Projeto de Pesquisa:Conhecendo a Tuberculose

Projeto de Pesquisa:Conhecendo a Tuberculose

14

1 TEMA

CONHECENDO A TUBERCULOSE

2 INTRODUÇÃO

A Tuberculose é uma doença grave e infecto-contagiosa, causada pelo Mycobacterium tuberculosis, mais conhecido como bacilo de Koch, é transmitida de uma pessoa para outra por via respiratória a partir do contato com gotículas de água contendo o bacilo durante o ato da fala, da tosse, do riso e espirro de pessoas infectadas pelo bacilo, mas, porém se houver uma resposta imunológica o desenvolvimento da doença pode ser impedido, a tuberculose pode atingir todos os órgãos do corpo e em especial os pulmões. É uma patologia muito antiga nos hemisférios ocidental e oriental e atingiu grandes proporções no final do século XVIII e XIX, houve um declíneo nos números de casos trazendo a esperança da erradicação no inicio do século XXI, mas ficando somente a esperança. A presente pesquisa abordará o grande aumento na incidência de casos de Tuberculose que atingem toda a população mundial, abordará também quais faixas etárias e os grupos de risco mais susceptíveis a contaminação, sabendo que antigamente a tuberculose era considerada uma doença de idosos e hoje em dia está incidente em indivíduos jovens entre 25 e 44 anos e também crianças. A presente pesquisa explicará as formas de contágio da doença; a classificação em fases do desenvolvimento da patologia desde o contágio acompanhando o curso da sua evolução; como é realizada a identificação laboratorial; como é o tratamento englobando a resistência às drogas o curso do mesmo e a terapia de observação direta; explicará também como deve ser feita a prevenção. A presente pesquisa abordará também o fato da tuberculose ser uma doença oportunista para pacientes HIV positivos e quais as complicações que acometem o paciente quando este não responde bem ao tratamento, ocorrendo então a provável disseminação do Mycobacterium tuberculosis. Abordará também a grande incidência em crianças menores de cinco anos que esta relacionada com a prevalência da tuberculose em adultos, pois se não diagnosticada e tratada precocemente a doença em adultos não será possível reduzi-la nas crianças.

3 JUSTIFICATIVA

Justifica-se o desenvolvimento do presente tema em face do grande aumento da incidência de casos de Tuberculose que acomete toda a população mundial. Sabendo que a tuberculose é uma patologia que atinge cerca de 1/3 da população mundial, ou seja, cerca de 1,7 bilhões de indivíduos, sendo que 30 milhões de pessoas no mundo podem morrer desta doença nos próximos 10 anos e no Brasil a incidência chega a 45 milhões de pessoas, levando a óbito cerca de seis milhões de brasileiros a cada ano.Justifica-se ainda pelo fato de antigamente a Tuberculose era considerada uma doença de idosos, tabagistas e pacientes HIV positivos e atualmente está havendo um aumento significante na incidência de casos em jovens e crianças, apesar de diversas medidas profiláticas serem tomadas para informar e conscientizar a população sobre a doença, o tratamento e os exames laboratoriais serem fornecidos gratuitamente nos Postos de saúde a incidência continua aumentando consideravelmente. Justifica-se ainda ao fato da Tuberculose estar apresentando índices muito altos de mortalidade e também a incidência muito elevada em crianças menores de cinco anos, sendo que a vacina BCG deve ser feita no primeiro mês de vida, fornecendo proteção em 80% dos casos.

4 PROBLEMATIZAÇÃO

O aumento na incidência da Tuberculose se deve a falta de informação e conscientização da população?

A contaminação se deve ao contato direto com pacientes contaminados?

O abandono do tratamento se deve a dificuldade ao acesso do mesmo?

O tratamento interrompido pode trazer de volta o bacilo?

A infecção de Tuberculose em crianças ocorre devido ao contato com gotículas de escarro ou pelo contato com familiares?

A demora na detecção da patologia se dá ao fato da sintomatologia ser semelhante à de um resfriado comum?

Sabe-se que o tratamento para Tuberculose tem a duração de seis meses, durante todo esse período deve-se evitar o contato este paciente a fim de se evitar a transmissão da patologia?

