Protocolo de Ação para Assistência de Enfermagem- PAIDÉIA

Protocolo de Ação para Assistência de Enfermagem- PAIDÉIA

(Parte 1 de 9)

ENFERMAGEM
1.  INTRODUÇÃO
2. NÚCLEO E CAMPO DO ENFERMEIRO
3. ATRIBUIÇÕES DO ENFERMEIRO NO PSF
4. NÚCLEO E CAMPO DO AUXILIAR DE ENFERMAGEM
5. ATRIBUIÇÕES DO AUXILIAR DE ENFERMAGEM
6. FLUXOGRAMA DO USUÁRIO E FAMÍLIA NA UBS10 
PROJETO SAÚDE DA FAMÍLIA11 
7.1.  ACOLHIMENTO11 
7.2. AO LONGO DO CICLO VITAL12 
7.2.1. CICLO GRAVÍDICO PUERPERAL12 
7.2.2.  CRIANÇA14 
7.2.3. CRIANÇA DE 0-2 ANOS CONSIDERADAS DE RISCO22 
7.2.4. CRIANÇAS MAIORES 2 ANOS CONSIDERADAS DE RISCO22 
7.2.5. PRÉ-ESCOLAR E ESCOLAR22 
7.2.6.  ADOLESCENTE23 
7.2.7.  ADULTO25 
7.2.8.  MULHER30 
7.2.9.  IDOSO32 
7.3. VIGILÂNCIA À SAÚDE36 
8. ANEXOS GERAIS39 

Índice 7. PROTOCOLO DE AÇÕES PARA ENFERMAGEM NO 9. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ........................................ 41

Camilla Q. M. S. Souza – Apoio Distrito de Saúde Sudoeste. Cristina Albuquerque – Enfermeira C. S. Anchieta Marcelle Regina da Silva – Enfermeira C. S. Santa Lúcia Merian Munhoz Lopes – Enfermeira C. S. São Marcos Rosalice Carvalho de Castro – Apoio Distrito de Saúde Leste

Ana Paula de Oliveira – Enfermeira C.S. Barão Geraldo Celi V. Munhoz – Enfermeira C. S. Jardim Eulina Célia Regina C. C. Oliveira – Aux. Enfermagem P. A. Anchieta Fátima Tribish – Enfermeira CRAISA Gisele C. Gomes – Enfermeira C. S. Sousas Kátia G. Kirschnik – Enfermeira C. S. Jardim Florence Kátia C.G. Russo – Aux. Enfermagem C. S. Barão Geraldo Lissandra R. Porto – Enfermeira Sistema de Atendimento Domiciliar Márcia Miller – Enfermeira C. S. Barão Geraldo Maria Aparecida T. Amâncio – Enfermeira VISA Leste Maria do Carmo Campos – Enfermeira C. S. Santa Lúcia Maria Rosa Vieira de Carvalho – Enfermeira C. S. São Quirino Mirela Cláudia Angeli Capovilla – Enfermeira C.S. Perseu L. de Barros Mônica L. V. Grippo – Enfermeira C.S. São José Mirian Cristina G. Alves Cre – Coordenadora C. S. Perseu L. de Barros Nídia Theiss Provatti – Enfermeira C. S. Anchieta Olga K. Enjoji – Enfermeira C. S. São Quirino Sandra Mara de Jesus – Aux. Enfermagem C. S. Anchieta Sandra R. A. J. Pires – Apoio Distrito de Saúde Leste Tereza Cristina S. Ramos – Aux. Enfermagem C. S. Anchieta Thais F. D. Klemz – Enfermeira VISA Leste Valéria S. V. Romero – Apoio Distrito de Saúde Sul

Elisabet Pereira Lelo Nascimento – Enfermeira Centro de Educação dos

Trabalhadores da Saúde

Fátima Regina da Cal Seixas – Enfermeira Centro de Educação dos

Trabalhadores da Saúde

Gerson Salviano Reis – Enfermeiro Centro de Educação dos

Trabalhadores da Saúde

Jeanete Múfalo S. Bueno – Enfermeira Assessora de Recursos Humanos da Secretaria de Saúde da Prefeitura Municipal de Campinas

Sheila C. Moreira – Enfermeira Assessora Técnica do DGDO – Secretaria de Saúde da Prefeitura Municipal de Campinas

Silvia A. L. M. D. Carmona - Enfermeira Centro de Educação dos Trabalhadores da Saúde

1. INTRODUÇÃO

Partindo de uma reflexão sobre as práticas de enfermagem nos serviços de saúde e da rede pública de Campinas, assim como da necessidade de reestruturá-las, de forma a qualificar a assistência e garantir a segurança e os direitos dos usuários e dos profissionais de enfermagem, tornou-se necessária a elaboração deste documento, que visa apoiar os profissionais, frente às mudanças do modelo de atenção propostas pelo Projeto Paidéia de Saúde da Família.

