Projecao de Fluxo de Caixa

Projecao de Fluxo de Caixa

(Parte 1 de 4)

Caso Concreto de Projeção de Fluxo de Caixa

Carga horária: 1 h TV e 2 hs Web

Palestrante: Marcos Heringer Mestre pelo Instituto Militar de Engenharia, Professor de Finanças da Fundação Getulio Vargas em cursos de Pós-graduação, Sócio-Diretor da MFinance Factoring Ltda.

Conteudista: Fernando Luis Moreira

Especialista em Gestão Empresarial pela FGV, graduado em Administração de Empresas pela UNOESC-SC. Atua no treinamento e desenvolvimento de equipes da área comercial na Spaipa – Indústria Brasileira de Bebidas.

Canal: GC

Apresentação

Por meio deste estudo vamos identificar o impacto de capital de terceiros como financiador de parte deste projeto de Investimento. Além disso, vamos nos aprofundar na questão da montagem do fluxo de caixa livre do projeto e do investidor levando em conta aspectos como juros, amortização do capital de terceiros, depreciação e impostos.

Objetivos do curso

• Avaliar o impacto do ingresso de capital de terceiros como parte do montante investido;

• Identificar novos parâmetros para a análise do projeto, como: Custos fixos, custos variáveis, depreciação, impostos, LAJIR, LAIR;

• Construir o fluxo de caixa livre projetado para o projeto e para o investidor;

• Utilizar da HP12C como ferramenta de apoio.

I. INTRODUÇÃO3
1. FLUXO DE CAIXA PROJETADO DO INVESTIMENTO5
1.1 INTERPRETAÇÃO DOS DADOS ENCONTRADOS7
2. CAPITAL DE TERCEIROS COMO FONTE DE FINANCIAMENTO DO PROJETO9
CREDOR1
2.2 CUSTO DO CAPITAL DE TERCEIROS14
2.3 QUAL A MELHOR FORMA DE FINANCIAR UM PROJETO DE INVESTIMENTO?16
3. NOVO PROJETO DE INVESTIMENTO PARA ANÁLISE17
5. IMPOSTOS20
6. FLUXOS DE CAIXA LIVRE DO PROJETO E DO INVESTIDOR21
6.1 ESTRUTURA DO FLUXO DE CAIXA2
I. CONCLUSÃO23
I. REFERÊNCIAS24

Olá! Seja bem-vindo ao curso de Análise de Projetos de Investimentos. Hoje vamos relembrar o projeto real analisado na última aula e, em seguida, vamos identificar o impacto de capital de terceiros como financiador de parte deste projeto de Investimento. Além disso, vamos nos aprofundarmos na questão da montagem do fluxo de caixa livre do projeto e do investidor levando em conta aspectos como juros, amortização do capital de terceiros, depreciação e impostos.

bem como a construção de alguns parâmetros para análise

Vimos, em nossa primeira aula, a necessidade de desenvolver um modelo técnico mínimo para análise de projetos de Investimento,

Assim, aprofundaremos a construção do fluxo de caixa operacional livre do projeto levando em conta o financiamento de parte do projeto por terceiros e seus consequentes impactos para a amortização do capital investido bem como os juros gerados. Dessa forma, entenderemos a diferença entre o fluxo de caixa do negócio em si e o fluxo de caixa do investidor.

maior assertividade na decisão do investimento

Veremos o processo de alavancagem sobre capital de terceiros, ou seja, podese ter uma maior ou menor rentabilidade do projeto com a entrada de capital de terceiros, ou ainda: Deve a empresa usar capital próprio ou de terceiros? Para chegarmos à resposta, faz-se necessária a construção de todos os dados quantitativos do projeto em questão com a maior riqueza de detalhes possível representando assim

Avaliaremos outros dados envolvidos em um novo projeto de investimento como receita bruta, depreciações, impostos gerados pela atividade e pelo ganho de riqueza, seu resultado operacional e naturalmente seu fluxo de caixa operacional, livre do projeto e livre dos investidores projetado para o investimento.

No decorrer deste estudo, vamos abordar ainda mais criteriosamente os detalhes que cercam todas as tomadas de decisão acerca de um projeto de Investimento e o grau do impacto desses detalhes.

4 Vamos começar?

5 1. FLUXO DE CAIXA PROJETADO DO INVESTIMENTO

Conforme nosso estudo anterior, observamos a seguinte situação real, sobre a qual, estamos desenvolvendo a análise de viabilidade econômico financeira de um projeto que envolve a compra de um determinado equipamento. Vamos relembrar o caso, pois partiremos deste projeto para analisarmos qual o impacto do capital de terceiros, ou seja, não será mais apenas o capital próprio que financiará o projeto, haverá a entrada de capital de terceiros no projeto. Vamos ao detalhamento do projeto descrito na teleaula, Observe:

Uma empresa compra um equipamento no Valor R$ 50.0,0; além do aporte de capital para a aquisição do equipamento será necessário para infraestrutura e instalações R$ 60.0,0. O faturamento bruto projetado é R$ 50.0,0 mensais, porém teremos uma demanda de pagamentos mensais com custos e despesas de R$ 27.0,0 nos dois primeiros anos; após o segundo ano, ou ainda no 25º mês, teremos um acréscimo de custo devido à manutenção do equipamento totalizando as saídas mensais em R$ 35.0,0. A vida útil do projeto é estimada em 36 meses. Ao final do projeto, no 36º mês, o equipamento será vendido por R$ 20.0,0.

