Automedicação na terceira Idade

Automedicação na terceira Idade

A Política Nacional de Saúde do Idoso apresenta “como propósito basilar a promoção do envelhecimento saudável, a manutenção e a melhoria, ao máximo, da capacidade funcional dos idosos, a prevenção de doenças, a recuperação da saúde dos que adoecem e a reabilitação daqueles que venham a ter a sua capacidade funcional restringida, de modo a garantir-lhes permanência no meio em que vivem, exercendo de forma independente suas funções na sociedade” .

  • A Política Nacional de Saúde do Idoso apresenta “como propósito basilar a promoção do envelhecimento saudável, a manutenção e a melhoria, ao máximo, da capacidade funcional dos idosos, a prevenção de doenças, a recuperação da saúde dos que adoecem e a reabilitação daqueles que venham a ter a sua capacidade funcional restringida, de modo a garantir-lhes permanência no meio em que vivem, exercendo de forma independente suas funções na sociedade” .

A expectativa de vida e o número de pessoas que atingem a terceira idade tendem a aumentar devido ao controle e tratamento mais eficaz das doenças infecta contagiosas e crônicas degenerativas. O trabalho de enfermagem se constitui por relações múltiplas interativas do fazendo, pensando, o cuidando, educando, gerenciando, investigando como uma prática integrativa.

  • A expectativa de vida e o número de pessoas que atingem a terceira idade tendem a aumentar devido ao controle e tratamento mais eficaz das doenças infecta contagiosas e crônicas degenerativas. O trabalho de enfermagem se constitui por relações múltiplas interativas do fazendo, pensando, o cuidando, educando, gerenciando, investigando como uma prática integrativa.

Com o estágio supervisionado de saúde coletiva, foram realizadas visitas domiciliares aos usuários idosos, sendo percebido que os mesmos fazem uso dos medicamentos de maneira incorreta, com a necessidade de estabilizar a saúde.

  • Com o estágio supervisionado de saúde coletiva, foram realizadas visitas domiciliares aos usuários idosos, sendo percebido que os mesmos fazem uso dos medicamentos de maneira incorreta, com a necessidade de estabilizar a saúde.

  • Resultando em uma preocupação com a automedicação na 3ª idade em vista das peculiaridades desse grupo populacional.

  • A medicação quando usada corretamente é de suma importância para manter um equilíbrio funcional do organismo, e seu uso desordenado, coloca em risco a qualidade de vida e bem estar dos indivíduos.

  • A falta de orientação por profissionais, quanto ao uso correto da medicação implica em resultados inesperados.

Hoje em dia percebe-se um aumento da população idosa, fazendo com que ações de saúde direcionadas à esta classe, com um olhar biopsicossocial e responsabilidade por parte dos profissionais de saúde em melhorar a qualidade de vida desses usuários.

  • Hoje em dia percebe-se um aumento da população idosa, fazendo com que ações de saúde direcionadas à esta classe, com um olhar biopsicossocial e responsabilidade por parte dos profissionais de saúde em melhorar a qualidade de vida desses usuários.

  • A estratégia saúde da família foi criada em 1994 pelo ministério da saúde, com o intuito de reorganizar o serviço de saúde, assistindo os usuários em todos os ciclos de vidas. Especialmente nesse trabalho abordaremos o programa direcionado a pessoa idosa.

Geral:

  • Geral:

  • Explorar o perfil epidemiológico, investigar a causa da automedicação, visando melhoria na qualidade de vida a faixa etária dessa população.

  • Específico:

  • Identificar os meios que a população adquire o medicamento.

  • Discorrer quais os tipos de medicações mais utilizadas.

  • Identificar danos acarretados pela automedicação.

Trata-se de um estudo qualiquantitativo, exploratório e descritivo, que foi realizado com a comunidade de abrangência da ESF Drº. Araripe de Souza, na cidade de Tupã-SP, onde segundo o IBGE de 2009 com número de 64.099 habitantes sendo que 11.095 são idosos, correspondente ao percentual de 17,30%.

  • Trata-se de um estudo qualiquantitativo, exploratório e descritivo, que foi realizado com a comunidade de abrangência da ESF Drº. Araripe de Souza, na cidade de Tupã-SP, onde segundo o IBGE de 2009 com número de 64.099 habitantes sendo que 11.095 são idosos, correspondente ao percentual de 17,30%.

  • Na comunidade estudada o número de idosos corresponde a 412, sendo seu percentual de 3,71% dividido em 7 micro-áreas.

  • Foi utilizado para pesquisa 140 questionários (em anexo), adquiridos pelos alunos com perguntas abertas e fechadas, literaturas das faculdades ESEFAP e BD da internet com artigos referentes ao tema.