Qualquer indivíduo esta susceptível a doença em escala de igualdade?

Qualquer pessoa deve ou pode ser investigada para diagnóstico da Tuberculose?

O diagnóstico positivo da doença é certamente comprovado por exames laboratoriais?

A prevenção mais eficaz é a utilização da vacina BCG quando recém nascido, evitar o convívio com o tuberculoso contagiante ou consumir leite de vaca pasteurizado ou fervido adequadamente?

5 HIPÓTESES

A incidência da Tuberculose estaria em uma escala menor se a população tivesse uma maior conscientização da gravidade da doença e se fosse feito uma busca ativa dos casos, pois quanto mais precocemente forem descobertos os pacientes com Tuberculose, mais cedo se inicia o tratamento, como uso da medicação, diminuindo assim a transmissão da doença.

O principal modo de contágio é a transmissão de pessoa para pessoa pela inalação de gotículas de escarros contendo o bacilo, sendo transmitida também pelo ato sexual, pelo uso de seringas contaminadas (usuários de drogas).

O tratamento é fornecido gratuitamente nas Unidades Básicas de Saúde, sendo de fácil acesso à população, desde que a doença tenha sido diagnosticada.

O abandono do tratamento faz com que o bacilo torne-se mais resistente aos medicamentos e estes deixam de causar o efeito desejado.

Nas crianças geralmente a transmissão ocorre pela ingestão de vaca contaminado, podendo então manifestar a tuberculose pulmonar,a renal, a óssea na pele, etc.

Geralmente na primeira infecção os sintomas aparecem discretos como perda do apetite, fadiga e irritação, muitas vezes assemelhando-se aos sintomas de uma gripe, podendo surgir febre, tosse seca, sudorese noturna e emagrecimento.

O paciente estando em tratamento correto e contínuo após um período de 2 semanas já não ocorre mais o risco de infecção e/ou transmissão para outros, pois o bacilo perde sua infecciosidade.

Há fatores de risco para predisposição da patologia estando então mais susceptíveis indivíduos da raça negra e os extremos etários (infância e velhice), a má nutrição, alcoolismo e tabagismo, pessoas com vida promiscua, soropositivos, profissionais da área da saúde e neoplasias.

Pacientes com tosse com ou sem expectoração que persiste por mais de 3 semanas, emagrecimento, eliminação de sangue no escarro e na tosse e principalmente com história epidemiológica sugestível a doença, devem ser atenciosamente diagnosticados.

A baciloscopia do escarro, a radiologia do tórax, o teste tuberculínico e a cultura do escarro são exames usados na tentativa do diagnóstico de certeza.

Ainda que todos os procedimentos para prevenção venham a ser utilizados, talvez a prevenção mais eficiente seja uma melhoria no padrão de vida da população englobando condições de moradia,trabalho,alimentação e lazer, sendo também importante a descoberta de casos ocultos que são feitos através de abreugrafia e teste cutâneo (prova de tuberculina)

6 OBJETIVOS

6.1 Geral

Desenvolver um estudo que verifique o motivo no grande aumento na incidência de Tuberculose desde o século XVIII até os dias de hoje, que atualmente mata cerca de 6milhões de brasileiros a cada ano.

6.2 Específico

Verificar o porquê do aumento da incidência no número de crianças menores de 5 anos com o bacilo de koch, apesar da vacinação ser obrigatória nos primeiros trinta dias de vida ela oferece proteção a 80% dos casos.

7 REFERÊNCIAL TEÓRICO

A tuberculose é uma doença muito antiga que afetava os hemisférios ocidental e oriental e como desenvolvimento e o aumento da população e da urbanização tornou-se epidêmica no final do século XVIII e inicio do século XIX, antes da virada do século houve um declíneo na incidência da infecção devido a uma melhora no padrão de vida e também a estratégias de saúde pública, isso nos Estados Unidos e na Europa ocidental, trazendo a esperança de uma provável erradicação no inicio do século XXI. Apesar da incidência ter permanecido estacionária durante muitos anos infelizmente os números de casos começaram a aumentar no Ocidente, isto entre 1988 e 1994. Outro fator relevante é que antigamente a tuberculose era considerada uma doença de idosos e acabou por tornar-se mais prevalente em indivíduos jovens entre 25 e 44 anos e também em crianças menores de cinco anos, estando este fato ligado a um grande aumento no número de pessoas usuárias de drogas intravenosas e pacientes infectados pelo vírus HIV.

