Conforto comportamental

Conforto comportamental

(Parte 1 de 2)

Núbia Bernardi (1); Doris C. C. K. Kowaltowski (2).

(1) Mestre UNICAMP, Faculdade de Engenharia Civil, Departamento de Arquitetura e Construção

R. Padre Vieira 1235/5- Cambuí-Campinas-SP.Cep: 13015-301,

Tel:(19) 3231-9421, e-mail : nubia@zaz.com.br (2) PhD, Professora UNICAMP, Fac. de Engenharia Civil, Departamento de Arquitetura e Construção. Tel (19) 3788-2390, e-mail: doris@fec.unicamp.br

O objeto desta pesquisa recai sobre o comportamento de indivíduos no ambiente escolar, detectando as suas reações e participações em relação ao conforto ambiental nos seus aspectos térmicos, lumínicos, sonoros e funcionais. A metodologia adotada utilizou a observação em campo com o mapeamento das interferências do usuário, medições técnicas de níveis de conforto ambiental e a aplicação de questionários. A pesquisa observou poucas ações dos usuários a favor do próprio conforto. As interferências observadas ocorrem após uma situação de estímulo. Destaca-se a necessidade de conscientização do usuário no controle do ambiente e conforto. A satisfação individual e coletiva no arranjo do ambiente e o papel participativo de controle do conforto deve ser abordado através do preparo pedagógico na própria escola.

The purpose of this research is the investigation of behavior, reactions and participation of users, in a school environment, in relation to environmental comfort conditions (thermal, illumination, acoustics and functionality). The methodology adopted was: field observations of technical aspects and user interferences, technical measurements of levels of environmental comfort and applications of questionnaires. Results showed few interferences by users in favor of their own comfort. Some actions occurred after situations of stimuli. There is a need for increased awareness of users and their role in environmental control. This role and the individual and collective satisfaction with the built environment should also be part of school curriculi to create interest and awareness.

A formação educacional de um indivíduo está relacionada com uma rede complexa de fatores sociais, econômicos, pedagógicos e ambientais que, juntos, deverão interferir e complementar-se para a obtenção de resultados positivos que contribuam para o desenvolvimento deste indivíduo e, por conseguinte, da sociedade, em atividades mútuas e cooperativas. Sabemos que a importância do fator educacional revela-se primordial desde as primeiras atitudes da criança no convívio com a família. Em pouco tempo este convívio estende-se para o ambiente escolar, onde novas formas de aprendizado e de vida comunitária lhe serão revelados.

A configuração física do ambiente escolar e a adaptação do estudante a este meio exercem grande predominância na evolução do aprendizado. O espaço da escola, embora sujeito a normas, deve oferecer segurança, acessibilidade e conforto aos seus usuários. Tais condições de conforto no ambiente afetam diretamente os usuários tanto no aspecto fisiológico como psicológico e, conseqüentemente o desempenho das atividades. Devem ser considerados problemas de conforto aqueles relacionados à funcionalidade, ambiente térmico, iluminação e acústica.

Condições desfavoráveis de conforto em escolas, como temperaturas elevadas, ruído excessivo, iluminação inadequada, densidade excessiva na sala de aula, equipamentos inadequados à faixa etária atendida podem influenciar negativamente no desempenho escolar dos alunos, causando distúrbios de saúde (KOWALTOWSKI et al,1997). Um estudo de caso (ARAÚJO, 1999), demonstrou através da avaliação aplicada em dois dias de estações climáticas opostas que o desempenho insatisfatório do conforto térmico alterou a percepção do usuário sobre os demais itens avaliados (acústico, lumínico e ergonômico).

Na literatura nacional estudos demonstram que a maioria das edificações escolares apresenta condições ambientais aquém das desejadas. As principais falhas dizem respeito às condições de conforto térmico e à funcionalidade (ORNSTEIN e BORELLI, 1995). Situações de desconforto, causadas seja por temperaturas extremas, falta de ventilação adequada, umidade excessiva combinada com temperaturas elevadas, radiação térmica devida a superfícies aquecidas, podem ser prejudiciais.