Após esse levantamento das informações, o primeiro passo é ordenar e elaborar o fluxo de caixa livre do projeto no qual utilizaremos os resultados líquidos do projeto. Vamos lá?

Meses 0 1 2425 35 ... 36
Equipamento 50.0,0
Infraestrutura e instalação 60.0,0

Confira o fluxo de caixa projetado do investimento em R$: Investimentos

Valor residual estimado20.0,0

Os valores líquidos desse fluxo de caixa podem ser representados por um diagrama de fluxo de caixa, para melhor visualização e posterior análise, acompanhe:

Para efetuarmos a análise do projeto de maneira quantitativa, lembramos a necessidade de obtermos, junto ao investidor, a Taxa Mínima de Atratividade (TMA). Para o nosso caso definiu-se a TMA como 1,74% mensais, originado a partir de uma TMA anual de 23%.

Mês 0 1 2 ... 24 25 ... 35 36

1.1 INTERPRETAÇÃO DOS DADOS ENCONTRADOS

Vamos inserir o fluxo de caixa na calculadora HP12C, conforme:

Dados Tecla/função Visor Comentários

560.0 [CHS] [g] [CFo] -560.0,0 Valor do Investimento inicial

[f] CLEAR [FIN] 0,0 Limpar registros financeiros 23.0 [g] [CFj] 23.0,0 Fluxo de Caixa livre do Projeto no 1º mês 24 [g] [Nj] 24,0 Número de repetições do Fluxo de Caixa 15.0 [g] [CFj] 15.0,0 Fluxo de Caixa livre do Projeto no 25º mês 1 [g] [Nj] 1,0 Número de repetições do Fluxo de Caixa 215.0 [g] [CFj] 204.738,27 Fluxo de Caixa livre do Projeto no 36º mês 1,74 [i] 1,74 Taxa Mínima de Atratividade [f] [NPV] 102.137,36 Valor Presente Líquido

[f] [IRR] 2,69 Taxa Interna de Retorno

Assim, temos a seguinte interpretação dos parâmetros obtidos através dos cálculos com a HP12C:

O Valor Presente Líquido é positivo em R$102.137,36, o que significa o seguinte:

O projeto é viável, pois o VPL encontrado é maior que zero; Se o VPL fosse igual a zero, também indicaria que o projeto é viável, pois, ao contrário do que muitos podem interpretar, não significa resultado econômico igual a zero. Significa que o projeto além de pagar os valores investidos, resultou um lucro exatamente igual ao mínimo esperado, atingindo a TMA de 1,74% a.m ou ainda a TMA de 23% a.a;

O VPL apurado significa que o projeto atingiu além do mínimo esperado (1,74% a.m.), um resultado superior de R$ 102.137,36.

A Taxa Interna de Retorno do Projeto exemplo é de 2,69%, podemos interpretar este valor da seguinte forma:

O projeto é viável, pois a TIR é maior do que a TMA (2,69%, claramente superior a 1,74%);

O excedente da TIR em relação à TMA evidencia a viabilidade do projeto. É indicativo de riqueza que está sendo agregada;

Se caso a TIR fosse igual a 1,74%%, também indicaria que o projeto é viável, pois o mínimo esperado também estaria sendo atingido;

O Projeto, utilizando como parâmetros o VPL e a TIR, é viável.

o projeto é integralmente executado com recursos próprios

Veja que após a verificação do fluxo de caixa e interpretação dos resultados, a hipótese básica que norteou este projeto de investimento proposto para análise foi que há recursos disponíveis para a execução, ou seja,

Nosso objetivo agora é a análise e o desenvolvimento de análise do projeto com a utilização de recursos de terceiros em parte, isto é, o projeto será executado com a união entre recursos próprios e de terceiros.

2. CAPITAL DE TERCEIROS COMO FONTE DE FINANCIAMENTO DO PROJETO

Veja que, em relação à origem dos investimentos, as fontes podem ser próprias, apresentados com recursos dos sócios empregados na empresa, os quais não tem a obrigação de efetuar nenhum desembolso para pagamento referente a juros ou amortização.

Porém, pode-se obter, como fonte de recursos, o capital de terceiros.

aula de hoje

Esses recursos são obtidos por meio de financiamentos que têm o compromisso de pagamento dos juros e amortização, como é o caso de nossa

Para melhor entendimento, os capitais de terceiros estão inseridos em dois grandes grupos:

Curto prazo: ou passivo circulante.

(Parte 1 de 4)

Comentários