Características antropométricas

Características antropométricas

(Parte 1 de 3)

17Estudo das características antropométricas de escolares de 7 a 17 anosArtigo original
Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho HumanoISSN 1415-8426

Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano

ESTUDO DAS CARACTERÍSTICAS ANTROPOMÉTRICAS DE ESCOLARES DE 7 A 17 ANOS - UMA ABORDAGEM LONGITUDINAL MISTA E TRANSVERSAL.

STUDY ANTHROPOMETRIC CHARACTERISTICS OF STUDENTS 7 AND 17 AGE – A MIXED LONGITUDINAL AND CROSS-SECTION WAY

Ana Cristina de Araújo Waltrick¹ Maria de Fátima da Silva Duarte²

O objetivo do presente estudo foi de analisar de forma longitudinal mista e transversal as características antropométricas (massa corporal, estatura, dobras cutâneas e percentual de gordura) de 1172 escolares do Colégio de Aplicação da Universidade Federal de Santa Catarina (CA/UFSC) segundo o gênero, de 7 a 17 anos. No estudo longitudinal misto foram analisados 161 meninos e 137 meninas. Foram usados o tratamento estatístico básico incluindo a análise de variância (ANOVA) one way e os procedimentos de Scheffé, com nível de significância de p < 0,05 e o teste “t” de Student. No Estudo Transversal o número de escolares avaliados foi de 450 meninos e 424 meninas. Os dados foram analisados pela estatística básica e construídas tabelas percentílicas. Através da análise dos resultados podese concluir que a massa corporal e a estatura dos escolares aumentaram de acordo com a idade nos dois gêneros e que a partir dos 13 anos os meninos apresentaram valores superiores em relação às meninas. Em todas as idades houve pelo menos um caso de obesidade. Quando comparado o estudo Transversal com o da Organização Mundial da Saúde e do Instituto Nacional de Alimentação e Nutrição, pode-se verificar que os escolares do CA/UFSC apresentaram valores significantes superiores em todas as idades e variáveis.

Palavras- chave: Características Antropométricas, crescimento e estudantes

The purpose of the present study was to analyze, in a mixed longitudinal and cross-section approach, the anthropometric characteristics (body weight, body height, skinfold and body % fat) of 1172 students of Colégio de Aplicação, of the Universidade Federal de Santa Catarina (CA/UFSC). Such analysis was according to gender, and age (from 7 to 17 years old). The students were studied into two groups of analysis. In group I (Mixed Longitudinal Study) were analyzed 298 students, 161 males and 137 females. For this group the statistict had taken the statistic basic treatment including the (ANOVA) one way and the Scheffé, test were applied with the statistical level set at p < 0.05 and the Student “t” test. In group I were analyzed 874 students, 450 males and 424 females. Data were analyzed by the basic statistic and it was built percentile tables (95°, 75°, 50°, 25°, and 5°) for the variables under examination. Through the results analysis it could be observed that the body weight and body height had increased according to their age for both genders and also that from the age of 1 and older the male group had presented superior values compared to the female one. In every age there was at least one case of obesity. When comparing the cross-sectional study to those of World Health Organization and National Institute of Nutrition and Feeding, it can be verified that the students of CA/UFSC had presented significant values in every age and variables.

Key words: anthropometric characteristics, growth and students

¹Mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina – Colégio de Aplicação ²Doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina - Centro de Desportos ¹ ² Núcleo de Pesquisa em Atividade Física e SaúdeVolume 2 – Número 1 – p. 17-30 – 2000

Volume 2 – Número 1 – p. 17-30 – 2000

Os termos crescimento e desenvolvimento têm sido usados várias vezes erroneamente como sinônimos. Crescimento, segundo Guiselini (1985), é o aumento na estrutura do corpo, tendo em vista a multiplicação e aumento do tamanho das células. Desenvolvimento é o aumento da capacidade funcional do indivíduo.

Em termos antropométricos, o crescimento consiste no aumento e nas modificações dos componentes corporais, tanto longitudinais como transversais. As circunferências e a quantificação adiposa são utilizadas para verificação da estrutura muscular e da gordura subcutânea. Todos esses meios de avaliação antropométrica servem para determinar o crescimento humano.