A maioria das escolas é considerada quente no verão, resultado que está intimamente relacionado com a orientação das aberturas e a inadequação dos elementos de proteção solar, gerando insolação excessiva. O conforto visual necessita de uma iluminação adequada para a orientação espacial, manutenção da segurança física e reconhecimento das atividades. A acústica inadequada nas escolas é devida a problemas de ruído de impacto, vozes, reverberação, além de ruídos externos. A lotação excessiva das salas também pode criar problemas acústicos negativos para o ambiente escolar e a funcionalidade tem reflexos na produtividade dos usuários, uma vez que o arranjo físico e a ergonometria dos equipamentos pode interferir no desempenho das atividades (KOWALTOWSKI et al,1997).

Outros componentes que determinam o conforto ambiental são o projeto da edificação e de cada ambiente interno, a atividade exercida pelos usuários no local, a lotação do ambiente, o vestuário usado pelos ocupantes e, por fim, o comportamento dos indivíduos, que vai influir no ajuste do próprio conforto.

O ambiente físico e social é fértil em possibilidades de transformações, de estímulos, instruindo o homem a ter uma convivência de constantes trocas de informações, ações e reações, e que vai originar o comportamento social, pois tanto o homem exerce suas influências sobre o meio, como este mesmo meio irá exercer fortes influências sobre ele. Os conceitos de “environmental numbness” x “environmental awareness” foram criados para demonstrar as possíveis reações dos usuários com estes ambientes. “Environmental numbness”, ou a apatia causada pelo ambiente físico, causa uma espécie de paralisação no indivíduo onde o usuário raramente exerce alguma atitude em relação às situações desagradáveis; mesmo insatisfeito não considera modificações para o uso adequado e possíveis rearranjos (GIFFORD,1976).

No “environmental awareness”, ou a percepção ativa do ambiente físico, ocorre o oposto. O ambiente possui atrativos e configurações próprias para a sua manipulação, evoca a percepção do usuário considerando a importância de sua participação para o eficiente funcionamento do espaço seja em suas características de funcionalidade, adequação dos indivíduos no local, conforto ambiental e potencialidade dos elementos arquitetônicos, gerando um comprometimento entre usuário e ambiente. O conceito de consciência (“awareness”) da possibilidade de interferência é precursor da ação ambiental do indivíduo, solucionando problemas em relação ao ambiente no qual ele insere os seus conhecimentos, experiências e as próprias emoções, procurando humanizar o espaço ocupado. (SOMMER, 1972). Para Hall (1977) a percepção do espaço é dinâmica, relacionando-se com a ação num dado espaço, em vez de relacionar-se com apenas a visão através da observação passiva. Com isso, coloca o senso espacial do homem em diferentes situações, nas quais este demonstra graduadas reações e personalidades, que abrangem a esfera íntima, pessoal, social e pública.

A questão da participação do usuário em atingir um nível de conforto térmico esperado foi destacada por Hawkes (1997). Hawkes descreve duas situações de controle no ambiente construído: o exclusivo e o seletivo. A função do usuário no controle ambiental é visto como essencial no controle seletivo. O modo seletivo define a necessidade e a função dos usuários da edificação em sua participação ativa no processo ambiental, já que construções com controle mecânico automático têm causado grande insatisfação. A manipulação dos controles oferece uma resposta clara ao clima externo e também permite antecipar os efeitos da condição climática antes que esta se manifeste no interior do ambiente. O trabalho sugere que o fenômeno ao qual denominamos conforto assume uma dimensão espacial e temporal.

A integração do usuário com o ambiente deve gerar atitudes no próprio indivíduo que, ao modificar o espaço físico que ele utiliza, pode melhorar as condições de conforto. Além de interferir no ambiente físico o usuário também exerce controle sobre as condições individuais relacionadas à atividade, vestimenta e posicionamento no ambiente.

