Tao Te Ching

Tao Te Ching

(Parte 1 de 20)

Tao Te Ching

INTRODUÇÃO

www.books.xpg.com.br

O Tao Te Ching é um texto profundo e ao mesmo tempo simples porque apresenta por

meio da linguagem aquilo que se experimenta na sua ausência. A profundidade é o

próprio caminho do mistério, a experiência do sagrado que corresponde à vivência

espiritual. A simplicidade, um dos três tesouros 1dos ensinamentos de Lao Tse, conduz

à naturalidade que orienta o indivíduo no macrocosmo. Portanto, a leitura do Tao Te

Ching implica um desafio: esvaziar-se e ser natural como a água que flui no vale. O

desvendamento do texto deve fluir gradualmente, levando à contemplação de suas

palavras. Se estas não parecem suficientemente claras, isso se deve ao fato de a

sociedade contemporânea, na qual prolifera o pensamento, dificultar a ampliação da

consciência. Nesse contexto, a contemplação já é por si um ato transgressor.

Esta tradução do Tao Te Ching, diretamente do chinês para o português, resgata a

tradição taoísta e oferece a decifração necessária de conceitos fundamentais, respeitando

a estrutura original do texto em chinês clássico em detrimento de frases mais

convencionais em língua portuguesa. Desse modo, o leitor pode estabelecer nexos,

coordenar e reconstituir relações entre os conceitos, traduzindo-os em experiências e

proporcionando à leitura a suave alegria da vivência de um ensinamento.

Reverenciado como escritura sagrada pelos mistérios que revela, o ensinamento contido

neste livro corresponde a uma tradição que integra filosofia, ciência e religião à

experiência.

1 Os três tesouros segundo a tradição taoísta são: humildade, simplicidade e afetividade.

2

O termo taoísta é formado por dois ideogramas chineses: Tao que significa caminho,

exprimindo a idéia de origem de todas as coisas; e Diao que significa ensinamento.

Portanto, taoísmo corresponde à tradição que vem do passado, que revela a origem. Por

isso, o Caminho da Imortalidade, objetivo dos taoístas, é denominado Via do

Retorno, indicando a volta ao princípio. Nesse caminho, a virtude se efetiva através da

mediação de consciência e da compreensão dinâmica do universo para resgatar a ordem

natural da vida.

A escola taoísta tem como base o estudo de três obras, simbolizadas na imagem de uma

árvore. A raiz é o I Ching O Livro das Mutações, o tronco é o Tao Te Ching

Livro do Caminho e da Virtude e a flor é o Nan Hua Ching O Livro da Flor do

Sul. O Tao Te Ching é a estrutura central do taoísmo.

Lao Tse revela um ensinamento que abrange o tempo infinito. Lao Tse corresponde à

transmissão e conservação da tradição taoísta na imagem do mestre, manifestação do

absoluto.

Segundo o cânon taoísta, Lao Tse nasceu na província de Na Hue, na cidade de Guo

Yang, no 25º dia da segunda lua do ano Ken-Tzen da era Wu-Tin (no período entre

1324 – 1408 A.C.). As circunstâncias do seu nascimento foram extraordinárias. De

acordo com a tradição, sua gestação demorou oitenta e um anos. Lao Tse foi concebido

quando sua mãe engoliu uma pérola de luz, transformação da Transparência Sublime

2em sopro, através da essência do Sol. Seu pai era um famoso alquimista da dinastia San

que ascencionou com mais de cem anos, envolvido pelos dragões celestiais. Sua mãe

era considerada a encarnação do Sopro Yin do Céu-Anterior, sendo ao mesmo tempo

sua mestra. Lao Tse nasceu do lado esquerdo das costelas da sagrada mãe, no jardim da

família sob uma árvore de nome Li (ameixeira), com cabelos brancos e orelhas grandes.

Por isso, recebeu o nome de Lao Tse (filho velho) e Li Er (orelha grande da ameixeira).

Lao Tse tem também sentido de Senhor do Fim e do Princípio, já que velho representa

o fim enquanto filho representa o início.

Sua juventude foi vivida no condado de K´u localizado entre Long San (Monte Dragão)

e Guo Sue (Rio Guo). Quando o imperador tirano Zhou assumiu o poder, Lao Tse

mudou-se para a região sul do Chi San, no território do Rei Wen, fundador da dinastia

Chou. Foi convidado pelo rei Wen para ser responsável pela biblioteca real. Mais tarde,

foi nomeado para o cargo de historiador real, permanecendo como tal até o 19º dia da

quinta lua do 25º ano da era do rei Zhao, quando solicitou dispensa e retornou à sua

terra natal, acompanhado do escudeiro Shü Jia. No mesmo ano, Lao Tse iniciou sua

grande viagem para o ocidente, com intuito de chegar aos reinos da atual Índia,

Afeganistão e Itália. Durante a viagem, permaneceu algum tempo na fronteira de Yü

Men e aceitou o oficial-chefe da fronteira como discípulo. Ditou-lhe vários escritos,

entre eles o Tao Te Ching. Muitos anos depois, teve sua ascensão no deserto de Gobi,

durante a qual emanou raios de luz em cinco cores, transformando-se em corpo de luz

dourada e desaparecendo no céu. Após sua ascensão, Lao Tse habitou o Tai Wei Gon

(Palácio da Sublime Sutileza) do Céu-Anterior e dividiu seu corpo para retornar

2 A Transparência Sublime (Tai Chin): a Transparência de Jade (Yü Chin) e a Transparência Superior

(São Chin) formam o conceito teológico de Absoluto taoísta.

3

novamente à terra, encarnado como filho único do senhor Li Po Yang da província Shu.

Na sua nova jornada veio acompanhado do dragão azul do Imperador Celestial Chin

(Parte 1 de 20)

Comentários