Farmacologia da neurotransmissão - serotoninérgica e adrenérgica central

Farmacologia da neurotransmissão - serotoninérgica e adrenérgica central

(Parte 7 de 7)

Ansiedade

Isquemia ou infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral Tonteira, confusão, cefaléia, excitação, visão turva, sentimentos e comportamento hostis, nervosismo

Hipersensibilidade à buspirona A buspirona não é sedativa e apresenta propriedades ansiolíticas moderadas; embora não seja tão efetiva quanto os benzodiazepínicos, é interessante em virtude de suas propriedades não-adictivas

Sumatriptana Rizatriptana Almotriptana Fr ovatriptana Eletriptana Zolmitriptana

Enxaqueca

Espasmo da artéria coronária, crise hipertensiva, isquemia ou infarto do miocár dio, acidente vascular cer ebral, convulsões Dor torácica, rubor , náusea, tonteira

Alcalóide do esporão do centeio ou agonista 5HT1 da serotonina dentro de 24 horasTerapia concomitante com IMAOSíndromes cardíacas isquêmicas, vasculares cerebrais ou vasculares periféricasHipertensão não-controlada

As triptanas têm maior utilidade para as crises agudas de enxaqueca quando tomadas no início de um episódio, e não como profilaxia

Mecanismo — Os antagonistas dos receptores de serotonina exibem graus variáveis de seletividade para subtipos de receptores e, com freqüência, apresentam reação cruzada com receptores adrenérgicos, histamínicos e muscarínicosCetanserina

Glaucoma Hipertensão

Hipotensão ortostática, taquicardia ventricularRubor, exantema, retenção hídrica, dispepsia, tonteira, sedação

Hipersensibilidade à cetanserina Antagonista 5HT2A/2CRUtilizada primariamente na forma tópica para reduzir a pressão intra-ocular no glaucoma

Ondansetr ona

Náusea

Arritmias car díacas, br oncoespasmo

Aumento das enzimas hepáticas, constipação, diarréia, fadiga, cefaléia

Hipersensibilidade à ondansetrona Antagonista do 5HT3RAntiemético potente, que é freqüentemente utilizado como adjuvante da quimioterapia do câncer ou em casos de náusea refratária

T egaser ode Prucaloprida

Síndrome do intestino irritável com predomínio de constipação

Hipotensão, síncopeDiarréia, tonteira, cefaléia

História de obstrução intestinal, aderências abdominais ou doença sintomática da vesícula biliarComprometimento hepático moderado a graveComprometimento renal graveSuspeita de disfunção do esfíncter de Oddi

Antagonistas do 5HT4RAumento da motilidade GI no tratamento da constipação associada à SII

202 | Capítulo Treze

Resumo F armacológ ico Capítulo 1

3 F armacolog ia da Neurotransmissão Serotoninérg ica e Adrenérg ica Central

Fármaco Aplicações Clínicas

Efeitos Adversos Graves e Comuns

Contra-Indicações

Considerações T erapêuticas

Mecanismo — Os antagonistas dos receptores de serotonina exibem graus variáveis de seletividade para subtipos de receptores e, com freqüência, apresentam reação cruzada com receptores adrenérgicos, histamínicos e muscarínicosAlosetr ona

Síndrome do intestino irritável com predomínio de diarréia

Constipação grave, colite isquêmica agudaDor abdominal, náusea, cefaléia

Constipação preexistenteUso concomitante de fluvoxaminaDoença de Crohn, colite ulcerativa, diverticuliteComprometimento hepático graveHistória de estado hipercoagulávelHistória de comprometimento da circulação intestinal, estenose intestinal, colite isquêmica, megacólon tóxico

Antagonista do 5HT3RDiminui o tônus serotoninérgico nas células intestinais, reduzindo, assim, a motilidade intestinalÚtil para a diarréia associada a SII

Carbamezepina Ácido valpróico Lamotrigina

Ver Resumo Farmacológico: Cap. 14

LÍTIOMecanismo — O lítio pode imitar outros cátions monovalentes pequenos e afetar as proteínas e os transportadores que necessitam de co-fatores de cátions. O lítio penetra nas células através dos canais de Na. Inibe tanto a inositol fosfatase que desfosforila o IP2 a fosfato de inositol (IP1), quanto a inositol fosfatase que desfosforila o IP1 a inositol livre, bloqueando, assim, a cascata de sinalização do fosfatidilinositol no cérebro. Ao bloquear a regeneração do PIP2, o lítio inibe a neurotransmissão adrenérgica central, muscarínica e serotoninérgica. Outros mecanismos de ação do lítio incluem aumento da neurotransmissão da 5HT , diminuição da neurotransmissão da NE e DA, inibição da adenililciclase através do desacoplamento das proteínas G dos receptores de neurotransmissores, e alteração dos gradientes eletroquímicos através das membranas celulares, substituindo os canais de Na e/ou bloqueando os canais de K.

Lítio

Transtorno afetivo bipolar

Intoxicação aguda pelo lítio (caracterizada por náusea, vômitos, diarréia, insuficiência renal, disfunção neur omuscular , ataxia, tr emor

, confusão, delírio e convulsões), bradiarritmias graves, hipotensão, disfunção do nó sinusal, hipercalemia, pseudotumor cer ebral, elevação da pr essão intracraniana e papiledema, convulsões, poliúriaDiabetes insípido nefrogênico, hipotireoidismo, bócio, anormalidades ECG e EEG, diarréia, náusea, fraqueza muscular, escotomas transitórios dos campos visuais, comprometimento renal, acne

Debilitação grave, desidratação e depleção de sódio Doença cardiovascular significativaComprometimento renal significativoLactação

O lítio possui uma janela terapêutica estreita e ampla gama de efeitos adversosA intoxicação aguda pelo lítio é uma emer gência médica, cujo tratamento pode exigir diálise Os agentes antiinflamatórios não-esteróides (AINE) ou a hiponatremia podem resultar em reabsorção aumentada de lítio nos túbulos proximais e elevação das concentrações plasmáticas de lítioA inibição da entrada de potássio nos miócitos pelo lítio leva a anormalidades na repolarização dos miócitos, hipercalemia extracelular e hipocalemia intracelularFoi constatado que o lítio diminui o risco de suicídio em pacientes com transtorno bipolar

(Parte 7 de 7)

Comentários