TCC hidroterapia na gestação

TCC hidroterapia na gestação

(Parte 1 de 4)

Tubarão, 2005

3 BÁRBARA ROVARIS DE LUCA

Trabalho de conclusão de curso apresentado ao Curso de Fisioterapia, como requisito para a obtenção do título de Bacharel em Fisioterapia.

Universidade do Sul de Santa Catarina

Orientadora Profª. MSc. Karina Brongholi

Tubarão, 2005

Este trabalho de conclusão de curso foi apresentado ao Curso de Fisioterapia, e julgado adequado à obtenção do título de Bacharel em Fisioterapia.

Universidade do Sul de Santa Catarina

Tubarão, 21 de novembro de 2005.

Profª. Orientadora MSc. Karina Brongholi Universidade do Sul de Santa Catarina

Profª. MSc. Adriana Elias dos Reis Universidade do Sul de Santa Catarina

Profª. MSc. Melissa Medeiros Braz Centro Universitário Franciscano

Este trabalho é dedicado, em especial, à minha família, que sempre esteve e, com certeza, estará ao meu lado em todos os momentos de minha vida, apoiando-me e aconselhando-se. Amo todos vocês.

A todos que de alguma forma estiveram ao meu lado nesta caminhada, contribuindo para o meu crescimento pessoal e profissional. Principalmente meus pais, que me deram a oportunidade de estudar em uma universidade de qualidade e com profissionais capacitados. Aos meus colegas e amigos, que me acompanharam desta jornada e me ajudaram com suas palavras de conforto, seus ensinamentos e às tantas horas unidos em momentos de alegrias. À professora Karina Brongholi, por ter me orientado neste trabalho. Obrigada a todos.

“Tua caminhada ainda não terminou. A realidade te acolhe dizendo que pela frente o horizonte da vida necessita de tuas palavras e do teu silêncio. Se amanhã sentires saudade, lembra-te da fantasia e sonha com tua próxima vitória. É certo que irás encontrar situações tempestuosas, mas haverá de ver sempre o lado bom da chuva que cai e não a faceta do rio que destrói. Se não consegues entender que o céu deve estar dentro de ti, é inútil buscá-lo acima das nuvens e ao lado das estrelas. Não faças do amanhã o sinônimo do nunca, nem o ontem te seja o mesmo que nunca mais. Teus passos ficaram. Olhe para trás mas vá em frente, pois há muitos que precisam que chegues para poderem seguir-te.” (Charles Chaplin)

melhora da auto-estima e disposição para realização das atividades de vida diária

A gestação é um período de desenvolvimento e mudanças importantes para o crescimento e desenvolvimento da vida humana. Durante os nove meses de gestação, o corpo da gestante terá que acomodar as devidas mudanças fisiológicas. A meta deste estudo é analisar os efeitos da hidrocinesioterapia sobre o sistema músculo-esquelético em gestantes no sexto e sétimo mês de gestação, bem como identificar as principais queixas, em comum, dessas gestantes, verificar se houve influência da hidroterapia sobre as atividades do seu dia-a-dia e sobre o sistema emocional destas pacientes. Esta pesquisa caracterizou-se como exploratória multicaso qualitativa. A amostra foi composta por três gestantes, duas no sexto mês de gestação e uma no sétimo mês. Foi utilizado como instrumento da coleta de dados ficha de avaliação contendo dados gerais e escala visual análoga de dor. O estudo foi realizado na piscina terapêutica das dependências da Clínica Escola de Fisioterapia da Universidade do Sul de Santa Catarina – UNISUL, campus Tubarão. Com este estudo pôde-se observar uma melhora nos três aspectos propostos: melhora nas atividades de vida diária, melhora quanto ao lado emocional e redução da dor lombar nas três gestantes. Conclui-se, dessa forma, que o plano de tratamento proposto na hidroterapia mostrou-se eficaz para a redução das algias, Palavras-chave: Gestação, hidroterapia, sistema músculo-esquelético, fisioterapia.

