(Parte 1 de 2)

Eng. Marcelo Saraiva Coelho INSTRUMENTAÇÃO - NÍVEL

Eng. Marcelo Saraiva Coelho

- Réguas ou Gabaritos - Visores de Nível

- Bóia ou Flutuador

- Displace (empuxo) - Pressão diferencial (diafragma)

- Borbulhador

- Capacitância eletrostática

- Ultra-sônico

- Por pesagem

- Por raio gama

Método da Medição In dir eta

Éo tipo de medição que se faz para determinar o nível em função de uma segunda variável.

Método de Medição Direta

Éa medição em que tomamos como referência a posição do plano superior da substância medida. Pode ser realizada:

•pela observação visual direta, através de comparação com uma escala graduada;

•pela determinação da posição de um detetor, como uma bóia, sobre a superfície do produto que se deseja medir;

•pelo contato de eletrodos com a superfície livre do nível a ser medido;

•pela interrupção de um feixe de luz enviado para uma célula fotoelétrica, pela interposição entre o emissor e a célula do produto cujo nível se deseja medir;

•pela reflexão de ondas de rádio ou sônicas na superfície livre do produto.

Eng. Marcelo Saraiva Coelho

Normalmente éconstituído por um tubo de vidro reto, com espessura adequada a cada aplicação. Éconectado a blocos metálicos.

O comprimento e o diâmetro do tubo dependem das condições a que o visor serásubmetido.

Para proteger o tubo de vidro de eventuais choques mecânicos sãomontadas, hastes protetoras metálicas ou tubos e chapas plásticas envolvendo o tubo de vidro.

Tubo de vidro reto

Bloco met álico

Bloco metál ico

Ha st e protetora

Eng. Marcelo Saraiva Coelho

Este tipo de visor possui um vidro com rachuras prismáticasna face que fica em contato com o líquido que se deseja medir. Seu funcionamento ébaseado na lei ótica da reflexão total da luz. A superfície interna do vidro é composta de prismas normais no sentido longitudinal do visor. Os raios de luz normais àface do visor atingem a superfície do prisma com um ângulo de 45º, sofrendo reflexão total pois o ângulo crítico éultrapassado ( para a superfície vidro-ar o ângulo crítico éde 42º).

Nesta condição, o visor apresenta uma cor prata brilhante.

Na região do visor onde existir líquido não ocorrerá reflexão total pois o ângulo crítico não éultrapassado (para a superfície vidro-água éde 62º). Desta forma, o visor apresentaráuma cor escura.

Os visores de nível plano reflexnão devem ser utilizados nas seguintes aplicações:

zFluidos corrosivos ao vidro zFluidos viscosos zIluminação insuficiente no local de instalação zDetecção da interface de dois líquidos não miscíveis

Eng. Marcelo Saraiva Coelho INSTRUMENTAÇÃO - NÍVEL

Eng. Marcelo Saraiva Coelho

Eng. Marcelo Saraiva Coelho

Eng. Marcelo Saraiva Coelho

O deslocador, comumente utilizado como sensor de transmissores de nível tem a forma de um cilindro oco, fabricado de materiais como aço inox 304 ou 316, monel, hastelloy, teflon sólido etc. A escolha do material do deslocador é determinada, principalmente, pela temperatura e corrosividadedo fluido cujo nível se deseja medir. Se necessário, são depositados contrapesos granulados no interior do cilindro, a fim de ajustar o peso do deslocador.

Eng. Marcelo Saraiva Coelho INSTRUMENTAÇÃO - NÍVEL

Eng. Marcelo Saraiva Coelho

MEDIÇÃO DE NÍVEL POR EMPUXO O deslocador éo componente sobre o qual age o nível, que representa a variável primária de medição.

