Métodos Alternativos de Controle de Pragas e Doenças

Métodos Alternativos de Controle de Pragas e Doenças

(Parte 1 de 11)

Renato Innecco

Shirley Souza Cardoso Lana Roberta Reis dos Santos

Renato Innecco

Shirley Souza Cardoso Lana Roberta Reis dos Santos

Agradecemos ao Prof. Dr. Renato

Innecco (UFC), pela colaboração e apoio na realização deste trabalho.

APRESENTAÇÃO 07 O QUE SÃO DEFENSIVOS ALTERNATIVOS?1

INIMIGOS NATURAIS DAS PRAGAS12 CALDA BORDALESA13 CALDA VIÇOSA18 CALDA BRANCA19 CINZAS DE MADEIRA20 ÓLEO 2 PASTA DE ENXOFRE24 CAMOMILA (Matricaria recutila L.)25 CEBOLINHA VERDE (Allium schoenoprasum)26 LOSNA (Artemisia absinthium)26 CEBOLA E ALHO29 CAVALINHA (Equisetum arvense L.)29 COENTRO (Coriandrum sativum L.)30 EMULSÃO DE QUEROSENE E SABÃO31 FUMO 32 FUMO, ÁLCOOL E ÁGUA33 ANGICO (Anadenanthera colubrina)35 NIM (Azadirachta indica)36 MANIPUEIRA 37

INTRODUÇÃO 09

COMO MANTER SUA PLANTAÇÃO SAUDÁVEL COM MENOS PRAGAS E DOENÇAS 12

FORMULAÇÕES DE DEFENSIVOS ALTERNATIVOS13 CALDA SULFOCÁLCICA 15 CALDA DE CINZA19 ARGILA 20 FARINHA DE TRIGO22 EMULSÃO DE ÓLEO23 PÓ SULFOCÁLCICO24 CEBOLA (Allium cepa)25 DENTE DE LEÃO (Taraxacum officinale)26 ALHO (Allium sativum)27 CEBOLA OU CEBOLINHA VERDE29 CHÁ DE ARRUDA (Ruta graveolens)30 CHÁ DE PAU D'ALHO MAIS PONTEIROS DE TOMATE31 CONFREI (Symphitum sp. L.)32 FUMO, PIMENTA E SABÃO32 URTIGA (Urtica dioica L.)34 CRAVO DE DEFUNTO (Tagetes patula L.)35 EXTRATO DE FOLHAS DE NIM37

SAMAMBAIA 38 SABONETEIRA (Sapindus saponaria L.)39 ABRICÓ-DO-PARÁ (Mammea americana)39 DESSECANTE NATURAL 41 SÁLVIA (Salvia officinales L.)41 TIMBÓ – ARRUDA – LOSNA BRANCA – FUMO42

PIMENTA DO REINO38 GRAVIOLA (Annona muricata)39 QUASSIA (Quassia amara)40 REPOLHO (Brassica oleracea L. var. capitata L.)41 TIMBÓ (Derris elliptica)41 BIBLIOGRAFIA 43

Tabela 03: Concentração recomendada em graus Baumé (ºB) em diversas culturas. 17

Tabela 02: Tabela prática de diluição.16

Esta cartilha representa a materialização de um esforço, realizado de forma conjunta por instituições e pessoas envolvidas com o Arranjo Produtivo Local da Floricultura do Estado do Pará, dedicadas a transmissão de alternativas de controle de pragas e doenças que não agridam o meio ambiente.

A iniciativa tomada pelo Comitê Gestor Tecnológico de Flores de Plantas

Ornamentais – COTECFLOR, foi compartilhada com produtores de flores e plantas ornamentais do estado do Pará, através do curso Métodos Alternativos de Controle de Pragas e

Doenças de Flores e Plantas Ornamentais o que contribuiu na seleção do conteúdo abordado.

Este material instrucional foi orientado pelo pesquisador Prof. Dr.

Renato Innecco e sistematizado pelas Engenheiras Agrônomas Shirley Souza Cardoso e Lana Roberta Reis dos Santos. Portanto, esperamos atender a todos os envolvidos com a utilização das práticas descritas.

A diversificação do plantio em áreas cultivadas pode favorecer no surgimento de inimigos naturais, devido à disponibilidade e fartura de alimentos alternativos (néctar, pólen,...).

