Deus - homem - mundo

Deus - homem - mundo

DEUS – HOMEM – MUNDO

Como cuidar da minha família

Estamos vivenciando com muita dificuldade a convivência familiar e parece até impossível viver. Parece que tudo está fugindo do controle, principalmente na relação familiar. A nossa percepção é que esse víeis está se rompendo.

O mundo globalizado tem modificado o comportamento humano e o comportamento familiar. (desrespeito, constrangimento, agressão, destruição da auto-imagem, ofensa na família, violência em palavras, falta de instabilidade, etc.).

Essa dificuldade e comportamentos éticos e morais tem proporcionado atritos e conflitos que geram patologias e doenças psicossomáticas.

As dificuldades de aprendizagem que está norteando o ciclo vital estão gerando doenças psicológicas, Psicopedagógica, patológicas, sociais entre outras.

Durante anos de orientação e mediação de conflitos familiares com abordagem biopsicopedagógica, estive explorando as ligações entre o desenvolvimento de sujeitos desde a sua concepção, considerando a relação passada de seus pais e as abordagens contemporâneas para o relacionamento espiritual, acredito que necessitamos ajudar nossos filhos e pessoas de nossos relacionamentos a desenvolver as qualidades espirituais a TER uma vida interior mais rica, a TER a capacidade de se importar com os outros e de se relacionar bem com eles, e TER a capacidade de trazer criatividade para situações aparentemente sem esperança em sua própria vida e no mundo interior – das quais o futuro deles depende.

Não vou e não devo mentir para vocês. Este tipo de abordagem da vida familiar consome tempo e energia. Pode ser emocionalmente desafiante. (Renuncias). Felizmente, como eu e os pais e outros sujeitos que tenho ensinado, descobrimos uma vida familiar centrada em histórias, lembranças, contos, fotos,servem-nos como crescimento e diversão para nossas casas, como terapia familiar.

O crescimento emocional é um processo cotidiano que começa com o nascimento (uterino). Muito antes que uma criança seja capaz de pensar ou falar sobre suas emoções, ela precisa ter a experiência do mundo dos sentimentos e relacionamentos num nível não envolve treinamento explícito. Ao falar sobre psique, muitos teóricos fazem distinções entre afeto, sentimento e emoção. Para os nossos propósitos seria indicado pensar neles de maneira que se segue:

AFETO: é uma resposta visceral, como o sobressalto de seu bebê quando ouve uma voz alta. Os afetos são de base corporal.

SENTIMENTO: é a percepção mental do afeto. É a capacidade de pensar sobre o que está sentindo com palavra; isto é, não apenas se dar conta dos calafrios subindo e descendo por suas costas, mas também manifestar o medo com as palavras: “estou com medo”. “socorro” “não sei”

EMOÇÃO: é algo bem mais complexo. Em vez de uma resposta direta ou de uma manifestação de sentimento humano, uma emoção é, na verdade, um processo, uma experiência interior. Voce e eu podemos sentir o mesmo sentimento e TER respostas emocionais muito diferenciadas a ele, refletindo diferenças de temperamentos. Não podemos sentir ou saber o que as outras pessoas estão vivenciando ou vice-versa, a menos que nos comuniquemos.

UM TEMPO PARA A FAMÍLIA

Crie um tempo para criar vínculos. Todos sabem que todos nós temos uma vida ocupada. Mas esta é única vida em família que nós teremos juntado. É a única oportunidade, é impar. Construa laços familiares. Nós não teremos uma segunda chance ou uma segunda oportunidade para vivermos juntos. Não existe volta após a morte. Passe bastante tempo suficiente juntos, confie nele (a). Preste atenção em tudo que fizer, faça com qualidade e não com quantidade. A morte não tem opção de reversibilidade, só por milagre.

O tempo tem 24 horas: 8 horas para dormir, 8 horas para o trabalho e 8 horas para fazer o que for necessário. Transforme o horário das refeições em brincadeiras, desvie o foco para a ligação entre vocês, sem dar conselhos e críticas, não planeje tarefas e pagamentos de contas ou arrumar casa, quem vai dirigir carro e etc. Hora da refeição é sagrada, e exclusiva para família se divertir. O objetivo na hora do almoço é dialogar com qualidade e desfrutar a companhia um do outro, se emprenhar para que possamos conhecer um ao outras melhor como pessoas.

Estabeleça algumas normas na hora do almoço e do jantar:

  • Colocar o telefone na secretária eletrônica

  • Todos devem se levantar junto ao término do lanche, almoço e janta

  • Cada um tem sua vez de falar, assim evita discussões desnecessárias

  • Ouça o outro com atenção, olhando nos olhos

  • Nada de aconselhamento e criticas

  • De a si mesmo aos seus amados.

  • Compartilhe suas lembranças de infância

  • Não tenha explosões de temperamentos

  • Fale dos seus sentimentos com amor e verdade

Respondam para si mesmas:

  1. O que desejaria que seus pais lhe tivessem dado na infância?

  2. O que mais queria de seus pais e não recebeu?

  3. Como sua família manifestava o afeto?

  4. Consegue se lembrar do que fazia com que voce se sentisse realmente amada?

Peguem uma folha de papel em branco e respondam. Se vocês têm filhos, peçam que faça esse trabalhinho e aprendam uns com o outro. Vocês perceberam que muitas vezes repetimos com nossos filhos os atos que voce não gostava no passado.

Deus abençoe a todos, e que a cada dia possam renovar suas mentes e coração, para viver em união familiar.

Família projeto divino.

Comentários