Gestão Ambiental

Gestão Ambiental

(Parte 1 de 13)

Professor André Luiz Fiquene de Brito – W.labger.pro.br

Universidade Federal de Campina Grande - UFCG

Unidade Acadêmica de Engenharia Química - UAEQ Professor: André Luiz Fiquene de Brito,Dr.

Disciplina: Gestão Ambiental

Prof. André Luiz Fiquene de Brito1, Dr. Carga Horária: 60 horas

1 Doutor em Engenharia Ambiental pela UFSC. Professor Adjunto I da UFCG .w.labger.pro.br

Gestão Ambiental

Professor André Luiz Fiquene de Brito – W.labger.pro.br

LISTA DE FIGURAS4
LISTA DE TABELAS4
CAPÍTULO 15
1. INTRODUÇÃO5
CAPÍTULO 26
2. GESTÃO AMBIENTAL6
2.1. Conceitos iniciais6
2.2. Posicionamento da organização7
2.3. Gestão Ambiental – ISO 14.0 e 14.0019
2.3.1. Normas da Série ISO 140001
2.3.2. Enfoque Organizacional: SGA (ABNT NBR ISO 14.001: 2004)14
2.4. Roteiro de Implantação do SGA e Elaboração do SGA16
2.4.1. ETAPA 116
2.4.2. ETAPA 221
2.4.3. ETAPA 323
2.4.4. ETAPA 424
2.4.5. ETAPA 525
2.4.6. ETAPA 625
2.5. Elaboração do Plano de Gestão - SGA25
CAPÍTULO 327
3. AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA – ISO 14.04027
3.1. FASES DA ACV27
3.1.1. Objetivo e Escopo28
3.1.2. Análise do Inventário30
3.1.3. Avaliação de Impactos31
3.1.3.1. Volume crítico do ar e da água32
3.1.3.2. Produção de resíduos sólidos3

Professor André Luiz Fiquene de Brito – W.labger.pro.br

34
3.1.3.5. Potencial de acidificação equivalente (PAE)34
Potential)35
3.1.3.7. Potencial de eutrofização35
3.1.3.8. Interpretação dos Resultados35
CAPÍTULO 436
4. ANÁLISE MULTICRITÉRIO: FERRAMENTA DE APOIO NA ACV36
4.1. Conceitos Elementares36
4.2. Princípios básicos de análise multicritério37
4.3. Agregação dos critérios39
4.4. Métodos Multicritério – Abordagem Multi Atributo39
CAPÍTULO 543
5. ESTUDO DE CASO: INDÚSTRIA SUCRO ALCOOLEIRA43
5.1. Avaliação do Perfil: 1ª Etapa4
5.2. Avaliação do Produto: 2ª Etapa46
5.3. Plano de Gestão Ambiental50
5.3.1. Roteiro de implantação de um SGA (ISO 14.001)51
5.3.2. Elaboração do Plano de Gestão: SGA (ISO 14.001)53
REFERENCIAS56
ANEXO 157
Análise das exigências de tratamento58
Seleção do tratamento adequado58
Considerações básicas sobre alternativas de tratamento para despejos orgânicos58
Conceitos Importantes59

Professor André Luiz Fiquene de Brito – W.labger.pro.br

Figura 1. Etapas de gestão ambiental7
Figura 2. Comitês e subcomitês técnicos10
Figura 3. Estrutura da gestão ambiental10
Figura 4. Exemplo de Implantação de um SGA16
Figura 5 - Representação esquemática de balanço de massa17
Figura 6 - Sistema conservativo em equilíbrio18
Figura 7 - Exemplo 119
Figura 8 - Exemplo 621
Figura 9. Fases da ACV28
Figura 10. Sistema relacionado ao produto e sua vizinhança30
Figura 1. Etapas operacionais31
Figura 12 - Roteiro de implantação do sistema de gestão51
Tabela 1- Principais componentes para elaboração de um plano de gestão - SGA25
Tabela 2 - Potencial de aquecimento global em um horizonte de 100 anos34
Tabela 3 - Potencial de acidificação equivalente (PAE)34
Tabela 4 - Potencial de redução da camada de ozônio35
Tabela 5. Matriz de avaliação multicritério40
Tabela 6 - Dados iniciais: Mudança de Sensibilidade41
Tabela 7. Dados modificados: Mudança de escala42
Tabela 8. Dados iniciais – Mudança de escala42
Tabela 9. Primeiro conjunto de dados43
Tabela 10 . Segundo conjunto de dados43

Professor André Luiz Fiquene de Brito – W.labger.pro.br

Tabela 12 - Plano de Ação54

CAPÍTULO 1 1. INTRODUÇÃO

Este texto didático tem como objetivo apresentar e discutir aspectos da gestão ambiental no contexto organizacional de empresas com ênfase no sistema de gestão ambiental.

