Carcinofauna (crustacea, decapoda, brachyura)

Carcinofauna (crustacea, decapoda, brachyura)

Gregory Bordes Weber

Edinalva Oliveira Rua Pedro Viriato Parigot de Souza, 5300. Campo Comprido CEP: 81.280 - 330, Curitiba, Parana. greweber@bol.com.br

No litoral brasileiro ocorrem cerca de 302 especies de caranguejos Brachyura (Melo, 1996). Segundo estudos de Lana et al., (1996) na costa catarinense o conhecimento sobre estes organismos e pouco expressivo, muito embora o complexo de correntes oceanicas ali operantes, aliado as massas de agua gere condicoes peculiares que potencializam o transporte de larvas desde regioes tropicais e subtropicais ou ainda subantarticas ate este setor Borzone, et al., (1999).

O litoral catarinense, situado na costa sul brasileira, apresenta 538 km de extensao, neste o municıpio de Barra Velha ocupa uma area aproximada de 141 Km2. De um modo geral, sao raros os estudos que contemplam aspectos da biologia destes organismos nestes locais. Na Ilha do Arvoredo Bouzon & Freire (2007), registraram 25 especies de Brachyura. Alem disso, os impactos antropogenicos incidentes sobre Ocypode quadrata em praias arenosas da Ilha de Santa Catarina, foram estudados por Blankensteyn (2006).

Nao ha ate o presente momento registro na literatura de qualquer estudo de representantes da Carcinofauna em Barra Velha. Neste sentido, a presente analise tem por meta analisar a riqueza especıfica, distribuicao de densidade e frequencias dos Crustacea, Decapoda, Brachyura na Praia do Cerro e na Lagoa de Barra Velha.

As amostras foram realizadas durante o perıodo de baixamar, nos meses de Abril e Maio/2009 em dois locais no municıpio de Barra Velha, Santa Catarina. Na praia do Cerro (S: 26042’205” W:48040’885”), foram inicialmente localizadas cerca de 35 tocas de Ocypode quadrata, as quais foram escavadas usando pas e manualmente para coleta dos indivıduos ali presentes. Os caranguejos retirados das tocas foram acondicionados em recipientes plasticos e fixados ainda no campo em formol 10% com agua do local.

Nos bancos de marisma da Lagoa de Barra Velha (S: 26037’547” W:48040’994”) foram aleatoriamente distribuıdos cinco quadrantes de um metro quadrado cada um e todos os caranguejos ali presentes foram coletados manualmente ou com o auxılio de pincas. No primeiro momento somente os indivıduos presentes sobre a superfıcie foram amostrados e imediatamente a seguir o solo foi revolvido a partir das tocas registradas no espaco amostral, sendo estas e o solo escavadas ate cerca de 15 cm de profundidade e todos os indivıduos ali presentes foram coletados. As amostras foram acondicionadas em sacos plasticos, devidamente etiquetadas e fixadas ainda no campo em formol 10% com agua do local de estudo.

No laboratorio os caranguejos foram inicialmente transferidos para alcool 70% e a seguir separados e identificados ao nıvel especıfico segundo as chaves de MELO (1996). Posteriormente quantificados sendo a abundancia total e a densidade determinadas para cada especie, bem como a distribuicao de frequencias relativas, a morfometria da carapaca e determinacao do sexo.

Foram registrados 287 caranguejos Brachyura, sendo 75 na Praia do Cerro e 212 nos bancos de marismas da Lagoa de Barra Velha. Estes braquiuros correspondem a representantes das famılias: Ocypodidae Portunidae e Grapsidae. O emprego de coleta manual teve como intuito mitigar erros amostrais quando comparadas a outras estrategias tais como a contagem direta dos animais com binoculos (que provoca uma subestimativa na densidade populacional) ou ainda a contagem do numero de aberturas das tocas (que pode gerar uma super estimativa) (Macia et al., 2001; Skov & Hartnoll, 2001 Perez & Vianna, 2007).

Os 75 caranguejos coletados na Praia do Cerro sao exemplares de Ocypode quadrata, sendo N=65 machos e N=10 femeas; os quais perfizeram em maio/2009 N=36 e em

Anais do IX Congresso de Ecologia do Brasil, 13 a 17 de Setembro de 2009, Sao Lourenco - MG 1 abril/2009 N=39, sendo suas tocas facilmente observaveis nos limites entre o medio e o supralitoral. A amplitude de tamanho do comprimento da carapaca destes caranguejos oscilou entre 0,4 m e 30,2 m. Tendo sido registrados femeas (N=10) e machos (N=65). Estudos na Ilha de Santa Catarina avaliaram em 60 m2 uma densidade no inverno de 434 tocas e 689 no verao destes caranguejos (Blankensteyn, 2006).

Nos bancos de marisma da Lagoa de Barra Velha, foram registrados Uca thayeri, Ucides cordatus, Callinectes sapidus, Pachygrapsus transversus e Metasesarma rubripes. Nesta lagoa a densidade nos quadrantes oscilou entre 8 ind.m2 (maio/2009) e 48 ind.m2 (abril/2009). A especie mais abundante e U. thayeri N= 125 indivıduos que equivale a (58,95%) do total amostrado, em segundo lugar M. rubripes N= 83 (39,1%) C. sapidus N= 2 (0,94%) e finalmente com apenas 1 exemplar U. cordatus e P. transversus (0,5%) cada uma.