Este crescimento acontece desde a concepção até a idade adulta; ou, como cita Silva (1989), “até a morte”, sendo bem definido por etapas. Primeiro ocorre o crescimento intrauterino, que vai da concepção ao nascimento, essa fase é caracterizada como de grande intensidade. Depois o da primeira infância, que começa após o nascimento se prolongando até mais ou menos os dois anos de idade, se comparado ao crescimento da primeira fase, ele acontece mais lento. A fase intermediária que se denomina como segunda infância (5 aos 7 anos), é uma fase de equilíbrio e crescimento, pois a massa corporal se mantém praticamente estável enquanto que a estatura aumenta de forma moderada. A fase de crescimento mais acelerada após o primeiro ano de vida se dá na fase da adolescência, período em que as modificações em diversos setores do organismo e de transformações psicológicas e sociais são de suma importância para a formação do homem adulto. No início desta fase o crescimento se acelera até atingir um ponto máximo em torno dos 12 / 13 anos para as meninas e dos 15 anos para os meninos. Depois a velocidade do crescimento declina rapidamente até os vinte anos. Por fim vem a última fase, que se estende de forma quase que imperceptível até a morte (Hegg e Luongo, 1976; Marcondes, 1989).

A avaliação do crescimento na fase da adolescência é importantíssima, pois é nessa fase que ocorre o segundo estirão do crescimento. Os estudos realizados (Beunen et al., 1992; Anjos e Boileau, 1988; Duarte, 1993;

Hauspie et al, 1993; Bogin et al., 1992 e Waltrick 1996) nesta fase têm mostrado que o aumento da estatura é acelerado e ocorre em um período em que as modificações psicológicas também acontecem. Os únicos estudos realizados em crianças brasileiras sobre o estirão de crescimento em estatura são os de Duarte (1993) e Waltrick (1996). Determinar o momento exato do estirão da puberdade é uma tarefa muito difícil, pois para isto se necessita de estudos longitudinais, com coleta de dados em intervalos pequenos, geralmente de 3 em 3 meses).

Atualmente não se admite uma boa assistência à criança sem o controle do seu crescimento. A comparação da massa corporal, estatura e quantidade de gordura corporal com curvas de crescimento são fundamentais para avaliação do crescimento humano (Waltrick, 1996).

A utilização dessas curvas como parâmetros de avaliação é muito difundida pelos pesquisadores e profissionais que trabalham com crianças. O ideal seria que essas curvas fossem construídas a partir de uma população que tivesse as melhores oportunidades de atingir todas as possibilidades de crescimento, o que é o caso dos países desenvolvidos ou de grupos populacionais de níveis sócioeconômicos elevados de países em desenvolvimento (INAN, 1990). Curvas de referência nacionais são em números insuficientes, sendo a do INAN uma das poucas a serem consideradas.

A Organização Mundial de Saúde

(OMS) recomenda os dados do National Center For Health Statistics (NCHS) dos Estados Unidos da América (USA), válidos para todos os países, como curva de referência (NCHS, 1978). As curvas do NCHS são relativas à massa corporal e estatura de zero a 36 meses e de 2 a 18 anos, separadas por gênero. O estudo de Marques et alii (1982) com crianças da cidade de Santo André e da Grande São Paulo, em 1982, quando comparado com os dados do NCHS, mostrou que os valores eram bastante similares para todas as idades e ambos os gêneros. O Ministério da Saúde também vem adotando as curvas do NCHS como referência para a população brasileira (INAN, 1990)

O Brasil apresenta um território imenso e com grandes diferenças sócioeconômicas, resultando numa diversidade muito grande de características populacionais. Essas diferenças

19Estudo das características antropométricas de escolares de 7 a 17 anos

Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano populacionais interferem no crescimento humano, pois, como sabemos, a localização geográfica tem sua influência, bem como o nível sócioeconômico. Guedes (1994b), Nahas et al. (1992), Waltrick (1988), Silva (1989), Bianchetti (1995) expressam a necessidade de realizar estudos longitudinais de crescimento com populações e localizações geográficas específicas.