Portanto, o deslocador desempenha a função de sensor, convertendo as variações de nível em variações de empuxo. Uma vez que o deslocador é"mais pesado" que o líquido cujo nível éo objeto da medição, sua sustentação deve ser garantida por um outro componente. Este segundo componente éo elemento de sustentação, que provê uma suspensão elástica do deslocador, permitindo a movimentação deste sensor em resposta às variações de nível. O terceiro componente do transmissor tem a função de converter a informação de nível oriunda do deslocador em um meio de transmissão adequado, como a corrente elétrica na versão eletrônica. A comunicação entre o deslocador e o conversor érealizada através do quarto componente aqui apresentado, o acoplamento. O quinto componente,denominado elemento de vedação, bloqueia a passagem de qualquer fluido que possa penetrar no compartimento do conversor

Eng. Marcelo Saraiva Coelho

Medição de Nível por Empuxo 1 -Eixo de transmissão de rotação

(soldado na extremidade fechada do tubo de torque) 2 -Tubo de torque 3 -Braço de torque 4 -Extremidade do tubo de torque soldada ao corpo do instrumento 5 -Haste do deslocador 6 -Corpo do instrumento 7 -Movimento do deslocador quando o nível desce 8 -Deslocador

Eng. Marcelo Saraiva Coelho

MEDIÇÃO DE NÍVEL POR EMPUXO Na figura estárepresentada uma montagem para medição de interface.

Trata-se de um separador de óleo/água salgada de plataforma marítima de extração de petróleo. Em termos simplificados, o petróleo, juntamente com a água, éacumulado num dos dois compartimentos do separador, a fim de permitir que o óleo sobrenade a água por diferença de densidade. Separado, o óleo flui para o outro compartimento do separador, a partir do qual seráenviado a outras bases através de bombas de expedição e oleoduto marítimo. Neste exemplo, a interface émantida em níveis seguros por um controlador

Eng. Marcelo Saraiva Coelho a - Para válvula de extração de condensado b - Tomada de equalização c - condensado d - Meio de range v - Vapor

MEDIÇÃO DE NÍVEL POR EMPUXO A figura ilustra a montagem de um instrumento do tipo displacerem um vaso de distribuição de vapor, de uma planta industrial. Tais vasos possuem uma conformação especial, denominada bota, destinada a coletar o condensado, cujo nível deve ser mantido sob controle. Para isso, neste exemplo utiliza-se um controlador com transmissor autocontido, provido de câmara para o deslocador. O nível no interior da câmara do deslocador acompanha o nível na bota, devido às tomadas de equalização que interligam os dois compartimentos, através das duas válvulas de bloqueio. O emprego dessas válvulas visa permitir a retirada ou manutenção da câmara, sem a necessidade de parar/despressurizar o vaso.

Eng. Marcelo Saraiva Coelho

Estes instrumentos, quando utilizados em medição de nível, medem diferenciais de pressão que são provocados pela coluna líquida presente nos equipamentos cujo nível se deseja medir.

A -Para tanque aberto com transmissor nivelado com a tomada de impulso

O lado de alta pressão do transmissor de pressão diferencial éligado pela tomada da parte inferior do tanque e o lado de baixa pressão éaberto para a atmosfera.

Visto que a pressão estática do líquido édiretamente proporcional ao peso do líquido, este pode ser obtido pela medida do primeiro.

Neste caso, o medidor de pressão pode ser usado em vez do transmissor de pressão diferencial.

O transmissor de pressão diferencial éusualmente montado em uma posição que corresponde o nível baixo de medição.

Eng. Marcelo Saraiva Coelho

B -Para tanque aberto com transmissor abaixo da tomada de impulso

O lado de alta pressão do transmissor de pressão diferencial éligado pela tomada da parte inferior do tanque e o lado de baixa pressão éaberto para a atmosfera.

O transmissor de pressão diferencial éusualmente montado em uma posição que corresponde o nível baixo de medição. Se isto édifícil, ele pode ser montado como mostra a figura. Neste caso a supressão énecessário desde que a pressão adicional jáesteja na parte baixa do nível do líquido.

Eng. Marcelo Saraiva Coelho

Característica Física Nominais

Faixa: 250/1250 m H2O até5000/25000 m H2O

Sinal de saída: 4 ~ 20 mA

Alimentação: 24 Vcc (eletr.)

Pressão de Projeto: Max 400 Kgf/cm2

Limites de Temperatura (ambiente e processo): -40ºa + 120ºC

Precisão: apresenta valores de ordem de ±0,1% da faixa (span), incluindo efeitos conjuntos de linearidade, histerese e repetibilidade. Conexão do processo: ¼”NPT ou ½”NPT.

