(Parte 1 de 3)

Nos Estados Unidos, perto de um terço do trabalho realizado consiste em refazer o que já tinha sido feito antes. Dependendo da indústria, o custo da baixa qualidade é entre 20 e 40% dos esforços totais."

Seis Sigma

Introdução

 

O que é o Seis Sigma?

O Seis Sigma pode ser definido como muitas coisas, no entanto sua melhor definição seria o fato de o Seis Sigma ser um nível otimizado de performance que se aproxima a zero defeito em um processo de confecção de um produto, serviço ou transação. Ele indica a obtenção e a manutenção de uma performance de alto nível. O Seis Sigma não é uma metodologia. Ele é um fim, não um meio.

Sigma é uma letra grega, usada na estatística matemática para representar o desvio padrão de uma distribuição. O desvio padrão é uma estatística que quantifica a quantidade de variabilidade ou não-uniformidade existente em um processo, resposta ou característica. Sendo assim desvio padrão e sigma são sinônimos. Sigma é uma medida da quantidade de variabilidade que existe quando medimos alguma coisa. Se o valor do sigma é alto, ele nos diz que há muita variabilidade no produto. Se o valor do sigma é baixo, então o produto tem pouca variabilidade e, por conseguinte, é muito uniforme.

 

O Seis Sigma são muitas coisas

O Seis Sigma significa muitas coisas e é usado de diferentes maneiras. Eis aqui algumas definições que podem ajuda-lo a entender o assunto:

Seis Sigma como Benchmark. É usado como um parâmetro para comparar o nível de qualidade de processos, operações, produtos, características, equipamentos, máquinas, divisões e departamentos, entre outros.

Seis Sigma como Meta. É também uma meta de qualidade. A meta dos Seis Sigma é chegar muito próximo de zero de feitos, erros ou falhas. Mas não é necessariamente zero, é, na verdade, 0,002partes por milhão de unidades defeituosas, para fins práticos zero.

Seis Sigma como Medida. O Seis Sigma é uma medida para determinado nível de qualidade. Quando o número de sigmas é baixo, tal como em processo 2 sigmas, o nível de qualidade não tão alto. Então quanto maior o número de sigmas dentro das especificações, melhor o nível de qualidade.

Seis Sigma como Filosofia. É Uma filosofia de melhoria perpétua do processo (máquina, mão-de-obra, método, metrologia, materiais, ambiente) e redução de sua variabilidade na busca interminável de defeito zero.

Seis Sigma como Estatística. É uma estatística calculada para cada característica crítica à qualidade para avaliar a performance em relação à especificação ou à tolerância.

Seis Sigma como Estratégia. É uma estratégia baseada na inter-relação que existe entre o projeto de um produto, sua fabricação, sua qualidade final e confiabilidade, ciclo de controle, inventários, reparos no produto, sucata e defeitos, assim como falhas em tudo que é feito no processo de entrega de um produto a um cliente e o grau de influência que eles possam Ter sobre a satisfação do mesmo.

Seis Sigma como valor. Trata-se de um valor composto, derivado da multiplicação de 12 vezes de um dado valor de sigma, assumindo 6 vezes o valor do sigma dentro dos limites de especificação para esquerda da média e 6 vezes o valor do sigma dentro dos limites de especificação para a direita da média em uma distribuição Normal.

Seis Sigma como visão. Trata-se da visão de levar uma organização a ser melhor do ramo. É também uma viagem intrépida em busca da redução da variação, defeitos, erros e falhas. Ou seja é exceder a qualidade à expectativa do cliente.

Os Seis Sigma depois da Janeiro de 1987

O programa era um programa corporativo que estabelecia os Seis Sigma como nível de capacidade exigido para se aproximar do padrão de defeito zero.

Com a meta de Qualidade Corporativa revisada, ele se compromete agora a alcançar a satisfação do cliente. A meta de Qualidade Corporativa revisada afirmava ser cada um responsável por e para com o outro no que dizia respeito a atingir este objetivo , ou seja a meta a firmava que ninguém poderia considerar que já havia feito o suficiente até que a meta até que a meta do Seis sigma fosse atingida em toda companhia, por completo.