As principais mudanças dizem respeito a ampliação da clínica, a responsabilização dos sujeitos, a construção e participação coletiva de trabalhadores e usuários e a integralização das ações através do trabalho interdisciplinar. Logo, a enfermagem necessita rever e adequar suas práticas em busca destes objetivos.

Dessa forma, propomos a sistematização da assistência de enfermagem

O processo de discussão e construção deste documento foi norteado pelos conceitos de campo, núcleo, clínica ampliada, vigilância à saúde, interdisciplinaridade, intersetorialidade, equipe de referência, responsabilização e vínculo, com a intenção de organizar sob a ótica do PSF – Paidéia. ao longo do ciclo vital, partindo da readequação dos protocolos existentes, trabalhando com conceitos ampliados de indivíduo, família, buscando a integralidade na lógica da ampliação da clínica.

2. NÚCLEO E CAMPO DO ENFERMEIRO

Entendendo núcleo como uma “aglutinação de conhecimentos”, “que demarcaria a identidade de uma área de saber e de prática profissional” (Campos, 2000), e campo como “um espaço de limites imprecisos onde cada disciplina e profissão buscariam em outras apoio para cumprir suas tarefas” (Campos, 2000), esta comissão define de maneira resumida o campo e núcleo do Enfermeiro.

- Núcleo e campo do Enfermeiro NÚCLEO CAMPO

1. Gerenciar, supervisionar, organizar os serviços de Enfermagem. 2. Planejar, organizar, coordenar, executar e avaliar a assistência de Enfermagem. 3. Proporcionar educação continuada e em serviço à equipe de Enfermagem nas tarefas relativas à assistência de Enfermagem 4. Realizar a SAE valorizando a consulta de Enfermagem ao longo do ciclo vital 5. Realizar os Cuidados de Enfermagem de maior complexidade técnica, que exigem conhecimento científico adequado e capacidade de tomar decisões imediatas

1. Participar de ações de Educação em saúde realizando grupos educativos. 2. Participar das atividades em vigilância à saúde. 3. Participar do núcleo de saúde coletiva. 4. Integrar a equipe de acolhimento, recebendo, executando, resolvendo e realizando o encaminhamento necessário 5. Apoiar a equipe de saúde 6. Participar da discussão e elaboração de projetos terapêuticos 7. Participar do processo de cadastramento e adscrição de clientela 8. Executar procedimentos básicos de enfermagem 9. Participar de atendimentos programáticos prestando assistência integral à saúde individual e coletiva ao longo do ciclo vital 10. Participar e estimular o controle social 1. Promover a intersetorialidade 12. Produzir conhecimentos técnicos através da realização de pesquisas e estudos da ação profissional e utilizá-los como subsídios nas intervenções em saúde 13. Prescrever medicamentos e solicitar exames laboratoriais previstos em protocolos de saúde pública (em anexo)

3. ATRIBUIÇÕES DO ENFERMEIRO NO PSF

Atribuição - Atuar junto à equipe de referência

- Participar e promover ações de educação continuada

- Realizar atividades de educação em saúde

- Atuar no núcleo de saúde coletiva

- Realizar consulta de enfermagem

Ação - Participando da organização do processo de trabalho - Realizando o acolhimento

- Participando da discussão e elaboração de projetos terapêuticos, individuais e coletivos

- Desenvolvendo a SAE ao longo do ciclo vital

- Participando da adequação do projeto dentro da realidade do território

- Buscando promover espaços coletivos de troca para trabalhar campo/ núcleo, vínculo, responsabilização e ampliação de clínica

- Promovendo e buscando a realização de treinamento em serviço

- Realizando e/ ou participando de grupos educativos

- Realizando orientações individuais e coletivas

- Participando, desenvolvendo e executando atividades de vigilância à saúde (epidemiológica, ambiental e sanitária)

- Apropriando-se e reconhecendo o território (áreas de risco, lideranças, equipamentos etc).

4. NÚCLEO E CAMPO DO AUXILIAR DE ENFERMAGEM

Considerando que apesar de ser facultado ao enfermeiro todas as ações de enfermagem, pela prática profissional e segundo legislação vigente, o auxiliar de enfermagem tem seu núcleo definido em atividades auxiliares de nível médio. Assim, para fins práticos, propomos:

- Realizar procedimentos básicos de enfermagem (verificação de sinais vitais, punção venosa periférica, curativo, administração de medicamento via oral, nasal, tópica, retal e parenteral, de inalação, oxigenoterapia, coleta de exames)

- Executar e orientar ações do projeto terapêutico

- Promover ações de higiene e conforto

- Efetuar controle de rede de frio

- Administrar imunobiológicos

- Efetuar controle de pacientes e comunicantes em doenças transmissíveis

- Realizar esterilização e desinfecção

- Participar de ações de educação em saúde

- Participar no acolhimento

- Realizar visitas domiciliares e convocação

- Participar no processo de cadastro e adscrição de clientela

(Parte 1 de 9)

Comentários