Sendo definida como a “a técnica para expressar quantitativamente a forma do corpo” (Tanner, 1986), a antropometria é a atividade ou prática científica relativa à observação, quantificação e análise do crescimento somático humano, sendo um dos fundamentos para uma construção da normatividade, seja clínica, ou epidemiológica, pois se constitui em um dos instrumentos utilizados na construção de referência, necessários à normatização das práticas de saúde, coletivas e/ou individuais.

Como apontada por Tanner (1981) a antropometria nasceu não da medicina ou da ciência, mas das artes, impregnada pelo espírito Pitagoreano. Estudava-se a figura humana dando mais ênfase às proporções que às medidas em si. O inventor do termo antropometria foi o médico alemão, Johann Sigismund Elsholtz. Parece ter sido o primeiro médico a preocupar-se com a medida do corpo humano. Sua tese de graduação era intitulada Antropometria, na sua primeira edição em Pádua em 1654.

As novidades que transformaram a prática antropométrica provieram do campo prático. A medida da estatura dos recrutas desde os meados do século XVIII persistiu de forma tecnologicamente inalterada. No plano da mensuração, é chamativo o fato de que a antropometria, ao menos as medidas de estatura, rapidamente chegou a uma certa maturidade técnica. “As técnicas de mensuração, em especial a massa corporal e a estatura estavam razoavelmente padronizadas desde o recrutamento militar do século XVIII e as formas de medir mantinham-se inalteradas” (Cameron, 1984).

Por volta de 1723 apareceu o livro de

Antropometria escrito por Johann Georg Bergmüller, onde foi publicado especificamente o crescimento de crianças, com proporções do nascimento à maturidade. Infelizmente ele não define uma curva muito normal do crescimento da estatura, mas representa uma veloci- dade de crescimento constante, sem fazer qualquer menção ao rápido crescimento na adolescência. Ele considera que aos 21 anos de idade o sexo feminino atinge a máxima altura e proporção, e o sexo masculino aos 24 anos (Tanner, 1981).

A antropometria teve seu início nos meados do século XVIII, participando de várias áreas do conhecimento científico onde a quantificação da forma do corpo humano começa a ser relevante. Os primeiros registros sobre o crescimento estatural foram coletados com o recrutamento militar. Organizações militares registravam a estatura como parte do exame físico. Seu objetivo era procurar homens altos, tidos como preferenciais. A antropometria serviu como instrumento de saber desta população especial, seja como participativa do processo de identificação individual, seja como instrumento de avaliação da força de combate no recrutamento da tropa.

Dentro da Educação Física a antropometria é muito utilizada como um componente de avaliação dos indivíduos. Muitos foram e são os trabalhos científicos desenvolvidos sobre antropometria no mundo. Esse avanço tecnológico dos tempos modernos tem contribuído para a melhoria dos critérios de avaliação e a descoberta a cada dia de novas técnicas . O uso dos dados antropométricos tem contribuído em muito para que se avalie como está o crescimento e desenvolvimento humano, podendo assim detectar possíveis anormalidades ou enfermidades (França Junior, 1993).

A antropometria utiliza-se de inúmeras variáveis para avaliação do corpo humano. As mais comuns são: massa corporal, estatura total, estatura segmentada, circunferências, perímetros, diâmetros e espessuras. As variáveis da massa corporal e estatura estão presentes em 9,9% das pesquisas sobre antropometria, não só na Educação Física como na Ergonomia e em outras áreas da saúde (Pereira et al., 1993a; Pereira et al, 1993b).

Este estudo caracterizou-se como uma pesquisa descritiva, comparativa, realizada de forma longitudinal mista e transversal, com escolares de 7 a 17 anos do Colégio de Aplicação da Universidade Federal de Santa Catarina (CA/UFSC).

Volume 2 – Número 1 – p. 17-30 – 2000

Os escolares selecionados no GRUPO

I - ESTUDO LONGITUDINAL MISTO, foram retirados do Banco de Dados do CA/UFSC, sendo que todas as medidas foram realizadas no primeiro semestre de cada ano por no mínimo 4 anos consecutivos. No total foram 298 analisados neste estudo, sendo 161 meninos e 137 meninas. No ESTUDO TRANSVERSAL, foram 936 escolares matriculados em 1995, destes, apenas 875 foram avaliados, sendo 450 meninos e 424 meninas.

