museu amazonico

museu amazonico

2

OBJETIVOS

geral

Conhecer a importância do museu amazônico na preservação e divulgação do patrimônio histórico, arqueológico da cidade de Manaus.

Específico

Conhecer os principais mecanismos pelos quais essa preservação e divulgação se efetiva; estabelecer relação entre o acervo do museu e o patrimônio arquitetônico e cultural do centro da cidade de Manaus.

justificativa

A referida pesquisa visa despertar o interesse em museus e em outras fontes históricas na cidade de Manaus, através de pesquisas, relatos e entrevistas. Surgiu como proposta para delinear maiores conhecimentos acerca da área museológica e compreender a configuração na área urbana de Manaus, acentuando-se a cultura Indígena.

O Museu Amazônico é um órgão público suplementar da Universidade Federal do Amazonas (Ufam). Atua como apoio à pesquisa, ao ensino e à extensão em áreas fundamentais para o conhecimento da Amazônia e de suas culturas. Criado em 1975, foi implementado somente no ano de 1989. Desde esta data, o Museu Amazônico se encontra sediado à Rua Ramos Ferreira, 1036, centro histórico da cidade de Manaus.

O Museu abriga o Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Ufam (mestrado e doutorado), biblioteca especializada em assuntos relacionados à Amazônia, divisões de antropologia, arqueologia, difusão cultural, museologia, história e documentação. Conta também com considerável acervo documental, etnográfico e arqueológico, fonte de pesquisas acadêmicas. Organiza e promove exposições temporárias e permanentes, com vistas à divulgação do próprio acervo como também de materiais cuja guarda pertence a outras instituições, além de exposições artísticas que de alguma maneira dizem respeito ao acervo do Museu.

Estima-se uma freqüência de 23 mil visitantes anuais aos espaços de exposição do Museu, entre estudantes de nível fundamental e médio, universitários, turistas nacionais e internacionais e a comunidade em geral. Com isso, o Museu Amazônico cumpre a missão de preservação e valorização do patrimônio histórico e cultural da Amazônia.

A Biblioteca Setorial do Museu Amazônico (BSMA) é um centro de guarda, consulta, divulgação e pesquisa, destinado a estudantes e a comunidade em geral. Tem como objetivo disseminar e preservar conhecimentos sobre a Amazônia. Possui acervo especializada no campo da história, política, geografia, economia, biografia, antropologia, sociologia, direito, folclore, mitos, lendas, artes, ecologia, meio ambiente e linguagem indígena.

A BSMA ainda possui a “Coleção Especial” e “Obras Atuais”. A primeira contém relatórios, mensagens, coleção de leis, instruções públicas, descrições de viagens, tratados e limites, álbuns fotográficos, anuários etc., do período Imperial e Colonial, com data de publicação até 1950. A coleção “Obras Atuais” apresenta publicações de 1951 até os dias atuais, sendo elas: livros, periódicos, folhetos, teses, fotografias, mapas, recortes de jornais, catálogos, enciclopédias, dicionários, bibliografias.

O Setor Museológico encontra-se sob a supervisão da Divisão Cultural do Museu Amazônico e está no segundo andar do prédio onde estão instalados os setores técnicos do museu, ocupando uma área física de 63,87m² dividos entre Museologia, Museografia e Reserva Técnica.

Na Reserva Técnica há 3278 peças etnográficas e 219 peças de artesanato e arte popular e algumas de cunho histórico.

A Muselogia/Museografia é um espaço de multiuso. Nele são realizados os seguintes trabalhos:1. Registro, identificação e classificação das coleções do acervo;2. Higienização, conservação e pequenos restauro dos objetos.3. Planejamento de exposições, pesquisa e seleção de acervo.4. Atendimento a pesquisadores.

Empréstimo: O acervo da Biblioteca Setorial Museu Amazônico destina-se à consulta exclusivamente local.

A reprodução só é permitida unicamente para fins de pesquisa (Lei nº 5.988 que regula os direitos autorais).

Localizados no mini-campus da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), estes laboratórios são responsáveis pela classificação, limpezas, restauro, manutenção de peças arqueológicas e históricas.

