Apostila de Linux

Apostila de Linux

(Parte 1 de 4)

Curso Básico

Módulo Único

SENAI – SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL 1

Conectiva Linux 4.0 Versão Guarani

01. Histórico 02 02. Linux como Sistema Operacional 04 03. Onde adquirir o Linux ? 06 04. Hardware necessá rio 06 05. Entrando e saindo do Sistema 06 06. Ambiente de Trabalho (Shell) 08 07. Contas e senhas 09 08. Consoles Virtuais 1 09. Comandos Bá sicos 1 10. Editando no Linux (modo texto) 13 1. Usando compactadores 13 12. Controle de Acesso de Arquivos 16 13. CD-ROM’s, Disquetes, Discos Rígidos e Sistema de Arquivos – Visã o Geral 18 14. Usando Linux e Windows no mesmo disco rígido 20 15. Interfaces Grá ficas 20 16. Informações Ú teis 2

SENAI – SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL 2

1 - INTRODUÇÃO

Nos anos 50, quem dissesse que Rockefeller um dia perderia toda a sua fortuna seria tido como um louco. Um cidadã o da década seguinte nã o conseguiria imaginar nada mais assombroso que a TV em preto e branco. Imagine entã o com o computador!!!

Os anos 80's e 90's viram surgir um dos maiores imp érios empresariais de todos os tempos, dirigido por um pacato sujeito chamado William Henry Gates I, que veio a tornar-se o homem mais rico do mundo.

Sr. Gates conseguiu o feito graças a uma de suas invenções, um programa de computador que facilitava a operação desses intrincados aparelhos. As inegá veis qualidades da criação de Bill Gates foram notadas no mundo todo, e seu programa, chamado Windows, dominou 90% das má quinas em atividade.

Desde simples usu á rios, passando por programadores e analistas, chegando aos gerentes, todos só enxergavam uma solução para todos os problemas propostos pela computação: aquela que vem daquela empresa (diga-se Microsoft).

Haviam naquela época (e ainda há !!!) outras opções de sistemas (Unix, Xenix, BSD, por exemplo), mas eram de custos inacessíveis, além de nã o ser aquilo que todo mundo sonhava. Todos procuravam alguma alternativa que fosse confiá vel, barata, adequada à situação, à prova de falhas e extensível para futuras mudanças de realidade. Até que um dia...

Mais propriamente no mês de Agosto de 1991, um pacato e jovem geek de 21 anos de idade, iniciou o projeto "LINUX". Seu nome: Linus Torvalds, entã o estudante de Ciência da Computação da Universidade de Helsinque, capital da Finlândia, um mero "nerd".

Usando o Assembler (ou Assembly, como queira...), Linus iniciou cortando(hacking) o kernel como um projeto particular, inspirado em sua paixã o pelo Minix, um pequeno sistema UNIX, desenvolvido por Andy Tannenbaum.

O estudante universitá rio desejava desenvolver uma versã o do Unix que rodasse em micros PC AT e compatíveis, mas que fosse diferente dos sistemas Unix já existentes, cujo preço era exorbitante para o usuá rio comum.

Linus chegou a divulgar a id éia num newsgroup de que participava (sem êxito...) e embalado pelo projeto, programou sozinho a primeira versã o do kernel do Linux(núcleo do sistema operacional).

Ele se limitou a criar, em suas pr óprias palavras, "um Minix melhor que o Minix" ("a better Minix than Minix").

At é que numa calma manhã do dia 05 de Outubro de 1991, Linus anunciou a primeira versã o "oficial" do Linux, versã o 0.02 .

Depois de finalizar o kernel, Linus deu ao seu filhote o rumo que desencadeou seu grande sucesso: passou a distribuir o código-fonte do kernel pela internet (comp.os.minix) para que outros programadores pudessem aprimorar o sistema.

Ele colocava a seguinte mensagem:

SENAI – SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL 3

"Você suspira por melhores dias do Minix 1.1, quando homens serão homens e escreverão seus próprios "device drivers" ? Você está sem um um bom projeto e está morrendo por colocar as mãos em um S.O. no qual você possa modificar de acordo com suas necessidades? Você está achando frustrante quando tudo trabalha em Minix ? Chega de atravessar noites para obter programas que trabalhem correto? Então esta mensagem pode ser exatamente para você ?

