(Parte 1 de 4)

Laborat Laboratóó rio rio de Qu de Quíí mica mica

Orgânica Orgânica

Defini Definiçç ão Geral ão Geral

A cromatografia éum método físico-químico de separação que se fundamenta na migração diferencial dos componentes de uma mistura devido a diferentes interações entre duas fases imiscíveis: fase móvel (gás, líquido ou um fluido supercrítico)e fase estacionária (fixa, colocada em uma coluna ou numa superfície sólida).

Transporte dos componentes de Transporte dos componentes de uma amostra por uma fase m uma amostra por uma fase móó vel vel atrav atravéé s de uma fase estacion s de uma fase estacionáá ria ria

A grande variedade de combinações entre fases móveis e estacionárias a torna uma técnica extremamente versátil e de grande aplicação.

A cromatografia pode ser utilizada para a identificação de compostos, por comparação com padrões previamente existentes, para a purificação de compostos, separando-se as substâncias indesejáveis e para a separação dos componentes de uma mistura.

Histórico

1906 o botânico russo Mikhail Tswett descreveu suas experiências na separação dos componentes de extratos de folhas.

Os termos cromatograma, cromatografia, método cromatográfico aparecem em dois trabalhos descrevendo suas experiências para separar pigmentos de um extrato de folhas (clorofila e xantofila) e gemas de ovo, utilizando uma coluna de vidro empacotada com CaCO 3 finamente dividido (fase estacionária) e éter de petróleo (fase móvel). A separação dos componentes pode ser verificada por meio de faixas coloridas na coluna.

éter de petróleo

CaCO 3 mistura de pigmentos éter de petróleo

CaCO 3 mistura de pigmentos pigmentos separados pigmentos separados

Cro matografia (grego) kroma[cor] + graph [escrever]

Apesar do estudo de Tswett e de outros anteriores que poderiam ser considerados precursores do uso dessa técnica, a cromatografia foi praticamente ignorada atéa década de 30, quando foi redescoberta. A partir daí, diversos trabalhos na área possibilitaram seu aperfeiçoamento e, em conjunto com os avanços tecnológicos, levaram-na a um elevado grau de sofisticação, resultando no seu grande potencial de aplicação em várias áreas. Mikhail Semenovich

Tswett

Classifica Classificaçç ão dos M ão dos Méé todos todos cro matogr cro matográá ficos ficos

Cro matografia

Planar Coluna

Centrífuga

(Chro matotron)

Líquida GasosaCSC

Clássica CG CLAE CGAR

Segundo a forma física do sistema cromatográfico: cromatografia planar, cromatografia em coluna e centrífuga.

Segundo o modo de separação: adsorção, partição, troca iônica, exclusão ou misturas desses mecanis mos.

Exemplos de fases estacionárias

Segundo a fase estacionária utilizada: fase estacionárias sólidas, líquidas e quimicamente ligadas.

Esqueletos fósseis

(SiO2 + óxidos metálicos) de algas microscópicas

Segundo a fase móvel empregada:

Cromatografia líquida –Na cromatografia líquida clássica (CLC), a fase móvel éarrastada através da coluna apenas por força da gravidade, enquanto que na cromatografia líquida de alta eficiência (CLAE) se utilizam fases estacionárias de partículas menores, sendo necessário o uso de uma bomba de alta pressão para eluição da fase móvel.

Cromatografia gasosa-As separações podem ser obtidas por cromatografia gasosa simples (CG) e por cromatografia gasosa de alta resolução (CGAR). A diferença entre as duas reside nos tipos de colunas utilizadas. Enquanto na CGAR são utilizadas colunas capilares, nas quais a fase estacionária éum filme depositado na coluna.

Cromatografia supercrítica(CSC) -Utiliza-se um vapor pressurizado, acima da sua temperatura crítica.

Partição entre líquidos e superfície ligada

Espécies quimicamente ligadas a uma superfície sólida

Fase líquido-ligado

Partição entre fluido supercrítico e superfície ligada

Espécies orgânicas ligadas a uma superfície sólida

Fase móvel fluido supercrítico

Cromatografia com fluido supercrítico

AdsorçãoSólidoGás- sólido

Partição entre o gás e superfície ligada

Espécies ligadas a uma superfície sólida

Gás-ligadoCro matografia gasosa

Partição entre gás e líquido

Líquido adsorvido em um sólido Gás-líquido

Partição ou filtração

Liquido em interstícios de sólido polimérico ou gel polimérico

Exclusão por tamanho ou gel filtração

Troca iônicaResina de trocaiônica Troca iônica

(Parte 1 de 4)

Comentários