Apostila Macroeconomia

Apostila Macroeconomia

(Parte 1 de 9)

TEORIA MACROECONÔMICA Fernando de Holanda Barbosa

“IT DOES REQUIRE MATURITY TO REALIZE THAT MODELS ARE TO BE USED BUT NOT TO BE BELIEVED.” [Theil (1971), p.VI ].

“ANY POLICY-MAKER OR ADVISER WHO THINKS HE IS NOT USING A MODEL IS KIDDING BOTH HIMSELF AND US.”[ Tobin, James].

“ …IN THE DYNAMIC FIELD OF SCIENCE THE MOST IMPORTANT GOAL IS TO BE SEMINAL AND PATHBREAKING, TO LOOK FORWARD BOLDLY EVEN IF IMPERFECTLY.”[Samuelson (1971), p X-XI.].

“ IT IS MUCH EASIER TO DEMONSTRATE TECHNICAL VIRTUOSITY THAN TO MAKE A CONTRIBUTION TO KNOWLEDGE. UNFORTUNATELY IT IS ALSO MUCH LESS USEFUL.” [ Summers (1991) p. 18 ].

“ GENTLEMEN, IT IS A DISAGREEABLE CUSTOM TO WHICH ONE IS TO EASILY LED BY THE HARSHNESS OF THE DISCUSSIONS, TO ASSUME EVIL INTENTIONS. IT IS NECESSARY TO BE GRACIOUS AS TO INTENTIONS; ONE SHOULD BELIEVE THEM GOOD, AND APPARENTLY THEY ARE; BUT WE DO NOT HAVE TO BE GRACIOUS AT ALL TO INCONSISTENT LOGIC OR TO ABSURD REASONING. BAD LOGICIANS HAVE COMMITED MORE INVOLUNTARY CRIMES THAN BAD MEN HAVE DONE INTENTIONALLY.” [Pierre S. du Pont, quoted by Milton Friedman].

PARTE I: MODELOS COM PREÇOS RÍGIDOS Capítulo 1: IS/LM/Curva de Phillips

Capítulo 2: Flutuação Econômica e Estabilização Capítulo 3: Macroeconomia da Economia Aberta

PARTE I: MODELOS DE POLÍTICAS MONETÁRIA E FISCAL Capítulo 4: Restrição Orçamentária do Governo

Capítulo 5: Teoria e Política Monetária

PARTE I: MODELOS COM PREÇOS FLEXÍVEIS Capítulo 6: Crescimento Econômico

Capítulo 7: Agente Representativo Capítulo 8: Gerações Superpostas

PARTE IV: APÊNDICE MATEMÁTICO Apêndice A: Equações Diferenciais Apêndice B: Teoria do Controle Ótimo

Capítulo 1 IS/LM/Curva de Phillips

1. Curva IS 2. Curva IS: Microfundamentos 2.1. Preferências do Consumidor 2.2. Equilíbrio do Consumidor: Equação de Euler 2.3. Curva IS Novo-Keynesiana

2.4. Curva IS Novo-Keynesiana: Variáveis Contínuas 3. Taxa de Juros Natural 4. Curva LM 5. Curva LM: Microfundamentos 5.1. Moeda na Função Utilidade 5.2. Restrição Prévia de Liquidez 5.3. Custo de Transação 6. Mercado de Reservas Bancárias 7. Curva de Phillips 8. Curva de Phillips: Microfundamentos 9. Exercícios

Capítulo 2 Flutuação Econômica e Estabilização

1. IS/CP, Regra de Taxa de Juros e Inércia da Inflação 2. IS/CP, Regra de Taxa de Juros sem Inércia da Inflação 3. Modelo de Preços Rígidos com Microfundamentos 4. IS/LM/CP, Regra de Estoque de Moeda e Inércia da Inflação 5. Exercícios

Capítulo 3 Macroeconomia da Economia Aberta

1.Arbitragem dos Preços dos Bens e Serviços 1.1. Paridade do Poder de Compra Absoluta 1.2. Paridade do Poder de Compra Relativa

1.3. Bens Comercializáveis e Bens Não Comercializáveis 2. Arbitragem da Taxa de Juros 2.1. Paridade da Taxa de Juros Descoberta 2.2. Paridade da Taxa de Juros Coberta 2.3. Paridade da Taxa de Juros Real Descoberta 3. Condição de Marshall-Lerner 4. Curva IS na Economia Aberta 5. Curva IS na Economia Aberta: Microfundamentos 6. Taxa de Câmbio Real de Longo Prazo 7. Curva de Phillips na Economia Aberta 8. Regime de Câmbio Fixo 9. Regime de Câmbio Flexível 10. Exercícios

Capítulo 4 Restrição Orçamentária do Governo

1. Consolidação das Contas do Tesouro e do Banco Central 2. Sustentabilidade da Dívida Pública 2.1. Déficit (Superávit) Primário Constante 2.2. Déficit (Superávit) Primário Variável 3. Imposto Inflacionário 4. Hiperinflação

