(Parte 1 de 3)

ISSN 1517 - 0187 CIRCULAR TÉCNICA Nº 12

Djalma M. Gomes de Sousa

Lourival Vilela Edson Lobato Wilson Vieira Soares

Circ. téc - Embrapa CerradosPlanaltinan. 12p.1-222001 ISSN 1517-0187

Djalma M. Gomes de Sousa

Lourival Vilela Edson Lobato Wilson Vieira Soares

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Embrapa Cerrados Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Copyright Embrapa - 2001 Circular técnica - Embrapa Cerrados, 12

Exemplares desta publicação podem ser solicitados a: Embrapa Cerrados BR 020, Km 18, Rodovia Brasília/Fortaleza Caixa Postal 08223 CEP 73301-970 - Planaltina, DF Telefone (61) 388-9898 - Fax (61) 388-9879

Tiragem: 10000 exemplares

Comitê de Publicações:

Ronaldo Pereira de Andrade (Presidente), Maria Alice Bianchi, Leide Rovênia Miranda de Andrade, Carlos Roberto Spehar, José Luiz Fernandes Zoby e Nilda Maria da Cunha Sette (Secretária-Executiva).

Coordenação editorial: Nilda Maria da Cunha Sette

Revisão gramatical:Maria Helena Gonçalves Teixeira Normalização bibliográfica: Maria Alice Bianchi Diagramação e arte final: Leila Sandra Gomes Alencar Capa: Chaile Cherne Soares Evangelista

Todos os direitos reservados.

A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação do Copyright (Lei n° 9.610).

Uso de gesso, calcário e adubos para pastagens no Cerrado / Djalma M. Gomes de Sousa...[et al]. - Planaltina: Embrapa Cerrados, 2001. 2 p. - (Circular técnica / Embrapa Cerrados, ISSN 1517-0187 ; n.12)

1. Pastagem - Gesso - Cerrado. 2. Pastagem - Calcário - Cerrado. 3. Pastagem - Adubação - Cerrado. I. Série.

633.2 - CDD 21

INTRODUÇÃO5
DADE NOS SOLOS DE CERRADO6
ALTERNATIVAS PARA MELHORAR A FERTILIDADE DO SOLO7
DO GESSO7
GESSO9
PASTAGENS14
CALCÁRIO15
GESSO15
Gesso como condicionador de solo16
Gesso como fonte de enxofre17
ADUBOS18

SUMÁRIO CARACTERIZAÇÃO E EXTENSÃO DO PROBLEMA DA ACIDEZ E FERTILIALTERAÇÕES NAS CARACTERÍSTICAS QUÍMICAS DO SOLO COM USO RESPOSTAS DAS LEGUMINOSAS E GRAMÍNEAS FORRAGEIRAS AO RECOMENDAÇÃO DE CALCÁRIO, GESSO E ADUBOS PARA CONSIDERAÇÕES FINAIS............................................................ 2

Circ. téc. - Embrapa Cerrados, Planaltina, n. 12, p.1-225

1 Pesquisador M.Sc., Embrapa Cerrados. (dmgsousa@cpac.embrapa.br) 2 Pesquisador M.Sc., Embrapa Cerrados. (lvilela@cpac.embrapa.br) 3 Pesquisador M.Sc., Embrapa Cerrados. (lobato@cpac.embrapa.br) 4 Pesquisador M.Sc., Embrapa Cerrados. (wilson@cpac.embrapa.br)

A pecuária no Cerrado baseou-se, por muitos anos, na exploração de pastagens nativas. Nas três últimas décadas, o crescimento acentuado do rebanho bovino na região e o incremento de até cinco vezes na capacidade de suporte das pastagens deveu-se ao aumento da área com gramíneas forrageiras, provenientes do continente africano, especialmente as do gênero Brachiaria e o Andropogon gayanus cv. Planaltina. Estabelecidas sem adubação ou com o efeito residual de modestas adubações da cultura do arroz, sem adubação de manutenção e submetidas a manejo inadequado, extensas áreas dessas pastagens encontram-se em variados graus de degradação.

A ausência de adubação de reposição durante décadas de extração dos nutrientes tornou necessária a recuperação dessas pastagens com correção e adubação adequadas ao sistema de produção de cada propriedade. Para isso, em muitos casos, são necessárias aplicações de calcário, gesso, macronutrientes (nitrogênio, fósforo, potássio) e micronutrientes (zinco, cobre, boro, molibdênio, manganês).

Nesta publicação, são relatadas respostas de pastagens ao gesso, bem como critérios usados no diagnóstico da sua necessidade e na determinação da dose desse insumo a ser aplicada no solo. São apresentadas ainda recomendações resumidas para correção com calcário e adubos.

6Circ. téc. - Embrapa Cerrados, Planaltina, n. 12, p.1-2

Um dos problemas que podem limitar a produtividade das pastagens em solos do Cerrado é a deficiência de cálcio associada ou não à toxidez de alumínio.

