catalogo completo dos cursos sup tecnologia

catalogo completo dos cursos sup tecnologia

(Parte 1 de 4)

Catálogo Nacional de Cursos Superiores de Tecnologia

Catálogo Nacional de Cursos Superiores de Tecnologia

Presidente da República Federativa do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva

Ministro de Estado da Educação Fernando Haddad

Secretário-executivo José Henrique Paim Fernandes

Secretário de Educação Profissional e Tecnológica Eliezer Moreira Pacheco

Departamento de Políticas e Articulação Institucional Jaqueline Moll

Coordenação-geral de Avaliação da Educação Profissional e Tecnológica Andrea de Faria Barros Andrade

Produção Executiva Andrea de Faria Barros Andrade Patrícia Barcelos Sandra Branchine

© 2006 Ministério da Educação

É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte Tiragem: 2.500 exemplares

Contato Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Coordenação-geral de Avaliação da Educação Profissional e Tecnológica Esplanada dos Ministérios, bloco L, Anexo I – 1ª Andar, Sala 145 70047-900 – Brasília/DF Tel: (61) 2104-8016 – Fax: (61) 2104-9532 setec@mec.gov.br w.mec.gov.br

Catálogo Nacional de Cursos Superiores de Tecnologia

Apresentação5
Introdução1
Eixo tecnológico Produção Alimentícia15
Eixo tecnológico Recursos Naturais23
Eixo tecnológico Produção Cultural e Design35
Eixo tecnológico Gestão e Negócios51
Eixo tecnológico Infra-estrutura65
Eixo tecnológico Controle e Processos Industriais79
Eixo tecnológico Produção Industrial93
Eixo tecnológico Hospitalidade e Lazer107
Eixo tecnológico Informação e Comunicação115
Eixo tecnológico Ambiente, Saúde e Segurança129
Perguntas Frequentes139
Gerais141
Das Instituições Ofertantes143
Anexo I - Decreto nº 5.773, de 9 de Maio de 2006149
Anexo I - Portaria nº 10, de 28 de Julho de 2006152
Anexo I - Portaria Nº 12, de 14 de Agosto de 2006153
Anexo IV - Parecer CNE/CES nº 277/2006155
Anexo ao Parecer CNE/CES nº 277/2006157
1. Eixo Tecnológico do Ambiente, Saúde e Segurança158
2. Controle e Processos Industriais159
3. Gestão e Negócios160
4. Hospitalidade e Lazer161
5. Informação e Comunicação162
6. Infra-estrutura163
7. Produção Alimentícia164
8. Produção Cultural e Design165
9. Produção Industrial166

Apresentação Apresentação

Catálogo Nacional de Cursos Superiores de Tecnologia

Apresentação

Com o propósito de aprimorar e fortalecer os cursos superiores de tecnologia e em cumprimento ao Decreto n° 5.773/06, o Ministério da Educação apresenta este Catálogo Nacional de Cursos Superiores de Tecnologia como um guia para referenciar estudantes, educadores, instituições ofertantes, sistemas e redes de ensino, entidades representativas de classes, empregadores e o público em geral.

Produto de construção coletiva, este documento é resultado da participação de especialistas e pesquisadores, conselhos profissionais, instituições de ensino superior, entidades de representação corporativa, dentre outros, procedimento que confere legitimidade e confiabilidade ao resultado ora disponibilizado à sociedade brasileira.

O Catálogo organiza e orienta a oferta de Cursos Superiores de Tecnologia, inspirado nas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Profissional de Nível Tecnológico e em sintonia com a dinâmica do setor produtivo e os requerimentos da sociedade atual. Configurado, desta forma, na perspectiva de formar profissionais aptos a desenvolver, de forma plena e inovadora, as atividades em uma determinada área profissional e com capacidade para utilizar, desenvolver ou adaptar tecnologias com a compreensão crítica das implicações daí decorrentes e das suas relações com o processo produtivo, o ser humano, o ambiente e a sociedade.

Com esta iniciativa ganham os estudantes, os pais, os professores, as instituições de ensino, as empresas, enfim, a sociedade por ter à disposição permanente um instrumento que relaciona os cursos superiores de tecnologia,

Catálogo Nacional de Cursos Superiores de Tecnologia trazendo informações essenciais sobre o perfil profissional do tecnólogo - o qual irá inspirar a trajetória formativa - a carga horária mínima, a infraestrutura recomendada. Com isto fornece subsídios importantes para decisões vocacionais, matrizes curriculares e estratégias de formação, além de favorecer ao exercício da cidadania no acompanhamento da qualidade dos cursos.

A listagem de cursos constante deste Catálogo, contudo, não esgota todas as possibilidades de oferta destas graduações tecnológicas no país, admitindose, conforme estabelece o Decreto n° 5.773/06 em seu artigo 4, cursos experimentais em oferta legal e regular, porém com outras denominações, as quais poderão futuramente - com base em análises contextuais - passar a integrar este instrumento.

A determinação em intensificar os processos de melhoria da qualidade da educação no país, implantou, em 2004, o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES ao qual, estão também inseridos os cursos superiores de tecnologia, estejam suas denominações constantes do catálogo ou não. Desse modo, tais cursos, assim como seus ofertantes, passam por processos avaliativos periódicos segundo os mesmos critérios de qualidade aplicados ao Sistema Federal de Ensino.

