Curso de Redes de Computadores 2

Curso de Redes de Computadores 2

(Parte 1 de 8)

RReeddees s &

& NNooççõõees s dde e HHaarrddwwaarre

e
Módulo I

Parabéns por adquirir um curso dos

Cursos 24 Horas. Você está investindo no seu futuro! Nós esperamos que o curso traga os melhores resultados possíveis.

Atenciosamente Equipe Cursos 24 Horas

Rede cliente-servidor com o Windows 2000

Server

Mostraremos como configurar uma rede cliente-servidor com o Windows 2000 Server. Este sistema é derivado do Windows NT e faz parte da linha de sistemas Microsoft para servidores. Foi lançado em diversas versões, com características bem diferentes:

Windows 2000 Professional Esta versão destina-se ao uso em estações de trabalho, e não como servidor. A partir dela foi criado o Windows XP.

Windows 2000 Server Esta é a versão básica do Windows 2000 Server. Permite operar com até 4 processadores e 4 GB

de memória. É ideal para redes cliente servidor de médio e pequeno porte.

Windows 2000 Advanced Server Esta versão é indicada para redes de maior porte. Permite operar com até 8 processadores e 8 GB de memória. Permite que múltiplos servidores operem em conjunto, permitindo aumentar o desempenho em função do número de servidores.

Windows 2000 Datacenter Server Tem os recursos da versão Advanced e pode operar com até 32 processadores e 32

GB de memória. A família de sistemas para servidores continuará a crescer com novas versões, porém a maioria dos recursos e comandos disponíveis manterão compatibilidade com o Windows 2000. Portanto os ensinamentos apresentados aqui certamente serão aproveitados para novas versões.

Componentes de hardware

Não existe diferença na parte física da rede quando é usada a arquitetura cliente servidor. A mesma infra-estrutura de cabos, hubs, switches e outros equipamentos de rede aplica-se tanto para redes ponto-a-ponto como a redes clienteservidor. A única diferença fica por conta do servidor, que precisa ser dedicado. Lembramos que em redes ponto-a-ponto podemos usar um servidor dedicado, o que é altamente recomendável, porém não é obrigatório. Em redes domésticas, por exemplo, o servidor pode ser usado como estação de trabalho. Nas redes cliente-servidor, o servidor é dedicado. Deve ter seu tempo livre para executar apenas as tarefas de atendimento dos demais computadores, fornecendo o acesso a arquivos, impressoras, à Internet, além de gerenciar todas as permissões de acesso. Assim como ocorre nas redes ponto-aponto, o acesso à Internet pode ser centralizado através do servidor. Podemos ter o servidor operando como simultaneamente como firewall e roteador para acesso à Internet, ou podemos ter um módulo separado, com firewall e roteador (normalmente integrados), deixando o servidor menos congestionado. Daremos mais detalhes sobre as formas de conexão possíveis. Usaremos no nosso exemplo o compartilhamento da conexão a partir de um modem no servidor, usando acesso por linha telefônica.Figura 1

Conceitos importantes

Redes cliente-servidor são um pouco mais complexas que as redes ponto-a-ponto. As configurações não são automáticas, e o instalador precisa ter conhecimentos técnicos sobre diversos conceitos. É um grande contraste em comparação com as redes ponto-a- ponto, que podem ser configuradas de forma automática através de assistentes, não necessitam de administrador e o responsável pela sua montagem nem mesmo precisa ter conhecimentos teóricos sobre redes, protocolos e outros elementos. Protocolos e endereços Entre os diversos protocolos utilizados em redes, o TCP/IP é o mais comum. É usado na Internet e é instalado automaticamente com o Windows. Os dados trocados entre dois computadores quaisquer da rede são acompanhados de um cabeçalho contendo o endereço de destino e o endereço de origem. Cada endereço é formado por 4 bytes (32 bits). Convencionou-se escrever esses endereços como uma seqüência de quatro números decimais separados por pontos. Cada um desses números, sendo formados por 8 bits, pode assumir valores entre 0 e 255. Por exemplo: 192.168.0.18 Esses endereços são chamados de endereços IP, e IP significa Internet protocol. Nos acessos à Internet, esses números são usados para endereçar sites. Existem entretanto certas faixas de endereços que não são usadas na Internet, e sim, são reservadas para uso em redes locais. São as seguintes as faixas reservadas para uso local: Classes internas Endereço inicial Endereço final Classe A 10.0.0.0 10.255.255.255 Classe B 172.16.0.0 172.31.255.255 Classe C 192.168.0.0 192.168.255.255