  • A primeira etapa foi realizada pelos acadêmicos de enfermagem do estagio supervisionado de saúde coletiva, pela turma A, com continuidade pelos grupos seguintes.

A automedicação é uma forma importante de cuidados pessoais e mostra que é a forma mais comum de respostas a sintomas, pois o uso de medicamentos inadequados pode levar as pessoas a sérios riscos, inclusive a óbito. A automedicação é um procedimento caracterizado fundamentalmente pela iniciativa do doente ou do seu responsável em obter ou produzir e utilizar um produto que acredita que lhe trará benefícios no tratamento de doenças ou alívio dos sintomas. É uma prática muito comum, vivenciada por civilizações de todos os tempos, com características peculiares a cada época e a cada região (PAULO; ZANINI apud Sá, 1988).

  • A automedicação é uma forma importante de cuidados pessoais e mostra que é a forma mais comum de respostas a sintomas, pois o uso de medicamentos inadequados pode levar as pessoas a sérios riscos, inclusive a óbito. A automedicação é um procedimento caracterizado fundamentalmente pela iniciativa do doente ou do seu responsável em obter ou produzir e utilizar um produto que acredita que lhe trará benefícios no tratamento de doenças ou alívio dos sintomas. É uma prática muito comum, vivenciada por civilizações de todos os tempos, com características peculiares a cada época e a cada região (PAULO; ZANINI apud Sá, 1988).

A administração dos medicamentos deve ser acompanhada de vigilância extrema e as reações devem ser comunicadas em tempo hábil para o médico responsável.

  • A administração dos medicamentos deve ser acompanhada de vigilância extrema e as reações devem ser comunicadas em tempo hábil para o médico responsável.

  • A decisão de tomar um remédio pode ser resultado de uma prescrição médica, mas nem sempre é isto que acontece. A reutilização de receitas velhas é também bastante freqüente, especialmente nos casos de doenças crônicas. As pessoas passam a identificar e interpretar alguns sintomas, e resolvem prescrever para si mesmas, às vezes combinando recursos caseiros com medicamentos que conheceram no serviço de saúde (NASCIMENTO apud Sá, 2002).

È importante o mapeamento da automedicação para que a partir dessa ação possa-se orientar a população, e nesse caso principalmente os idosos, pois esses fazem uso freqüente de vários medicamentos, e são mais vulneráveis a eventos adversos e complicações.

  • È importante o mapeamento da automedicação para que a partir dessa ação possa-se orientar a população, e nesse caso principalmente os idosos, pois esses fazem uso freqüente de vários medicamentos, e são mais vulneráveis a eventos adversos e complicações.

Foram realizados questionários em uma amostra representativa extraída de um bairro da cidade de Tupã-SP, com população acima de 60 anos. Este bairro foi selecionado devido ao fato do Estagio Supervisionado de Saúde Coletiva ter seu campo de prática na Unidade de Saúde localizada no mesmo, e a população foi escolhida de forma aleatória.

  • Foram realizados questionários em uma amostra representativa extraída de um bairro da cidade de Tupã-SP, com população acima de 60 anos. Este bairro foi selecionado devido ao fato do Estagio Supervisionado de Saúde Coletiva ter seu campo de prática na Unidade de Saúde localizada no mesmo, e a população foi escolhida de forma aleatória.

  • Os dados foram coletados através de um instrumento único, padronizado, sob a forma de um questionário aplicado em alguns domicílios do bairro, com 140 entrevistas realizadas, após a obtenção do termo de consentimento livre e esclarecido.

Pode-se perceber o maior número de indivíduos do sexo feminino com 75 participantes correspondendo a 53,58%

  • Pode-se perceber o maior número de indivíduos do sexo feminino com 75 participantes correspondendo a 53,58%

De acordo com o estudo 82,15% dos indivíduos fazem uso de algum tipo de medicação.

  • De acordo com o estudo 82,15% dos indivíduos fazem uso de algum tipo de medicação.

Dentre as categorias terapêuticas mais utilizadas encontram-se os Antihipertensivos com 72,14%, os Hipoglicemiantes, os Diuréticos e os Analgésicos e Antitérmicos com 24,28% cada, sendo que 20% dos entrevistados responderam não saber o nome do medicamento em uso e 17,85% não responderam.

  • Dentre as categorias terapêuticas mais utilizadas encontram-se os Antihipertensivos com 72,14%, os Hipoglicemiantes, os Diuréticos e os Analgésicos e Antitérmicos com 24,28% cada, sendo que 20% dos entrevistados responderam não saber o nome do medicamento em uso e 17,85% não responderam.