Pregnancy is an important period of development and changes in the growth and formation of a new human being life’s. During the nine months of pregnancy, the body of the expectant mother undergoes physiological changes, leading to a new physical and psycological equilibrium. The objective of this study was to investigate the effect of hydrotherapy on the skeletal and muscle system during the sixth and seventh month period of pregnancy. Also, the influence of hydrotherapy on daily activities and on the emotional system of the patients was researched. This experiment can be classified as an exploratory qualitative multicase. The sample was composed of three expectant mothers, two of them in the sixth month and the other in the seventh month of gestation. Visual observations were made on pain symptoms and take down on tables and charts. The study was carried out in the therapeutical swimming pool at Clínica Escola de Fisioterapia of the Universidade do Sul de Santa Catarina – UNISUL, campus Tubarão. As result of the study, an improvement in three aspects was observed: reduction of lumbar pain in all three subjects; improvement in daily life conditions; and, pronounced improvement in emotional aspects for all of them. It can be concluded that hydrotherapy treatment as planned was efficient for the reduction of pain, improvement of auto-stem and disposition for executing daily life activities.

Key-Word: Gestation, hydrotherapy, muscle system, physiotherapy.

1 INTRODUÇÃO1
2 HIDROTERAPIA NA GESTAÇÃO14
2.1 Alterações fisiológicas presentes na gestação14
2.2 Exercícios na gravidez19
2.2.1 Respostas hormonais ao exercício na gravidez19
2.2.2 Respostas pulmonares ao exercício na gravidez2
2.2.3 Resposta cardiovascular materna ao exercício durante a gravidez23
2.3 Hidroterapia na gravidez25
3 DELINEAMENTO DA PESQUISA28
3.1 Tipo de pesquisa28
3.1.1 Classificação quanto à abordagem28
3.1.2 Classificação quanto aos níveis de pesquisa28
3.1.3 Classificação quanto aos procedimentos utilizados na coleta de dados29
3.2 População/amostra29

SUMÁRIO 3.3 Instrumentos utilizados para coleta de dados ..............................................................29

3.5 Procedimento para análise e interpretação dos dados31
4 RESULTADOS, ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS DADOS32
4.1 Caracterização dos sujeitos da pesquisa32
4.2 Alterações emocionais3
4.3 Alterações nas atividades de vida diária36
4.4 Graduação da escala visual análoga de dor38

3.4 Procedimentos utilizados na coleta de dados ................................................................30 4.5 Considerações quanto à prática de atividade física em meio aquático na gestação ..40

CONSIDERAÇÕES FINAIS42
REFERÊNCIAS4
ANEXOS47
ANEXO A – Termo de consentimento livre e esclarecido48

ANEXO B – Ficha de avaliação para gestantes........................................................................50

1 INTRODUÇÃO

A gestação é um período de desenvolvimento e mudanças importantes para o crescimento e desenvolvimento da vida humana.

É um momento em que existem adaptações fisiológicas preparando o organismo materno para receber o feto em crescimento até que esteja em condições de nascer. Essas alterações ocorridas pelo desenvolvimento do feto, ocasionam mudanças na postura da gestante, no seu equilíbrio, percepção corporal, gasto energético e nas propriedades biomecânicas.

maior sobrecarga imposta ao funcionamento dos órgãos

De acordo com Rezende (1998), a gravidez é estabelecida como sendo um episódio na vida normal da mulher; teoricamente a mulher grávida deverá experimentar os reflexos de

Durante os nove meses de gestação o corpo da gestante terá que acomodar as devidas mudanças fisiológicas. Novas exigências surgirão nos seus sistemas para que o bebê se desenvolva.

As modificações na gravidez resultam de fatores como: mudanças hormonalmente mediadas no colágeno e no músculo involuntário; aumento de volume total de sangue com o fluxo sangüíneo aumentado para o útero; crescimento do feto resultando a conseqüente ampliação e deslocamento do útero e também o aumento do peso e as mudanças adaptáveis no centro de gravidade e postura (REZENDE apud ORLANDI, 2004).

Um dos papéis do fisioterapeuta na área de obstetrícia é orientar a gestante quanto às adaptações fisiológicas ocorridas durante a gestação, as quais causam desajustes na estrutura física da mulher e que podem se transformar em desconfortos.

Portanto, as alterações que ocorrem durante a gestação podem afetar significativamente o sistema músculo-esquelético e limitar as capacidades da gestante, chegando a causar incapacidade até mesmo nas atividades da vida diária.

As atividades praticadas na água recebem várias denominações, entre elas exercício aquático ou em imersão e hidroginástica. Dyson (apud PREVEDEL et al, 2003) prefere o termo hidroterapia, talvez pelos efeitos curativos a ela relacionados.

Estes efeitos contribuem para que a adesão à técnica seja cada vez maior, tanto por parte das gestantes como dos profissionais que as acompanham no pré-natal. Além de proporcionar conforto e bem-estar, aumenta a capacidade do organismo materno em eliminar calor. A manutenção da temperatura corporal durante a hidroterapia é outro efeito desejável.