Este catálogo no conjunto de medidas de fomento à qualidade da educação induz o desenvolvimento de perfis profissionais amplos, com capacidade de pensar de forma reflexiva, com autonomia intelectual e sensibilidade ao relacionamento interdisciplinar, que permita aos seus egressos prosseguirem seus estudos em nível de pós-graduação. Esses cursos, graças à evolução

Catálogo Nacional de Cursos Superiores de Tecnologia da experiência humana, deverão ser também constituídos de cultura, historicidade, atualidade e ética, tendo em vista o desenvolvimento social, integrado e sustentável da sociedade brasileira e a soberania nacional.

Com a sistematização e a oferta do Catálogo, estamos orientando as instituições ofertantes de graduações tecnológicas a adotarem as denominações dos cursos que o compõem - com suas respectivas caracterizações - neles referenciandose tanto para a oferta de novos cursos, quanto para a migração dos cursos em desenvolvimento, beneficiando a todos os futuros profissionais.

Fernando Haddad Ministro da Educação

Introdução Introdução

Catálogo Nacional de Cursos Superiores de Tecnologia

Introdução

A institucionalização do Catálogo Nacional de Cursos Superiores de Tecnologia disponibiliza à sociedade um importante instrumento indutor da qualidade das graduações tecnológicas no Brasil, configurando-se num marco referencial para a oferta destes cursos.

O Catálogo apresenta denominações, sumário de perfil do egresso, carga horária mínima e infra-estrutura recomendada de 98 graduações tecnológicas organizadas em 10 eixos tecnológicos.

Refletindo a diversidade presente no desenvolvimento tecnológico de nossa sociedade, o Catálogo contempla denominações as mais variadas, como por exemplo, Fotografia, Mecatrônica Industrial, Gastronomia, Produção Moveleira, Polímeros, Comunicação Assistiva e Radiologia.

Lançado em junho de 2006, à época com 96 denominações, o Catálogo inaugurou rotinas dinâmicas de análise, inclusões e revisões, podendo-se afirmar que o mesmo se constitui num espaço de discussões já reconhecido pela sociedade. Nesta segunda versão, foram agregadas duas novas denominações: Processos Ambientais e Tecnologia Oftálmica, identificadas a partir de manifestações da comunidade educacional.

Importante ressaltar também que esse referencial comum, entretanto, não inibe a contextualização dos cursos às realidades regionais do Brasil.

Em alguns casos, ao apresentar denominações mais abrangentes do que as anteriormente empregadas, o Catálogo sinaliza para a adoção de linhas de formação específica nos respectivos currículos. Isso permite que uma graduação tecnológica em Design de Produto oferecida no Pará apresente

Catálogo Nacional de Cursos Superiores de Tecnologia diferenças se comparada a uma outra oferecida no Rio Grande do Sul. A primeira pode optar por enfatizar o design de jóias e a segunda, de calçados ou embalagens, considerando a vocação regional. Ambos os egressos desses cursos, contudo, terão domínios comuns de princípios, estratégias e conhecimentos relacionados aos fatores estéticos, ergonômicos, técnicos e ambientais requeridos pelo design de um modo geral. Igualmente, a graduação tecnológica em Gestão Comercial, pode, em sua implementação curricular, apresentar linhas de formação específicas na área de franquias, varejo ou moda, dentre outras.

Finalmente, em função de sua diversidade de informações, o Catálogo foi concebido, com formato, linguagem clara e mecanismos de consulta, como um importante guia de formação para alunos, professores e instituições ofertantes. De forma a alcançar a visibilidade pretendida, o mesmo está disponibilizado pelo Ministério da Educação por meio de seu sítio eletrônico ou em formato impresso e de CD-ROM.

Boa consulta!

Eliezer Pacheco Secretário de Educação Profissional e Tecnológica

ProduçãoAlimentíciaProdução Alimentícia

Cursos

Agroindústria Alimentos Laticínios Processamento de carnes Produção de cachaça Viticultura e enologia

Compreende tecnologias relacionadas ao beneficiamento e industrialização de alimentos e bebidas. Abrange ações de planejamento, operação, implantação e gerenciamento, além da aplicação metodológica das normas de segurança e qualidade dos processos físicos, químicos e biológicos presentes nessa elaboração ou industrialização. Inclui atividades de aquisição e otimização de máquinas e implementos, análise sensorial, controle de insumos e produtos, controle fitossanitário, distribuição e comercialização relacionadas ao desenvolvimento permanente de soluções tecnológicas e produtos de origem vegetal e animal.

Catálogo Nacional de Cursos Superiores de Tecnologia

O Tecnólogo em Agroindústria planeja, executa e controla a qualidade das etapas do processo de produção agroindustrial, contemplando a obtenção, processamento e comercialização de matérias-primas de diversas origens, insumos e produtos finais. Esse profissional atua em empresas de beneficiamento de produtos de origem animal e vegetal, colaborando em estudos de implantação e desenvolvimento de projetos economicamente viáveis, ocupando-se, ainda, da gestão de atividades referentes ao emprego adequado de equipamentos agroindustriais, em pesquisa e desenvolvimento de tecnologias alternativas para aproveitamento de produtos e subprodutos agropecuários, sempre contemplando o aspecto ambiental.

Carga horária mínima: 2.400 horas

Infra-estrutura recomendada:

Biblioteca incluindo acervo específico e atualizado Laboratório de biologia Laboratório de informática com programas específicos Laboratório de microbiologia Laboratório de processamento de alimentos Laboratório de química

Catálogo Nacional de Cursos Superiores de Tecnologia

(Parte 1 de 4)

Comentários