Ao montar uma rede será preciso definir as faixas de endereços a serem usadas pelas máquinas. Quando usamos o Assistente de rede doméstica no Windows ME, esta escolha é feita automaticamente. No Windows 2000 Server, temos que fazer esta escolha manualmente. Para isso é preciso respeitar certas regras de distribuição de endereços. Se você não quer perder tempo nem esquentar a cabeça, configure sua rede como classe A. Você poderá usar para suas máquinas, qualquer endereço entre 10.0.0.0 e 10.255.255.255. Esta é inclusive a escolha padrão do Windows 2000 Server. Para escolher outras classes é preciso conhecer um pouco mais, como mostraremos agora:

Redes classe A Essas redes podem ter até 16 milhões de endereços. Apenas grandes empresas receberam a permissão para uso dessas redes. Por exemplo, o serviço de correios dos Estados Unidos recebeu a rede A de número 56, e usa portanto os endereços entre 56.0.0.0 e 56.255.255.255. A IBM recebeu a rede 9 (9.0.0.0 a 9.255.255.255), a HP recebeu a rede 15, a Ford recebeu a rede 19, e assim por diante. Você poderá usar uma rede classe A de número 10 (10.0.0.0 a 10.255.255.255). A diferença é que esta faixa de endereços será de uso interno, ou seja, os roteadores que fazem à conexão da rede interna com a Internet ignoram esses endereços.

Redes classe B Essas redes podem ter até 65.534 máquinas. Elas utilizam endereços entre 128.x.x.x e 191.x.x.x. Essas

192.168.3.0 192.168.3.255

classes são usadas por redes de médio porte, como universidades (apesar de algumas como MIT e Stanford usarem redes A, as de números 18 e 36, respectivamente). Existem 16.384 faixas de endereços para redes classe B. Destas, 16 são usadas para redes locais classe B. São elas: 172.16.0.0 172.16.255.255 172.17.0.0 172.17.255.255 172.18.0.0 172.18.255.255 172.19.0.0 172.19.255.255 172.30.0.0 172.30.255.255 172.31.0.0 172.31.255.255 Se você decidir usar uma rede classe B, terá que escolher uma das 16 opções acima. Digamos que você escolha a faixa 172.18.0.0 a 172.18.255.255. Poderá então escolher para suas máquinas, endereços que começam com 172.18 e variar apenas os dois últimos números. Redes classe C Cada uma dessas redes pode ter até 254 computadores. Os endereços IP reservados para essas classes vão de 192.0.1.0 a 223.255.254.255. São cerca de 4 milhões de redes possíveis, sendo que delas, 256 são reservadas para redes internas, que você poderá utilizar. São elas: 192.168.0.0 192.168.0.255 192.168.1.0 192.168.1.255 192.168.2.0 192.168.2.255 192.168.254.0 192.168.254.255 192.168.255.0 192.168.255.255 Se você escolher por exemplo a terceira faixa, terá que utilizar endereços que começam com 192.168.2 e variar apenas o último número. OBS.: em cada uma das redes, dois endereços são reservados, sendo um para a própria rede e um para broadcast (mensagem simultânea para todos os nós).

Active Directory Um dos principais desafios dos desenvolvedores de redes é criar métodos seguros para controlar o uso dos recursos disponíveis pelos diversos usuários da rede. O Active Directory é um novo método de controle criado pela Microsoft para o Windows 2000 Server. Tomando um exemplo bem simples, imagine que o usuário Bernardo fez logon em um certo computador da rede, e que no servidor exista uma pasta de uso específico desta usuário, chamada Arquivos de Bernardo. A validação do logon (usuário e senha) e a permissão do acesso desta pasta por este usuário é feita com base no Active Directory. Esta é a tarefa mais simples possível, existem muitas outras tarefas bastante complexas. Podem ser gerenciados usuários, grupos, computadores e máquinas em geral, servidores, pastas, impressoras e sites. Domínio Domínio é um grupo de máquinas que acessam e/ou compartilham recursos entre si. A noção de domínio é muito parecida com a de grupo de trabalho. Ambos são visualizados a partir de Ambiente de rede ou Meus locais de rede. O acesso aos recursos compartilhados é controlado por um computador chamado controlador de domínio. Este deve utilizar o Windows 2000 Server, mas os demais computadores do domínio podem usar outros sistemas, como o Windows 2000 Professional, Windows XP e Windows 9x/ME. A figura 2 mostra os computadores do domínio LABO, usado na nossa rede. Nela o computador de nome SW2000 é o servidor de domínio. Nele é feita a autenticação dos usuários que fazem logon na rede. Uma vez autenticados, esses usuários podem acessar os recursos compartilhados existentes nos computadores do domínio,

desde que esses recursos estejam configurados com permissões para esses usuários. A maioria dos recursos compartilhados estão no próprio servidor, entretanto nada impede que existam recursos em outras máquinas do domínio.