São considerados como defensivos alternativos, produtos químicos, biológicos, orgânicos ou naturais com baixa a nenhuma agressividade ao homem e a natureza, que atuam com eficiência no combate de insetos e microorganismos nocivos, além de não favorecem na ocorrência de resistência de pragas e microorganismos, com baixo custo de aquisição e emprego, além da simplicidade no manejo, na aplicação e alta disponibilidade na aquisição.

Para controlar as pragas e doenças na agricultura, diversos defensivos alternativos que não agridam o meio ambiente estão sendo empregadas com êxito em cultivos comerciais, como calda bordalesa, calda viçosa, calda sulfocálcica, pó sulfocálcico, supermagro, biofertilizante, calda de fumo, sabão, cal virgem, cal hidratada, óleo e etc. Além da utilização de produtos de fontes naturais, como: alho, arruda, cebola, nim, urtiga e etc.

Nesta cartilha são descritas algumas alternativas de controle de pragas e doenças, contendo receitas de diversos produtos usados com sucesso em áreas de plantios de cultivos comerciais.

A cartilha é uma publicação do Comitê Gestor Tecnológico de Flores e

Plantas Ornamentais – COTECFLOR, resultado do curso “Métodos Alternativos de Controle de Pragas e Doenças de Flores e Plantas Ornamentais”, promovido pela Financiadora de Estudos e Projetos – FINEP, através do Projeto Estruturante do Sistema Estadual de C, T & I – PITPARÁ, em parceria com a Secretaria de Estado de Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia - SEDECT, a Secretaria de Estado de Agricultura – SAGRI e Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado do Pará – SEBRAE, ministrado pelo Pesquisador Prof. Dr. Renato Innecco da Universidade Federal do Ceará – UFC, e está aberto à comunidade científica e produtores rurais para auxílio em pesquisas e trabalhos acadêmicos no campo da tecnologia e da inovação.

São todos os produtos químicos, biológicos, orgânicos ou naturais, que possuam as seguintes características: ·Praticamente não tóxicos;

·Baixa ou nenhuma agressividade ao homem e à natureza;

·Eficientes no combate de pragas e insetos que atacam a produção;

·Repelente aos insetos e microrganismos nocivos as espécies;

·Não favorecem formas de resistência a pragas e microrganismos;

·Custo baixo de obtenção e alta disponibilidade para aquisição;

·Simplicidade quanto ao manejo e aplicação.

Principais Objetivos ·Obter produtos agrícolas mais saudáveis;

·Evitar a contaminação do produto e do consumidor;

·Manter o equilíbrio da natureza, preservando a fauna e os mananciais de águas; ·Reduzir o número de defensivos agressivos;

·Aumentar a resistência da planta contra a ocorrência de pragas, patógenos e sinistros naturais, diminuindo os gastos com a condução das culturas; ·Reduzir o custo de produção e aumentar a lucratividade;

·Atender a crescente procura de produtos sadios, á nível local e internacional.

Principais Defensivos Alternativos

Os principais defensivos alternativos empregados em cultivos comerciais são: calda bordalesa, calda viçosa, calda sulfocálcica, pó sulfocálcico, supermagro, biofertilizante, calda de fumo, sabão, cal virgem, cal hidratada, óleos, alho, etc.

Importante

·As pragas e doenças não atacam plantas por acaso, só aparecem quando as plantas estão fracas e indefesas;

·Para que a planta fique sadia é preciso que a terra seja bem alimentada, adubada com restos de vegetais, estercos de animais, fazendo adubação verde;

·Não se deve plantar somente uma cultura na área, mas sim diversas, observando as plantas companheiras que se dão bem, ao lado de outras plantas amigas, se protegendo contra pragas e doenças;

·Para o emprego das caldas, recomendamos que fossem feitas observações preliminares em poucas plantas, considerando o local, clima, cultivo etc. O tratamento em área total deverá ser efetuado somente após os testes iniciais;

·O emprego das caldas fora das recomendações, o uso de matéria prima de baixa qualidade, o preparo e aplicações inadequadas, podem causar problemas, baixa eficiência e até fitoxicidade.

Como Manter sua Plantação Saudável com Menos Pragas e Doenças ·Não fazer queimadas.

·Quando preparar a terra para o plantio, enterrar os restos da cultura que estavam na área.

·Adubar com esterco curtido de animais, palha de mamona ou de feijão, milho, etc.

(Parte 1 de 11)

Comentários