Psicomotricidade

Psicomotricidade

Faculdades Integradas Torricelli

Observações sobre o ponto de vista psicomotor.

Trabalho para obtenção de nota na disciplina de Psicomotricidade sob orientação da professora Sirlândia.

As etapas do desenvolvimento motor de acordo com as etapas do desenvolvimento da criança.

O desenvolvimento motor é o resultado da maturação de certos tecidos nervosos, aumento em tamanho e complexidade do sistema nervoso central, crescimento dos ossos e músculos, portanto, são comportamentos não-aprendidos que surgem espontaneamente, desde que a criança tenha condições adequadas para exercitar-se. Somente em casos de extrema privação ou de algum tipo de distúrbio ou doença, esses comportamentos não se desenvolverão.Durante o primeiro ano, a rapidez do desenvolvimento da criança é extraordinária. Ao nascer o bebê conta apenas com os reflexos hereditários, no entanto, ao final do primeiro ano, entre outros comportamentos, será capaz de colocar-se na posição de pé e caminhar alguns passos sem apoio, compreender o significado de várias palavras, obedecer ordens simples; como Não, Vem, Tchau, etc.

Gallahue (apud Rodrigues, 1993), define o desenvolvimento motor  como o conhecimento das capacidades físicas da criança e sua aplicação na performance de várias habilidades motoras, de acordo com a idade, sexo e classe social. Para que possa se desenvolver um trabalho que traga relativas mudanças nas crianças em nível psicomotor, há a necessidade de um profundo conhecimento de todo o desenvolvimento natural de cada fase de crescimento do ser humano, para não sermos muito taxativos e, sem critérios, classificarmos uma criança como descoordenada, sendo que, esta falta de controle pode ser característica desta específica idade ou fase maturacional. Só a partir de um aprofundamento neuromuscular, fisiológico, psicológico e maturacional é que será possível uma comparação entre o desenvolvimento de uma criança sadia e coordenada e uma outra criança com dificuldades motoras para a sua idade.

O desenvolvimento da capacidade física como a força por exemplo, segundo HOHMANN (1997), acontece desde a fase intra-uterina, pois a criança irá ser estimulada caso a mãe tenha hábitos sadios e pratique alguma atividade física. Toda a movimentação da mãe irá estimular a criança que está dentro de sua barriga. Mesmo logo após o nascimento, se a criança vive deitada dentro do berço ou fica pendurada no colo da mãe, isto irá atuar decisivamente no seu desenvolvimento motor.

Analisando-se as fases do desenvolvimento motor, até os três meses de vida, ele ocorre de forma bastante lenta e todas as vivências da criança são provenientes dos órgãos dos sentidos; por esta razão, essa etapa é chamada de fase sensorial. Após a aquisição da apreensão motora objetiva da posição ereta e andar (4 a 12 meses), a criança amplia consideravelmente sua área  de exploração morotra até então limitada ao berço e quarto.

É importante ressaltar que a criança não deve pular nenhuma etapa. Por exemplo, uma criança que do sentar logo passa a andar, sem engatinhar, deixa de desenvolver a força dos membros superiores e estabilizadores das escápulas, o que poderá levar a futuros problemas de ombro quando na fase adulta.

Desenvolvimento

psicomotor

Idade 0 a 1 ano

Movimenta a cabeça e é capaz de levantá-la ligeiramente quando deitado de costas ou de bruços._ Estende os braços para os lados, sem direção._ Dá pontapés com forças quando deitada em decúbito dorsal._ É capaz de projetar tanto os braços como as pernas para frente, de forma que, quando de bruços parece tentar arrastar-se._ Mexe a cabeça quando deitada em decúbito ventral, para cima, de um lado para o outro._ Mantém a cabeça levantada quando em decúbito ventral, durante alguns segundos._ Controla a cabeça e ombros quando sentada, apoiada em almofada ou travesseiro._ Tenta pegar objetos acerca de 20 cm à sua frente._ Agarra objetos mantidos 10 cm à sua frente._ Retém objetos, usando preensão palmar durante alguns segundo, soltando involuntariamente._ Tenta alcançar e agarrar com preensão objeto à sua frente._ Tenta alcançar objeto predileto._ Coloca objetos na boca.