Durante a gestação, ocorrem várias alterações fisiológicas nos diversos sistemas do organismo da gestante que podem interferir no seu dia-a-dia, como comprometimentos emocionais, fadiga, lombalgia, alterações posturais devido à alteração do centro de gravidade, edema periférico.

Diante dessas alterações e dos efeitos de exercícios em imersão na água, este trabalho teve como objetivo geral avaliar os efeitos obtidos com a hidrocinesioterapia sobre o sistema músculo-esquelético em gestantes no sexto e sétimo mês de gestação.

Secundariamente, tornou-se necessário identificar as principais queixas, das gestantes no sexto e sétimo mês de gestação, verificar se, quando presentes, sofrem alteração com a utilização da hidrocinesioterapia como tratamento durante este período e se houve influência da hidroterapia sobre as atividades do seu dia-a-dia.

É necessário um conhecimento mais aprofundado sobre algum método que minimize ou exclua os desconfortos provindos da gestação, para que a gestante possa ter um período gestacional tranqüilo, sem que interfira no seu convívio social.

O presente estudo consta de uma pesquisa do tipo exploratória multicaso qualitativa, sendo que os resultados também serão analisados em forma de gráfico e tabela, para melhor compreensão destes.

O trabalho consta de introdução, justificando o porquê da escolha deste tema; referencial teórico, apresentando as alterações ocorridas no organismo da mulher durante a gestação e considerações sobre a hidroterapia neste grupo de mulheres; delineamento da pesquisa, apresentando a metodologia utilizada neste trabalho, e por fim, o resultado, análise e interpretação dos dados obtidos com o estudo.

2 HIDROTERAPIA NA GESTAÇÃO

Baseado em Skinner (1998), começando logo após a concepção a mulher
Alterações fisiológicas presentes na gestação:
1) Sistema endócrino
Segundo Yitzahak, Masaki e Artal (apud ARTAL; WISWELL; DIRNKWATER,
De acordo com Burroughs (1995), a progesterona age proporcionando o

2.2 Alterações fisiológicas presentes na gestação responde à gravidez com mudanças fisiológicas generalizadas que preparam o meio ambiente interno adequado para o feto em crescimento. 1999), o sistema endócrino está envolvido em mudanças significativas na gravidez. Essas alterações são moduladas pelos ovários e unidade fetoplacentéria e pelas glândulas endócrinas da mãe. desenvolvimento do endométrio do útero, auxiliando a implantação do ovo, proporcionando o desenvolvimento dos ductos secretores das mamas para lactação, estimulando a excreção de sódio e reduzindo o tônus dos músculos lisos, causando diminuição da contratilidade uterina (principal causa de constipação, azia e varicosidades).

Esse mesmo autor diz que o estrógeno produzido pelo corpo lúteo tem como principais funções estimular o aumento do útero, das mamas e dos genitais; ocasionar

De acordo com Valadares (apud SOUZA, 1999), a relaxina tem sua concentração
Segundo Rezende (1998), a gravidez exerce grande efeito sobre a motilidade
A musculatura do intestino torna-se levemente hipotônica e a motilidade é

modificações vasculares; promover a utilização de nutrientes e estimular o hormônio melanócito estimulante, responsável pelo aumento da pigmentação. aumentada durante o primeiro trimestre e reduzida no segundo. Esse hormônio proporciona um aumento do movimento da pelve para acomodar o bebê que está se desenvolvendo durante a gravidez, possibilitando um nascimento mais fácil; além de permitir que os músculos do assoalho pélvico se alonguem durante o parto. 2)Sistema gastrointestinal gastrointestinal. As alterações da motilidade estão relacionas com os teores crescentes dos hormônios sexuais femininos diferindo do que se acreditava anteriormente, do útero em crescimento. diminuída. A velocidade reduzida do peristaltismo esofágico, um relaxamento do estômago e uma pressão intra-abdominal aumentada com o desenvolvimento da gravidez, favorecem ao refluxo gástrico ou a azia das quais muitas gestantes se queixam (POLDEN; MANTLE, 2000).

De acordo com Rezende (1998), no primeiro trimestre é freqüente o aparecimento de náuseas, habitualmente matinais, cuja base fisiológica é desconhecida, mas pode estar relacionado aos níveis crescentes de estrógeno no sangue. Fatores emocionais contribuem para a seriedade das náuseas e vômitos.

