes son: dislipidemia (59%), hipertensión arterial (5%) y diabetes (28%). Pero solo 21% hacían actividad física. Cuanto la practica religiosa, la mayor parte de los envejecidos (59%) fue constituida de católicos, seguido de evangélicos (31%) y los espiritas (10%). El perfil demográfico del grupo estudiado demostró características diversificadas cuando comparados a otros estudios. Es un grupo etário en crecimiento rápido en el mundo. Las características demográficas son esenciales para el establecimiento de políticas públicas de salud que tienen como objetivo controlar el estado de salud de la población para la mejora de la calidad de la vida. Descriptores: Perfil de sociodemográfico, Ancianos, Estrategia Salud de la Familia, Envejecimiento.

Gerson de Souza Santos: Enfermeiro. Especialista em Saúde Coletiva. Mestrando em Enfermagem pela Universidade de Guarulhos.

Tamara Iwanow Cianciarullo: Professora Titular do Mestrado em Enfermagem da Universidade de Guarulhos. - iwanow.c@uol.com.br

202 Saúde Coletiva 2009;07 (3):200-206

Santos GS, Cianciarullo TI. Perfil sociodemográfico dos idosos de uma área de abrangência do Programa Saúde da Família do município de Guarulhos - SP perfil do idoso

Tabela 1. Idosos segundo características sociodemográficas em unidade de saúde da família. Guarulhos, 2007.

Idade 60-69 70-79 80 e mais Escolaridade (anos) 1 a 4 5 a 10 1 e mais Analfabetos Estado civil Casados Viúvos Solteiros União consensual Divorciados Raça referida Branca Parda Negra Condição de moradia Própria Alugada Tipo de moradia Casa de tijolos Casa de madeira (barraco) Instalação sanitária Externa e coletiva Interna e unifamiliar Destino dos dejetos Sistema público Esgoto aberto Cômodos por domicilio 2 3 4 5-7

N

Masculino Feminino Total de origem e à localização de moradia.

O envelhecimento pode ser compreendido como um processo natural, de diminuição progressiva da reserva funcional dos indivíduos – senescência. Isso, em condições normais, não costuma provocar qualquer problema embora em condições de sobrecarga, como, em casos de doenças, acidentes e estresse emocional, possa ocasionar uma condição patológica que requeira assistência - senilidade. Cabe ressaltar que certas alterações decorrentes do processo de senescência podem ter seus efeitos minimizados pela assimilação de um estilo de vida mais ativo2.

No final da década de 1990, a Organização Mundial de Saúde (OMS) passou a utilizar o conceito de “envelhecimento ativo” entre os tópicos abordados sobre os cuidados necessários para uma boa saúde. Tal conceito pode ser compreendido como o processo de otimização das oportunidades de saúde, participação e segurança, com o objetivo de melhorar a qualidade de vida à medida que as pessoas ficam mais velhas. Envolve políticas públicas que promovam modos de viver mais saudáveis e seguros em todas as etapas da vida, favorecendo a prática de atividades físicas no cotidiano e no lazer, a prevenção às situações de violência familiar e urbana, o acesso a alimentos saudáveis e a redução do consumo de tabaco, entre outros – medidas indispensáveis para o alcance de um envelhecimento que signifique também um ganho substancial de qualidade de vida e saúde3.

Igualmente, a Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa

(PNSPI), Portaria GM nº 2.528, de 19 de outubro de 2006, define que a atenção à saúde dessa população terá como porta de entrada a Atenção Básica/Saúde da Família e, como referência, a rede de serviços especializados de média e alta complexidade.

A atenção à saúde da pessoa idosa na Atenção Básica/

Saúde da Família quer por demanda espontânea, quer por busca ativa – que é identificada por meio de visitas domiciliares deve consistir em um processo diagnóstico multidimensional. Esse diagnóstico é influenciado por diversos fatores, tais como o ambiente onde o idoso vive a relação profissional de saúde/pessoa idosa e profissional de saúde/ familiares, a história clínica – aspectos biológicos, psíquicos, funcionais e o exame físico4.

Nesse sentido, a Política Nacional de Saúde do Idoso apresenta “como propósito basilar a promoção do envelhecimento saudável, a manutenção e a melhoria, ao máximo, da capacidade funcional dos idosos, a prevenção de doenças, a recuperação da saúde dos que adoecem e a reabilitação daqueles que venham a ter a sua capacidade funcional restringida, de modo a garantir-lhes permanência no meio em que vivem, exercendo de forma independente de suas funções na sociedade2.

