Prova Anac ALFA

Prova Anac ALFA

(Parte 1 de 9)

UnB/CESPE – CAIXA/NM1

Cargo: Técnico Bancário NovoCaderno ALFA – 1 –

•Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para a correção das suas respostas.

•Nas questões que avaliam conhecimentos de informática, a menos que seja explicitamente informado o contrário, considere que: todos os programas mencionados estão em configuração-padrão, em português; o mouse está configurado para pessoas destras; expressões como clicar, clique simples e clique duplo referem-se a cliques com o botão esquerdo do mouse; teclar corresponde à operação de pressionar uma tecla e, rapidamente, liberá-la, acionando-a apenas uma vez. Considere também que não há restrições de proteção, de funcionamento e de uso em relação aos programas, arquivos, diretórios, recursos e equipamentos mencionados.

CONHECIMENTOS BÁSICOS Texto para as questões de 1 a 3

Especialistas apostam que hoje há 32 milhões de1 brasileiros com potencial para planejar uma boa aposentadoria. São jovens das classes A e B, com emprego formal, moram em grandes cidades do Sul e do Sudeste, e são4 o público-alvo principal das empresas de previdência privada. “Se você começa a investir nisso com 20, 25 anos, tem condições de chegar à aposentadoria com uma reserva7 financeira grande”, resume um dos sócios de uma das cinco maiores consultorias de benefícios e gestão empresarial do país.10

A aposentadoria — mesmo a minguada quantia mensal paga pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) — é a principal renda fixa do idoso paulistano. Segundo o13 estudo Síntese de Indicadores Sociais — Uma Análise das Condições de Vida da População Brasileira, publicado em 2009 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística,16 5,9% dos velhinhos paulistanos são aposentados e 12,8%, pensionistas. Do total, 6,2% usufruem do duplo benefício.

É o caso de Maria Sonia, de 75 anos de idade.19

Costarriquenha radicada no Brasil desde os 20 anos — com passagens por Rio, Natal e Avaré – SP — ela aposentou-se com 60 anos. Ganha, com isso, cerca de R$ 1,2 mil. Com a22 morte do marido, alguns anos depois, passou a acumular o benefício da pensão (cerca de R$ 1 mil). Entretanto, não parou de trabalhar. Empresária, está à frente de uma pousada no25 bairro do Paraíso, a quatro quadras de sua casa — aumentando sua renda mensal em cerca de R$ 4 mil. “Chego a trabalhar até 1 horas por dia”, afirma, com ar vitorioso.28

“Você tem a idade que você sente.”

Um benefício que não reflete diretamente no bolso das pessoas da terceira idade — mas pode melhorar sua31 condição de vida — é a criação, em janeiro, do Fundo Nacional do Idoso. “Quando regulamentado, receberá doações de pessoas físicas para financiar programas para os idosos,34 mediante abatimento fiscal”, diz Cláudia Beré, promotora do Atendimento ao Idoso do Ministério Público Estadual. “A lei federal que o criou também permite a regulamentação de37 fundos estaduais e municipais. Já enviamos ofício ao governo do estado e à prefeitura para saber quais são os planos de implementação.”40

Edison Veiga, Filipe Vilicic e Vitor Hugo Brandalise. De olho no futuro, jovens planejam aposentadoria. In: O Estado de S.Paulo, 4/4/10, p. C4. Internet: <w.estadao.com.br> (com adaptações).

QUESTÃO 1 A partir das ideias expressas no texto, assinale a opção correta.

ASó é possível garantir uma boa aposentadoria se o investimento destinado a esse fim for iniciado entre 20 e 25 anos de idade.

BApenas uma parcela da população jovem brasileira tem condições de aderir a um programa de previdência que não seja gerido pelo governo.

CDos jovens empregados das grandes cidades do Sul e do

Sudeste do país, 32 milhões têm um plano de previdência privada.

DTodos os idosos da cidade de São Paulo recebem aposentadoria pelo INSS.

EDos benefícios recebidos pelos idosos, a aposentadoria é o mais rentável.

QUESTÃO 2

Com base no texto, assinale a opção correta no que concerne a regência verbal e nominal e ao uso do sinal indicativo de crase.

ANo trecho ‘Se você começa a investir nisso’ (R.6), o vocábulo ‘nisso’ denota a complementação indireta do verbo ‘investir’.

BSubstituindo-se o vocábulo ‘aposentadoria’ por aposentar em ‘chegar à aposentadoria’ (R.7), o acento grave deve ser mantido, pois sua exigência deve-se à regência de ‘chegar’.

CNo trecho “está à frente de uma pousada no bairro do Paraíso”

(R.25-26), o sinal indicativo de crase foi empregado por se referir a um elemento específico — a pousada; e não a um conjunto de elementos, de forma geral.