Figura 2 .

Em uma rede, cada máquina deve ter seu endereço. Existem dois métodos de definição do endereço IP: manual e automático. O endereço manual é programado no quadro de propriedades de rede. Aplicamos um clique duplo sobre o protocolo TCP/IP e será mostrado um quadro com diversas guias. A figura 3 mostra o resultado em PCs com Windows 9x/ME. Na guia Endereço IP marcamos a opção Especificar um endereço IP. Podemos então preencher o endereço manualmente. Também é preciso preencher a máscara de sub-rede. Para endereços classe A, o padrão é 255.0.0.0. A outra opção é Obter um endereço IP automaticamente. Ao ser usada, o endereço IP será definido por um servidor DCHP (Dynamic Host Configuration Protocol). Um computador com o Windows 2000 Server irá operar como servidor DCHP. Desta forma não precisamos configurar manualmente endereços IP para cada computador da rede. Deixamos todos na configuração automática (que é inclusive a opção padrão) - Obter um endereço IP automaticamente. Note que para esta configuração automática funcionar corretamente, o servidor DCHP deve estar ativo. Portanto é preciso ligar o servidor antes dos demais PCs da rede.

Figura 3

DNS e WINS O Windows 2000 Server permite que um computador opere como servidor DNS (Domain Naming System) e WINS (Windows Internet Naming Service). Tratam-se de dois processos usados para a conversão entre nomes e endereços. Digamos por exemplo que um computador tenha endereço 10.0.0.3. O acesso fica muito mais fácil se os usuários da rede não precisarem memorizar esses números, e sim um nome mais amigável, como \\Servidor2. Dependendo do software utilizado, a conversão de nomes para endereços pode ser feita por um ou outro sistema. O WINS é o sistema mais antigo, usado nas redes Microsoft até meados dos anos 90. O DNS é o sistema mais novo, usado também na localização de sites na Internet. Graças ao DNS, programas terão acesso a recursos da rede a partir dos seus nomes. Graças ao WINS, computadores com sistemas mais antigos poderão ter acesso aos recursos do servidor.

Instalando o Windows 2000 Server

A instalação do Windows 2000 Server consiste em executar um boot com o seu CDROM de instalação e seguir o assistente de instalação. Podemos ter instalados mais de um sistema operacional no computador, usando por exemplo, o Windows XP e o Windows 2000 Server. Entretanto é altamente recomendável que o servidor seja totalmente dedicado, e que aplicativos comuns não sejam usados. Desta forma o servidor estará o tempo todo disponível para o atendimento dos demais computadores da rede. Recomendamos portanto que o disco rígido seja formatado na ocasião da instalação, utilizando o sistema NTFS. Podemos usar o disco rígido inteiro como um único drive C, ou dividi-lo em dois ou mais drives lógicos. Esta divisão é feita pelo programa de instalação do sistema. Para realizar o boot através do CD-ROM de instalação do Windows 2000 Server, pode ser necessário alterar o CMOS Setup do computador. É preciso encontrar o comando que define a seqüência de boot, e então programá-lo para que o CD-ROM seja usado antes do disco rígido (ou seja, o boot só seria feito pelo disco rígido se não existir CD-ROM no drive). Em alguns Setups existem opções como A:, C:, CDROM; C:, A:, CDROM, e assim por diante. Em outros Setup temos os itens First boot device, Second boot device, third boot device e fourth boot device, e cada um deles pode ser programado com as opções Floppy, HD e CD-ROM. Enfim, escolhemos uma opção que deixe o CD-ROM ser usado antes do disco rígido. A figura 4 mostra a tela inicial do programa de instalação do Windows 2000 Server. É bastante parecido com o do Windows XP e o do Windows 2000 Professional. Teclamos ENTER para dar início à instalação. Figura 4 será apresentado um contrato de licença. Devemos teclar F8 para concordar com o contrato e prosseguir com a instalação. O programa irá checar o estado do disco rígido. Verificará quais são as partições existentes para que possamos escolher em qual delas será feita à instalação. Quando um disco rígido é novo, todo o seu espaço será indicado como Espaço não particionado, ou seja, não existirão partições. No nosso exemplo o disco rígido já havia sido usado. Existe uma partição única, formatada com FAT32, com pouco mais de 38 GB, dos quais cerca de 2 GB estão livres. Recomendamos que esta partição seja excluída e que seja criada uma nova partição formatada com NTFS. Conforme explica a tela da figura 5, teclamos D para remover a partição. O programa avisará que os dados da partição antiga serão perdidos. É preciso confirmar a escolha para que a partição seja removida. O processo dura apenas alguns segundos, e ao seu término, toda a capacidade do disco será indicada como Espaço não particionado, como vemos na figura 6. Podemos agora teclar ENTER para instalar o Windows 2000 Server neste espaço. Figura 6