_ Deitada de bruços, sustenta cabeça e peito, apoiada nos antebraços._ Vira de bruços para o lado._ Rola de bruços para de costas._ Estando de bruços tanta se movimentar para frente._ Rola de costas para o lado._ Vira de costas para de bruços._ Puxa para sentar-se quando agarrada nos dedos do adulto._ Vira a cabeça livremente quando o corpo está apoiado._ Mantém posição sentada durante alguns minutos._ Larga um objeto deliberadamente para pegar outro._ Pega e deixa cair objeto deliberadamente._ Fica de pé com máximo apoio (quando mantida pela cintura)._ Pula para cima e para baixo quando em posição de pé, enquanto apoiada._ Arrasta para frente para pegar objeto._ Mantém-se sentada com apoio das mãos para frente._ De posição sentada, passa para posição de mãos e joelhos._ Passa de bruços para posição sentada._ Senta-se sem apoio de mão._ Atira objetos para todos os lados._ Balança para trás e para frente apoiada sobre mãos e joelhos._ Transfere objetos de uma para outra mão em posição sentada._ Retém 2 cubos de 3 cm em uma das mãos._ Coloca-se em posição de joelhos._ Coloca-se em posição de pé._ Usa preensão radial para pegar objetos._ Engatinha._ Tenta alcançar coisas com uma das mãos._ Fica de pé com o mínimo de apoio._ Vira vasilha despejando objetos._ Faz movimento de enfiar ou tirar com colher ou pá._ Coloca objetos grandes em um recipiente._ Abaixa-se para sentar._ Bate palmas._ Caminha com mínimo de auxílio._ Dá alguns passos sem apoio.

Idade 1 a 2 anos

_ Engatinha escada acima._ Passa da posição sentada para em pé._ Rola uma bola em imitação._ Sobe em cadeira de adulto, vira-se e senta-se._ Coloca aros num pino._ Tira e coloca pinos grandes de uma prancha._ Constrói torre de 3 cubos._ Faz rabisco com lápis de cera ou lápis._ Vira páginas de um livro, várias de uma vez._ Caminha independentemente._ Engatinha escadas abaixo com os pés em primeiro lugar._ Senta-se em cadeira pequena._ Curva-se na altura da cintura para apanhar objetos sem cair._ Empurra e puxa brinquedos enquanto anda._ Usa cavalo de balanço._ Sobe escada com ajuda._ Fica de cócoras e volta a ficar em pé._ Segura o lápis em preensão radial._ Imita movimento circular.

Idade 2 a 3 anos

_ Vira trincos e maçanetas de portas._ Salta sobre 2 pés._ Salta o último degrau da escada com um pé na frente do outro._ Caminha para trás._ Desce escadas com ajuda._ Atira bola para o adulto a 1 metro e meio sem o adulto mover os pés._ Constrói torre de 5 - 6 cubos._ Vira páginas, uma de cada vez._ Desembrulha objeto pequeno._ Dobra papel, imitando._ Separa e junta brinquedos que se completam de formas semples._ Desparafusa brinquedos de encaixe._ Dá pntapés em bolas grandes._ Faz bolas de argila._ Dá cambalhotas para frente, com ajuda.

0 que eles fazem e com que idade.

Brincar com chocalhoOcorre quando a criança constata que, ao mexer certas partes do seu corpo, ela produz sons e movimentos

Levar o pé à bocaO bebê começa a fazer isso quando associa a habilidade motora à capacidade de acompanhar com os olhos os movimentos que faz com as mãos

Empilhar objetosÉ um indicador fundamental do desenvolvimento motor. Depois de perceber que os objetos podem ser movimentados, constata que se firmam uns sobre os outros

Folhear livrosDotada de uma habilidade maior com os dedos e as mãos, consegue virar duas a três páginas de cada vez

Subir escadaDepois de fortalecer sua musculatura e aprender a andar, a criança, amparada pelos pais, sobe escada apoiada no corrimão quando apura o senso de equilíbrio

Chutar bolaÉ o primeiro movimento com as pernas que não tem relação com o ato de andar. Até então, a criança podia brincar com a bola mas não conseguia direcionar o pé para chutá-la

Andar de tricicloDiferente do engatinhar, do andar e até de chutar a bola, pedalar não é um ato instintivo. Assim como para nadar, a criança precisa de estímulo