Como eu mencionei a um m ês atrás, estou trabalhando em uma versão independente de um S.O. similar ao Minix para computadores AT-386. Ele está, finalmente, próximo ao estágio em que poderá ser utilizado(embora possa não ser o que você esteja esperando), e eu estou disposto a colocar os fontes para ampla distribuição. Ele está na versão 0.02..., contudo, eu tive sucesso rodando bash, gcc, gnu-make, gnu-sed, compressão, etc. nele."

Assim, vá rias empresas e programadores de todo o planeta contribuíram com seus conhecimentos para melhorar o Linux.

Mais que um sistema operacional, o Linux é a representação prá tica de uma nova filosofia de distribuição e produção de software. O Linux é "gratuito"(é um prazer dizer isso!!!). E mais: seu código fonte ainda está completamente aberto, para que programadores de todo planeta possam modificá -lo. Há dez anos, ninguém ousaria prever algo desse tipo. Como pode alguém gastar horas e mais horas em um trabalho para depois largá -lo na internet, sem controle, sujeito às mais diferentes alterações?

O que alguns julgavam a ru ína, provou ser o grande trunfo do Linux.

A l ógica é simples: distribua um produto de graça, deixe que os consumidores façam nele as alterações que quiserem, e assim você terá algo pulsante, em constante e inexorá vel evolução. Esse foi o segredo: trabalho cooperativo e voluntá rio. Linus distribuiu seu trabalho sem cobrar nada e em troca, exigiu que os outros programadores envolvidos no projeto fizessem o mesmo. Por isso é gratuito. A uniã o fez a força - fez o LINUX.

O Linux, atualmente, tem recebido apoio de vá rias empresas como Netscape, Corel,

Sun, Borland(dona do Delphi), Intel e Oracle. Todas usam Linux e desenvolvem produtos para Linux. As estimativas de seu uso variam entre 10 e 15 milhõ es de computadores. Ele tem ganho aceitação e propaganda no mundo inteiro. Em 1997, 105 computadores Alpha Digital com Linux, ligas em rede, renderizaram as cenas do filme "Titanic", durante 3 meses, ininterruptamente. Em quase todas as grandes empresas do mundo, há pelo menos um sistema Linux instalado.

· Quem utiliza Linux?

Ao redor do planeta se estima que tenhamos mais de vinte milhõ es de usuá rios Linux. Sendo que no Brasil, o País que apresentou o maior índice de crescimento no primeiro semestre de 9, este número gira ao redor de 400 mil usuá rios.

Dentre os mais diversos usu á rios, podemos ressaltar alguns mais conhecidos: NASA, Exército

Americano, Governo da Itá lia, Governo da Califórnia, fá bricas de robôs na Suécia, hospitais na França, praticamente todas as Universidades, Ministério da Saúde, Correio Norte Americano, etc...

No Brasil é bastante difundido no meio acadêmico, em empresas de desenvolvimento de

SENAI – SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL 4 softwares, bancos, hospitais, órgã os públicos, indústrias, comércio, provedores de acesso, usuá rios domésticos e estações de trabalho em redes corporativas.

· O Futuro do Linux Confira abaixo um pequeno trecho de uma entrevista com o criador de Linux, Linus Torvalds:

preferido para servidores Web e estações de trabalhoPelas suas vantagens de custo

“No futuro do Linux temos dois possíveis cenários. No primeiro, daqui a quatro anos, Linux dominará as aplicações científicas e técnicas e se tornará o sistema operacional e performance, tornar-se-á o sistema padrão para os computadores desktop. O segundo cenário é bem mais dramático. Com o número de usuários de Linux crescendo, a Microsoft e outros desenvolvedores de software admitem a ascensão nesse mercado e começam a escrever programas para ele. Logo, a completa vantagem no preço e da performance de Linux movem o sistema para o mercado de desktops”.