4.1. Bolha 4.2. Equilíbrio Múltiplo 4.3. Crise Fiscal e Rigidez 4.4. Crise Fiscal e Expectativas Racionais 5. Equivalência Ricardiana 6. Teoria Fiscal do Nível de Preços 7. Sustentabilidade do Regime Monetário 8. Exercícios

Capítulo 5 Teoria e Política Monetária

1. Preço da Moeda: Bolhas x Fundmentos 2. Equilíbrio Múltiplo 3. Indeterminação do Preço da Moeda 4. Quantidade Ótima de Moeda 5. Limite Zero da Taxa de Juros Nominal 6. Inconsistência Dinâmica 7. Suavização da Taxa de Juros 8. Programa de Metas de Inflação 9. Procedimentos Operacionais da Política Monetária 10. Estrutura a Termo de Taxa de Juros 1. Exercícios

Capítulo 6 Crescimento Econômico

1. Crescimento Exógeno 1.1 Modelo de Solow 1.2 Ineficiência, Convergência e Divergência 1.3 Capital Humano 2. Crescimento Exógeno: Microfundamentos 2.1 Agente Representativo 2.2 Gerações Superpostas 3. Crescimento Endógeno 3.1 Modelo AK 3.2 Capital Humano 4. Crescimento Endógeno: Microfundamentos 5. Contabilidade do Crescimento 6. Exercícios

Capítulo 7 Agente Representativo

1. Modelo Básico 2. Economia com Governo 3. Economia Monetária 4. Ciclos Reais 5. Economia Aberta

5.1 Agregação de Bens 5.2 Agente Representativo na Economia Aberta 6. Exercícios

Capítulo 8 Gerações Superpostas

1. Gerações Superpostas com Vida Infinita 2. Economia com Governo 3. Economia Aberta 3. Curva IS na Economia Aberta 4. Gerações Superpostas com Vida Finita 5. Exercícios

PARTE IV: APÊNDICE MATEMÁTICO Apêndice A

Equações Diferenciais 1. Equação Diferencial Linear de Primeira Ordem 2. Equação Diferencial Linear de Segunda Ordem 3. Sistema Linear de Equações Diferenciais de Primeira Ordem 4. Histeresis 5. Exercícios

Apêndice B

Teoria do Controle Ótimo 1. Controle Ótimo: Problema Básico

2. Hamiltoniano e Condição de Transversalidade 3. Controle Ótimo com Taxa de Desconto e Horizonte Infinito 4. Controle Ótimo Linear 5. Dinâmica Comparativa

5.1 Mudança Permanente Não Antecipada 5.2 Mudança Permanente Antecipada 5.3 Mudança Transitória Não Antecipada 5.4 Mudança Transitória Antecipada

6. Exercícios

BIBLIOGRAFIA I) Geral

I) Clássicos I) Livros Textos e Manuais

10 PARTE I: MODELOS COM PREÇOS RÍGIDOS

Capítulo 1 IS/LM/Curva de Phillips

Este capítulo trata da especificação de três equações dos modelos macroeconômicos de curto prazo: i) a relação entre taxa de juros real e produto real, a curva IS; i) a relação entre a taxa de juros nominal e a quantidade de moeda, a curva LM; i) a relação entre a taxa de desemprego (ou o hiato do produto) e a taxa de inflação, a curva de Phillips. A especificação de cada uma destas equações será feita por dois enfoques. No enfoque tradicional as equações são motivadas por regras de comportamento, não fundamentadas em modelos de otimização. No enfoque de microfundamentos, as especificações baseiam-se na teoria microeconômica. Os dois enfoques produzem não somente especificações distintas, mas também previsões diferentes que podem ser testadas empiricamente.

1. Curva IS

O dispêndio, no mercado de bens e serviços, pode ser dividido em três componentes: i) consumo (c), investimento (i) e gasto do governo (g), tanto para consumo corrente como para investimento. O consumo depende da renda disponível, obtida subtraindo-se da renda (y) o total de impostos (τ). A propensão marginal a consumir está compreendida entre zero e um, 10<′<c. O investimento depende da taxa interna de retorno, a eficiência marginal do capital na linguagem de Keynes, e da taxa de juros real esperada pelo empresário. A taxa de juros real esperada é igual à diferença entre a taxa de juros nominal (r) e a taxa de inflação esperada (π). Para uma dada taxa interna de retorno, quanto maior (menor) a taxa de juros real esperada menor (maior) será o investimento, ou seja, a derivada do investimento em relação à taxa de juros real

(i′) é menor ou igual a zero. O gasto do governo é exógeno ao modelo. O dispêndio nesta economia é, portanto, igual a:

O mercado de bens e serviços está em equilíbrio quando o dispêndio for igual ao produto:

dy= Combinando-se estas duas equações obtém-se:

(Parte 1 de 9)

Comentários