Natação - ensine a nadar

Natação - ensine a nadar

(Parte 4 de 5)

Este trabalho é muito importante, pois dará ao aluno noção da flutuação totalmente imerso no meio líquido.

Utilize atividades baseadas no trabalho da respiração então, vamos ver alguns exemplos.

1) Dentro da piscina, prender o ar e tentar flutuar, colocando o corpo dentro da água. 2) Inspirar, prender o ar afundando, tentar ficar de cócoras dentro da água.

3) Instrua os alunos para que inspirem o ar, afundem aos poucos, tentando flutuar (pergunte o que aconteceu). 4) Diga aos alunos para inspirarem, prenderem o ar, afundarem e soltarem todo o ar, permanecendo um pouco imerso, (pergunte o que aconteceu).

Compreendida a flutuação numa piscina onde todos possam tornar pé, veja o que se pode fazer em uma piscina funda.

Todas as atividades introduzidas para as piscinas rasas, podem ser aplicadas para piscina funda, mas sempre observando e respeitando as individualidades.

Antes de passarmos para uma nova fase do "Ensino do Nadar", devemos atentar para o seguinte:

Se alguns alunos apresentarem atividades ou progresso não solicitados nas diversas etapas do ensino de nadar, valorize-as utilizando as novas atividades apresentadas pelo aluno como sugestão aos outros.

Você estará valorizando e despertando a criatividade dos alunos.

Dando continuidade ao "Ensino de Nadar", passaremos a propulsão.

Esta etapa da aprendizagem deve ser iniciada com noções de deslocamento, visto que a propulsão é o ato de se mover no meio líquido com seus próprios recursos.

As etapas de locomoção no meio líquido, devem segui}-com as outras uma progressão em dificuldade, possibilitando ao aprendiz uma continuidade sem quebra do ritmo e da motivação.

Nosso trabalho deve ser apoiado nas fases anteriores, vejamos o que podemos introduzir:

Ao introduzirmos atividades para o deslise, devemos dar noções de como os alunos irão se deslocar dentro da água.

- Instrua os alunos para que fiquem flutuando na horizontal em decúbito ventral, um companheiro o empurrará para frente ou para trás segurando nos pés;

- Oriente os alunos para que se impulsionem na borda com os pés e deslizem o corpo bem estendido na horizontal, cabeça dentro da água;

- Em decúbito dorsal, segurando as mãos do companheiro que o transportará pela piscina;

- Após os alunos terem tido uma noção de deslise, você vai iniciar com a propulsão das pernas;

Primeiramente procure mostrar de forma simples como deve ser o batimento dos pés (eles não devem sair muito da água e as pernas devem flexionar-se naturalmente).

Lembre-se que os movimentos são alternados, as per nas devem estar semi-flexionadas, com as pontas dos pés voltadas para dentro.

Ao iniciar esta fase, os seus alunos já devem estar se sentindo livres dentro da água, caso alguns deles não estejam, não se preocupe, pois isto é natural. Logo eles estarão como os outros, o importante é você não deixar de incentivá-los.

A partir desta fase, daremos atividades sem discriminar a profundidade da piscina em função da necessidade de mostrar aos alunos a importância da confiança no meio líquido.

- Segurando na borda, instrua os alunos para baterem os pés naturalmente. - Segurando na borda, realizar batimento dos pés lentamente.

- Segurando na borda, executar movimento dos pés na vertical. - Segurando na borda, realizar movimento dos pés rapidamente.

- Segurando numa pranchinha, progredir batendo os pés até o meio da piscina.

- Segurando na pranchinha, realizar movimentos dos pés, com respiração lateral.

Observação:- É aconselhável após cada atividade, introduzir exercícios de respirar para relaxamento e recuperação das energias.

- Em decúbito dorsal, bater os pés naturalmente. - Em decúbito lateral, realizar movimento dos pés naturalmente.

- O próximo passo, é a propulsão dos braços, que nada mais é do que o movimento executado para movimentar o corpo na água.

Mostre fora d'água, o movimento dos braços, (devem se alternados com etapas fora e dentro d'água).

Vejamos como podemos ensinar o movimento dos braços:

- Dentro d'água, dois a dois, um segura nos pés do outro que estará em decúbito ventral, este executará o movimento dos braços já mostrado por você.

- Com flutuadores presos nas pernas, realizar o movimento dos braços na horizontal, deslocando-se até o meio da piscina.

- Dois a dois, um sentado na borda segura os pés do companheiro que estará na água em decúbito ventral, instruir para que execute o movimento dos braços, inverter as posições.

- Amarrar as pernas dos alunos e mandar que nadem só com os braços.

- Prender uma prancha entre as pernas, orientar os alunos para nadarem naturalmente só com os braços.

Observação: Introduzir exercícios respiratórios durante os intervalos dos trabalhos de braços.

- Repetir os exercícios, mas agora com respiração bilateral. - Repetir os exercícios, mas executando a respiração lateral do lado mais natural.

Após terem passado por todas estas fases, os alunos já devem estar nadando rudimentarmente, aí você mostra como nadar cachorrinho ou sapinho, pedindo à todos que tentem imitar.

Estas maneiras de locomover-se no meio líquido são as mais naturais, daí a necessidade de mostrarmos aos alunos, tentando levá-los a nadar sem muito esforço, estilo ou técnicas apuradas que devem vir após a aprendizagem do nado natural.

Como parte complementar do "Ensino de Nadar", devemos colocar atividades que possam fazer com que o aluno mergulhe da borda da piscina de uma forma simples, a isto chamamos de mergulhos elementares.

Na colocação de atividades para esta fase, o primor dial é mostrar aos alunos os vários tipos de mergulhos que possam ser dados de uma borda para a água.

- Inicialmente coloque os alunos sentados na borda da piscina, instruir a todos que coloquem os braços, estendidos acima da cabeça, mãos unidas e irem caindo para frente lentamente (repetir várias vezes).

- Agora você deve orientá-los para que fiquem com as pernas levemente afastadas (largura dos ombros), tronco flexionado, braços acima da cabeça, mãos unidas, flexionar as pernas, e ir caindo lentamente na água, tentando cair primeiramente com as mãos sobre a água (a cabeça permanece entre os braços).

- Posição anterior, tentar mergulhar com as pernas ma is estendidas, procurando entrar com as mãos primeiramente na água.

- De pé na borda da piscina, pés naturalmente afasta dos, braços ao lado do corpo, tentar mergulhar desequilibrando-se e antes de tirar os pés da borda, colocar os braços acima da cabeça, mãos unidas - furando assim a água.

Procure dar chances a todos de expandirem-se nos mergulhos, deixando com que criem novas formas de saltar na água, mas controle os abusos.

Observação:

Se alguns dos seus alunos não conseguirem nadar da mesma maneira que a grande maioria, isto não é motivo para preocupações, lembre-se das individualidades, traumatismos aquáticos e outros fatores, que sem muito trabalho não teremos sucesso.

Ao terminarmos o nosso trabalho, queremos salientar que o conteúdo apresentado serve como sugestão e não como guia manual ou leis de como "Ensinar a Nadar", você como professor deve ler, refletir e tirar suas conclusões no momento de dar as suas aulas, pois ninguém melhor do que você para dirigir as atividades.

(Parte 4 de 5)

Comentários