Segurar o lápisÉ um aprimoramento da mesma habilidade que permitiu à criança folhear o livro. Até então, ela agarrava o lápis de qualquer maneira. Agora, segura à maneira do adulto

Lavar o rostoCom capacidade para controlar a própria força e segurança nos movimentos, consegue fazer uma concha com as mãos e levar a água ao rosto

Vestir a roupaVencidas as mais importantes etapas do desenvolvimento motor, tem equilíbrio e coordenação para os até então complicados movimentos de colocar e tirar calça e camiseta

Graças ao estímulo que recebem dos pais, ascrianças de hoje evoluem em velocidade maiordo que os nossos antepassados.(Revista veja)

Reportagem da revista veja afirma que comparado às outras espécies animais, o ser humano tem um desenvolvimento motor dos mais lentos. Com apenas 15 dias de vida, um filhote de cachorro já amadureceu sentidos como a audição e a visão e desenvolveu toda sua habilidade motora. Já o bebê leva trinta dias apenas para levantar a cabeça e seis meses para enxergar com a nitidez e a clareza de seus pais. Um bezerro anda pouco depois de nascer e um potro precisa de um só dia para galopar. Até andar, cambaleante como se estivesse de pileque, a criança precisa de um ano ou mais. O desenvolvimento humano é lento dessa forma porque o cérebro da criança está sendo programado para atividades sofisticadas e complexas, que envolvem o raciocínio, a linguagem e o amadurecimento das emoções. Os animais, por sua vez, estão preparados para realizar tarefas básicas, como caçar, rosnar e lutar pela sobrevivência.

Como pai e mãe ficam enlevados com as realizações de seu filho, que a cada dia faz um movimento novo levemente distinto do que fez no dia anterior, a lentidão do desenvolvimento humano chega a ser imperceptível, e o que fica é a beleza da evolução. É o primeiro dente, primeiro passo, primeira palavra, primeira doença, primeiro sapato, primeira noite inteira de sono. "Quando a Marina faz algo de novo que não havia feito antes, é um momento mágico", diz a professora de inglês Lígia Saade, de São Paulo, mãe de uma menina de 2 anos. É assim mesmo. Num certo dia, no segundo mês, o bebê começa a olhar para os lados e observa a existência de umas manchas na lateral do berço. São as estampas do protetor de pano que para ele estão fora de foco, mas ainda assim são muito interessantes. Mais uns dias e o bebê movimenta os olhos para a direita e para a esquerda, acompanhando um riscado que os dedos do pai ou da mãe desenham no ar. Mas o bebê ainda não vira a cabeça, e se os dedos forem muito ágeis ele os perde no caminho. Todo o desenvolvimento da criança é assim. Rápido para nós, lento na comparação com as outras espécies.

"As crianças e os jovens demonstram de forma regular, uma sistemática necessidade de actividades motoras vigorosas em diversos contextos da sua vida quotidiana em dinâmicas formais e informais. Estas actividades (posturais, locomotoras e manipulativas), são decisivas em todo o processo de desenvolvimento e aprendizagem de habilidades motoras e capacidades físicas, seguindo um aperfeiçoamento progressivo em termos quantitativos e qualitativos. Tais actividades apresentam um significado profundo em termos de necessidades biológicas e sociais, sendo realizadas habitualmente (dependendo da ambivalência do comportamento dos adultos) com grande prazer e entusiasmo. A atitude lúdica associada ao desenrolar destas actividades motoras, conferem a exercitação da função e sentido de intencionalidade, que, sendo imediatas, permitem ao ser humano uma relativa e confortável capacidade de adaptação ao longo da vida em relação aos desafios do seu envolvimento físico e social."

Carlos A. Ferreira Neto.

Bibliografia

FERREIRA NETO, C. A. O desenvolvimento da criança e a necessidade de atividade motora. In: Motricidade e jogo na infância.  Sprint, Rio de Janeiro, 1995.

HOHMANN, Andreas. Efeitos do Treinamento de Resistência nos Esportes. Palestra, CIDAF - FMU, São Paulo, 1997.

Revista Veja especial bebês.Edição especial.

Guarulhos, 04 de junho de 2009

Comentários