100 Gigabit/s Fast Ethernet

100 Gigabit/s Fast Ethernet

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

PARAÍBA - CAMPUS CAMPINA GRANDE

Disciplina: Cabeamento Estruturado

Curso: Subsequente em Manutenção e suporte em Informática

Professor: Carlos Danilo Regis

ALUNOS:

ALECIANO FERREIRA LOBO JR.

ALEX SOARES

PEKCOS G. OLIVEIRA

SEMINÁRIO

Padrão Fast Ethernet

100 Gigabits

Índice

Definição: 3

Início do Padrão 3

O Mercado 3

Objetivos da força-tarefa do IEEE: 3

Especificações para a camada física: 4

As seguintes camadas físicas estão sendo padronizadas: 4

Onde será utilizado: 4

Previsão de lançamento 5

Especificações projetadas: 5

Os vendedores preparam-se para um Ethernet de 100 Gigabits 5

Desafios no cabeamento 5

Conclusão 7

Referências: 8

Fast Ethernet 100 Gbits

Definição:

100GbE: É uma tecnologia precoce que está em fase de desenvolvimento do atual padrão Ethernet normatizado pela IEEE (Instituto de Coordenadores Elétricos E Eletrônicos).

Segundo ZIMMERMAN da SOLARFLARE o padrão 10G está começando a sair dos centros de distribuições e está indo mais para o lado dos clientes, o que leva a crer que esses centros agora precisarão de um padrão mais rápido, ou seja, o 100GbE.

Início do Padrão

O IEE começou a trabalhar no padrão em 2006.

De acordo com o grupo de trabalho do 802.3ba as exigências de largura de banda para as aplicações de computação e trabalho de rede em núcleo, vão levar a duas velocidades distintas para a próxima geração ethernet (40G para conectividade em servidores e 100G para CORE SWITCHING “Switch central para redes de alta performance com 12 portas Gigabit Ethernet”).

O Mercado

As projeções de largura de banda para aplicações de servidores e computação, incluindo a agregação de tráfico de servidores, indica que haverá um grande mercado potencial para o 40G.

Ainda de acordo com o grupo, serviços como o chaveamento (switch), roteamento, agregação em data centers, serviços de vídeo por demanda precisam da ethernet de 100G.

Objetivos da força-tarefa do IEEE:

  • Suportar full-duplex somente;

  • Preservar o padrão 802.3 (padrão da camada física);

  • Suportar uma taxa de erro melhor ou igual a 10 elevado a -12 (relação de número de bits com erros para número de bits total enviados);

  • Prover suporte apropriado para o OTN - Optical Transport Network (Rede de transportes ótica);

  • Suportar taxa de dados de 40/100 Gigabits/s;

Especificações para a camada física:

  • Operações 100Gigabits/s durante pelo menos 40 km de fibra óptica monomodo (SMF).

  • 100 e 40 Gigabit/s sobre:

    • Pelo menos 10 km de fibra óptica monomodo (SMF)

Monomodo:

Permite o uso de apenas um sinal de luz pela fibra.

Dimensões menores que as fibras ID.

Maior banda passante por ter menor dispersão.

Geralmente é usado laser como fonte de geração de sinal.

    • Pelo menos 100m em fibra óptica multímodo OM3 (distâncias curtas)

Multímodo:

Permite o uso de fontes luminosas de baixa ocorrência tais como LEDs (mais baratas).

Diâmetros grandes facilitam o acoplamento de fontes luminosas e requerem pouca precisão nos conectores.

Muito usado para curtas distâncias pelo preço e facilidade de implementação.

