Apostila Esgotos

Apostila Esgotos

(Parte 1 de 4)

Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Prof. Msc. Eduardo S. Chaves

FLORIANÓPOLIS -2008

Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina

Efluente doméstico

É toda água residuária gerada pelas atividades e necessidades humanas em uma residência e que fluem através da rede de esgoto. Podem igualmente ser lançada diretamente no ambiente ou redirecionadas para estações de tratamento. Características principais:

• Altos teores de sólidos totais;

• Altos teores de nutrientes e matéria orgânica;

• Altos números de bactérias do grupo coliformes;

• Elevada DBO.

banheiros 126 litros

Lavanderia e cozinha

56 litros

Banho e uso pessoal

84 litros

Água para beber e cozinhar 14 litros

Piscina

Lavagem quintal irrigação

Lavagem de carro

Consumo no interior da casa 280 litros

Consumo fora da casa

280 litros

Efluente industrial

É toda água residuária gerada pelas atividades industriais e que fluem através da rede de esgoto. Podem igualmente ser lançada diretamente no ambiente ou redirecionadas para estações de tratamento.

Nas indústrias as águas podem ser utilizadas de diversas formas, tais como: incorporação aos produtos; limpezas de pisos, tubulações e equipamentos; resfriamento; aspersão sobre pilhas de minérios etc. para evitar o arraste de finos e sobre áreas de tráfego para evitar poeiras; irrigação; lavagens de veículos; oficinas de manutenção; consumo humano e usos sanitários.

Além da utilização industrial da água, esta também é utilizada para fins sanitários, sendo gerados os esgotos que na maior parte das vezes são tratados internamente pela indústria, separados em tratamentos específicos ou tratados até conjuntamente nas etapas biológicas dos tratamentos de efluentes industriais. As águas residuárias, neste caso os esgotos sanitários, contêm excrementos humanos líquidos e sólidos, produtos diversos de limpezas, resíduos alimentícios, produtos desinfetantes e pesticidas. Principalmente dos excrementos humanos, originam-se os microorganismos presentes nos esgotos. Os esgotos sanitários são compostos de matéria orgânica e inorgânica. Os principais constituintes orgânicos são: proteínas, açúcares, óleos e gorduras, microorganismos, sais orgânicos e componentes dos produtos saneantes. Os principais constituintes inorgânicos são sais formados de ânions (cloretos, sulfatos, nitratos, fosfatos) e cátions (sódio, cálcio, potássio, ferro e magnésio) . As características dos efluentes industriais são inerentes a composição das matérias primas, das águas de abastecimento e do processo industrial. A concentração dos poluentes nos efluentes é função das perdas no processo ou pelo consumo de água. Características principais:

•Compostos orgânicos (Solventes, pigmentos, etc.);

•Ácidos e/ou bases;

• Metais pesados;

RESOLUÇÃO CONAMA nº 357 de 2005 Art. 24. Os efluentes de qualquer fonte poluidora somente poderão ser lançados, direta ou indiretamente, nos corpos de água, após o devido tratamento e desde que obedeçam às condições, padrões e exigências dispostos nesta Resolução e em outras normas aplicáveis. Parágrafo único. Art. 25. É vedado o lançamento e a autorização de lançamento de efluentes em desacordo com as condições e padrões estabelecidos nesta Resolução. Parágrafo único. O órgão ambiental competente poderá, excepcionalmente, autorizar o lançamento de efluente acima das condições e padrões estabelecidos no art. 34, desta Resolução, desde que observados os seguintes requisitos: I - comprovação de relevante interesse público, devidamente motivado; I - atendimento ao enquadramento e às metas intermediárias e finais, progressivas e obrigatórias; I - realização de Estudo de Impacto Ambiental (EIA), às expensas do empreendedor responsável pelo lançamento; Condições de lançamento de efluentes: I - pH entre 5 a 9; I - temperatura: inferior a 40ºC, sendo que a variação de temperatura do corpo receptor não deverá exceder a 3ºC na zona de mistura; I - materiais sedimentáveis: até 1 mL/L em teste de 1 hora em cone Imhoff. Para o lançamento em lagos e lagoas, cuja velocidade de circulação seja praticamente nula, os materiais sedimentáveis deverão estar virtualmente ausentes; IV - regime de lançamento com vazão máxima de até 1,5 vezes a vazão média do período de atividade diária do agente poluidor, exceto nos casos permitidos pela autoridade competente; V - óleos e graxas: 1 - óleos minerais: até 20 mg/L; 2- óleos vegetais e gorduras animais: até 50 mg/L; e VI - ausência de materiais flutuantes.