Este mesmo autor afirma que mais da metade das gestantes referem-se ao aumento do apetite e da sede, sendo que um número expressivo ocorre no primeiro trimestre, podendo persistir por toda a gestação ou diminuir nos últimos meses. 3 ) Sistema cardiovascular

Segundo Polden e Mantle (2000), o volume sangüíneo pode aumentar de 40% ou
As modificações no sistema cardiovascular são essenciais para o fornecimento de

16 mais para suprir as necessidades da parede uterina, servindo assim à placenta e a outras demandas do corpo. Tem um aumento maior no volume do plasma do que nas células vermelhas, onde o nível de hemoglobina cai para aproximadamente 80%. Esse efeito pode ser denominado anemia fisiológica da gravidez. O coração aumenta de tamanho e acomoda mais sangue, aumentando assim a função cardíaca de 30 a 50%. oxigênio e nutrientes ao feto e ao útero em crescimento (BURROUGHS, 1995).

Hanlon (1999) afirma que o diafragma é um músculo que separa a cavidade

Como a capacidade cardíaca fica elevada, deve-se ter especial cuidado quando a gestante apresentar história prévia de problemas cardíacos. O aumento é mais rápido durante o primeiro trimestre, parecendo atingir o pico por volta da 30a a 34a semana de gestação, estabilizando-se posteriormente. 4) Sistema respiratório torácica da cavidade abdominal e auxilia na respiração. A expansão do útero pressiona e move o diafragma para cima, dificultando seu movimento durante a inspiração. Os níveis aumentados de progesterona elevam a taxa normal de respiração em até 45%.

No terceiro trimestre em muitas gestantes o útero dilatado impede crescentemente a descida do diafragma. Podendo deslocar o diafragma para cima geralmente uns 4 cm ou mais. A pressão do feto para cima também afeta as costela, fazendo com que estas se dilatem. A cintura costal inferior materna é aumentada geralmente de 10 a 15 cm, assim como o ângulo subcostal. Com isso a excursão respiratória está limitada nas bases dos pulmões. Com isso as mulheres freqüentemente experimentam consideráveis faltas de fôlego mesmo com esforços moderados em direção ao final da gravidez.(POLDEN; MANTLE, 1998, p. 34).

Segundo Valadares (apud SOUZA, 1999), as modificações pulmonares anatômicas e fisiológicas nas gestantes levam ao aumento da capacidade inspiratória e decréscimo do volume residual funcional, surgindo daí a necessidade crescente para facilitar o

Polden e Mantle (2000) afirmam que, do início ao final da gravidez, ocorre um

maior transporte de oxigênio para a unidade fetoplacentária. 5) Sistema urinário aumento do suprimento de sangue para o trato urinário, com a finalidade de enfrentar as necessidades adicionais do feto. Há, também, um aumento do peso dos rins e uma dilatação da pélvis renal. Além disso, ocorre um aumento da produção de urina e uma pequena mudança na reabsorção tubular causadas pela gravidez, podendo resultar em excreção de quantidades significativas de açúcar e proteína.

No início da gravidez o útero aumentado pressiona a bexiga e ocasiona o aumento da freqüência urinária. Com o fluxo sangüíneo renal aumentado, as substâncias sangüíneas são filtradas com mais facilidade com a diminuição do tônus da musculatura lisa, o movimento peristáltico necessário para impulsionar a urina dos rins para a bexiga também diminui. (BURROUGHS, 1995, p. 7).

Valadares (apud SOUZA, 1999) diz que as doenças hematológicas têm sido
Segundo Ziegel e Cranley (1985) afirmam que, embora haja uma elevação

Acredita-se que a capacidade dos rins lidarem com maior carga de líquidos modifica-se à medida que a gravidez progride (ZIEGEL e CRANLEY, 1985). 6) Sistema hematológico responsáveis por mais de 50% das complicações clínicas ocorridas na gravidez, as quais se relacionam estritamente a baixos níveis fisiológicos de hemácias, plaquetas e proteínas. considerável de eritrócitos durante a gravidez, há um aumento em média de 250 a 450ml de glóbulos vermelhos dependendo da quantidade de ferro disponível. A expansão desproporcionada do volume de plasma, leva a uma diminuição das concentrações de hemoglobina e de eritrócitos e, portanto, há um decréscimo de hematócrito durante a gestação.

(Parte 1 de 4)

Comentários