A Gestão Estratégica de Custos como Fator Estratégico das Pequenas Empresas

A Gestão Estratégica de Custos como Fator Estratégico das Pequenas Empresas

(Parte 1 de 2)

A Gestão Estratégica de Custos como Fator Estratégico das Pequenas Empresas

Trabalho apresentado à Disciplina Controladoria como requisito de avaliação parcial para a 2ª bimestral. Orientador: Profª Celiane Rodrigues

BELÉM – PA 2009

Sabemos que manter a competitividade de uma empresa sempre em alta é um dos grandes desafios enfrentado por todas as empresas. Devemos irmos atrás de recursos para que venha a proporcionar o desenvolvimento da sustentação da vantagem competitiva e, na atualidade, a vantagem competitiva geralmente está intimamente ligada à estruturação da cadeia de valores da empresa.

Uma ferramenta útil para sustentar a competitividade é a Gestão Estratégica de

Custos. Ela tenta compreender onde a empresa estará amanhã diante de todas as variáveis que envolvem o ambiente empresarial. Sendo assim a gestão estratégica de custos surge como uma alternativa de entender às demandas do sistema econômico com relação às variáveis vividas nos mercados buscando a melhoria continua da competitividade.

Estamos vivendo em um ambiente de constante mudança é fato que as empresas atualmente precisam estar atentas às estas mudanças. Portanto tomar a decisão certa no momento certo passa a ser algo primordial para a longevidade das empresas. Em outras palavras, as situações decisórias no âmbito profissional, podem afetar toda a empresa positivamente ou negativamente. Neste sentido tomar a decisão correta passa a ser à base de sucesso de toda a empresa.

Em virtude desta contínua mudança no mundo dos negócios, as empresas se veem obrigadas a aprimorar seus sistemas de informações gerenciais. Buscam modelos que sejam capazes de detectar falhas em seus processos de forma tal venha a otimizar seus recursos evitando distorções, retrabalhos e perda de competitividade.

A Gestão Estratégica de Custos passa a ser uma excelente alternativa a ser utilizada pelas empresas, servindo de orientadora no momento de tomada de decisão. Nessa deve-se enfatizar que sua finalidade principal é fornecer as informações de que as empresas necessitam para proporcionar valor, qualidade e oportunidade que os clientes desejam.

A Gestão Estratégica de Custos trata de uma análise vista sob um contexto mais amplo, em que os elementos estratégicos se tornam mais conscientes, explícitos e formais, a análise de custos é vista tradicionalmente como o processo de avaliação do impacto financeiro das decisões gerenciais.

O processo decisório é uma das atividades mais criticas dos lideres, principalmente nas pequenas empresas, já que envolve pressões imediatas sobre esse tomador de decisões, analisando o tipo de problema e as suas dimensões, sempre na busca de soluções alternativas.

Para que o líder de uma pequena empresa possa a vir tomar uma decisão efetiva, deve-se utilizar de dados precisos, como os aspectos financeiros, já que este é o fator primordial e que assume uma importante alternativa para a organização.

A Gestão Estretégica de Custos assume uma importância muito grande nas pequenas empresas, mas que não difere das empresas de grande porte, devido que esta assume a função básica de sistematizar e analisar os gastos, classificar e contabilizar os custos, gerando assim relatórios e informações sobre os custos de produção. Mas é necessário que este seja organizado e apropriado aos objetivos das empresas, no caso as de pequeno porte, sendo necessário que seja preciso e atualizado.

Com isso, a Gerencia destes Custos pode ser um eficiente e fundamental instrumento para poder alcançar o sucesso do empreendimento, já que este constitui um auxilio preciso e sistemático para que o líder possa tomar uma decisão condizente com a situação, levando a determinação dos custos dos produtos, avaliação dos preços desses produtos, análise da rentabilidade da empresa, avaliação de seu estoque e a determinação da estrutura de seus custos de seus custos em comparação com a de seus concorrentes, sendo assim um meio de se manter ativo no mercado, já que este é um meio seguro para produzir melhores resultados.