Na tela seguinte escolhemos a opção Formatar a partição utilizando o sistema de arquivos NTFS. O programa fará então a formatação, operação que irá demorar vários minutos, dependendo da capacidade e da velocidade do disco rígido. Terminada a formatação será feita automaticamente a cópia dos arquivos de instalação na partição criada ou selecionada (figura 7). Este processo também é demorado, apesar de ser mais rápido que a formatação. O computador será reiniciado, e o boot desta vez deverá ser feito pelo disco rígido. Se você alterou o CMOS Setup para permitir o boot pelo CD-ROM, altereo novamente para que o boot seja feito pelo disco rígido. Em muitos computadores, o boot pelo CD-ROM só é feito mediante confirmação (Press any key to boot from CD-ROM.). Nesse caso basta não pressionar uma tecla e o boot pelo CD-ROM será ignorado. Seja como for, se após o boot for apresentada uma tela como a da figura 4, o programa de instalação estará sendo executado desde o início. Você deve cancelar a operação e retirar o CD-ROM do drive para que o boot seja feito pelo disco rígido. Quando aparecer a primeira tela gráfica do Windows 2000 Server, você pode colocar novamente o CD-ROM no drive, pois ele será necessário no restante da instalação. A tela gráfica do Windows 2000 Server estará operando neste momento no modo VGA, com resolução de 640x480 e 16 cores. Os próximos passos da instalação são explicados a seguir: Instalação de dispositivos O Assistente de instalação levará alguns minutos para instalar e configurar dispositivos como teclado, mouse, monitor e placa de vídeo. O processo demora alguns minutos e a tela poderá piscar ou apagar por alguns segundos. Configurações regionais A localidade do sistema e dos usuários será definida como Brasil (a menos que você esteja usando uma versão em inglês). Podemos clicar no botão Personalizar para alterar essas configurações. O layout do teclado é definido como padrão na versão brasileira, como Brasil/ABNT. O teclado ABNT é aquele que tem um Ç ao lado da tecla ENTER. Se o teclado não for desse tipo, demos que alterá-lo. Para isso basta clicar em Personalizar, marcar o item Português-Brasil, clicar em Propriedades e selecionar o layout Estados Unidos Internacional. Nome e organização Um quadro perguntará o nome do usuário que está fazendo a instalação e o nome da organização (empresa). Este usuário terá poderes de administrador do sistema. Chave e licenciamento Será pedida a chave do produto, que é o código existente na parte traseira da embalagem do CD-ROM de instalação. Pedirá também o modo de licenciamento do sistema. Existe dois modos de licenciamento: por servidor e por estação. Em redes com o Windows 2000 Server, é preciso comprar não apenas o sistema operacional usado no servidor e os sistemas usados nas estações de trabalho, mas também as licenças de uso que permitem acessar o servidor a partir dos clientes. No modo de licenciamento por estação, cada computador da rede precisa ter uma licença adquirida. Este método é indicado para redes que possuem mais de um servidor. No modo de licenciamento por servidor, o número de clientes poderá variar, e o servidor admitirá um número máximo de conexões com clientes. Este método é indicado para redes que possuem apenas um servidor. O Windows 2000 Server é vendido com licenças embutidas para clientes, e o custo total dependerá do número de licenças para clientes. No nosso exemplo escolheremos o modo de licenciamento por servidor. Nome do computador e senha do administrador O assistente de instalação perguntará o nome do computador. Será dado automaticamente um nome complicado, como LVC-FTTI5VM9G7L. Podemos alterar o nome neste momento para algo mais amigável, como SW2000 ou outro nome de nosso agrado. Também será preciso criar uma senha para o administrador do sistema. Escolha dos componentes a serem instalados Será apresentada uma lista de componentes do Windows, na qual podemos escolher quais devem ser instalados. Esta lista é similar à obtida quando usamos o comando Adicionar/Remover programas, no Painel de controle. Podemos deixar selecionados os itens sugeridos pelo assistente. Novos componentes serão instalados na medida em que forem necessários durante o uso normal do sistema. Data, hora e fuso horário Assim como ocorre nas demais versões do Windows, será perguntada a data, à hora e a zona de tempo que define o fuso horário. Na versão em português é usado automaticamente o horário de Brasília. Se usarmos a versão em inglês poderemos alterar para Brasília, o fuso horário que vigora na maior parte do Brasil. Configurações de rede Serão feitas a seguir as configurações de rede. O assistente perguntará se devem ser usadas às configurações típicas ou personalizadas. As configurações típicas são indicadas para a maioria dos casos, e incluem:

(Parte 1 de 8)

Comentários