Percepções do graduando de enfermagem sobre a dimensão humana no seu aprendizado

Percepções do graduando de enfermagem sobre a dimensão humana no seu aprendizado

(Parte 1 de 3)

OnlineArtigo OriginalRev Latino-am Enfermagem 2007 março-abril; 15(2) w.eerp.usp.br/rlae

Simone de Oliveira Camillo1

Ana Lúcia da Silva2 Alan Jefferson do Nascimento3

Os objetivos deste estudo foram identificar e interpretar as percepções apresentadas por alunos de um Curso de Graduação de Enfermagem após o estágio de Saúde Mental. Foram gravadas 12 entrevistas com acadêmicos de Enfermagem da Faculdade da Fundação ABC - Santo André, São Paulo, Brasil, em agosto de 2004, utilizando-se de roteiro semi-estruturado. Por meio da Análise de Conteúdo, modalidade temática, foram identificadas quatro categorias: 1. saúde mental: proporcionando a compreensão do outro; 2. respeito pelo humano: a importância de ouvir; 3. saúde mental: contribuindo para uma visão contextualizada do paciente e 4. graduação em enfermagem: “sinais e sintomas” indesejáveis da profissão. A análise e a discussão dessas categorias representaram o vislumbramento da possibilidade de um ensino pautado na condição humana. Dessa forma, defende-se, aqui, a idéia de que novos estudos devam ser realizados, mas já considerando que a disciplina Saúde Mental deve ser valorizada nos Projetos Políticos Pedagógicos dos Cursos de Graduação em Enfermagem.

DESCRITORES: saúde mental; educação; enfermagem; empatia

This study aimed to identify and interpret the perceptions presented by undergraduate students of a

Nursing course after internship in Mental Health. Twelve nursing undergraduate students at the Nursing School of ABC Foundation - Santo André, São Paulo, Brazil were interviewed. These interviews using a semi-structure script were performed and recorded in August 2004. Through Content Analysis, thematic modality, four categories were identified, 1. mental health: providing understanding of the other; 2. respect for the human being: the importance of listening, 3. mental health: contributing for a contextualized view of the patient and 4. nursing graduation: undesirable “signs and symptoms” of the profession. The analysis and the discussion of these categories suggest the possibility of teaching based on the human condition. Thus, we support the idea of new research been carried out, considering that the Mental Health discipline must be valued in the Political and Pedagogical projects of the Nursing Undergraduate Courses.

DESCRIPTORS: mental health; education; nursing; empathy

Los objetivos de este estudio fueron identificar e interpretar las percepciones de los alumnos de

Graduación de Enfermería posteriores a las prácticas de Salud Mental. Fueron grabadas 12 entrevistas con alumnos de Enfermería de la Facultad de la Fundación ABC - Santo André, São Paulo, Brasil, en agosto de 2004, utilizándose para ello, una guía semi-estructurada. El Análisis de Contenido, en su modalidad temática fue empleada para la identificación de cuatro categorías temáticas: 1. salud mental: proporcionando la comprensión del otro; 2. respeto por lo humano: la importancia de escuchar; 3. salud mental: contribución en la visión en el contexto del paciente y 4. graduación en enfermería: “signos y síntomas” indeseados por la profesión. Del análisis y la discusión de esas categorías se vislumbró la posibilidad de una enseñanza basada en la condición humana. De esa forma, se defiende la idea de que nuevos estudios deben realizarse, tendiendo en consideración que el curso de Salud Mental debe ser valorizado dentro de los Proyectos Políticos Pedagógicos dentro de la Graduación en Enfermería.

DESCRIPTORES: salud mental; educación; enfermería; empatía Mestre em Ciências, Professor da Faculdade de Medicina da Fundação do ABC, e-mail: si.camillo@uol.com.br; Doutor em Enfermagem, Docente do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Coordenadoria do Controle de Doenças da Secretaria de Estado de Saúde de São Paulo, e-mailanalu@isaude.sp.gov.br; Enfermeiro, e-mail -alanjnascimento@ig.com.br

Online INTRODUÇÃO

O processo ensino-aprendizagem dos Cursos de Graduação em Enfermagem no Brasil está habitualmente voltado às questões biotecnológicas e aos estudos dos procedimentos físicos relacionados à pessoa doente. Por essa razão, as relações interpessoais que permeiam o processo de atenção à saúde do indivíduo, bem como a importância dada aos sentimentos dos nossos semelhantes e a responsabilidade do cuidar não só passa a ser grande desafio como também uma das tarefas mais difíceis, somando-se ao fato de que muitas vezes essas questões não são valorizadas como deveriam ser(1).

