(Parte 1 de 2)

TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL E CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS

GERONET SERVICES

As melhores apostilas, cursos, e-books,

manuais e tutoriais via e-mail da internet.

Visite: http://www.geronetservices.com

4 - ALVENARIA

APÓS ESTUDAR ESTE CAPÍTULO; VOCÊ DEVERÁ SER CAPAZ DE:

  • Escolher a alvenaria adequada;

  • Orientar a elevação das paredes (primeira fiada, cantos, prumo, nível);

  • Especificar o tipo de argamassa de assentamento;

  • Especificar e conhecer o tipo de amarração;

  • Especificar os tipos de reforços nos vãos das alvenarias.

  • Executar corretamente os muros de fechamento de divisas.

Alvenaria, pelo dicionário da língua portuguesa, é a arte ou ofício de pedreiro ou alvanel, ou ainda, obra composta de pedras naturais ou artificiais, ligadas ou não por argamassa.

Modernamente se entende por alvenaria, um conjunto coeso e rígido, de tijolos ou blocos (elementos de alvenaria) unidos entre si por argamassa.

A alvenaria pode ser empregada na confecção de diversos elementos construtivos (paredes, abóbadas, sapatas, etc...) e pode ter função estrutural, de vedação etc...Quando a alvenaria é empregada na construção para resistir cargas, ela é chamada Alvenaria resistente, pois além do seu peso próprio, ela suporta cargas (peso das lajes, telhados, pavim. superior, etc...)

Quando a alvenaria não é dimensionada para resistir cargas verticais além de seu peso próprio é denominada Alvenaria de vedação. As paredes utilizadas como elemento de vedação devem possuir características técnicas que são:

  • Resistência mecânica

  • Isolamento térmico e acústico

  • Resistência ao fogo

  • Estanqueidade

  • Durabilidade

As alvenarias de tijolos e blocos cerâmicos ou de concreto, são as mais utilizadas, mas existe investimentos crescentes no desenvolvimento de tecnologias para industrialização de sistemas construtivos aplicando materiais diversos. No entanto neste capítulo iremos abordar os elementos de alvenaria tradicionais.

4.1 - ELEMENTO DE ALVENARIA

Produto industrializado, de formato paralelepipedal, para compor uma alvenaria, podendo ser:

4.1.1 - Tijolos de barro cozido

a - Tijolo comum (maciço, caipira)

São blocos de barro comum, moldados com arestas vivas e retilíneas (Figura 4.1), obtidos após a queima das peças em fornos contínuos ou periódicos com temperaturas das ordem de 900 a 1000°C.

* dimensões mais comuns: 21x10x5

* peso: 2,50kg

* resistência do tijolo: 20kgf/cm²

* quantidades por m²:

parede de 1/2 tijolo: 77un

parede de 1 tijolo: 148un

Figura 4.1 - Tijolo comum

b - Tijolo furado (baiano)

Tijolo cerâmico vazado, moldados com arestas vivas retilíneas. São produzidos a partir da cerâmica vermelha, tendo a sua conformação obtida através de extrusão.

* dimensões: 9x19x19cm

* quantidade por m²:

parede de 1/2 tijolo: 22un

parede de 1 tijolo: 42un

* peso @ 3,0kg

* resistência do tijolo @ espelho: 30kgf/cm² e um tijolo: 10kgf/cm²

* resistência da parede @ 45kgf/cm²

A seção transversal destes tijolos é variável, existindo tijolos com furos cilíndricos (Figura 4.2) e com furos prismáticos (Figura 4.3).

No assentamento, em ambos os casos, os furos dos tijolos estão dispostos paralelamente à superfície de assentamento o que ocasiona uma diminuição da resistência dos painéis de alvenaria.

As faces do tijolo sofrem um processo de vitrificação, que compromete a aderência com as argamassas de assentamento e revestimento, por este motivo são constituídas por ranhuras e saliências, que aumentam a aderência.

Figura 4.2 - Tijolo com furo cilíndrico

Figura 4.3 - Tijolo com furo prismático

c - Tijolo laminado (21 furos)

Tijolo cerâmico utilizado para executar paredes de tijolos à vista (Figura 4.4). O processo de fabricação é semelhante ao do tijolo furado.

* dimensões: 23x11x5,5cm

* quantidade por m²:

parede de 1/2 tijolo: 70un

parede de 1 tijolo: 140un

* peso aproximado @ 2,70kg

* resistência do tijolo @ 35kgf/cm²

* resistência da parede: 200 a 260kgf/cm²

Figura 4.4 - Tijolo laminado

A tabela 4.1 determina as dimensões normalizadas para os elementos cerâmicos existentes comercialmente.

