Madeira: Uso Sustentável na Construção Civil

Madeira: Uso Sustentável na Construção Civil

(Parte 1 de 14)

Madeira:

Uso Sustentável na Construção Civil

Madeira:

Uso Sustentável na Construção Civil

São Paulo - 2003

Madeira: Uso Sustentável na Construção Civil

© 2003, IPT – Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo S. A. Av. Prof. Almeida Prado, 532 - Cidade Universitária “Armando de Salles Oliveira” CEP 05508-901 - São Paulo - SP ou Caixa Postal 0141 - CEP 01064-970 - São Paulo - SP Telefone (1) 3767-4000 - Fax (1) 3767-4099 http://www.ipt.br e-mail: ipt@ipt.br

© 2003, Secretaria do Verde e do Meio Ambiente do Município de São Paulo Rua do Paraíso 387 - Paraíso CEP 04103-0 - São Paulo-SP Telefone: (1) 3372-20 http://www.prefeitura.sp.gov.br/svma e-mail: svma@prefeitura.sp.gov .br

© 2003, SindusCon-SP – Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo Rua Dona veridiana, 5 - Santa Cecília CEP 01238-010 - São Paulo - SP Telefone (1) 3334-5600 Fax (1) 3224-8266 http://www.sindusconsp.com.br e-mail: sindusconsp@sindusconsp.com.br

Equipe Técnica Divisão de Produtos Florestais do IPT – Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo S. A. Geraldo José Zenid Marcio Augusto Rabelo Nahuz Maria José de Andrade Casimiro Miranda Oswaldo Poffo Ferreira Sérgio Brazolin

Secretaria do Verde e do Meio Ambiente do Município de São Paulo Amely Irmtraut Fauser Eduardo Coelho e Mello Aulicino Ricardo Batista Borgianni Ricardo Bessa Gonçalves Colaboração: Ruy de Goes Leite Barros (Diretor do Programa de Qualidade Ambiental - MMA)

SindusCon-SP – Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo COMASP – Comitê de Meio Ambiente, Segurança e Produtividade do SindusCon-SP Francisco Antunes de Vasconcellos Neto Lilian Sarrouf

Projeto gráfico, diagramação e arte da capa: Setor de Comunicação do SindusCon-SP

Tiragem: 5.0 exemplares

Madeira: Uso Sustentável na Construção Civil

Geraldo Alckmin Governador

Secretaria da Ciência, Tecnologia, Desenvolvimento Econômico e Turismo

João Carlos de Souza Meirelles Secretário

Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo

Alberto Pereira de Castro Presidente

Francisco Romeu Landi Vice-Presidente

Diretoria Executiva

Guilherme Ary Plonski Diretor-Superintendente

Francisco Emílio Baccaro Nigro Diretor Técnico

Marcos Alberto Castelhano Bruno Diretor de Planejamento e Gestão

Milton de Abreu Campanario Diretor Administrativo-Financeiro

Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo

Presidente Artur Quaresma Filho

Vice-presidentes Sergio Tiaki Watanabe (Financeiro) Cedric Poli Veneziani Eduardo Gorayeb Eduardo May Zaidan Francisco Antunes de Vasconcellos Neto Iskandar Aude João Claudio Robusti João de Souza Coelho Filho José Romeu Ferraz Neto Luiz Antonio Messias Manuel Tavares da Silva Filho Maristela Alves Lima Honda Miguel da Silva Sastre

Marta Suplicy Prefeita

Secretaria do Verde e Meio Ambiente do Município de São Paulo

Adriano Diogo Secretário

Madeira: Uso Sustentável na Construção Civil Sumário

1. Introdução08
2. Aspectos sócioambientais09
3. Usos da madeira na construção civil12
4. Produtos de madeira14
5. Indicação de madeira para usos na construção civil24
6. Fichas tecnológicas de madeiras29
7. Qualidade da madeira53

Madeira: Uso Sustentável na Construção Civil INTRODUÇÃO

O Brasil é reconhecido mundialmente pela riqueza da biodiversidade de suas florestas e, no entanto, boa parte dos consumidores de madeiras dessas florestas pouco ou nenhum conhecimento tem a respeito da origem deste insumo e do tipo de pressão que o uso intensivo e constante de umas poucas espécies causa ao Meio Ambiente.

Devemos interferir para que nossas florestas não sejam destruídas de forma predatória, evitando que a extinção de espécies da fauna e da flora prejudiquem toda a sociedade.

O processo de escolha e especificação da madeira mais adequada a cada tipo de uso nas atividades do Setor da

Construção, que tem se pautado fortemente pelo conservadorismo e pela falta de informação, precisa incorporar ao seu dia-a-dia espécies alternativas com propriedades semelhantes às das espécies tradicionais.

Este Manual tem como objetivo melhorar a informação dada ao Setor da Construção sobre este importante assunto. Ele é o resultado da ação conjunta da Secretaria do Verde e Meio Ambiente, da Prefeitura Municipal de São Paulo e do Comitê de Meio Ambiente, Segurança e Produtividade do SindusCon-SP - Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo, que trabalharam em cooperação e sob a coordenação dos profissionais da Divisão de Produtos Florestais do Instituto de Pesquisas Tecnológicas. Para a Secretaria do Verde, sua publicação é um passo importante dentro do Programa Municipal de Qualidade Ambiental, instituído em 2002.

Contribuíram também para a elaboração do presente Manual outros profissionais de importantes e expressivas entidades e empresas, como: Ibama, FSC-Brasil, Esalq, Preservam, Imaflora, SBS, Abimci, CPTI, ABPM, às quais agradecemos. Ressalvamos que a elas não cabe nenhuma responsabilidade pelo texto final.

Madeira: Uso Sustentável na Construção Civil Aspectos sócioambientais

2.1 Fontes de matéria prima (florestas nativas e plantadas)

Nos últimos dez anos são cada vez mais freqüentes as notícias de desmatamentos no território nacional para a implantação de projetos agropecuários, projetos urbanísticos, extrativismo vegetal ou exploração mineral, comprovadas através de imagens registradas por satélite.

Passam a ser fundamentais iniciativas simples, que possam contribuir para minimizar os efeitos deste quadro. Diante da exploração extrativista sem plano de manejo adequado das matas nativas, que retira grandes volumes de apenas algumas espécies definidas pelo mercado, a floresta não consegue se recompor naturalmente na mesma velocidade. As fontes das madeiras tão desejadas são:

2.1.1. Florestas plantadas: que se destinam a produzir matéria-prima para as indústrias de madeira serrada, painéis à base de madeira e móveis, cuja implantação, manutenção e exploração seguem projetos previamente aprovados pelo Ibama.

2.1.2. Florestas nativas: que são exploradas para atender ao mercado de madeiras de duas formas: - Por meio de manejo florestal: através da exploração planejada e controlada da mata nativa.

- Por meio de exploração extrativista: explorando comercialmente apenas as espécies com valor de mercado, sem projetos de manejo.

2.2 Manejo florestal

O aproveitamento das florestas naturais ou plantadas, através de Projeto de Manejo Florestal aprovado pelo

IBAMA, é a forma correta de utilizar estes recursos naturais, por partir do princípio de sustentabilidade, ou seja, prevendo uma utilização que permite a recomposição da floresta de uma determinada área, viabilizando-a econômica, socialmente e ambientalmente.

(Parte 1 de 14)

Comentários