Dessa forma, alunos e docentes acabam experimentando constantemente grande ansiedade e insatisfação ao se depararem com as relações interpessoais do processo de cuidado, justamente por não saberem lidar com determinadas situações e sentimentos decorrentes. Essas situações acabam envolvendo, em essência, não apenas o físico, mas os sentimentos de medo, tristeza, insegurança, contradições entre outros aspectos emocionais do paciente, do aluno e do próprio docente(1-2).

Nesse sentido, com o objetivo de ampliar espaços de aprendizagem na academia, a disciplina Enfermagem em Saúde Mental foi inserida no Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Enfermagem da Faculdade de Medicina da Fundação ABC. Esse conhecimento é indispensável ao preparo do aluno desde o início do curso, para adquirir experiência e habilidade em falar com pessoas, ouvir histórias, reconhecer e expressar sentimentos e, certamente, ter mais condições de cuidar do paciente desenvolvendo sua própria grandeza como pessoa e como profissional. Assim, a disciplina Relacionamento Interpessoal trata dos fundamentos sobre relações humanas. No quinto e sexto semestres esse conteúdo é aprofundado na disciplina Saúde Mental, que tem como finalidade trabalhar reações emocionais, sentimentos voltados ao eu e ao outro e as interrelações estabelecidas no processo ensinoaprendizagem entre aluno, paciente e docente, por meio de exposições dialogadas e trabalhos em grupo. Isso tem estimulado discentes e docentes a trazerem para discussão não só os conceitos teóricos, juntamente às situações experimentadas em outras disciplinas, como também os sentimentos, valores, preconceitos e demais aspectos emocionais envolvidos no processo do cuidar.

Dessa forma, interessa saber qual a compreensão de alunos do Curso de Graduação em Enfermagem da Faculdade de Medicina da Fundação ABC, São Paulo, SP, após a realização de estágio em Saúde Mental. Passaram a valorizar os aspectos emocionais da mesma forma em que são valorizados os aspectos tecnicistas? Houve mudanças na vida acadêmica e pessoal desses alunos após a prática em Saúde Mental? Nesse sentido, espera-se contribuir para o aprimoramento do processo ensinoaprendizagem, reforçando a idéia de que o ser humano não se constitui apenas do seu aspecto biológico, mas também de aspectos psicológicos, sociais, culturais e espirituais.

O modelo biomédico e a enfermagem

Para que se possa entender melhor a valorização dos aspectos técnicos e dos estudos dos procedimentos físicos relacionados à pessoa doente, faz-se necessário entender a influência do paradigma cartesiano na área da saúde e, conseqüentemente, no universo da enfermagem.

A maior mudança na história da saúde ocidental ocorreu com a revolução cartesiana. Antes dela, a maioria dos terapeutas atentava para a interação corpo e alma, e tratava seus pacientes no contexto de seu próprio meio ambiente social e espiritual. A filosofia de Descartes alterou profundamente essa situação. Sua rigorosa divisão entre corpo e mente levou os terapeutas a se concentrarem no corpo e a negligenciarem os aspectos psicológicos, sociais e ambientais da doença. O próprio Descartes, embora introduzisse a separação corpo e mente, considerou, não obstante, a interação entre ambos como aspecto essencial da natureza humana, e estava perfeitamente ciente de suas implicações na ciência(3).

Por outro lado, os progressos em biologia, durante o século XIX, foram acompanhados pelo avanço da tecnologia material. Foram inventados novos instrumentos de diagnósticos, como o estetoscópio e aparelhos para a verificação da pressão sangüínea. A tecnologia cirúrgica tornou-se mais sofisticada. Ao mesmo tempo, a atenção transferiuse gradualmente do paciente para a doença. Assim, começou a tendência para a especialização, que iria atingir seu auge no século X(3).

Diante disso, pode-se dizer que o modelo biomédico foi influenciado pelo paradigma cartesiano

Rev Latino-am Enfermagem 2007 março-abril; 15(2)w.eerp.usp.br/rlaePercepções do graduando de enfermagem... Camillo SO, Silva AL, Nascimento AJ.

Online e, hoje, constitui-se no alicerce conceitual do processo saúde-doença. Nesse modelo, o corpo humano é considerado uma máquina que pode ser analisada em termos de suas peças; a doença é vista como um mal funcionamento orgânico, que é estudado do ponto de vista da biologia celular e molecular. O papel dos profissionais da saúde é intervir física ou quimicamente nesse mecanismo enguiçado.

