Enfermagem em clínica médica

Enfermagem em clínica médica

(Parte 7 de 14)

- pesar o paciente diariamente;

- realizar balanço hídrico;

- oferecer dieta leve, fracionada, hipossódica, hipolipídica;

- anotar alterações no funcionamento intestinal;

- administrar medicamentos conforme prescrição médica, adotando cuidados especiais;

- observar o aparecimento de sinais e sintomas de intoxicação medicamentosa;

- transmitir segurança na execução das atividades;

→ Cuidados na administração de digitálicos

- verificar pulso e freqüência cardíaca antes de administrar cada dose do medicamento. Caso o pulso esteja inferior a 60bpm, consultar o médico;

- observar sintomas de toxidade digital: arritmia, anorexia, náuseas, vômito, diarréia, bradicardia, cefaléia, mal-estar e alterações comportamentais;

Clínica Médica – Profª Aretusa Delfino de Medeiros

→ Cuidados com a administração de diuréticos - oferecer o medicamento pela manhã;

- realizar balanço hídrico;

- pesar o paciente diariamente;

- observar sinais de fraqueza, mal estar, câimbras musculares;

- estimular a ingestão de alimentos ricos em potássio (laranja, limão, tomate), desde que não aja contraindicação.

Definição: A angina, também denominada angina pectoris, é uma dor torácica transitória ou uma sensação de pressão que ocorre quando o miocárdio não recebe oxigênio suficiente. As necessidades de oxigênio do coração são determinadas pelo grau de intensidade de seu esforço, isto é, pela rapidez e pela intensidade dos batimentos cardíacos.

O esforço físico e as emoções aumentam o trabalho cardíaco e, conseqüentemente, aumentam a demanda de oxigênio do coração. Quando as artérias apresentam estreitamento ou obstrução de modo que o fluxo sangüíneo ao músculo não pode ser aumentado para suprir a maior demanda de oxigênio, pode ocorrer uma isquemia, acarretando dor.

Causas

Doença arterial coronariana – aterosclerose (estreitamento da luz do vaso coronariano), arterite coronariana, espasmo arterial.

Distúrbios circulatórios - estenose aórtica, hipotensão (diminui retorno de sangue ao coração), espasmo arterial. Distúrbios sangüíneos: anemia, hipoxemia e policitemia.

Fatores de risco

Esforço físico, ingestão de alimentos aumentada. Emoções

Exposição a baixas temperaturas

Sintomas: A isquemia do miocárdio provoca ataques de DOR de gravidade variável, desde a sensação de pressão subesternal, até a dor agonizante com sensação de morte iminente. Tem as seguintes características:

sensação: aperto, queimação, esmagamento, enforcamento, “gases”, etc. intensidade: geralmente, discreta ou moderada. Raramente, forte.

localização: retroesternal ou discretamente para a esquerda do esterno.

irradiação: ombro esquerdo braço esquerdo cotovelo punho dedos. Pescoço braço direito mandíbula região epigástrica peito.

Clínica Médica – Profª Aretusa Delfino de Medeiros

duração: normalmente, dura 5 minutos (em média), podendo durar 15 a 20 minutos, em caso de raiva extrema. alívio: repouso e nitroglicerina Outros sintomas: dispnéia, palidez, sudorese, tonturas, palpitações e distúrbios digestivos (náuseas, vômitos).

Diagnóstico:

Manifestações clínicas da dor Anamnese

Teste de esforço: esteira rolante ou bicicleta.

Angiografia coronariana Tratamento:

O tratamento é iniciado com medidas para se evitar a doença arterial coronariana, retardar sua progressão ou revertê-la através do tratamento das causas conhecidas (fatores de risco). Os principais fatores de risco, como a hipertensão arterial e os elevados níveis de colesterol, são tratados imediatamente. O tabagismo é o fator de risco evitável mais importante da doença arterial coronariana.

O tratamento da angina depende em parte da gravidade e da estabilidade dos sintomas. Quando os sintomas pioram rapidamente, a hospitalização imediata e o tratamento medicamentoso são usuais. Se os sintomas não forem substancialmente minimizados com o tratamento medicamentoso, a dieta e a alteração do estilo de vida, a angiografia pode ser utilizada para determinar a possibilidade de uma cirurgia de revascularização miocárdica ou de uma angioplastia.

* Cuidados de enfermagem - avaliar as características da dor no peito e sintomas associados.

- avaliar a respiração, a pressão sangüínea e freqüência cardíaca em cada episódio de dor torácica.

- fazer um ECG, cada vez que a dor torácica surgir, para evidenciar infarto posterior.

- monitorizar a resposta ao tratamento medicamentoso.

- avisar o médico se a dor não diminuir.

- identificar junto ao cliente as atividades que provoquem dor.

- oferecer assistência de maneira calma e eficiente de modo a reconfortar o cliente até que o desconforto desapareça.

- prover um ambiente confortável e silencioso para o cliente/família. - ajudar o paciente a identificar seus próprios fatores de risco.

- ajudar o paciente a estabelecer um plano para modificações dos fatores de risco.

- providenciar orientação nutricional ao cliente/família.

- esclarecer o cliente/família acerca dos medicamentos que deverão ser tomados após a alta hospitalar.

- esclarecer o cliente acerca do plano terapêutico. - explicar a relação entre a dieta, atividades físicas e a doença.

* Cuidados de enfermagem na administração do nitrato - a nitroglicerina pode causar uma sensação de queimadura sob a língua quando dor forte;

- orientar o paciente a não deglutir a saliva até que o comprimido esteja totalmente diluído;

(Parte 7 de 14)

Comentários