Movimento da Matematica Moderna no Brasil - I parte

Movimento da Matematica Moderna no Brasil - I parte

(Parte 1 de 6)

,.:C f.(

DA AÇ!O E DO PENS:AME~~TODE EDUCADORESMATEMATIC'OS NOS ANO::;50

(" ,r- r r

,

r- " r- I r P9rtc Alegre r-

..r Setembro de 1988 "', t t

DA AÇãO E DO PENSAMENTO DE EDUCADORESMATEMATICOS NOS ANOS 60

Dissertação submetida comorequisito parcial r r. para obtenção do grau de MESTREem Educação, área Ensino, Faculdade de Educat;ão,

Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Orientador: Prof. Tomaz Tadeu da Silva. <~.

Porto Alegre

Setembro de 1989 r

r- I

A minha mãe, Lina, e ao meupai, Manoel Odival.

r- Quero iniciar agradecendo a contribuioão fundamental r í r

( Luiz Márcio Imenes~ Martha Blauth Menezes~ Osvaldo Sangiorgi ~

;' \ Renate Watanabe, Ray Madsen Alves, Scipione Di Pierro Netto~

;'" Ubiratan D'Ambrósio. Essa contribuic;ão se deu principalmente r- através dos depoimentos orais~ mas tambématravés do acesso que

( r- me foi dado a documentos e emespecial ao arquivo do GEEM, pelo professor Osvaldo Sangiorgi~ e do GEEMPA~pela professora Esther Grossi.

Quero agradecer a Beatriz D'Ambrósio pela cessão de

cópia de sua tese de doutorado, umdocumento que foi referência\ fundamental para o desenvolvimento\ desta dissert~ão; e a Dario

( r-

Fiorentini, pelo acesso que tive a um resultado parcial de seu trabalho sobre a pesquisa acadêmica em educac;ão matemática no

Brasil~ em realizac;ão na Faculdade de Educac;ão da UNICAMP. Aos colegas da equipe do Laboratório de Estudos í\ Cognitivos da UFRGS, coordenada pela professora Léa Fagundes~ quero agradecer por umacontribuioão que foi dada não diretamente r- à realizac;ão deste trabalho, mas indiretamente pelo que experienciei em termos de pesquisa coletiva na área da educac;ão e pelo que aprendi sobre aprender enquanto trabalhei com a equipe. Ao Tomaz, pela atitude companheiracomque desenvolveu a atividade de orientaoão desta dissertac;ão e os cursos que a r-, precederam.

í r que foi dada para a realizaoão deste trabalho pelos entrevistados: Alésio de Caroli Anna Franchi Benedito

Castrucc i Dione Lucchesi de Carvalho Esther Pillar Gross i

Irineu Bicudo Leopoldo Nachbin, Lucilia Bechara Sanchez r SUMARIO P.

1. INTRODUÇãO1

RESUMO 2. O ENSINO SECUNDARIOE O DEBATESOBREENSINO DE MATEMATICA

NO BRASIL DOS ANOS 5025

3. CIENCIA, TECNOLOGIAE PRODUÇãONO CAPITALISMODO POS-GUERRA '.. 50

4. O MOVIMENTODE RENOVAÇãODOENSINO DE MATEMATICANOS ANOS50 E INICIO DOSANOS60 NOSESTADOSUNIDOSE EUROPA 6

NOBRASIL. '90
6. A EXPANSãOE A INSTITUCIONALIZACãO DOMOVIMENTO146

'5. A INTRODUÇãO DO MOVIMENTODA MATEMATICA MODERNA 7. O ESGOTAMENTODOMOVIMENTODA MATEMATICAMODERNA 202

8. CONCLUSOES o230
ANEXOo. . . o. . . . . .. 259

REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS """'0 261 ABSTRACT 285

( Este trabalho estuda o movimento de renovação do ensino

(\ da matemàtica conhecido como o "movimento da matemática moderna",

( \ surgido no Brasil no inicio dos anos 60. Através do estudo da ação, do discurso e do pensamento dos protagonistas em relaQãà

COIQo contexto histórico em que foram produzidos e com o movimento da matemática moderna de âmbito internacional, procura \

( explicar o alcance e as limitações desse movimento, em sua

( di~âmica e elaboração pedagógica.

A abordagem adotada considera tanto os aspectos do movimento que o identificam com umprocesso mais amplo e de ambito mundial de crescente valorização do ensino das ciências

naturais e da matemática no periodo que sucedeu à Segunda Guerra Mundial, no qual o movimento da matemática se insere, como as

( , especificidades do movimento relacionadas com a ação dos protagonistas e a realidade do pais. (

( A análise do movimento como ocorreu no Brasil é feita

(( fundamentalmente a partir da leitura de documentos produzidos durante o periodo de sua existência e de depoimentos obtidos (

( através de entrevistas semi-estruturadas com participantes do

( r' r- /"

O contexto no qual é situada essa análise inclui uma descrição breve da realidade politica, econômica e social do pais, com ênfase na real idade educacional - emparticular, do ensino secundário e nos debates pedagógicos produzidos no período.

As modificações nas relações entre ciência e produção material no 8.mbito da economia capitalista são tra,tadas como elemento decisivo para a explicação da combinação entre esforços '-

'-- de governos e de educadores para a renovação e melhoria do ensino da matemática, desde os anos 50, emvários países.

o trabalho apresenta, emsuas conclusões, conexões que ( contribuem para a clarificação de como o movimento foi marcado da melhoria do ensino e do desenvolvimento da ciência no país; a

~ expansão do ensino secundário desde os anos 30, acelerada nos

'- anos 60, e as preocupações dos educadores acerca da efic~cia e da deselitização desse ensino.o trabalho aponta, também, as conexães entre o

(Parte 1 de 6)

Comentários