Dispersão e controle de poluentes na atmosfera

Dispersão e controle de poluentes na atmosfera

(Parte 1 de 4)

“Julio de Mesquita Filho”

Campus Experimental de Sorocaba unesp unespunesp unesp

Prof. Dr. AndréHenrique Rosa

Qualidade, dispersão e controle de poluentes na atmosfera

“Julio de Mesquita Filho”

Campus Experimental de Sorocaba unesp unespunesp unesp

Meteorologia e Dispersão de Poluentes na Atmosfera

A Meteorologia pode ser entendida como a ciência que estuda os fenômenos atmosféricos que se manifestam e ocorrem na natureza.

condições meteorológicas estabelecem uma relação entre a fonte de poluição e o receptor, tendo como referência o transporte e a dispersão dos poluentes .

Dispersãodos poluentes depende:

• condições meteorológicas;

•parâmetros e condições da emissãona fonte, como velocidade e temperatura dos gases, vazão etc. ROSA, A.H.

“Julio de Mesquita Filho”

Campus Experimental de Sorocaba unesp unespunesp unesp

Perfil térmico da atmosferatem relação direta com a capacidade de dispersão de poluentespor mistura vertical.

Gradiente adiabático de temperatura: decréscimo da temperatura com a altitude, em um valor correspondente a aproximadamente 1o Cpara cada 100 m de acréscimo de altitude.

“Julio de Mesquita Filho”

Campus Experimental de Sorocaba unesp unespunesp unesp

O gradiente de temperatura adiabático serve como fronteira entre o ar estável (semmistura)e o ar instável(com mistura). ROSA, A.H.

Temperatur a diminui mais rápidoquea adiabática

Temperatur a decresce mais lentamente que a adiabática

Casoextremo: temperatura aumentacom a altitude

“Julio de Mesquita Filho”

Campus Experimental de Sorocaba unesp unespunesp unesp

Processos de Dispersão

Os poluentes lançados continuamente por uma fonte irão se dispersar, resultando na formação de uma pluma.

Estudar o comportamento da pluma significa estudar como o meio transporta e dispersa os poluentes.

A forma da plumade poluentes emitidos pode ser classificada de acordo com o perfil de temperatura da atmosfera.

-Ilustração das possibilidades de desenvolvimento de pluma em função do gradiente térmico da atmosfera, desprezando os seguintes efeitos: diferença de densidade entre os poluentes e o ar, velocidade de saída dos poluentes e sedimentação dos poluentes: ROSA, A.H.

“Julio de Mesquita Filho”

Campus Experimental de Sorocaba unesp unespunesp unesp

Looping -Ocorre em que o perfil térmico ésuperadiabático

(Temperatura diminui mais rápido quea adiabática);

-Acontece durante dias de céu claro com poucas nuvens e muita insolação;

-A turbulência de origem térmica provoca grandes turbilhões que dispersam rapidamente a nuvem de poluição.

“Julio de Mesquita Filho”

Campus Experimental de Sorocaba unesp unespunesp unesp

Coning -Ocorre em que o perfil térmico ésubadiabático

(Temperatura aumenta mais rápido quea adiabática);

-Forma cônica; -Dispersão menordo que da pluma em looping;

-Ocorre em dias nublados e com ventos moderados.

“Julio de Mesquita Filho”

Campus Experimental de Sorocaba unesp unespunesp unesp

Fanning

-Ocorre quando toda a massa de poluentes estácontida em uma camada onde ocorre aumento da temperatura com a altitude;

-A mistura vertical quase inexisteem decorrência da estabilidade do ar;

-A mistura horizontal étambém muito baixapor causa da falta de ventos.

“Julio de Mesquita Filho”

Campus Experimental de Sorocaba unesp unespunesp unesp

Fumigation

(Parte 1 de 4)

Comentários