Para o alcance do propósito da Política Nacional de Saúde do Idoso, foram definidas como diretrizes essenciais os seguintes procedimentos: a promoção do envelhecimento saudável; a manutenção da capacidade funcional; a assistência às necessidades de saúde do idoso; a reabilitação da capacidade funcional comprometida; a capacitação de recursos humanos especializados; o apoio ao desenvolvimento de cuidados informais; e o apoio a estudos e pesquisas. O cuidado comunitário do idoso deve se basear, especialmente, na família e na atenção básica de saúde, por meio das Unidades Básicas de Saúde (UBS), em especial daquelas sob a Estratégia Saúde da Família, que devem representar para o idoso, idealmente, o vínculo com o sistema de saúde5.

O Ministério da Saúde definiu em setembro de 2005 a

Agenda de Compromisso pela Saúde, que agrega três eixos: o Pacto em Defesa do Sistema Único de Saúde (SUS), o Pacto em Defesa da Vida e o Pacto de Gestão; (a saúde do idoso, a promoção da saúde e o fortalecimento da Atenção Básica)6.

Partindo dessas questões, este estudo tem por objetivo descrever o perfil sociodemográfico da população idosa em uma área de abrangência do Programa de Saúde da Família no município de Guarulhos - São Paulo.

Santos GS, Cianciarullo TI. Perfil sociodemográfico dos idosos de uma área de abrangência do Programa Saúde da Família do município de Guarulhos - SPSantos GS, Cianciarullo TI. Perfil sociodemográfico dos idosos de uma área de abrangência do Programa Saúde da Família do município de Guarulhos - SP Saúde Coletiva 2009;07 (3):200-206 203 perfil do idoso as com mais de 70 anos no município de Guarulhos era de 68.976 em 200710.

Trata-se de uma população com 49% de analfabetos.

Torna-se importante destacar que o analfabetismo e a baixa escolaridade foram maiores entre as mulheres. O nível educacional é um dos indicadores na caracterização do perfil socioeconômico da população. No caso da população idosa, o indicador de alfabetização é considerado um termômetro das políticas educacionais brasileiras do passado. Nas décadas de 1930 até, pelo menos, os anos 1950, o ensino fundamental ainda era restrito a segmentos sociais específicos. Nessa medida, o baixo saldo da escolaridade média dessa população é um reflexo desse acesso desigual11.

A considerar que muitos idosos são analfabetos e em alguns casos vivem sozinhos, certamente considera-se que representam um grupo vulnerável, com risco para adoecer e morrer, por não ter condições de cuidar da própria saúde, já que isso demanda ações como: ler uma receita, tomar medicamentos em horários, entre outros.

Em relação ao estado civil, se somando-se o número de idosos casados 95 (45%) com os de idosos que vivem em união consensual 12 (6%), em relação ao número de idosos viúvos, solteiros e divorciados (105) 49%, tem-se um percentual equilibrado em relação a esta questão no grupo pesquisado.

As mulheres são mais numerosas que os homens e esta diferença também aumenta com a idade, resultado da maior longevidade feminina. Outro aspecto a se considerar é que, todas as experiências e acontecimentos vividos nas idades mais jovens se acumulam e afetam a situação do idoso na família e na sociedade. Ter ou não ter filhos, número de filhos que se teve, estar casada, divorciada ou ficar viúva a uma certa idade, não só determinam uma trajetória de vida da mulher, mas podem ser importantes para o seu bem-estar nas idades avançadas12.

A dinâmica da população estudada tem mostrado que muitas idosas passam parcela significativa de sua velhice na condição de viúvas, morando sozinhas ou como dependentes nos domicílios, além de viverem mais que os homens, em geral se casaram com homens mais velhos que elas, além do que a taxa de recasamento é menor entre as mulheres. Assim, a maior longevidade muitas vezes vista somente pelo lado positivo, dificulta visualizar alguns aspectos importantes das condições em que vivem as idosas.

Em relação à raça referida, ao comparar-se apenas brancos e negros, se percebe uma incidência maior de idosos de raça branca 89 (42%). Mas, ao considerar-se negros e pardos, temse um percentual maior 123 (58%).

Em anos recentes, as relações entre raça e saúde vêm sendo objeto de uma série de iniciativas centrada na criação de um campo de reflexão e de intervenção política denominada saúde da população negra. Essa proposta se insere na discussão sobre formas de enfrentamento do racismo no país, na medida em que governo, intelectuais e parcelas significativas da sociedade civil reconhecem atualmente as desvantagens materiais e simbólicas sofridas pelos negros13.

Apesar de não haver consenso quanto aos diagnósticos e às soluções para o problema da discriminação racial, ele adquire maior visibilidade em função do atual debate so-

Tabela 2. Idosos cadastrados por gênero em uma área de abrangência da Estratégia Saúde da Família segundo indicadores de suporte social. Guarulhos, 2007.

Tabela 3. Número de pessoas por domicílio, quantidade de cômodos e arranjo familiar por gênero. Guarulhos, 2007.

(Parte 1 de 3)

Comentários