    • Pelo menos 10m em cabos com cobre

As seguintes camadas físicas estão sendo padronizadas:

PHY

40 Gigabit Ethernet

100 Gigabit Ethernet

Pelo menos 1m sobre uma placa traseira

40GBASE-KR4

Pelo menos 10m sobre o cabo de cobre

40GBASE-CR4

100GBASE-CR10

Pelo menos 100m sobre OM3 MMF

40GBASE-SR4

100GBASE-SR10

Pelo menos 10 quilômetros sobre SMF

40GBASE-LR4

100GBASE-LR4

Pelo menos 40 quilômetros sobre SMF

100GBASE-ER4

Onde será utilizado:

Esse novo padrão será utilizado em interface de:

    • Servidores em redes;

    • Switches e uplink switches (portas no switch que permite ligá-lo a outro e fazendo uma “extensão” dele.

Previsão de lançamento

As empresas começariam a fabricar os produtos para lançá-los no segundo semestre de 2010, quando é esperada a ratificação do padrão 802.3ba.

Especificações projetadas:

Empregando o protocolo existente do 802.3 MAC, pretende-se manter a compatibilidade com os nós instalados atualmente e por o custo do projeto no mínimo.

Os vendedores preparam-se para um Ethernet de 100 Gigabits

  • O CISCO NEXUS 7000 SWITCH DATA CENTER que foi lançado no ano passado, é designado para a futura entrega do 40/100G Ethernet;

  • Spirent COmmunications, uma fabricante de material de teste da ethernet, planeja liberar o módulo de teste do 40G nesta segunda metade do ano, e o do 100G para o próximo ano. Dizem que uma das principais advertências de que os usuários devem estar cientes de quando migram do 10G para o Ethernet 40/100G é a necessidade de assegurar a sincronização do clock precisa entre os sistemas, especialmente os de marcas diferentes.

OBS: Sincronização imprecisa resultaria em grande latência e perda de pacotes. Baixa latência é uma exigência crítica do centro de dados hoje em dia, pois muitas das inovações requeridas são feitas para trabalhar em baixa latência.

Desafios no cabeamento

Outro desafio importante é assegurar a classe e o comprimento da fibra óptica.

As interfaces físicas propostas para a 40G inclui uma cobertura para além de 100 metros dos DATA CENTERS, para acomodar uma larga demanda de requisitos para servidores.

A taxa do Ethernet de 100 Gigabits incluirá as distâncias e os meios apropriados para o DATA CENTER, assim como a interconexão do fornecedor de serviço para aplicações intra-office e inter-office, de acordo com a organização.

As interfaces físicas propostas para a 40G ethernet são:

1 metro do backplane (é um termo técnico relacionado à Central de Atendimento Telefônico, placa interna dos equipamentos DAC nas quais se podem encaixar outras, a exemplo do que acontece com a placa-mãe dos computadores padrão IBM-PC.);

10 metros de cabos de cobre;

100 metros de fibra óptica multímodo.

Para a 100G seriam:

100 metros de fibra multímodo;

40 quilômetros de fibra em monomodo.

Em fevereiro de 2008, Opnext Inc. e Hitachi Ltd. demonstraram os primeiros "lasers" de apoio a este padrão de alta velocidade.

A partir de 2008, a Nortel Networks demonstra um protótipo de Switch para 100Gbit, o OME 6500

Em abril de 2009, Ixia fez uma demonstração de um equipamento para 40GbE e 100GbE para as camadas 2 e 3.

Nortel Networks usou os equipamentos da Ixia na demonstração acima.

Conclusão

Concluímos que a tecnologia tem evoluído de forma tal, que fica difícil até de imaginar há que velocidade se conseguirá chegar. Com a crescente popularização da internet vem o aumento da demanda de usuários e serviços disponibilizados na grande rede o que torna se necessário cada vez mais velocidade de transmissão de forma que não nos surpreenderemos se esse novo padrão chegar com uma velocidade maior do que a esperada, afinal já se projeta para 2015 o padrão em TERABIT.

Referências:

http://arstechnica.com/hardware/news/2006/11/8231.ars

http://www.networkworld.com/news/2009/042009-terabit-ethernet.html

www.callcentermagazine.net/index.php?...100-gigabit-ethernet...

http://en.wikipedia.org/wiki/100_Gigabit_Ethernet

info.abril.com.br/aberto/.../19112008-58.shl

Comentários