O fato desse modelo ver o indivíduo como um ser predominantemente físico, tem afetado ou afetou a prática dos enfermeiros, que se centram mais nas necessidades físicas dos doentes. Dessa forma, a enfermagem também age muitas vezes de maneira mecânica, valorizando muito mais os aspectos técnicos e biológicos em detrimento dos aspectos psicológicos, emocionais, sociais e espirituais. Os cuidados que permitam a expressão do desenvolvimento da pessoa num contexto biopsicosocial, levando em consideração as suas necessidades, os seus recursos, o seu cotidiano recheado de valores, crenças e mitos, não são contemplados nesse modelo. Percebe-se que há pouca preocupação com o que a pessoa doente pensa e sente, contrastando com o grande valor que é atribuído às técnicas que se executam, particularmente as mais sofisticadas. A formação dos profissionais de saúde, enquanto restrita ao modelo biomédico, encontra-se impossibilitada de considerar a experiência do sofrimento como integrante da sua relação profissional.

Em relação à graduação em enfermagem, um princípio bastante propagado nas instituições de ensino, enquanto excelência de qualidade de assistência, é o de assistir o indivíduo como ser integral (biopsicossociocultural e espiritual), porém, as ações ficam aquém das expectativas uma vez que é priorizado o aspecto tecnicista.

Não se trata de discutir a necessidade de desenvolver a competência técnica do acadêmico de enfermagem, que terá a garantia de um trabalho seguro e eficaz como profissional. Porém, há que se atentar para o desenvolvimento de habilidades não só no agir, mas também no pensar e no sentir. Se a função precípua do enfermeiro é o cuidado ao ser humano, é necessário enfatizar a complexidade humana, focando a compreensão, o respeito ao outro, de maneira a não fragmentar a condição humana(4). Ainda, para que os graduandos de enfermagem implementem práticas e comportamentos de cuidar, é necessário que os mesmos experenciem o cuidado, tanto na vida pessoal quanto no ambiente educacional e que, além de terem um ambiente de confiança e respeito, é preciso oportunizar o desenvolvimento do pensamento crítico (5).

Dessa forma, os objetivos desta pesquisa foram: identificar e interpretar percepções de alunos de um Curso de Graduação de Enfermagem, após o estágio em Saúde Mental.

MÉTODO Tipo de estudo

Trata-se de pesquisa qualitativa. A pesquisa qualitativa identifica as características e os significados das experiências humanas que são descritas pelos sujeitos em vários níveis de abstração, não deixando escapar as ambigüidades e contradições dispersas nos depoimentos dos entrevistados.

Cenário e atores do estudo

Este estudo realizou-se no campus da

Faculdade de Medicina da Fundação ABC, instituição filantrópica, particular e de ensino, localizada no município de Santo André da região do Grande ABC, Estado de São Paulo, Brasil.

Foram convidados os vinte e dois alunos da turma do sexto semestre do Curso de Graduação em Enfermagem, que concluíram o estágio na disciplina Saúde Mental em Enfermagem no quinto semestre, porém, apenas doze concordaram em participar da pesquisa. Optou-se por entrevistar os alunos do sexto semestre, por terem concluído recentemente o estágio na disciplina Saúde Mental em Enfermagem. Por esse motivo, acredita-se que a contribuição por parte desses alunos seria mais efetiva, uma vez que suas percepções sobre seu aprendizado no estágio da disciplina Saúde Mental estariam mais presentes na memória.

Coleta de dados

Obteve-se autorização do responsável pela instituição de ensino. Na seqüência, o parecer favorável do Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos abriu espaço para que os acadêmicos fossem orientados sobre o termo de consentimento livre e esclarecido. Diante disso, foram também informados que seus nomes não seriam revelados na socialização dos dados da pesquisa.

Rev Latino-am Enfermagem 2007 março-abril; 15(2)w.eerp.usp.br/rlaePercepções do graduando de enfermagem... Camillo SO, Silva AL, Nascimento AJ.

Online

Realizou-se três entrevistas gravadas com o consentimento e a autorização dos informantes, com o objetivo de aprimorar o instrumento de coleta de dados, as quais não foram incluídas nesta análise.