DNo trecho “a quatro quadras da sua casa” (R.26), o emprego do sinal indicativo de crase em “a” é facultativo.

EO verbo “reflete”, em “Um benefício que não reflete diretamente no bolso das pessoas da terceira idade” (R.30-31), é intransitivo.

QUESTÃO 3

A respeito do texto, assinale a opção correta.

ASe a palavra “brasileiros” fosse utilizada no feminino plural, o trecho “hoje há 32 milhões de brasileiros” (R.1-2) deveria ser reescrito da seguinte forma: hoje há trinta e duas milhões de brasileiras.

BO travessão empregado na linha 1 poderia ser substituído por vírgula, o que manteria a correção e o sentido original do texto.

COs sujeitos das formas verbais “aposentou” (R.21), “Ganha”

(R.2), “passou” (R.23), “parou” (R.24) e “está” (R.25) possuem o mesmo referente.

DA presença de citações no texto, como as que ocorrem no final do terceiro parágrafo, evidencia seu caráter narrativo.

ENo texto, predomina o gênero descritivo, já que os autores discorrem sobre o funcionamento da aposentadoria no Brasil.

UnB/CESPE – CAIXA/NM1

Cargo: Técnico Bancário NovoCaderno ALFA – 2 –

Texto para as questões de 4 a 8

Ao lado do vinho, a região do Mediterrâneo tem uma1 cesta de produtos nobres cujo consumo nos países em desenvolvimento, até recentemente, era restrito às classes altas. Nos últimos cinco anos, porém, artigos como frutas4 secas, vinagre balsâmico, nozes e castanhas começaram a ganhar mercado nos emergentes. Nos quatro maiores, os

BRICs (Brasil, Rússia, Índia e China), nenhum avançou mais7 rápido que o azeite. Desde 2005, as vendas do produto nesses países tiveram, em média, crescimento de 235%. Nos Estados

Unidos da América (EUA), o segundo maior mercado mundial10 de azeite, atrás apenas da União Europeia, o número ficou na casa dos 20%. Dois fatores ajudam a entender a difusão do óleo de oliva nos BRICs. O primeiro é a expansão da renda:13 uma classe média maior gasta mais, tanto em volume quanto em qualidade. Tão importante quanto isso, no entanto, foi o fato de que os fabricantes de azeite entenderam que cada lugar16 tem as suas especificidades. Na Índia, por exemplo, o produto passou a ser vendido na seção de produtos de beleza dos supermercados. Além de nutrir os cabelos das indianas, ele é19 usado na pele, para prevenir estrias.

Entre os integrantes dos BRICs, o Brasil é o que tem, de longe, o maior mercado de azeite: o consumo deverá atingir22 50.0 toneladas em 2010. Como o país tem forte influência espanhola, italiana e portuguesa (os mais importantes produtores mundiais), o hábito de usar o óleo em pizzas e25 saladas é mais comum do que nos outros do grupo — e as empresas do ramo praticamente não mudam suas táticas de venda no mercado brasileiro. Na China, o comércio do28 produto varia conforme o calendário. Em datas festivas, as pessoas trocam vidros de azeite como presente. As empresas se preparam para essa época e fazem embalagens especiais, já31 que a finalidade do produto é enfeitar as estantes das casas. “Os chineses quase não comem salada. Tivemos de encontrar maneiras alternativas para vender lá”, diz David Prats,34 presidente do grupo espanhol Borges, um dos maiores fabricantes de azeite do mundo. A companhia, que há quinze anos vende seus produtos no Brasil por meio de importadoras,37 decidiu no ano passado abrir uma filial no país. “O mercado brasileiro está fervilhando. Enquanto as nossas vendas ficaram estáveis em alguns países, no Brasil elas subiram 30% em40 2009”, completa o espanhol.

Renata Betti. O óleo da massa. In: Veja, 3/3/2010, p. 27. Internet: <veja.abril.com.br> (com adaptações).

QUESTÃO 4 Assinale a opção correta acerca das ideias expressas no texto.

A comercialização do azeite para fins não culinários é irrisória, se comparada à venda do azeite usado na culinária.

BAtualmente, o consumo de vinho e de azeite no Brasil pode ser equiparado ao dos países mediterrâneos.

CDesde 2005, o aumento no consumo de azeite nos países que compõem o grupo denominado BRICs só não foi maior do que nos EUA, um dos maiores consumidores mundiais do óleo.

DUm dos fatores que determinaram o alargamento do uso do azeite em países não mediterrâneos foi a diferenciação do uso do produto dada pelos fabricantes em cada localidade atendida.

EO azeite e o vinho deixaram de ser produtos de consumo das classes mais abastadas e passaram a constar das listas de compras das classes menos privilegiadas nos países em desenvolvimento.

QUESTÃO 5

(Parte 1 de 9)

Comentários