2 - O LINUX COMO SISTEMA OPERACIONAL

Por causa da abertura do código fonte aos quatro cantos do mundo, nã o existe uma, mas muitas versõ es do Linux no mercado. Todas tem características especiais que as diferenciam entre si. Na verdade, nã o existe "o Linux", existem "os Linux". Mas, apesar de singulares, todas essas versõ es sã o compatíveis, por que utilizam o mesmo kernel. A palavra kernel significa núcleo ou cerne, e essas duas palavras expressam muito bem o que ele é: a parte central do sistema operacional, capaz de manter as aplicações, dispositivos e conexõ es funcionando e comunicando-se entre si. Essa parte delicada do sistema operacional só é atualizada por um membro restrito de experts em Linux, dentre os quais está o próprio Linus Torvalds. Essa parte do sistema é tã o importante que as novas versõ es do kernel só podem ser distribuídas depois que passam pelo aval de Linus. O desenvolvimento do kernel do Linux costuma ocorrer em duas séries separadas: uma delas é a de produção, ou está vel, cujo segundo número é sempre par: 2.0.x, 2.2.x, 2.4.x, etc. A outra série é a de desenvolvimento, que nã o é garantida para ser utilizada em sistemas em produção, e tem o segundo número sempre ímpar: 2.1.x, 2.3.x, etc. Quando a série de desenvolvimento atinge a maturidade, ela muda de numeração e se transforma na nova série de produção, e uma nova série de desenvolvimento tem início. O número da versã o do kernel nã o tem nada a ver com o número da versã o das distribuições de Linux. Assim, o Conectiva Linux 4.0 que temos no nosso curso usa o kernel 2.2.5, o Red Hat Linux 6.0 usa o kernel 2.2.12 e o SuSE Linux 6.2 usa o kernel 2.2.10. Tradicionalmente nã o se marca datas para o lançamento das novas versõ es, mas espera-se que a versã o 2.4 seja lançada ao final deste ano(1999).

As principais versõ es disponíveis mundo afora sã o: Slackware Linux, Debian Linux, Open Linux, LinuxWare, RedHat Linux, e o Conectiva Linux(em português).

Entã o LINUX = UNIX ?

Limpo, claro e definitivo: O Linux "N ÃO" é Unix

O Linux é "UM" Unix

Voc ê deve estar pensando: "Que loucura...", mas calma, nã o é bem assim :)

O Unix é uma marca registrada do Unix Lab. (parece que andou até mudando de nome e até fechado, mas ninguém sabe ao certo !!!). Entã o todos os sistemas baseados naqueles códigos sã o chamados de uma forma geral de Unix.

SENAI – SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL 5

O Linux de Linus Torvalds, nã o contem nenhuma linha de código do Unix. Mas o Linux foi escrito para ser de acordo com o padrã o API POSIX, o mesmo do Unix (uma espécie de ISO ou ABNT). Por isso se diz que o Linux é um Unix.

Por causa da API POSIX, do conjunto de utilit á rios e do uso do X-Window, o Linux é tã o parecido com o Unix que existem empresas que usam o Linux para desenvolver para Unix que nã o seja o dela mesma (por exemplo, a IBM). Veja que a Microsoft está tentando transformar o NiceTry em um Unix .Ela espera que algum dia no futuro seja um Unix melhor que os outros, algos assim tipo o Linux. E para isto está aproximando-o do padrã o API POSIX.

O Linux possui todas as características que você pode esperar de um Unix moderno, incluindo:

- Multitarefa Real;

- Mem ória Virtual;

- Biblioteca compartilhada;

- "Demand loading";

- Gerenciamento pr óprio de memória;

- Execut á veis "copy-on-write" compartilhados;

- Rede TCP/IP (incluindo SLIP/P/ISDN);

- X Window; etc.

Posso at é fazer uma bela analogia com o Windows: Sabe aquela mina linda que passa por você todas manhã s junto com uma outra que você nem presta atenção ? Depois de conhecer as duas você acaba se apaixonando pela outra por ela ser confiá vel(fiel), robusta(saudá vel :)) e inteligente, enquanto a bonita é flá cida, burra, e muda de opiniã o a cada cinco minutos, sem contar que ela tem um tique esquisito, que os médicos dizem que é uma tal de sindrome de GPF).