Após a meta Ter sido revisada foi definido em dois níveis. Em primeiro lugar, em nível gerencial; cada indivíduo da organização era responsável por seus processos, produtos e serviços e desafiado a caracterizar e melhorar a qualidade para níveis de performance Seis Sigma , para propiciar satisfação total dos clientes, Em segundo lugar, em nível operacional; requeria o uso de métodos estatísticos para caracterizar processos técnicos (fabricação), através de medidas como Cp, Cpk, sigmas, e também processos não-técnicos através de ppm, dpu e outras medidas.

Sendo assim o propósito do "Programa de Qualidade Seis Sigma" era aumentar a satisfação do cliente, mas isto não deveria ser feito por uma iniciativa forçada, como a inspeção de qualidade crescente, mas através de uma melhoria continua de processo a partir de um ponto principal do sistema. Os resultados de tais esforços no projeto seriam variabilidade reduzida, melhoria de qualidade , maior produtividade e mais facilidade e eficiência na operação do processo e na confecção do produto. Isto só poderia ser conseguido através da caracterização, otimização e controle do processo total, e não apenas de suas partes. Tudo que você precisa fazer é querer modificar o seu próprio modus operandi e seu sistema operacional pessoal, para que defeitos e rejeições sejam eliminados do produto do seu trabalho pessoal.

Por que embarcar no Seis Sigma e qual é sua meta?

Embarcar no programa Seis Sigma significa oferecer serviços e produtos de primeira qualidade, ao mesmo tempo em que ela praticamente elimina todas as ineficiências internas. Significa ter um foco comum na excelência em toda organização, oferecendo produtos de primeira qualidade.

A principal meta do Seis Sigma é reduzir defeitos, erros e falhas a zero defeito e reduzir o valor do sigma ou desvio padrão a um valor que permita que 12 sigmas fiquem dentro dos limites de especificação. Concomitantemente, a média aritmética é mantida o mais próximo possível da linha central dos limites de especificação, sem deixar que ela varie.

Quanto tempo se leva para alcançar o Seis Sigma? Ele pode ser alcançado sempre?

O completo desenvolvimento do programa Seis sigma pode levar alguns anos. É um processo de treinamento e desenvolvimento intensivos envolvendo pessoal de todos os níveis da organização. À medida que o pessoal vai sendo treinado e equipes vão se formando, eles são capacitados – pelos administradores executivos – a aplicar ferramentas e uma metodologia para caracterizar e otimizar seus processos.

O tempo que uma empresa leva para alcançar o Seis sigma depende inteiramente do número de pessoas treinadas, do número de processos a serem otimizados, do número de iterações feitas o do nível e grau de conformação uniforme, consistente e contínua com metodologia. Quanto mais iterações da metodologia, mais processos são elevados a Seis Sigma, mais processos terão zero defeito, sem erros e falhas. As recompensas aparecem a cada iteração.

O Seis sigma pode ser alcançado em cada processo, produto ou serviço ao qual a metodologia é aplicada. Mas isso depende muito do nível de comprometimento da organização, do número de pessoas treinadas e do número de iterações a serem feitas.

Por que o Seis Sigma é necessário?

Muitas empresas de sucesso operam processos que geram nada menos que 35.000 defeitos por milhão de operações. Apesar disto, obtém muito lucro, sendo que nesse nível a empresa opera aproximadamente de 2,1 sigma. Vendo isso imagina-se quão maior seria o lucro gerado se estivessem operando em um nível de Seis Sigma de quase zero defeito.

A maioria das empresas nem sabe em que nível defeitos estão operando, muito menos com que nível de sigma trabalham. Esta informação não está nem mesmo disponível ou sequer pensaram no assunto. Enquanto isso, estas organizações são muito ineficientes e gastam em torno de 30% do seu tempo corrigindo problemas recorrentes e erros cometidos anteriormente. Algumas organizações convivem com sua ineficiência e até consideram-na parte dos negócios. Um programa Seis sigma cria, eventualmente, uma organização que não tolera defeitos, sucata, reparos no produto, erros ou falhas. Ele cria uma organização obcecada por fazer seus processos robustos contra defeitos ou erros e por simplificar seus processos para que eles sejam mais eficientes, operando com um ciclo de controle curto, e não dêem chances para erros.