Tabela 4.1 - Dimensões normalizadas dos elementos cerâmicos

Tabela NBR - Dimensões nominais de blocos de vedação e estruturais, comuns e especiais

Tipo(A)

Dimensões nominais (mm)

L x H x C (cm)

Largura (L)

Altura(H)

Comprimento(C)

10 x 20 x 20

90

190

190

10 x 20 x 25

90

190

240

10 x 20 x 30

90

190

290

10 x 20 x 40

90

190

390

12,5 x 20 x 20

115

190

190

12,5 x 20 x 25

115

190

240

12,5 x 20 x 30

115

190

290

12,5 x 20 x 40

115

190

390

15 x 20 x 20

140

190

190

15 x 20 x 25

140

190

240

15 x 20 x 30

140

190

290

15 x 20 x 40

140

190

390

20 x 20 x 20

190

190

190

20 x 20 x 25

190

190

240

20 x 20 x 30

190

190

290

20 x 20 x 40

190

190

390

Medidas especiais

Dimensões nominais (mm)

L x H x C (cm)

Largura (L)

Altura(H)

Comprimento(C)

10 x 10 x 20

90

90

190

10 x 15 x 20

90

140

190

10 x 15 x 25

90

140

240

12,5 x 15 x 25

115

140

240

4.1.2 - Tijolos de solo cimento

Material obtido pela mistura de solo arenoso - 50 a 80% do próprio terreno onde se processa a construção, cimento Portland de 4 a 10%, e água, prensados mecanicamente ou manualmente. São assentados por argamassa mista de cimento, cal e areia no traço 1:2:8 (Figura4.5) ou por meio de cola (Figura 4.6).

* dimensões: 20x10x4,5cm

* quantidade: a mesma do tijolo maciço de barro cozido

* resistência a compressão: 30kgf/cm²

Figura 4.5 - Tijolo de solo cimento comum

Figura 4.6 - Tijolo de solo cimento assentado com cola

4.1.3 - Blocos de concreto

Peças regulares e retangulares, fabricadas com cimento, areia, pedrisco, pó de pedra e água (Figura 4.7; 4.8). O equipamento para a execução dos blocos é a presa hidráulica. O bloco é obtido através da dosagem racional dos componentes, e dependendo do equipamento é possível obter peças de grande regularidade e com faces e arestas de bom acabamento. Em relação ao acabamento os blocas de concreto podem ser para revestimento (mais rústico) ou aparentes.

Figura 4.7 - Bloco de concreto

A Tabela 4.2 determina as dimensões nominais dos blocos de concreto mais utilizados.

Tabela 4.2 - Dimensões nominais dos blocos de concreto

dimensões

a

b

c

peso

a

b

c

peso

*:

09

x

19

x

39

10kg

09

x

19

x

19

4,8kg

11

x

19

x

39

10,7kg

1/2 tijolo

14

x

19

x

19

6,7kg

14

x

19

x

39

13,6kg

19

x

19

x

19

8,7kg

19

x

19

x

39

15,5kg

* quantidade de blocos por m² : 12,5un

* resistência do bloco: deve-se consultar o fabricante

Figura 4.8 - Bloco canaleta

Bloco Canaleta : 14 x 19 x 39 = 13,50 kg

19 x 19 x 39 = 18,10 kg

4.2 – ELEVAÇÃO DA ALVENARIA:

4.2.1 - Paredes de tijolos maciços

Depois de, no mínimo, um dia da impermeabilização, serão erguidas as paredes conforme o projeto de arquitetura. O serviço é iniciado pêlos cantos (Figura 4.9) após o destacamento das paredes (assentamento da primeira fiada), obedecendo o prumo de pedreiro para o alinhamento vertical (Figura 4.10) e o escantilhão no sentido horizontal (Figura 4.9).

Os cantos são levantados primeiro porque, desta forma, o restante da parede será erguida sem preocupações de prumo e horizontalidade, pois estica-se uma linha entre os dois cantos já levantados, fiada por fiada.

A argamassa de assentamento utilizada é de cimento, cal e areia no traço 1:2:8.

Figura 4.9 - Detalhe do nivelamento da elevação da alvenaria

Figura 4.10 - Detalhe do prumo das alvenarias

Podemos ver nos desenhos (Figura 4.11; 4.12; 4.13) a maneira mais prática de executarmos a elevação da alvenaria, verificando o nível e o prumo.