Os acadêmicos foram contatados individualmente, e aqueles que aceitaram foram entrevistados fora do horário de aula, de acordo com a disponibilidade de cada um. A coleta de dados deuse em agosto de 2004, mediante entrevista semiestruturada. Esse tipo de entrevista valoriza a presença do investigador, oferece perspectivas possíveis para que o informante alcance a liberdade e a espontaneidade necessárias, enriquecendo a investigação. As questões norteadoras foram: 1. quais foram suas percepções em relação ao estágio da disciplina Saúde Mental em Enfermagem? 2. você acha que houve alguma mudança na sua visão em se tratando das relações com o paciente, com a equipe multiprofissional, com os professores, com os colegas de faculdade e com as relações pessoais? Por quê? 3. de que maneira o estágio prático na disciplina Saúde Mental em Enfermagem contribuiu para a sua formação? 4. em relação à sua formação acadêmica, você acha que os aspectos emocionais são valorizados tanto quanto os aspectos técnicos? Por quê? 5. você acha que o estágio na disciplina Saúde Mental em Enfermagem modificou sua maneira de viver?

Análise dos dados

Análise de Conteúdo, ou seja “um conjunto de

As entrevistas foram analisadas por meio da técnicas de análise das comunicações que visa, através de procedimentos sistemáticos e objetivos de descrição do conteúdo das mensagens, obter indicadores, quantitativos ou não, que permitam a inferência de conhecimentos relativos às condições de produção/recepção destas mensagens”(6). Agregase a modalidade Temática para atingir os significados manifestos e latentes, obtidos nas entrevistas, em profundidade, com sujeitos que vivem o universo acadêmico. Essa modalidade é uma asserção sobre determinado assunto, podendo ser colocada uma simples sentença, um conjunto delas ou um parágrafo. Incorpora, com maior ou menor intensidade, o aspecto pessoal atribuído pelo respondente acerca do significado de uma palavra e/ ou sobre as conotações atribuídas a um conceito, envolvendo não apenas componentes racionais, mas, também, ideológicos, afetivos e emocionais.

Seis passos foram adotados para uma construção consistente das categorias(6-7): 1º - após a transcrição na íntegra das entrevistas gravadas, realizou-se uma leitura dos textos a partir de uma atenção flutuante. Posteriormente, com base na atenção flutuante, procederam-se mais três releituras, intercalando a escuta do material gravado com a leitura do material transcrito. Essa postura atenta possibilita acompanhar o encadeamento de associações em cada entrevista e a cada pessoa entrevistada. A atenção flutuante permite o funcionamento da associação o mais livremente possível a qualquer elemento do discurso. Na leitura flutuante é que se deixa invadir por impressões e orientações antes de analisar ou conhecer o texto; 2º - por meio de nova re-leitura, foram grifadas palavras e frases dos textos originais, identificando-se as convergências e divergências em cada entrevista; 3º - após serem identificadas as convergências e divergências, as palavras e frases grifadas foram recortadas dos textos originais. Da mesma forma, esse procedimento deu-se em cada uma das entrevistas; 4º - após o recorte das palavras e frases, buscou-se identificar as convergências e divergências por entrevistas e entre as entrevistas, para a elaboração das categorias; 6º - após a construção das categorias, procedeu-se à discussão dos dados.

As categorias encontradas estão na Tabela 1.

Tabela 1 - Categorias representativas das percepções dos alunos do Curso de Graduação em Enfermagem, após o estágio em Saúde Mental. Santo André, SP, 2004 ortuoodoãsneerpmocaodnanoicroporp:latneMedúaS1.3 rivuoedaicnâtropmia:onamuhotiepseR2.3 etneicapodadazilautxetnocoãsivamuarapodniubirtnoc:latneMedúaS3.3 oãssiforpadsievájesedni"samotnisesianis":megamrefnEmeoãçaudarG4.3

Saúde Mental: proporcionando a compreensão do outro

A compreensão é o ato, a faculdade de compreender em todos os sentidos. Educar para a compreensão humana é uma das missões da educação, para que se possa adquirir a condição de solidariedade intelectual da humanidade(4). Um dos

Rev Latino-am Enfermagem 2007 março-abril; 15(2)w.eerp.usp.br/rlaePercepções do graduando de enfermagem... Camillo SO, Silva AL, Nascimento AJ.

Online objetivos da disciplina Saúde Mental é proporcionar ao aluno a reflexão sobre a compreensão da dimensão humana. As frases abaixo mostram a percepção dos alunos.

Achei muito interessante, pois não tinha a mínima idéia do que se tratava, obtive uma visão psicológica (Josefa).

No início fiquei perdida, mas depois fui me familiarizando com o estágio e vi a importância, pois aprendi a fazer o relacionamento terapêutico (Maria).

(Parte 1 de 3)

Comentários