Seu acervo é composto basicamente de artefatos cerâmicos (urnas funerárias, vasilhas, adornos, utensílios rituais); material lítico (machados, afiadores, lâminas de corte, pontas de projéteis); ossos humanos; e, sedimentos que podem conter vestígio de ocupação humana.

A evolução deste acervo é recente e tem se beneficiado com a decisão da 1ª Superintendência Regional do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), no sentido de fomentar a permanência dos artefatos arqueológicos descobertos e prospectados em nosso Estado.

A ampliação da pesquisa arqueológica na Amazônia, tem ajudado o Museu a aumentar e diversificar seu acervo, principalmente a partir dos trabalhos realizados pelo Projeto Amazônia Central, que em conjunto com a UFAM, já identificou e catalogou mais de 150 sítios arqueológicos no Amazonas.

J. G. ARAUJO

A firma J.G. Araújo, empresa com tradição de mais de um século atuando em Manaus e em outros municípios do Amazonas, assim como em estados vizinhos, fez a doação de todo o seu arquivo documental para a Universidade Federal do Amazonas, ficando, portanto, este acervo no Museu Amazônico. Tais arquivos são datados a partir do ano de 1877 até 1985. São milhares de documentos que registram os fatos administrativos da empresa, no ramo do extrativismo, da indústria, do comércio e do transporte. O acervo J. G. Araújo compõe-se de uma grande diversidade documental que complementam os documentos contábeis: originais de cartas manuscritas de aviados da empresa, coleção de letras de câmbio, guias de embarque, recibos de pagamentos, diário de navegação, entre outros.

Acervo Faculdade de Direito.

Com a transferência da Faculdade de Direito do centro da cidade para o Campus Universitário, grande parte de sua documentação histórica foi transferida para o Museu Amazônico, que a partir de então tornou-se o depositário desta importante documentação, evitando sua deterioração pela ação do tempo e das infestações. A documentação revela durante um espaço de aproximadamente 100 anos, as origens da atual Universidade Federal do Amazonas e sua trajetória ate o estagio atual, tornando-se uma rica fonte de pesquisa para a historia da educação no Amazonas. A massa documental está dividida em livros de registros e documentação avulsa contendo aproximadamente 460 livros de registros além da documentação avulsa, destacando-se:

Atas de exames, Atas de sessões, Folha de pagamentos, Inscrições para exames, Livro caixa, Livro de diploma, Livro de matrícula, Livro de orçamento, Livro de ponto, Ofícios recebidos e emitidos, Portarias, Relatórios  diversos.

Acervo Amazônia Colonial

O Acervo é composto de documentos fotografados e copiados, das capitanias do Rio Negro, Maranhão, Mato Grosso, Pará e  B.M.P. (Biblioteca Municipal do Porto). Compõe ainda o acervo 137 rolos matrizes de microfilmes de 35mm, sobre a Amazônia colonial e imperial, além de encadernados distribuídos da seguinte maneira: 50 livros do Arquivo Público do Pará, 99 livros do Arquivo Histórico Ultramarino Rio Negro, 07 livros do Arquivo Histórico Ultramarino do Maranhão, 08 livros de correspondências do Grão-Pará e Rio Negro, 11 livros do Arquivo Rio Negro.

Ainda compõem o acervo do Museu Amazônico as seguintes coleções: Relatórios de Presidentes da Província do Amazonas; Serie periódicos; Manuscritos Márcio Souza; Serie Associação Comercial do Amazonas.

Como chegar

O Museu Amazônico está localizado no centro histórico de Manaus, tendo na vizinhança a Academia Amazonense de Letras, o Instituto de Educação do Amazonas (IEA), o Teatro Amazonas e outros cartões postais da capital amazonense. Endereço: Rua Ramos Ferreira, 1036 - Centro - Manaus/AM .

REFERENCIAS

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: lei nº 5.988, de 14 de dezembro de 1973.disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L5988.htm. acesso: em 08 de Nov. 2009.

Por: IOMAR FELISBERTO GUIMARAES

Comentários