Materiais

Apesar de existir o recurso da utilização de sistemas de selagem para proteger seus internos contra fluidos corrosivos, o transmissor pode apresentar uma série de combinação de materiais para as partes que têm contato com fluido: Aço

Inoxidável 316 e 316L, HastelloyC, Monel, Tântalo, Duranickel.

Também podem ser fornecidos com preparação especial dos internos para operações com oxigênio e hidrogênio. Os corpos (câmara de pressão) são geralmente de aço inoxidável forjado ou de aço carbono forjado (niquelado ou cadmiado). O invólucro da eletrônica énormalmente de liga de alumínio alto impacto.

Eng. Marcelo Saraiva Coelho

Apesar de existir o recurso da utilização de sistemas de selagem para proteger seus internos contra fluidos corrosivos, o transmissor pode apresentar uma série de combinação de materiais para as partes que têm contato com fluido: Aço Inoxidável 316 e 316L, HastelloyC, Monel,

Tântalo, Duranickel. Também podem ser fornecidos com preparação especial dos internos para operações com oxigênio e hidrogênio. Os corpos (câmara de pressão) são geralmente de aço inoxidável forjado ou de aço carbono forjado (niquelado ou cadmiado). O invólucro da eletrônica é normalmente de liga de alumínio alto im pacto .

Eng. Marcelo Saraiva Coelho

C -Para Tanque Fechadocom transmissor abaixo da tomada de impulso No tanque fechado se a pressão dentro do tanque édiferente da pressão atmosférica, os lados de alta e baixa pressão são conectados individualmente por tubos na parte baixa e alta do tanque respectivamente para obter pressão diferencial proporcional ao nível líquido

Eng. Marcelo Saraiva Coelho

TRANSMISSOR DE NÍVEL POR PRESSÃO DIFERENCIAL D -Para tanque fechado com vapor

Quando se necessita medir nível em tanque fechado contendo vapor, se faz necessário preencher a tomada de alta pressão com um líquido (normalmente água) para evitar que se forme uma coluna de água nesta tomada, devido àexistência de condensado que se acumularia nela e provocaria medição falsa. Neste caso, deve-se fazer a correção do efeito desta coluna.

Eng. Marcelo Saraiva Coelho

Eng. Marcelo Saraiva Coelho

Eng. Marcelo Saraiva Coelho

Neste tipo de medição, um tubo éinserido no líquido em um vaso. Uma das pontas devidamente preparada ésubmersa no líquido cujo nível se deseja medir e através da ponta superior éfornecido ar ou gás inerte permanentemente. O princípio no qual se baseia este tipo de medição éque será necessário uma pressão de ar igual àcoluna líquida existente no vaso, para que o ar vença este obstáculo e consiga escapar pela extremidade inferior do tubo. Na medição é necessário que se possa saber se a pressão exercida pela coluna de líquido estásendo vencida ou não, e isto se torna possível com o escape das bolhas de ar pela ponta imersa no tubo. Isto representa um pequeno valor adicional na pressão de ar, desprezível, desde que o borbulhamentonão seja intenso. A medida se faz através de um instrumento receptor que pode ser um manômetro ou qualquer outro instrumento transmissor de pressão. A figura mostra um esquema deste tipo de medidor.

Eng. Marcelo Saraiva Coelho

O medidor por capacitância consiste de uma sonda vertical inserida no vaso no qual se deseja monitorar o nível. A sonda pode ser isolada ou não e serve como uma das placas do capacitor. A outra placa éformada pelas paredes do vaso e o fluido comporta-se como dielétrico. A capacitância émedida através de um circuito em ponte AC, excitado por um oscilador de alta frequência(500 kHz a 1,5 MHz). Ao variar o nível no interior do vaso, altera-se as proporções entre o líquido e o vapor. Como a constante dielétrica da maioria dos líquidos émaior que a dos vapores as variações de nível se traduzem em variações (quase) lineares de capacitância.

