Resumo de Sepse

Resumo de Sepse

(Parte 1 de 3)

Resumo Sepse Por Sidney Junior – sdmjunior@gmail.com

➔Temos no Brasil uma incidência de 27% de Sepse Grave nos pacientes com mais de 24 horas de internação em UTI e uma mortalidade em 28 dias de 47%.

➔2/3 dos casos de Sepse são provenientes de Infecções hospitalares.

➔Nos últimos 10 anos a incidência de Sepse aumentou em 91.3%, representando um alto custo para os Sistemas de Saúde.

•Conceitos:

◦Infecção: Invasão de um tecido por microrganismo determinando uma lesão localizada pela ação direta do microrganismo e pela resposta inflamatória.

◦Bacteremia: Presença de bactérias viável no sangue detectado por hemocultura.

◦SIRS: Síndrome da Resposta Inflamatória Sistêmica – Resposta inflamatória inespecífica do organismo a vários tipos de agressão (pancreatite, politraumatismo, grandes queimaduras, infarto agudo do miocárdio, pós-operatórios, Lúpus Eritematoso, infecção), manifestada por 2 ou mais das seguintes condições:

▪Temperatura > 38°C ou < 36°C

▪Freqüência cardíaca > 90 bpm

▪Freqüência respiratória > 20 irpm ou PCO2 < 32mmHg ▪Leucócitos > 12.0/mm³ ou < 4.0/mm³ ou 10% das formas jovens

◦Sepse: Evidência CLÍNICA de infecção mais SIRS. Não é necessária uma Hemocultura positiva para o diagnóstico de Sepse. Somente 20% das Hemoculturas em pacientes Sépticos dão positivas. Sepse é então uma SIRS de etiologia infecciosa ou suspeita.

◦Sepse Grave: Sepse associada com disfunção de órgãos, Hipoperfusão ou Hipotensão, podendo haver Acidose Lática, Oligúria (< 0,5 ml/kg/h), Hipoxemia (PaO2/F1O2 < 280) , alterações agudas do nível de consciência ou SARA (Síndrome da Angústia Respiratória do Adulto).

◦Choque Séptico: Diagnóstico clínico de Sepse mais Hipotensão por menos de 1 hora e responsivo a reposição volêmica e a vasopressinas. *Hipotensão = 90x40 na ausência de outra causa para hipotensão.

◦Choque Séptico Refratário: Choque Séptico que persiste por mais de uma hora apesar de tratamento adequado (reposição de volume e vasopressinas). *Vasopressinas utilizadas na Sepse: Noradrenalina (1 escolha) e Noradrenalina.

◦Síndrome da Disfunção Múltipla de Órgãos: Disfunção de um ou mais órgãos que obrigam a intervenção terapêutica para se manter a homeostasia.

O mecanismo de Taquipnéia na Sepse é justificado pela compensação da Acidose Metabólica causada pela infecção.

•Fatores Predisponentes para Sepse :

◦Sepse por Gram Negativos: Diabete Mellitus, Queimaduras, Cirrose, Procedimentos Invasivos ou Dispositivos, tratamentos com drogas que induzam a Neutropenia.

◦Sepse por Gram Positivos: Catéteres vasculares, Queimaduras, Usuários de Drogas EV.

◦Sepse por Fungos: Catéter vascular, uso prévio de antibiótico, cirurgia abdominal, alimentação parenteral total, imunodeprimidos.

•Mecanismo da Sepse:

◦Indução da Cascata Inflamatória: Toxinas bacterianas/fúngicas/virais/protozoários

(LPS no caso de bactérias Gram Negativas e no caso de Gram Positivas Ácido Lipoteicóico e Peptideoglicano) ativam células do Sistema Imune Inato (Macrófagos, Neutrófilos, NK) que por sua vez produzem Citocinas, chamadas de Proteínas de Fase Aguda (IL-1, IL-6, TNF-Alfa, Derivados do Ácido Aracdônico como Prostaglandinas, Prostaciclinas e outros) que ativam células do Endotélio (importantes para resposta inflamatória). Ativam também o Sistema Complemento que irá contribuir para a exacerbação do quadro inflamatório. Com isso teremos uma resposta do organismo que inclui: Aumento da permeabilidade vascular, Taquicardia, Taquipnéia, Febre, Leucocitose. Com o tempo essa resposta do organismo pode levar a Edema, Destruição de Tecidos, Falha de Órgãos, Leucopenia, Disfunção de Neutrófilos e Macrófagos (imunoparalisia) aumentando assim a sucessibilidade de uma maior infecção.

Toxinas » Sistema Imune » Citocinas (Proteínas de Fase Aguda) » Sist. Complemento » Reação Sistêmica Grave » Imunoparalisia » Aumento da sucessibilidade à infecções.

➔Algumas pessoas respondem a Sepse com uma resposta Hiperativa, faz uma Super inflamação. Essas pessoas têm uma maior chance de cursarem com Choque Séptico Refratário. Há também pessoas que respondem normalmente aos mecanismos da Sepse porém fazem tardiamente uma reação de Imunoparalisia e Disfunção Múltipla de Órgãos.

◦Mediadores Químicos e seus efeitos: ▪PgE2: Febre

▪PgI2 e PgE2: Vasodilatação periférica

▪PAF: Ativação plaquetária e estimulação e desgranulação de Neutrófilos.

•Manifestações Clínicas da Sepse:

◦Manifestações Inespecíficas: Não sugerem o Agente Etiológico ▪ Febre

▪ Taquicardia

▪ Taquipnéia

▪ Leucocitose

▪ Mialgia

▪ Sonolência

▪ Hiperventilação

▪ Hipotensão

▪Coagulação Intra Vascular Disseminada

▪Alteração do comportamento ou agravamento de condição neurológica prévia.

•Quando há disseminação para a pele pode haver: Celulite, Pústula, Bolhas, Lesões Hemorrágicas.

➔A pele do paciente séptico deve sempre ser examinada, já que pode dar indícios de qual é o principal Agente Etiológico responsável pelo quadro séptico. Por exemplo: Petéquias (lesões puntiformes) e Púrpura (coalescência de petéquias) sugerem Meningococcemia, infecção por S. aureus, Gonococcemia, Bacteremia por Pseudomonas, Rickettiose e, dependendo da história do paciente, Febre Maculosa (se tiver tido possível contato com carrapatos). Essas Lesões sugerem embolia distal.

➔Em um doente Neutropênico (< céls 500-1000/mm³) temos uma lesão cutânea característica que é a Ectima Gangrenosum, que é uma lesão escura, de vasculite e causada por P. Aeruginosa.

➔S. aureus e S. pyogenes produzem uma toxina chamada Eritrogênio. Essa toxina pode causa

Síndrome do Choque Tóxico durante o curso de uma Sepse e manifestar-se na pele do paciente com vermelhidão (eritroderma difuso).

➔Há também com freqüência em pacientes sépticos a Ulceração Gástrica de Stress, devendo o profissional de saúde estar atento a isso para prevenir a formação dessas úlceras.

SARA – Síndrome da Angústia Respiratória do Adulto

A SARA é definida por Infiltrado Intersticial nos 4 quadrantes pulmonares e ocorre porque o aumento da permeabilidade vascular favorece extravasamento para interstício pulmonar de Exsudato

Proteináceo, resultando numa hipoxemia grave. A SARA não é exclusiva de infecção, pode-se desencadear a síndrome por qualquer etiologia que desencadeie resposta inflamatória exacerbada, como grandes cirurgias, politraumas e grandes queimaduras.

◦Outras possíveis Manifestações Clínicas da Sepse:

(Parte 1 de 3)

Comentários