algum fórum relacionado ao Linux, ou até mesmo num chat. A maioria é na Web mesmoAté

a - Como se pronuncia LINUX ? Por incrível que pareça, nã o é "lainucs". Linux se pronuncia "linucs" exatamente como se lê. O usuá rio Linux chama-se "linuxer". b - Como obter suporte ? Existem vá rias maneiras. Você pode entrar numa lista de discussã o, participar de o final da edição desta apostila nã o havia nenhuma empresa brasileira que vendesse suporte a Linux. c - Como usuário do Linux, tenho algum direito sobre ele ? Claro...leia abaixo:

* TODOS TEM O DIREITO DE PERGUNTAR QUALQUER COISA - E o dever de antes disso ter pesquisado sobre o assunto e nã o ter obtido uma resposta. E pergunte no lugar certo. Nã o pergunte uma coisa bá sica numa sessã o avançada, nem pergunte sobre software numa sessã o de hardware.

* TODOS TEM O DEVER DE AJUDAR O PR ÓXIMO - Bom...se chegamos até aqui é por que ensinaram a gente. Faça o mesmo! Assim o clã dos linuxers cresce e seu nome também. Se todos gostarem do Linux, vamos ter todos os programas convertidos para o Linux, por exemplo.

* TODOS TEM O DIREITO DE COPIAR - Podemos copiar tudo, respeitando os nomes dos autores e as licenças dos programas. Procure em algum faq sobre a licença do Linux (se acha que eu ia dar de lambuja ?!?! Vá se acostumando....)

SENAI – SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL 6 d - Como devo me vestir? O que devo comer? O que devo comprar? Faça tudo aquilo que você quiser. O Linux é isso, liberdade!! Nã o existe um tipo específico de gente que usa Linux. É só usar e pronto! Você quer liberdade maior do que nã o comprar um programa, alterá -lo de tudo quanto é jeito, emprestar o CD pra todo mundo, nã o ser preso e descobrir que este é o melhor programa que você conhece? Venha para onde está o sabor...

3 - ONDE ADQUIRIR O LINUX ?

Uma opção é fazer o download na internet. Você pode apontar o seu browser para: http://www.sunsite.unc.edu/pub/LINUX/distributions e escolha sua versã o do Linux (RedHat, Slackware, etc.)

Mas, se voc ê preferir nã o gastar suas horas na internet (uma noite inteira e mais um pouco), você pode optar pelo pacote distribuído pela Conectiva (w.conectiva.com.br). O valor cobrado de R$ 8,0 se refere a 3 CD's contendo o Linux em português e com mais de 800 aplicativos + manual de instalação em português + Guia do Usuá rio com mais de 750 pá ginas de documentação Linux em português. Quem preferir apenas os CD's, o preço é de R$ 28,0. Lógico que para quem estiver iniciando, o pacote completo seria o mais adequado. Dentre os aplicativos, encontra-se a suíte Star Office 5.1 traduzida para o português, e cujos programas lêem arquivos do Microsoft Office (...que beleza !!!). O site da Conectiva é:

http://www.conectiva.com.br

português pra gente. Só isso!!! Nã o acho que você iria gastar uma noite inteira na Web (+

Você deve estar se perguntando: "Mas o Linux nã o é de graça ?" Sim...o Linux é de graça. O que a Conectiva cobra se refere apenas ao trabalho de traduzir o Linux, passar mais de 800 programas para os CD's, editar e imprimir um manual de quase 800 paginas em conta telefônica) pra pegar uma versã o em inglês, nã o é ?

Atualmente, a Conectiva est á distribuindo a versã o 4.0 do Linux Guarani(nã o confunda com a versã o do kernel: 2.2.5), que é a versã o que usaremos no curso (yessssssss !!!!)

4 - HARDWARE NECESSÁRIO

Para rodar o Conectiva Linux 4.0 (CL 4.0) é necessá rio processador 386 ou superior, 100 a 150Mb de espaço livre em disco, 16Mb de RAM (pra ficar leve), CD-ROM e unidade de disquete 3 1/2. O produto suporta a maioria dos computadores, controladoras SCSI e IDE, placas de som, impressoras, placas de rede Ethernet, scanners e demais periféricos do mercado.

5 - ENTRANDO E SAINDO DO SISTEMA

Chegamos ao momento em que todos queriam: ver a cara do Linux. Antes o veremos no modo texto, e mais a frente veremos a interface grá fica.

(Parte 1 de 4)

Comentários