Consequentemente, as sondas capacitivas também podem ser utilizadas para detectar a interface de líquidos com constantes dielétricas (K) distintas.

Eng. Marcelo Saraiva Coelho

1 -Cabeçote 2 -Sonda 3 -Placa externa 4 -Placa interna 5 -Revestimento

A figura ilustra a instalação de uma sonda capacitiva para medição do nível de um líquido isolante em um vaso com paredes condutoras. Émostrado, também, o circuito elétrico equivalente.

No circuito, C1 representa a capacitância parasita apresentada, pelo isolador da soda e éconstante. As capacitâncias C2 e C3 representam os efeitos das constantes dielétricas das fases de vapor e líquido, respectivamente. O valor do resistor R deve ser muito elevado (tendendo ao infinito) e representa a resistência efetiva entre a sonda e as paredes do vaso. As condições de pressão e temperatura determinam o tipo de isolador da sonda enquanto que as condições do fluido (corrosivo ou não) determinam o seu revestimento.

Eng. Marcelo Saraiva Coelho

Eng. Marcelo Saraiva Coelho

O princípio de operação dos dispositivos do tipo ultra-sônico baseia-se na reflexão da onda gerada pelo transdutor, quando encontra a interface com o produto cujo nível se deseja medir ou, mais precisamente, no lapso de tempo gasto pela onda desde o instante em que ela égerada atéo instante em que ela retorna ao transdutor, depois de refletir-se na interface; éa chamada técnica do ECO. Como o som se propaga com velocidade constante e conhecida em um determinado meio (usualmente o meio de propagação utilizado éo ar) e em uma determinada temperatura, o tempo entre a emissão e a recepção da onda refletida (ECO), será proporcional àdistância entre o sensor e o objeto que ocasionou a reflexão. Assim, pode-se escrever que:

Distância = Velocidade . Tempo

Onde: Velocidade = velocidade de propagação da onda ultra-sônica em um determinado meio; Tempo = metade do tempo decorrido entre a emissão e a recepção da onda refletida (ECO).

Eng. Marcelo Saraiva Coelho

MEDIÇÃO DE NÍVEL POR ULTRASSOM Como as ondas de som produzidas pelos medidores do tipo ultra- sônico são transmitidas mecanicamente pela expansão do meio material, a transmissão das ondas requer um meio para transmissão, conseqüentemente, variações no meio podem afetar a velocidade de propagação e afetar a medição do nível. Variações na temperatura do meio também afetam a velocidade de propagação do som, por isso, a maioria dos transdutores incorpora um sensor de temperatura que corrige a velocidade do som, em função da temperatura do meio de propag aç ão.

Presença de espuma, poeira, vapor, névoa, neblina, turbulência do líquido e bloqueio do sinal pela presença de interferências são alguns dos fatores que afetam a medição de nível e que se ocorrerrem, devem ser devidamente compensados ou, se possível, eliminados.

Eng. Marcelo Saraiva Coelho

Eng. Marcelo Saraiva Coelho

MEDIÇÃO DE NÍVEL POR PESAGEM A medição de nível por pesagem consiste basicamente na instalação de células de cargas nas bases de sustentação do silo cujo nível se deseja medir.

Célula de carga éum sensor constituído por fitas extensiométricas (STRAIN-GAUGES) fixados adequadamente em um bloco de aço especial com dimensões calculadas para apresentar uma deformação elástica e linear quando submetido a uma força. Essa deformação é detectada pelas fitas extensiométricasatravés da variação de sua resistênci a elétrica.

Eng. Marcelo Saraiva Coelho

MEDIÇÃO DE NÍVEL POR PESAGEM As células de carga podem ser instaladas sob os pontos de apoio da estrutura do silo, de tal forma que o seu peso énelas aplicado. Para estas aplicações énecessário que as células de carga sejam imunes a esforços laterais. Para isto seus encostos para a carga são constituídos de apoios especiais do tipo côncavo ou esférico. O número de células de carga varia em função da forma de silo, sendo que a solução que apresenta melhor precisão éapoiar o silo em três células dispostas defasadas de 120ºem relação àprojeção do seu centro de simetria.

(Parte 1 de 2)

Comentários