A Tuberculose é uma doença grave e infecto-contagiosa, causada pelo Mycobacterium tuberculosis, popularmente conhecido como bacilo de Koch, é mais comum em países subdesenvolvidos e pode causar uma lesão no pulmão, é transmitida de pessoa para pessoa por via respiratória a partir do contato com gotículas de água contendo o bacilo, isto durante o ato de tossir, rir, falar e espirrar, por isso quem convive com a pessoa doente tem muito mais chance de se infectar, as pessoas da raça negra e também as que entraram em contato com o microorganismo mais recentemente são mais suscetíveis.

“Como a transmissão é facilitada pela aglomeração e pela má ventilação, os indivíduos em asilos, abrigos para sem-teto e prisões apresentam risco especial” (STROHL; ROUSE; FISHER, 2004, p. 261).

Geralmente a tuberculose causa muita tosse, por isso todo indivíduo que apresentou tosse por mais de 3 semanas sem cessar deve procurar um médico e solicitar a baciloscopia do escarro,pois este sintoma pode estar indicando a tuberculose pulmonar que é a mais freqüente,sendo que a tuberculose pode também atingir todos os órgãos do corpo, a perda de peso e a queda do estado geral de saúde também são dados preocupantes, sendo que a tosse com eliminação de sangue, febre e dores pelo corpo são outros sintomas importantes, sendo os parecidos com os de uma infecção respiratória,mas apresentando uma grande característica geralmente são muito arrastados, a perda de peso se dá por um ou dois meses e os fumantes devem estar sempre atentos quanto a tosse, a maioria acha que a tosse é por causa do cigarro e as vezes não é.

O tratamento tem a duração de 6 meses e é feito com uma combinação de medicamentos, é fornecido gratuitamente e não deve ser interrompido, pois os sintomas voltam e o bacilo torna-se resistente aos medicamentos utilizados, fazendo o tratamento corretamente o doente tem 95% de chance de ser curado,sem o tratamento 50% morrem em cinco anos e a maioria ficaram debilitados (FERNANDES, 2004, p.212).

Sendo o tratamento a melhor forma de evitar a disseminação quanto mais rápido o diagnóstico menor a chance dos familiares serem contaminados.

Ultimamente, os jornais tem notificado “o aparecimento de um novo bacilo da tuberculose”, associado a AIDS. É o “bacilo MDR”, bacilo Multi-Droga Resistente.Trata-se do mesmo bacilo de Koch que desenvolveu resistência às drogas. A resistência aparece pelo uso incorreto da medicação, que perde a capacidade de eliminar o bacilo. Por isso,é importante o uso correto dos remédios disponíveis. A tuberculose causada pelo bacilo MDR é grave porque ainda não existem medicamentos capazes de curá-la (MAGALHÃES, 2004, p.115).

Como seqüela deixada pela tuberculose pode ocorrer a destruição pulmonar, principalmente quando há comprometimento da película que recobre o pulmão que é a pleura, como complicação pode aparecer áreas de granuloma no pulmão, que com seu crescimento e falta de vascularização, fica sem fluxo sangüíneo e conseqüentemente sem oxigênio caminhando para uma área de necrose caseosa.

Nas crianças a transmissão ocorre pela ingestão de leite de vaca contaminado, estando os números de casos em crianças diretamente relacionados com a prevalência em adultos, se diagnosticar e tratar precocemente a tuberculose em adultos não será possível reduzi-la nas crianças. Em até dias após o nascimento se faz obrigatória à vacina BCG que é obtida pela atenuação do bacilo sendo capaz de induzir a resistência ao indivíduo sem transmitir a doença, a vacina deve ser administrada por via intradérmica no braço direito do recém nascido, não havendo contra-indicações, exceto pela presença de eczema, peso inferior a 2 quilos e não apresente nenhuma imunodeficiência, a lesão provocada pela vacina leva de 2 a 3meses até sua cura definitiva. Há uma certa dificuldade para diagnosticar a tuberculose em crianças, pois entre outros fatores a expressão dos sintomas iniciais são poucos, na prática o diagnostico baseia-se na identificação da fonte contagiante.