O crescimento radicular de grande parte das plantas é prejudicado quando o solo apresenta saturação por alumínio acima de 10%. Cerca de 70% da área agricultável do Cerrado apresenta valores superiores a esse na camada subsuperficial, abaixo de 20 cm, constituindo problema potencial para a agricultura e para implantação de pastagens com algumas espécies forrageiras.

Além da saturação por alumínio elevada, 86% da área agricultável do Cerrado apresenta em sua subsuperfície um teor de cálcio muito baixo, inferior a 0,4 cmolc/dm3. Nessas condições, o sistema radicular das culturas não se desenvolve normalmente e a planta reduz a absorção de água e nutrientes na subsuperfície do solo.

Isso pode não ser problema para algumas espécies forrageiras como Stylosanthes guianensis, a Brachiaria decumbens, a Brachiaria humidicola e o Andropogon gayanus, mas pode ser limitante para outras como Leucaena leucocephala e as cultivares de Panicum maximum: Colonião, Tobiatã, Tanzânia e Mombaça.

A deficiência de outros nutrientes como nitrogênio, fósforo, potássio, enxofre e magnésio é generalizada em solos de Cerrado, sendo agravadas pela extração sem a devida reposição. Micronutrientes têm sido mais limitantes para as pastagens com leguminosas.

O enxofre, um elemento pouco lembrado na recomendação de adubação das pastagens, tem um papel muito importante para as plantas, pois é encontrado em aminoácidos, componentes de algumas proteínas; é exigido em quantidades semelhantes ao fósforo, melhora a nodulação das leguminosas forrageiras, estimula o crescimento vigoroso e formação de sementes, sendo essencial para transformar o nitrogênio não-protéico em proteína, além de aumentar a resistência ao frio e à seca.

Circ. téc. - Embrapa Cerrados, Planaltina, n. 12, p.1-227

O uso do calcário é uma boa opção para corrigir a deficiência do cálcio e do magnésio. No entanto, a calagem não corrige a subsuperfície, isto é, a camada abaixo daquela na qual se incorporou o calcário, em prazo de tempo razoável para evitar que o agricultor corra risco de perda de produtividade em razão dos veranicos, freqüentes na região do Cerrado, uma vez que as raízes das plantas, principalmente algumas leguminosas forrageiras, só crescem até a profundidade em que o calcário foi incorporado.

A aplicação do gesso supre o solo com cálcio até as camadas mais profundas, ao se dissolver na água da chuva, infiltrando-se no solo. Dessa forma, ele favorece o aprofundamento das raízes e permite que as plantas superem o veranico. Além da água, os nutrientes também são absorvidos com maior eficiência.

O gesso, um subproduto da indústria de fertilizantes fosfatados, podendo também ocorrer em jazidas, contém cerca de 19% de cálcio e 15% de enxofre na forma de sulfato de cálcio, um sal que se dissolve na água.

Além de resolver o problema da deficiência de cálcio, o gesso reduz a saturação por alumínio e fornece enxofre ao solo, permitindo ganhos significativos na produtividade das pastagens.

Outros fertilizantes como os nitrogenados, os fosfatados e os potássicos deverão ser utilizados para estabelecer, recuperar ou manter produtivas as pastagens.

Em solos que receberam calcário, e com a acidez superficial corrigida, ao se aplicar gesso, após sua dissolução, o sulfato movimenta-se para camadas inferiores acompanhado por cátions, especialmente o cálcio (Figura 1).

8Circ. téc. - Embrapa Cerrados, Planaltina, n. 12, p.1-2

Figura 1.Teores de cálcio e magnésio em diferentes profundidades de um

Latossolo Vermelho-Escuro argiloso, com e sem aplicação de gesso, após sete cultivos com culturas anuais e três anos e meio de cultivo com leucena (Leucaena leucocephala cv. Cunningham), 100 meses após a aplicação do gesso ao solo.

Com a movimentação de cátions para a subsuperfície, o teor de cálcio e de magnésio aumenta e a toxidez de alumínio reduz (Figura 2), melhorando o ambiente do solo para o desenvolvimento das raízes. Esses efeitos podem ser observados no mesmo ano de aplicação do gesso.

Figura 2.Saturação por alumínio em diferentes profundidades de um Latossolo

Vermelho-Escuro argiloso, com e sem aplicação de gesso, após sete cultivos com culturas anuais e três anos e meio de cultivo com leucena (Leucaena leucocephala cv. Cunningham), 100 meses após a aplicação do gesso ao solo.

Circ. téc. - Embrapa Cerrados, Planaltina, n. 12, p.1-229

Quando o gesso é aplicado com critério, nas doses recomendadas para cada solo, não se tem observado movimentação de potássio e magnésio no perfil do solo em níveis que possam trazer problemas de perdas desses nutrientes.

A leucena é uma leguminosa forrageira recomendada para alimentação animal, sendo uma das espécies indicadas como bancos de proteína ou como opção para associação em pastagens de gramíneas.

Em um Latossolo Vermelho-Escuro argiloso na Embrapa

(Parte 1 de 3)

Comentários