As entidades possuem características próprias. Desta forma, a construção de um sistema de custos exige que o profissional conheça o processo produtivo, o denominado chãode-fábrica, associado à compreensão do modelo de gestão e, consequentemente da filosofia e das políticas adotadas pela organização.

Aplicando os conceitos das Estratégias de Gerenciamento de Custos, para que a

Fábrica de Velas São João possa a se firmar no mercado, o gestor precisa fazer o levantamento de todos os custos envolvidos na produção de sua produção, os chamados Custos Diretos e os Indiretos. Para fazer isto e necessário fazer o Rateio desses custos.

Com o levantamento desses custos, foram utilizados, no estudo, os produtos, os carros-chefes da organização. Para isso, foi feito o cálculo dos custos de quatro produtos, Votiva Média, Votiva Grossa, Votiva Curta e Votiva Fina. Para isto,é necessário que faça os levantamento dos custos individualmente para facilitar o calculo.

Votiva Média Votiva Grossa Votiva Curta Votiva Fina

OS Custos Diretos são aqueles que constituem todos os elementos de custo individualizáveis com respeito ao produto (direto a ele), isto é, se identificam imediatamente com a produção dos mesmos, para produzir estes produtos foras utilizados: Parafina – Matéria-Prima

Pavio – Matéria-Prima

Embalagem;

Mão-de-Obra.

Isto é feito o levantamento de seus custos (valores) para a empresa, para assim saber o quanto disto entrará no valor de custo do produto.

Custos DiretosTipo$

Materia-Prima ParafinaR$ 6,29 PavioAlgodão (10 m)R$ 4,0

EnceradoR$ 21,0

Embalagem (1.0 unidades)Votiva MédiaR$ 30,0

Votiva GrossaR$ 62,0 Votiva CurtaR$ 32,0 Votiva FinaR$ 32,0

Mão-de-Obra (Sálario - Total da Fábrica) R$ 2.80,0 Mão-de-Obra (Em Média - 372 Horas) de 1 Hora R$ 7,53

No caso da Parafina, que é a matéria-prima deste produto, é calculado o quanto é levado em uma fornada de cada produto utilizado na pesquisa, e depois saber o quanto que cada vela utiliza dessa matéria-prima:

Produtividade por MaquinaQuantidade

Vela Votiva Média96 Vela Votiva Grossa98 Vela Votiva Curta102 Vela Votiva Fina114

ProdutoPeso por Unidade (kg)

Vela Votiva Média0,32 Vela Votiva Grossa0,45 Vela Votiva Curta0,28 Vela Votiva Fina0,25

Para os Custos Indiretos são aqueles custos que não se pode apropriar diretamente a cada tipo de bem ou função de custo no momento de sua ocorrência. Foi feito o Rateio do consumo de insumos que auxiliem na produção dessas velas como a Água, Gás e Energia Elétrica e seus respectivos valores de consumo no mês em que foi feito a análise (no caso, o mês de Março).

Custos Indiretos$ Energia, Gás, Água R$ 2.311,57

Depois de todo o Rateio e dos Cálculos foi gerado tabelas com os custos de cada vela.

VOTIVA GROSSA Custos Diretos$Custos Indiretos$

0,450 Kg de ParafinaR$ 2,83Quantidade de Matéria Consumida em 1 Mês5.986,6

1 Embalagem

(Grossa/Média)R$ 0,06Valor dos Custos IndiretosR$ 2.311,57

1 Pavio Votiva Grossa (16 cm - Algodão)R$ 0,0

Mão-de-Obra (2 horas por fornada)R$ 0,04

TOTALR$ 2,93TOTALR$ 0,02

Obs: Calculo do pavio utilizado neste produto

Pávio $ 1 Metro R$ 0,02 16 cm R$ 0,003

Custos Diretos$Custos Indiretos$

0,320 Kg de ParafinaR$ 2,01Quantidade de Matéria Consumida em 1 Mês5.986,6

1 Pavio Votiva Média (16 cm

(Parte 1 de 2)

Comentários