Entendendo que o conforto ambiental deve resultar da parceria dos elementos que compõem o entorno, do projeto arquitetônico e do comportamento dos usuários, este trabalho propôs o estudo da relação comportamento humano/conforto ambiental, observando-se as atitudes e comportamentos que envolvem os questionamentos relacionados com as atitudes dos usuários em relação ao ambiente; a avaliação do nível de conforto existente; a reação do indivíduo em confronto com as situações desfavoráveis de conforto; a interferência do usuário com o espaço por ele ocupado; a percepção dos elementos que permitem mobilidade física, a influência do detalhamento dos elementos do ambiente e os níveis de interferência do usuário; o registro da atitude participativa através da existência de sugestões, reclamações e níveis de satisfação.

2. OBJETIVOS E JUSTIFICATIVAS

A pesquisa teve por objetivo a observação do comportamento do usuário de ambiente escolar relativo ao conforto ambiental e abordou os seguintes aspectos:

1. Observação das interferências do usuário no ambiente que ele utiliza; quais as atitudes que demostram a reação dos indivíduos em relação ao projeto; como o ambiente é assimilado pelos ocupantes quanto à organização espacial; quais as iniciativas pessoais que revelam a vontade do usuário em evitar o desconforto; o que acarreta atitudes ativas ou passivas do usuário em relação ao ambiente.

2. Incentivo às reações dos ocupantes para a obtenção de melhores resultados frente ao conforto ambiental, evitando atitudes passivas ou de meros espectadores.

3. Avaliação dos aspectos relacionados ao conforto ambiental e a importância da interferência do usuário para a modificação destes aspectos.

4. Contribuição e recomendações para o entendimento das relações que envolvem o complexo clima/ ambiente /conforto /usuário /comportamento, objetivando a melhoria do conforto dos indivíduos neste ambiente de atividades.

3. MATERIAIS E MÉTODOS

A metodologia e os materiais adotados foram escolhidos para uma pesquisa de observações comportamentais e medições técnicas de conforto ambiental.

3.1.Materiais:

Foram usados como base de caracterização das escolas públicas da região de Campinas os dados da pesquisa: “Melhorias do Conforto Ambiental em Edificações Escolares Municipais de Campinas, SP” (KOWALTOWSKI et al, 1997). As medições técnicas foram efetuadas com os equipamentos específicos para as avaliações do conforto térmico, lumínico, acústico e funcional. As avaliações técnicas foram registradas em um relatório de observações ao qual denominamos Planilha Técnica de Avaliação que teve por objetivo o entendimento dos aspectos arquitetônicos.

Foram aplicados três tipos de questionários específicos: alunos, professores e diretor. Também foi identificado o tipo de vestimenta usada pelos alunos durante a aula como fator de influência nas condições de conforto. Foi dividido em vestimenta leve, mediana, pesada e diferenciada (este último refere-se ao fato de que, no Brasil principalmente, as pessoas tendem a misturar uma vestimenta leve com uma pesada surgindo daí um outro tipo de vestimenta)

As observações das interferências dos alunos referente ao conforto ambiental em sala de aula foram registradas em uma planilha específica onde foi realizado o mapeamento das atividades dos alunos. A tabela 3.1. divide as ações relativas aos aspectos de conforto para dar destaque às interferências mais eficientes. As figuras desta tabela foram representadas através de uma simbologia (fig.3.1.) cujo objetivo foi criar uma linguagem rápida para a identificação das atitudes dos usuários dentro da sala.

Figura 3.1. Simbologia dos comportamentos para o registro das interferências dos alunos em relação ao conforto.

Tabela 3.1. Descrição da simbologia.

FiguraTipo de interferência no ajuste do Conforto Ambiental 1 a 4Térmico e sonoro 5 e 6Térmico e lumínico 7 e 8Lumínico 9,10,16,17,18 Térmico 1 e 19Funcionalidade 20,23 e 24Circulação 12 a 15; 21 e 22Disciplina

3.2.Métodos:

As medições técnicas, observações técnicas, aplicações de questionários e observações do comportamento dos alunos referente ao conforto ambiental foram realizadas em duas escolas estaduais da região de Campinas: Escola A (nos dias 24, 25, 26 e 30/10/0) e Escola B (20,21,2 e 23/1/0). A metodologia foi enquadrada em quatro dias com objetivos específicos:

• 1° Dia : no primeiro dia procurou-se observar o comportamento dos alunos na sua condição habitual de funcionamento.

