Tratamento de Efluentes Industriais

Tratamento de Efluentes Industriais

(Parte 1 de 5)

Tratamento de Efluentes Industriais

Prof. LuizProf. LuizAlberto Alberto Cesar Teixeira Cesar Teixeira

Departamento de Ciência do Materiais e Metalurgia Departamento de Ciência do Materiais e Metalurgia

Progr. Interdep. de Engenharia Ambiental Progr. Interdep. de Engenharia Ambiental

Revisão 01/03/2006 Revisão 01/03/2006

Indústria

Matéria Prima Matéria Prima insumos insumos

Produtos Produtos

Emissões Gasosas Emissões Gasosas

Resíduos Sólidos Resíduos Sólidos

Efluentes Líquidos Efluentes Líquidos

Energia Energia

Água Água

Produtos Químicos Produtos Químicos

Mater iais Mater iais

Diversos Diversos

Uso de Água e Geração de Efluentes na Indústria i o

Usos de Água na Indústria:

Incorporação em Produtos (Águas de Produto)

Bebidas, Alimentos Tintas Produtos Químicos em solução aquosa Medicam entos Cosméticos

Processos Fis-Qui de Produção (Águas de Processo)

Tratamento de Minérios Extração e Refino de Petróleo

Hidrom etal urgi a Eletrometalurgia

Produção e Alvejamento de Celulose Alvejamento e Tingimento Têxtil

Produção de Resinas Lavagem de Produtos

Tratamento de Superfícies Tratamento de Gases

Usos de Água na Indústria:

Veículo de Lubrificação de Equipamentos

Aquecimento (Águas de Caldeira) Resfriamento (Águas de Refrigeração)

Lavagem de pátios e Abatimento de poeira

Lavagem de frutas / hortaliças Irrigação de culturas

Água Potável

Por quê tratar efluentes antes do seu descarte em corpos receptores

Objetivo: Conservação dos ecossistemas.

Obrigação legal em todo o mundo –a eventual atitude voluntária de empresas nunca seria suficiente para assegurar o objetivo.

No Brasil e em vários países, a legislação ambiental regula o descarte de efluentes sobre corpos d’água limitando a carga poluidora lançada de acordo com o tipo de uso estabelecido para a água do corpo receptor (classe da água).

Além disso, órgãos internacionais de financiamento de empreendimentos como o Banco Mundial, adotam normas próprias de limitação de poluição causada por indústrias que tenham sua construção financiada.

Antes de iniciar qualquer projeto de tratamento de efluentes

Tomar conhecimento da legislação aplicável

Federal Estadual Municipal

Avaliar possibilidade de minimização da geração da carga poluidora -(P + L) Avaliar possibilidade do reuso da água do efluente.

Em busca da Legislação Aplicável:

ResoluçãoCONAMA 357 / 2005 -Classes de Águase Descartede Efluentes

Adobe Acrobat 7.0 Document

Cálculos básicos para projetos de ETEs

Calculara Cargapoluidoramáximade cromosuportávelporum riode Classe2 e vazãode referência: Q M

= 10’0 m3 /h.

Um riode vazãode referênciaQ M = 50 L/s, queéclassificadoparausode Classe2 em um determinadotrechode 100 km, jáapresentacontaminaçãoporCN iguala [CN] = 0.0009 mg/L. Uma fábrica que está solicit ando licença prévia para futura operação na regiãocom descartede efluentecontendoCN nestemesmorio, prevêemprojeto, o descartede Qe= 500 m 3 /h de efluentecontendoCN com concentraçãodentrodo padrãode lançamentode efluentes, ousejamenorouiguala 0.2 mg/L. Calcularse (e emquecondições) essaoperaçãopoderávira ser licenciadade acordocom a Resolução C ONAMA 357/05.

Cálculos básicos para projetos de ETEs

Umaindústriageraum efluentelíquidodecorrentede um banhoesgotadode decapagemde latões, de volume = 10 m 3 , umavezaodia. Esseefluenteserá tratadoe desaguadoemum córregode Classe2 quetem vazãode referênciaQ =

(Parte 1 de 5)

Comentários