Padrões de lançamento de efluentes:

Potencial Hidrogeniônico (pH)

Indica o caráter ácido ou básico dos efluentes. Nos tratamentos de efluentes o pH é um parâmetro fundamental em todas as fases do tratamento de águas e efluentes. Os processos de neutralização, coagulação, precipitação, desinfecção e corrosão entre outros, são dependentes do pH. Sendo ideal valor entre 6,0 e 8,0, valores fora desta faixa tornam o meio extremamente seletivo para vários seres vivos.

Oxigênio Dissolvido (OD)

A concentração de oxigênio dissolvido é um dos parâmetros mais importantes de que se dispõe no campo do controle da poluição das águas, sendo fundamental para se verificar e manter as condições aeróbicas em um curso de água que receba material poluidor. É um medida essencial em estudos da atividade fotossitetizadora, sendo que a solubilidade do oxigênio na água depende da temperatura e altitude.

Demanda Bioquímica de Oxigênio (DBO)

A DBO expressa a quantidade de oxigênio utilizada por microrganismos aeróbios para oxidar biologicamente a matéria orgânica presente no meio. Sua maior aplicação esta na medida da carga orgânica imposta à uma ETE e na avaliação da eficiência destas estações.

Demanda Química de Oxigênio (DQO)

A DQO expressa a quantidade de oxigênio utilizada para oxidar quimicamente a matéria orgânica (biodegradável e refratária).

Sólidos Sedimentáveis (S).

A análise de S permite determinar o volume ocupado pelos sólidos após sedimentação em cone Inhoff, por uma hora.

Sólidos Totais (ST) e Sólidos Suspensos Totais (SST)

Resíduos Totais ou Sólidos Totais (ST) é o termo empregado para material que permanece em um cadinho após evaporação da água da amostra e sua subsequente secagem em estufa, a 103ºC - 105°C. Sólidos Suspensos Totais (SST) constituem-se da fração dos ST que fica retida em um filtro.

Sólidos Fixos Totais (SFT) e Sólidos Suspensos Fixos (SSF). Resíduos Fixos ou Sólidos fixos Totais (SFT) é o termo empregado para a fração de

ST após incineração em mufla a 600°C. Nessas condições, toda matéria orgânica é transformada em CO2 e água, restando, no cadinho, apenas os sólidos inorgânicos. Sólidos

Suspensos Fixos (SSF) é o termo empregado para a fração de SFT filtrada em membrana, após calcinação a 600°C. O SSF mede aproximadamente a quantidade de areia presente.

Sólidos Voláteis Totais (SVT) e Sólidos Suspensos Voláteis (SSV). Resíduo Volátil de Sólidos Voláteis Totais (SVT) é o termo empregado para a fração de ST que se perde após calcinação em mufla a 600°C. Sólidos Suspensos Voláteis

(SSV) correspondem à fração de SST, que se perde após calcinação em mufla a 600°C. Para lodos biológicos a concentração de SSV é relacionada à quantidade de biomassa presente. Para lodos primários, a concentração de SSV, é relacionada ao conteúdo de matéria orgânica morta presente.

Nitrogênio e fósforo

O nitrogênio e o fósforo são elementos presentes nos esgotos sanitários e nos efluentes industriais e são essenciais às diversas formas de vida, causando problemas devido à proliferação de plantas aquáticas nos corpos receptores. Nos esgotos sanitários são provenientes dos próprios excrementos humanos, mas atualmente têm fontes importantes nos produtos de limpeza domésticos e ou industriais tais como detergentes e amaciantes de roupas. Nos efluentes industriais podem ser originados em proteínas, aminoácidos, ácidos fosfóricos e seus derivados.

Sulfatos

(Parte 1 de 4)

Comentários