De acordo com os dados levantados 62% dos entrevistados referem adquirir o medicamento na Unidade de Saúde e 41% em Farmácias.

  • De acordo com os dados levantados 62% dos entrevistados referem adquirir o medicamento na Unidade de Saúde e 41% em Farmácias.

Quanto ao número de consultas médicas nos últimos meses 44,30% dos indivíduos passaram por consulta médica apenas 1 vez.

  • Quanto ao número de consultas médicas nos últimos meses 44,30% dos indivíduos passaram por consulta médica apenas 1 vez.

Segundo o estudo 82,14% dos indivíduos relataram não terem apresentado nenhum tipo de reação devido a automedicação e 16,43% afirmaram apresentação de alguma reação

  • Segundo o estudo 82,14% dos indivíduos relataram não terem apresentado nenhum tipo de reação devido a automedicação e 16,43% afirmaram apresentação de alguma reação

De acordo com a Renda Mensal 70% dos entrevistados recebem 1 salário

  • De acordo com a Renda Mensal 70% dos entrevistados recebem 1 salário

Quanto ao gasto mensal com medicação 39,29% não apresentam gastos mensais com a medicação, 24,22% gastam de 1 a 50 Reais mensais e 14,29% de 101 a 200 reis por mês.

  • Quanto ao gasto mensal com medicação 39,29% não apresentam gastos mensais com a medicação, 24,22% gastam de 1 a 50 Reais mensais e 14,29% de 101 a 200 reis por mês.

Com o presente estudo não foi possível detalhar e analisar qual a categoria terapêutica mais utilizada na automedicação, tendo sido possível mensurar apenas dados coletados de 24 entrevistados, onde 12,14 % não souberam indicar qual medicação e 4,28% indicaram os Antiinflamatórios, analgésicos e antitérmicos, antibióticos e Antihipertensivos.

  • Com o presente estudo não foi possível detalhar e analisar qual a categoria terapêutica mais utilizada na automedicação, tendo sido possível mensurar apenas dados coletados de 24 entrevistados, onde 12,14 % não souberam indicar qual medicação e 4,28% indicaram os Antiinflamatórios, analgésicos e antitérmicos, antibióticos e Antihipertensivos.

Através da análise dos dados coletados, os conhecimentos que foram obtidos podem ser transformados em subsídios para que se implante programas que visem atendimento e intervenções que sejam adequadas à realidade da comunidade, de forma a contribuir com a qualidade de vida.

  • Através da análise dos dados coletados, os conhecimentos que foram obtidos podem ser transformados em subsídios para que se implante programas que visem atendimento e intervenções que sejam adequadas à realidade da comunidade, de forma a contribuir com a qualidade de vida.

AZEVEDO,João Roberto D. A utilização de Medicamentos na Terceira Idade.Revista Eletrônica Saúde e Vida Online.Disponível em< http://www.saudevidaonline.com.br/artigo102.htm>.Acessado em: 12 de Mar. de 2009.

  • AZEVEDO,João Roberto D. A utilização de Medicamentos na Terceira Idade.Revista Eletrônica Saúde e Vida Online.Disponível em< http://www.saudevidaonline.com.br/artigo102.htm>.Acessado em: 12 de Mar. de 2009.

  •  

  • CANCELA, Diana Manuela Gomes. O Processo de Envelhecimento. Trabalho realizado no estágio de complemento ao diploma de Licenciatura em Psicologia pela Universidade de Lusíada do Porto. Portugal. 2007, p. 1.

  •  

  • Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. População Idosa no Brasil. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/25072002pidoso.shtm> Acessado em: 12 mar. 2009.

  •  

  • Qualidade de vida.     Publicado em 09 agosto 2007. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Qualidade_de_vida>. Acessado em: 19 mar. 2009.

Ministério da Saúde. Estatuto do idoso. Brasília: MS; 2006.

  • Ministério da Saúde. Estatuto do idoso. Brasília: MS; 2006.

  •  

  • NASCIMENTO, M. C. Medicamentos ou apoio à saúde. Rio de Janeiro: Vieira e Lente, 2003.

  •  

  • SANTOS; Leopoldo Luiz. SILVERA; Celeste Aída Nogueira. SOUZA; Patrícia Medeiros de. Fármacos em idosos. Disponível em <http://portal.saude.gov.br >.Acessado em: 11 mar.2009.

  •  

  • SMELTZER, Suzannec C.; BARE, Brenda G. Tratado de Enfermagem medico-cirurgica: cuidados de saúde do idoso. Rio de Janeiro: Guanabara, 2005, p.213. 

  •  

Comentários