Quais os benefícios do Seis Sigma?

O inegável objetivo do nível de performance dos seis Sigma é minimizar custos através da redução ou eliminação de atividades que não agregam valor ao processo e da maximização da qualidade de saída para obter um lucro em níveis ótimos.

Implementar o Seis Sigma em uma organização cria uma cultura interna de indivíduos educados em uma metodologia padronizada de caracterização, otimização e controle de processos. A atividade repetitiva envolvida no fornecimento de um serviço ou na confecção de um produto constitui um processo que deve ser simplificado, reduzindo o número de passos e tornando-os mais rápidos e eficientes. Ao mesmo tempo, estes processos são otimizados para que não propiciem a produção de defeitos e não apresentem oportunidades de erros. E por isso deve-se eliminar defeitos, falhas ou erros, porque eles tornam os produtos mais caros. E quanto mais caros eles forem, menos provável será a possibilidade ou vontade de as pessoas comprá-los. E alem disso falhas desagradam os clientes, e os clientes insatisfeitos devolvem os produtos ou não compram mais serviços, perdendo assim, espaço no mercado, perdendo assim também parte de sua receita bruta e não conseguindo mais contratar ou manter seus funcionários, não conseguindo se manter no mercado.

A que processos o Seis Sigma é aplicável?

O Seis Sigma pode ser aplicado a cada parte de um negócio, se esta parte for vista como um sistema e tratada como um processo.

O Seis Sigma é aplicável a processos técnicos e não-técnicos. Um processo de fabricação é visto como técnico. Neste processo, temos entradas como: partes de peças, montagens, submontagens, produtos, partes, matérias-primas, que fisicamente fluem através do processo.

Em um processo técnico, o fluxo do produto é muito visível e tangível. Existem muitas oportunidades para a coleta de dados e medições e, em muitas instâncias, dados variáveis.

Por outro lado, um processo não-técnico é muito difícil de ser visualizado. Processos não-técnicos são processos administrativos, de serviços ou transações. Gerar um orçamento é um processo de serviço; assim como fazer um financiamento imobiliário é um processo de transação.

Quem precisa do Seis Sigma?

Para demonstrar a necessidade do Seis sigma analisemos abaixo a situação de duas organizações, uma mal sucedida e outra muito bem sucedida.

Organização mal sucedida: A organização está experimentando uma baixa qualidade nos seus produtos e esta perdendo o mercado. Ela possui um produto no mercado, mas a concorrência produziu um produto próprio e está ganhando mercado. Como o Seis sigma pode ajudar nesta situação? O Seis Sigma pode ser aplicado ao processo de projeto de novos produtos, tornando-os robustos, e manufaturáveis, dando-lhes maior qualidade e confiabilidade e refletindo melhor as necessidades do cliente no processo.

Para a organização malsucedida, ineficiência e as reclamações dos clientes se tornaram um lugar comum. A ineficiência normalmente vem de passos do processo que não são necessários, tomam muito tempo ou envolvem muitos indivíduos, nenhum dos quais ciente das conseqüências de suas ações ou da importância de seu papel no processo. Não é possível melhorar uma coisa que não entendemos. É necessário primeiro estudar o processo, com o intuito de saber quais variáveis o afetam e quais não afetam.

Uma vez conhecidas, as variáveis que afetam o processo podem ser manipuladas de uma maneira controlada para melhorá-lo. E, uma vez sabendo quais variáveis realmente influenciam o processo com um alto nível de confiança, é possível otimizá-lo, sabendo quais entradas controlar para manter o processo em um nível ótimo de saída.

A Metodologia M/PCpS delineia um processo, determina-o, eliminando passos que não lhe agreguem e identifica os passos que são longos, difíceis e arriscados, e aqueles nos quais são possíveis altas incidências de erros. É através da Metodologia M/PCpS que a organização vai se beneficiar aprendendo a se tornar eficiente e produtiva no seu processo de trabalho, para que com isto alcance o Seis Sigma.