Nos Estudos Longitudinal Misto e

Transversal foram objeto de estudos as seguintes características antropométricas: Massa Corporal (kg), Estatura (cm), Dobras Cutâneas do Tríceps (m), Subescapular (m), Suprailíaca (m), Abdominal (m) e Percentual de Gordura (%). Além dessas variáveis utilizou-se as de controle como Idade e Gênero.

Todos os dados foram coletados de 1989 a 1995 pelos professores de Educação Física do quadro permanente do CA/UFSC, seguindo a padronização descrita por França e Vívolo (1984). Apenas a coleta das dobras cutâneas de 1989 a 1995 foi realizada por dois únicos professores, que utilizaram um compasso de dobras cutâneas de marca LANGE, com precisão de 0,05 m. O local de coleta dos dados antropométricos foi o laboratório de Educação Física da Coordenadoria de Educação Física e Desportos do referido colégio, supervisionado pelo coordenador em exercício. Não houve controle da maturação sexual.

O percentual de gordura (% gordura) foi determinado através da fórmula desenvolvida por Boileau et al. (1985), e definiram-se como valores normais o percentual de 10% a 20% para os meninos e de 15% a 25% para as meninas (Lohman, 1987).

2D = Soma dos valores das dobras cutâneas do tríceps + subescapular.

Para Lohman, o percentual de gordura é considerado alto para os meninos quando varia de 25 a 31%, e acima de 31% muito alto; já para as meninas os valores são de 30 a 35%, e acima de 35%.

Atendendo os objetivos propostos pelo estudo, os dados coletados foram tratados estatisticamente no Grupo I pelo pacote computadorizado Statistical Analysis System - Versão 3.0 (SAS, 1990), pela análise de variância (ANOVA) one way e pelos procedimentos de Scheffé com nível de significância de p< 0,05. Para o Grupo I foi usado o software

Statistical for Windows - Release 5 da Stat - Soft para a média, desvio - padrão, mediana e percentis 95°, 75°, 50°, 25° e 5°.

Os resultados serão apresentados em tabelas por gênero, variáveis e tipos de estudos. Os grupos de estudos são: GRUPO I - Estudo longitudinal misto de 7 - 17 anos; GRUPO I - Estudo transversal de 7 - 17 anos.

21Estudo das características antropométricas de escolares de 7 a 17 anos

Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano

GRUPO I - Estudo Longitudinal Misto. TABELA 01 - Características antropométricas de escolares do CA/UFSC – Estudo Longitudinal Misto - MENINOS

MC = Massa corporal (kg); E = Estatura (cm); Tr = dobra cutânea do Tríceps; Sub = dobra cutânea subescapular; Sup = dobra cutânea suprailíaca; A = dobra cutânea abdominal; % Gord = percentual de gordura; “t” = diferença significativa teste “t” de 15 com 15 anos p < 0,05; MED = média e DP = desvio padrão.

TABELA 02 - Características antropométricas de escolares do CA/UFSC Estudo Longitudinal Misto - MENINAS

MC = Massa corporal (kg); E = Estatura (cm); Tr = dobra cutânea do Tríceps; Sub = dobra cutânea subescapular; Sup = dobra cutânea suprailíaca; A = dobra cutânea abdominal; % Gord = percentual de gordura; "t" = diferença significativa teste "t" de 10 com 10 anos e 15 com 15 anos p < 0,05; MED = média e DP = desvio padrão.

Volume 2 – Número 1 – p. 17-30 – 2000

GRUPO I - Estudo Transversal de 7 a 17 anos. TABELA 03 - Características antropométricas dos escolares do CA/UFSC - Estudo Transversal.

MC = Massa corporal (kg); E = Estatura (cm); Tr = dobra cutânea do Tríceps; Sub = dobra cutânea subescapular; Sup = dobra cutânea suprailíaca; A = dobra cutânea abdominal; % Gord = percentual de gordura; MED = média e DP = desvio padrão.

(Parte 1 de 3)

Comentários