A tuberculose aí está no mundo, matando sozinha mais que o conjunto de toda as moléstias infecto-contagiosas juntas.

8 SUMÁRIO PROVISÓRIO

Introdução.........................................................................................

00

1

História da doença...............................................................

00

    1. Epidemiologia................................................................

    2. Patogenicidade...............................................................

    3. Imunidade......................................................................

00

00

00

2

Significado Clínico...............................................................

2.1 Doença primária- fase inicial..........................................

2.2 Doença primária- formação do tubérculo........................

2.3 A tuberculose primária segue em um de dois cursos.......

2.4 Reativação da tuberculose.................................................

00

00

00

00

00

3

A Tuberculose em pacientes HVI positivos.............................

00

4

A incidência de Tuberculose em crianças menores de 5 anos..

00

5

Identificação Laboratorial.........................................................

00

6

Tratamento................................................................................

6.1 Resistência às drogas...........................................................

6.2Curso do tratamento..............................................................

6.3 Terapia de observação direta................................................

00

00

00

00

7 Profilaxia....................................................................................

7.1 Quimioterapia da TB latente................................................

7.2 Vacinas.................................................................................

Conclusão..................................................................................................

00

00

00

00

Referências Bibliográficas..........................................................................

00

9 METODOLOGIA

O estudo será desenvolvido com uma abordagem qualitativa tendo por objetivo desenvolvimento de uma pesquisa exploratória, utilizando a pesquisa bibliográfica com consultas a livros nacionais, revistas científicas e, artigos pesquisados na internete.

Quanto à formatação e a configuração a presente pesquisa visará seguir as normas da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) visando uma padronização.

10 CRONOGRAMA

Atividades

Fev

07

Mar

07

Abr

07

Mai

07

Jun

07

01

Escolha do Tema

X

X

02

Pesquisa Bibliográfica

X

X

03

Interpretação dos dados pesquisados

X

X

04

Esboço do sumário provisório

X

05

Redação provisória

X

06

Referencial teórico provisório

X

X

07

Metodologia

X

X

08

Revisão da redação provisória

X

09

Revisão do referencial teórico

X

10

Digitação

X

11 BIBLIOGRAFIA PROVISÓRIA

STROHL, William A.; ROUSE, Harriet; FISHER, Bruce D. Micobactérias e Actinomicetos. In:______. Microbiologia Ilustrada. Porto Alegre: Artmed, 2004. p.260-267.

FERNANDES, Roberto Ramos. A Saúde da Família: respostas para dúvidas mais comuns sobre todas as especialidades médicas. São Bernardo do Campo: Grupo Saúde e Vida, 2004. p. 209-213.

CORREIO BRASILIENSE. Tuberculose. Disponível em <http://www.santalúcia.com.br>

acesso em 20.abril.2007

SOUZA, Dr. Jorge Wilson Magalhães de. Tuberculose. Disponível em <http://www.saudevidaonline.com.br>acesso em 20.abril.2007

BIBLIOTECA virtual em saúde. Tuberculose. Disponível em <htpp://www.bvms.saude.gov.br>acesso em 20.abril.2007

BASIL ESCOLA. Bactérias-doenças e saúde. Disponível em <http://www.brasilescola.com/doenças/tuberculose> acesso em 02.maio.2007

CASTINHEIRAS, Terezinha Marta P.P.; MARTINS, Fernando; PEDRO, Luciana G.F. Tuberculose. Disponível em <http://www.scielo.br> acesso em 02.maio.2007

SOCIEDADE Paulista de pneumologia e Tisiologia. Glossário Respiratório. Disponível em <http://www.pulmonar.org.br> acesso em 02.maio.2007

Comentários