(Parte 1 de 6)

Eng. Marcelo Saraiva Coelho

O DeviceNetéum link de comunicações para ligar dispositivos industriais (tais como: fim de curso, sensores fotoelétricos, partidas de motor, sensores de processo, leitores de código de barra, drivers de freqüência variável, interfaces de usuário, entre outros) a uma rede, eliminando vários cabos

Eng. Marcelo Saraiva Coelho

CCMi CCMi CCMi

CCMi

ControlNet Fieldbus H1

DeviceNet Ethernet TCP/IP

Eng. Marcelo Saraiva Coelho

O DeviceNetéuma rede aberta, sendo que a especificação e o protocolo podem ser obtidas na Associação Aberta de

Vendedores de DeviceNet, Inc. (ODVA). O DeviceNetébaseado num protocolo de comunicações chamado CAN, que originalmente foi desenvolvido pela BOSCH para o mercado de automóvel europeu para substituir os caros chicotes de cabo por uma rede de baixo custo em automóveis. Como resultado, o CAN tem resposta rápida e confiabilidade alta para aplicações como controle de freios ABS e Airbags.

Eng. Marcelo Saraiva Coelho

TAMANHO DA REDE Até 64 nós

COMPRIMENTO DA REDE Selecionável conforme velocidade

Para 125 Kbps ⇒ 500m Para 250 Kbps ⇒ 250m Para 500 Kbps ⇒ 100m

PACOTE DE DADOS 0 a 8 Bytes

TOPOLOGIA Linear (trunkline/dropline) com alimentação e sinal pelo mesmo cabo

ENDEREÇAMENTO Peer-to-peer com Multi-cast; Multi-master e Master/slave

Remoção e inserção de dispositivos da rede em funcionamento

Eng. Marcelo Saraiva Coelho MEIO FÍSICO: CABO FINO

Eng. Marcelo Saraiva Coelho MEIO FÍSICO: CABO GROSSO

Eng. Marcelo Saraiva Coelho MEIO FÍSICO: CABO PLANO

Eng. Marcelo Saraiva Coelho

TAXA DE DADOS125

Kbps 250Kbps

Comprimento para barramento principal com cabo grosso (“thick - trunk”) 500 m250 m100 m

Comprimento para barramento principal com cabo fino (“thin - trunk”) 100 m100 m100 m

Comprimento para barramento principal com cabo plano (“flat - trunk”) 420m 200m 75m

Comprimento máximo para 1 derivação do barramento principal (“maximum - drop”) 6 m6 m6 m

Comprimento acumulado das derivações do barramento principal (“cumulative - drop”) 156 m78 m39 m

Eng. Marcelo Saraiva Coelho TOPOLOGIA

Eng. Marcelo Saraiva Coelho MEIO FÍSICO DO DEVICENET

Eng. Marcelo Saraiva Coelho

Eng. Marcelo Saraiva Coelho

Tronco (Trunk line)O cabo principal entre os terminadores, podendo ser de cabo grosso, fino ou plano e conecta os taps ou diretamente os dispositivos

Derivação (Drop line)A derivação é feita de cabo fino ou grosso, conectando os dispositivos ao derivador (tap)

Nó / DispositivoUm dispositivo endereçável que contém um chip Devicenet Resistor de TerminaçãoResistor de 121Ω conectado somente no final do tronco (trunck)

Fonte de alimentação (powersupply) Usada para alimentar os dispositivos

Conector estilo aberto (open-style) Usado com dispositivos não expostos a ambientes agressivos

Conector estilo selado (sealed-style) Usado com dispositivos expostos a ambientes agressivos

Eng. Marcelo Saraiva Coelho

O “PowerTap”possui proteção de sobre -corrente para o cabo tipo “thick”(grosso). Com proteção a diodo é possível utilizar vários “PowerTaps”permitindo assim o uso de várias fontes de alimentação.

Eng. Marcelo Saraiva Coelho

Cabo Fino(Tronco) -3 A Cabo Grosso(Tronco) -8 A

Comprim. DropCorr.Máx

Queda de Tensão máx. -5 V 1.5 mts3.0 A 2.3 mts2.0 A 3.0 mts1.5 A 4.5 mts1.0 A 6.0 mts0.75 A

Conectores Mini -8 A Conectores Micro -3 A

Eng. Marcelo Saraiva Coelho

Quando a rede DeviceNetutiliza duas ou mais fontes, somente uma delas deve estar com o negativo aterrado em uma haste junto com o fio de dreno da rede.

Observe que neste caso as fontes de alimentação não devem ser ligadas em paralelo, interrompa o positivo, para que não exista duas fontesem um trecho .

Eng. Marcelo Saraiva Coelho

CabosCabos PrPréé-- MontadosMontados

(Parte 1 de 6)

Comentários