Organização bem-sucedida: Esta organização aumentou sua participação no mercado. É uma organização próspera, vendendo mais produtos ou serviços do que anteriormente, precisando de mais pessoal e de maior capacidade para fornecer mais produtos ou serviços do que anteriormente, precisando de mais pessoal e de maior capacidade para fornecer mais produtos ou serviços no mesmo espaço de tempo, para satisfazer a demanda crescente. O Seis Sigma é mais importante para a organização bem-sucedida do que para aquela que vai mal, pois a bem-sucedida tem mais a perder do que aquela que vai mal.

A Metodologia M/PCpS é o processo para se alcançar o Seis Sigma e é metodologia para se manter eficiente, produtivo, com baixos custos, com boa qualidade e lucrar. No mercado moderno ser competitivo não é o suficiente; a organização que vai bem deve esforçar- se para superar através de melhorias e inovações, visando tornar-se o padrão pela qual outras organizações se guiarão; para se tornar a melhor do ramo não apenas no que se refere a produtos, mas também a serviços, administração e transações. Este é o próximo nível de performance.

Como posso saber se preciso do Seis Sigma?

Quando os clientes estão reclamando da qualidade ou da confiabilidade dos produtos, ou da qualidade do trabalho ou dos serviços, a organização provavelmente precisa fazer uma ampla avaliação dos seguintes sinais:

  • Perda de mercado;

  • Gastos exagerados;

  • Grandes perdas como resultado da garantia que o cliente possui de devolução do produto e de indenizações;

  • Faturas não pagas no prazo, devido a reclamações do cliente;

  • Peças erradas vindas dos fornecedores;

  • Relatórios de informações internas errôneos;

  • Previsões não-confiáveis;

  • Orçamentos freqüentemente superfaturados;

  • Problemas que sempre retornam fazendo com que os mesmos consertos tenham que ser feitos repetidamente;

  • Projetos de produtos extremamente difíceis de serem produzidos;

  • Taxas de sucata muito altas e incontroláveis;

  • Reparos no produto aceitáveis como atividades normal de produção.

 

Quais as principais diferenças entre a GQT e o programa Seis Sigma?

Apesar de tanto a GQT quanto o Seis Sigma serem esforços contínuos de melhoria, a GQT é administrada pelo departamento de qualidade de uma empresa e dá ênfase à melhoria da qualidade. O Seis Sigma é administrado pelo nível executivo de uma organização. Sua ênfase é a redução de variabilidade (sigma) e na eliminação de defeitos, falhas e erros, o que proporcionará qualidade.

O Seis Sigma por outro lado, Utiliza a Metodologia M/PCpS que apresenta a ordem exata na qual as ferramentas devem ser utilizadas e determina quando não as utilizar.

Administradores

GQT < Administrada pelo Departamento de Qualidade

Seis Sigma < Administrado pelo nível executivo

 

Medidas do Seis Sigma e Coeficientes Associados

O Seis Sigma utiliza medidas e coeficientes para estabelecer uma linha de base, a partir da qual se pode comparar a organização em relação à meta do Seis Sigma. Se temos a intenção de alcançar determinado objetivo, precisamos, antes de tudo, saber onde estamos, fazendo um levantamento de medições. Uma vez conhecido o ponto em que nos encontramos e aonde queremos chegar, podemos determinar a separação que existe, e, então, avaliar os esforços e recursos necessários para reduzi-la, alcançando nosso objetivo.

As medidas e os coeficientes são extremamente importantes. Estes coeficientes também nos permitem comparar a organização, produtos e serviços com aqueles dos concorrentes do mercado.

Coeficientes de Capacidade do Processo

Capacidade se define por habilidade que um processo possui de confeccionar produtos que estejam dentro dos limites de especificação. O Cpk é o coeficiente de capacidade do processo. O Cp é o coeficiente de potencial do processo. Ambos muito utilizados em processos técnicos e raramente em processos administrativos, de serviços ou de transações.

Coeficiente de Potencial de Processo (Cp)

O Cp mede a capacidade potencial de um processo, que é definida pela razão entre a dispersão permitida e a dispersão real. A dispersão permitida é a diferença entre o limite de controle superior e inferior. À medida que o desvio padrão aumenta de um processo, o Cp diminui de valor. À medida que o desvio padrão diminui (menos variável), o Cp aumenta o valor.

(Parte 1 de 3)

Comentários