• 2° Dia : foram efetuadas as medições e observações técnicas e observado o comportamento dos alunos no mesmo modo do primeiro dia.

• 3° Dia : foram introduzidas modificações no ambiente, tais como fechar janelas, e cortinas e modificado o arranjo do mobiliário.

• 4°Dia : foram aplicados os questionários e efetuadas outras observações.

A Escola A está inserida em um bairro com edificações residenciais, comerciais e instituições públicas. O prédio possui 1 (onze) salas de aula distribuídas em dois pavimentos. O corredor central estreito interfere na possibilidade do conforto térmico e acústico das salas de aula, dificultando a ventilação cruzada e a privacidade das atividades de cada sala. A figura 4.1 mostra a vista frontal e a planta baixa da escola.

Fig. 4.1. Vista Frontal da Escola A e Planta dos Pav. Inferior e Superior (s/esc)

As salas de aula têm capacidade para 35 (trinta e cinco) alunos. O funcionamento dos períodos da escola é diurno e vespertino. Alguns ambientes possuem dimensões insuficientes para o total de lotação requerido, como o refeitório, mas possui pátios coberto e descoberto em tamanho suficiente. A escola possui também um bom estado de conservação quanto à limpeza, pintura dos elementos construtivos, caixilhos e vidros. A sala de aula onde foi realizado o teste abriga alunos da 2ª série do ensino fundamental com idades entre 08 e 11anos, possui uma capacidade máxima de 35 alunos. Construída em alvenaria cerâmica com pintura interna na cor creme, forro em laje na cor branca e piso em taco de madeira. Possui amplas janelas em modelo basculante com visão para o galpão externo, embora este somente seja visto com o usuário (aluno) em pé devido à altura do peitoril. O acesso à sala é feito através de um corredor de circulação central.

A Escola B localiza-se em bairro residencial. O prédio possui apenas 04 (quatro) salas de aula, dividido em dois pavimentos, com capacidade para 30 (trinta) alunos. O acesso às salas de aula é feito através de um corredor lateral cuja ventilação e iluminação provém de elementos vazados como fechamento desta área de circulação e uma escada para o acesso ao pavimento superior. Esta distribuição permite uma mesma orientação solar para todas as salas e a possibilidade de uma mínima ventilação cruzada com as portas mantidas abertas. Externamente os tijolos e a estrutura em concreto são aparentes. A figura 4.2. apresenta a vista frontal e a planta baixa da escola.

Fig. 4.2. Vista Frontal da Escola B e Planta Baixa dos Pav. Inferior e Superior (s/esc).

A escola funciona em dois turnos, no período diurno e vespertino. O pátio coberto apresenta dimensões insuficientes para atender a demanda do local, mas as áreas externas para atividades recreativas têm dimensões bastante generosas. A sala de aula onde foi realizado o teste abriga 32 alunos da 2ª série do ensino fundamental com faixa etária entre 08 e 10 anos. Apresenta pintura interna nas cores brancas e creme, forro em laje na cor branca e piso cimentado na cor cinza. A vista do ambiente externo é pequena devido à altura do peitoril, ao tipo de vidro, modelo basculante, e à presença de “brises” externos de proteção contra a insolação excessiva.

A tabela 4.1. apresenta os níveis de conforto ambiental obtidos através das medições técnicas nas duas escolas durante o período de observações:

Tab. 4.1. Níveis de Conforto Ambiental encontrados nas Escolas A e B.

Medições TécnicasEscola AEscola B

Temp. bulbo seco29,6° C29,2° C Velocidade do ar0,1 (min) e 0,2 (máx) m/s0,1 (min) e 1,9 (máx) m/s Nível de Iluminação Média1094,4 lux353,4 lux Intensidade Sonora65 dB (min) e 75 dB (máx)62,5 dB (min) e 64,9 dB máx) Vestimenta88% leve e 12% mediana84% leve e 16% mediana Configuração da sala de aulaTradicionalTradicional

Foi criada uma tabela (Tab.4.2) de resultados do registro das observações do comportamento dos alunos.

Tabela 4.2. Resultados das Interferências dos Alunos nas Escolas A e B.

(Parte 1 de 2)

Comentários