A Gestão ambiental pode ser definida como um sistema que inclui a estrutura organizacional, atividades de planejamento, responsabilidades, práticas, procedimentos, processos e recursos para desenvolver, implementar, atingir, analisar criticamente e manter a política ambiental.

Pode-se afirmar que a gestão ambiental é a forma pela qual a organização se mobiliza, interna e externamente, para a conquista da qualidade ambiental desejada. Ela consiste em um conjunto de medidas que visam ter controle sobre o impacto ambiental de uma atividade.

No caso específico do setor sucroalcooleiro, serão abordados os aspectos da geração de resíduos assim como a sua gestão.

Este material está dividido em cinco capítulos. No capítulo 1, está apresentada uma breve introdução sobre o tema com conceitos e definições; no capítulo 2 fundamentos, conceitos e implantação da gestão ambiental. No capítulo 3 está apresentada a avaliação do ciclo de vida, como ferramenta de gestão ambiental. No capítulo 4 está apresentado a forma de transformar os impactos ambientais em impactos propriamente dito. No capítulo 5 será mostrado e discutido a forma de avaliar impactos de determinado setor industrial apresentando um estudo de caso.

Neste contexto, este material pode contribuir para o mlehor entendimento da gestão ambiental em organzações, além de contribuir com a formação de engenheiros em nivel de graduação do CCT da UFCG.

André Luiz Fiquene de Brito,Prof.

andre@deq.ufcg.edu.br w.labger.pro.br

Professor André Luiz Fiquene de Brito – W.labger.pro.br

2. GESTÃO AMBIENTAL

A gestão ambiental na cadeia produtiva da cana de açúcar pode ser entendida, como etapas que visam avaliar ambientalmente a indústria em todo o ciclo produtivo e implantar o sistema de gestão ambiental.

A seguir são apresentados alguns conceitos importantes sobre gestão ambiental.

§ Meio-Ambiente: “tudo que envolve” ou o meio no quais os seres vivos se desenvolvem. Coimbra (1985) define Meio Ambiente como: “o conjunto de elementos físico-químicos, ecossistemas naturais e sociais em que se insere o homem, individual e socialmente, num processo de interação que atenda ao desenvolvimento das atividades humanas, à preservação dos recursos naturais e das características essenciais do entorno, dentro de padrões de qualidade definidos”.

§ Ecologia: ciência dos ecossistemas estuda as relações dos seres vivos entre si e com o meio;

§ Avaliação ambiental: avaliação de sistemas baseada fundamentalmente na variável ambiental, ou seja, para sistemas que cumprem uma mesma função, a avaliação ambiental consistirá na definição de um conjunto de critérios que agregados convenientemente podem fornecer uma posição relativa do desempenho ambiental destes sistemas.

§ Poluição: Introdução em um sistema de agentes químicos, físicos ou biológicos em quantidade suficiente para provocar anomalias do ecossistema considerado ou a deterioração física de bens materiais.

§ Poluição crônica local: Está associada com pequenas doses localizadas de poluentes, porém de modo continuado. Ex. lançamento contínuo de efluentes em uma lagoa ou no solo, exposição contínua a pequenas doses de radioatividade, etc.

Professor André Luiz Fiquene de Brito – W.labger.pro.br

§ Poluição crônica global: Se refere àquelas emissões contínuas cuja repercussão se dá muito além do ponto emissor. Por exemplo, emissão de gases a efeito estufa, gases que degradam a camada de ozônio, etc.

§ Poluição acidental (ou aguda): Emissão de uma grande dose de poluente em um curto intervalo de tempo. Ex, desastre com um petroleiro,

§ Impacto ambiental: Modificação identificável e mensurável, benéfica ou adversa, das condições ambientais de referência. O impacto ambiental pode ser caracterizado por um efeito (direto) ou soma de efeitos (diretos e indiretos) com relação a um alvo específico.

§ Gestão ambiental: sistema que inclui a estrutura organizacional, atividades de planejamento, responsabilidades, práticas, procedimentos, processos e recursos para desenvolver, implementar, atingir, analisar criticamente e manter a política ambiental.