A densidade de U. thayeri oscilou entre 5 ind. m2 e 19 ind.m2 enquanto que para M. rubripes os valores de densidade oscilaram entre 1 ind.m2 e 31 ind. m2. No caso de U. thayeri os valores concordam com estudos de Masunari (2006) que igualmente usou a coleta manual em bancos de marisma no litoral paranaense. Neste caso a densidade maxima foi de 10,0 ind.m - 2 e media de 2,0 ± 3,07 ind.m - 2. De um modo geral, o genero Uca costuma apresentar simpatria (Masunari, 2006 registrou quatro especies enquanto que Benetti, 2007 registrou tres especies). No presente estudo este fato nao foi verificado. Alem disso, U. thayeri e considerada uma especie tipicamente caribeana (Barnwell 1986), sendo o litoral catarinense seu limite extremo sul.

A amplitude de tamanho do comprimento da carapaca para U. thayeri oscilou entre 0,1 m e 14,0 m, tendo sido registrados femeas (N=73) e machos (N= 9); C. sapidus machos (N=2) 0,7 m e 0,9 m e M. rubripes 0,2 m e 13,0 m, dos quais femeas (N=15) e machos (N=61). Alem disso, femeas ovıgeras de M rubripes foram registrados em maio/09.

Na praia do Cerro em Barra Velha Ocypode quadrata ocorre ao longo de toda a extensao, sendo as tocas observaveis nos limites entre o medio litoral e o supra litoral, sendo os machos maiores e mais frequentes que as femeas.

Nos bancos de marisma da Lagoa de Barra Velha ocorrem cinco especies de Brachyura, representes das famılias: Ocypodidae, Portunidae e Grapsidae. Entre as quais Uca thayeri e Metasesarma rubripes se destacam pela abundancia.

Barnwell, F.H. 1986. Fiddler crabs of Jamaica (Decapoda, Brachyura, Ocypodidae, Genus Uca). Crustaceana, Leiden, 50 (2): 146 - 165. Benetti A.S. 2007. Biologia Reprodutiva em Especies do Genero Uca (Crustacea, Brachyura, Ocypodidae) em manguezais tropicais. Tese de Doutorado. Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho (UNESP), “Campus” de Botucatu. 157. Blankensteyn, A. 2006 O uso do caranguejo maria - farinha Ocypode quadrata (Fabricius) (Crustacea, Ocypodidae) como indicador de impactos antropogenicos em praias arenosas da Ilha de Santa Catarina, Santa Catarina, Brasil. Revista Brasileira de Zoologia., vol.23, n.3, 870 - 876. Borzone, C.A.; Pezzuto, P.R. & Marone, E. 1999. Oceanographic Characteristics of a Multi - Specific Fishing Ground of the Central South Brazil Bight. Marine Ecology, vol. 20, no. 2, 131 - 146. Bouzon, J.L. & Freire, A.S. 2007. The Brachyura and Anomura fauna (Decapoda; Crustacea) in the Arvoredo Marine Biological Reserve on the southern brazilian coast. Brazilian Journal of Biology, 67(2): 321 - 325. Lana, P.C.; Camargo, M.G.; Brogim, R.; Isaac, V. 1996. O bentos da costa brasileira: avaliacao crıtica e levantamento bibliografico (1858 - 1996). MMA, CIRM, FEMAR, Rio de Janeiro, 432 p. Macia, A.; I. Quincardete & J. Paula 2001. A comparison of alternative methods for estimating population density of the fiddler crab Uca annulipes at Saco Mangrove, Inhaca Island (Mozambique). Hydrobiologia, Dordrecht, 449: 213 - 219. Masunari, S. 2006. Distribuicao e abundancia dos caranguejos Uca Leach (Crustacea, Decapoda, Ocypodidae) na Baıa de Guaratuba, Parana, Brasil. Revista Brasileira de Zoologia. vol.23, n.4, 901 - 914. Melo, G.A.S. 1996. Manual de identificacao dos Brachyura (caranguejos e siris) do litoral brasileiro. Sao Paulo: Pleiade. 604p. Perez, C.P. & Vianna M.R. Distribuicao espacial de tocas de Ocypode quadrata (Fabricius, 1787) em relacao a altura da mare em uma praia da Ilha do Cardoso (Cananeia, SP) Anais do VIII Congresso de Ecologia do Brasil 2007 Skov, M.W. & R.G. Hartnoll 2001. Comparative suitability of binocular observation, burrow counting and excavation for the quantification of the mangrove fiddler crab Uca annulipes (H. Milne Edwards). Hydrobiologia, Dordrecht, 449: 201 - 212. Spivak E.D.; Gavio, M.A. & Navarro, C.E., 1991. Life history and structure of the world’s southernmost Uca population: Uca uruguayensis (Crustacea, Brachyura) in Mar Chiquita Lagoon (Argentina). Bulletin of Marine Science, 48: 679–688.

Anais do IX Congresso de Ecologia do Brasil, 13 a 17 de Setembro de 2009, Sao Lourenco - MG 2

Comentários