1o – Colocada a linha, a argamassa e disposta sobre a fiada anterior, conforme a Figura 4.11.

Figura 4.11 - Colocação da argamassa de assentamento

2o - Sobre a argamassa o tijolo e assentado com a face rente à linha, batendo e acertando com a colher conforme Figura 4.12.

Figura 4.12 - Assentamento do tijolo

3o - A sobra de argamassa é retirada com a colher, conforme Figura 4.13.

Figura 4.13 - Retirada do excesso de argamassa

Mesmo sendo os tijolos da mesma olaria, nota-se certa diferença de medidas, por este motivo, somente uma das faces da parede pode ser aparelhada, sendo a mesma à externa por motivos estéticos e mesmo porque os andaimes são montados por este lado fazendo com que o pedreiro trabalhe aparelhando esta face.

Quando as paredes atingirem a altura de 1,5m aproximadamente, deve-se providenciar o primeiro plano de andaimes, o segundo plano será na altura da laje, se for sobrado, e o terceiro 1,5m acima da laje e assim sucessivamente.

Os andaimes são executados com tábuas de 1"x12" (2,5x30cm) utilizando os mesmos pontaletes de marcação da obra ou com andaimes metálicos.

No caso de andaimes utilizando pontaletes de madeira as tábuas devem ser pregadas para maior segurança do usuários.

4.2.1.a - Amarração dos tijolos maciços

Os elementos de alvenaria devem ser assentados com as juntas desencontradas, para garantir uma maior resistência e estabilidade dos painéis (Figuras4.14; 4.15; 4.16). Podendo ser:

a - Ajuste comum ou corrente, é o sistema mais utilizado (Figura 4.14)

Figura 4.14 - Ajuste corrente (comum)

b - Ajuste Francês também comumente utilizado (Figura 4.15)

Figura 4.15 - Ajuste Francês

c - Ajuste Inglês, de difícil execução pode ser utilizado em alvenaria de tijolo aparente (Figura 4.16).

Figura 4.16 - Ajuste Inglês ou gótico

4.2.1.b - Formação dos cantos de paredes

É de grande importância que os cantos sejam executados corretamente, pois como já visto, as paredes iniciam-se pêlos cantos. Nas Figuras 4.17; 4.18; 4.19; 4.20 e 4.21 mostram a execução de diversos cantos de parede nas diversas modalidades de ajustes.

Figura 4.17 - Canto em parede de meio tijolo no ajuste comum

Figura 4.18 - Canto em parede de um tijolo no ajuste francês

Figura 4.19 - Canto em parede de um tijolo no ajuste comum

Figura 4.20 - Canto em parede de espelho

Figura 4.21 - Canto em parede externa de um tijolo com parede interna de meio tijolo no ajuste francês

4.2.1.c - Pilares de tijolos maciços

São utilizados em locais onde a carga é pequena (varandas, muros etc...). Podem ser executados somente de alvenaria ou e alvenaria e o centro preenchido por concreto (Figura 4.22)

Figura 4.22 - Exemplo depilares de alvenaria

4.2.1.d - Empilhamento de tijolos maciços

Para conferir na obra a quantidade de tijolos maciços recebidos, é comum empilhar os tijolos de maneira como mostra a Figura 4.23. São 15 camadas, contendo cada 16 tijolos, resultando 240. Como coroamento, arrumam-se mais 10 tijolos, perfazendo uma pilha de 250 tijolos. Costuma-se, também, pintar ou borrifar com água de cal as pilhas, após cada descarga do caminhão, para não haver confusão com as pilhas anteriores.

Figura 4.23 - Empilhamento do tijolo maciço

4.2.1.e - Cortes em tijolos maciços

O tijolo maciço permite que seja dividido em diversos tamanhos, o que facilita no momento da execução. Podemos dividi-lo pela metade ou em 1/4 e 3/4 de acordo com a necessidade (Figura 4.24).

Figura 4.24 - Corte do tijolo maciço

4.2.2 - Paredes com bloco de concreto

São paredes executadas com blocos de concreto vibrado. Com o desenvolvimento dos artigos pré-moldados, se estendem rapidamente em nossas obras.

O processo de assentamento é semelhante ao já descrito para a alvenaria de tijolos maciços. As paredes iniciam-se pêlos cantos utilizando o escantilhão para o nível da fiada e o prumo.

(Parte 1 de 2)

Comentários