A gestão ambiental é a forma pela qual a organização se mobiliza, interna e externamente, para a conquista da qualidade ambiental desejada. Ela consiste em um conjunto de medidas que visam ter controle sobre o impacto ambiental de uma atividade. A Figura 1 mostra que a gestão inclui a medição, reflexão, planejamento e execução das atividades numa organização (ABNT NBR ISO 14.001, 2004).

Figura 1. Etapas de gestão ambiental FONTE: Soares, 2006.

As estratégias para uma gestão eficiente do meio ambiente incluem as atividades a montante e a jusante do sistema considerado, entre as quais se destacam o consumo de matériasprimas, a produção de resíduos (sólidos, líquidos e gasosos), a modificação do ambiente natural, as perturbações (ruído, temperatura...), emissões eletromagnéticas, radioativas, etc.

2.2. Posicionamento da organização

A questão ambiental, quando considerada do ponto de vista empresarial, levanta dúvidas com respeito ao aspecto econômico. A idéia que prevalece é de que qualquer providência que venha a ser tomada em relação à variável ambiental traz consigo o aumento de despesas e o conseqüente acréscimo dos custos do processo produtivo.

Professor André Luiz Fiquene de Brito – W.labger.pro.br

Algumas empresas, porém, têm demonstrado que é possível ganhar dinheiro e proteger o meio ambiente, mesmo não sendo uma organização que atua no chamado "mercado verde". É necessário que as empresas possuam uma certa dose de criatividade e condições internas que possam transformar as restrições e ameaças ambientais em oportunidades de negócios.

Entre essas oportunidades pode-se citar a reciclagem de materiais; o reaproveitamento dos resíduos internamente ou sua venda para outras empresas através de Bolsas de Resíduos ou negociações bilaterais; o desenvolvimento de novos processos produtivos com a utilização de tecnologias mais limpas ao ambiente, que se transformam em vantagens competitivas e até mesmo possibilitam a venda de patentes; o desenvolvimento de novos produtos para um mercado cada vez maior de consumidores conscientizados com a questão ecológica; o mercado de seguros contra riscos de acidentes e passivos ambientais; desenvolvimento de novas especializações profissionais como auditores ambientais, gerentes de meio ambiente, advogados ambientais, bem como o incremento de novas funções técnicas específicas. O Quadro 1 mostra o posicionamento de uma organização em relação à questão ambiental(NORTH, 1992).

Quadro 1. Posicionamento da organização em relação a questão ambiental.

FONTE: North (1992).

Professor André Luiz Fiquene de Brito – W.labger.pro.br

Para colaborar com este anseio, North (1992) apresenta uma avaliação do posicionamento da empresa em relação à questão ambiental. Este procedimento propõe a avaliação do perfil da organização segundo diversas variáveis indicando, para cada um dos quesitos colocados, se a empresa apresenta características "amigáveis" ou "agressivas" ao meio ambiente (quadro). Ou seja, quanto mais "amiga" do meio ambiente mais apta estaria a empresa, neste tocante, a enfrentar as exigências sociais e regulamentares.

A utilização do quadro 1 pode ser feita da seguinte maneira : Cada um dos itens apresenta duas afirmativas extremas. Se a afirmativa da esquerda reflete plenamente a situação da empresa assinalar 1. Se a afirmativa da direita reflete plenamente a situação, assinalar 5. Se a situação da empresa está mais próxima da situação da esquerda ou da direita, assinalar respectivamente 2 ou 4. Finalmente, adotar 3 para uma situação intermediária. Por exemplo, se no quesito "Produtos" não ocorrer nenhum aproveitamento dos resíduos, a nota do item seria 1. Por outro lado, se todos os resíduos fossem aproveitados a nota seria 5. Se metade dos resíduos fossem valorizados a nota seria 3 e assim sucessivamente.

Com relação aos resultados, se a maioria dos valores atribuídos estiver entre 1 e 2, a empresa está provavelmente diante de um importante desafio : identificar e integrar os requisitos qualidade ambiental aos requisitos de qualidade de sua empresa, eliminando assim a vulnerabilidade característica deste desempenho;

Se a maioria dos valores atribuídos às questões foi 3, provavelmente a empresa vem realizando um esforço para sustentar seu atual desempenho ambiental. Se os valores atribuídos estiverem concentrados em 4, é muito provável que a empresa esteja no caminho certo. Ela deve continuar a reavaliar as oportunidades de melhoria;

Finalmente, se a maioria dos valores atribuídos às questões foi 5, é muito provável que o desempenho ambiental da empresa seja excelente.

(Parte 1 de 13)

Comentários