apostila de solda eletrica

apostila de solda eletrica

(Parte 1 de 3)

Disciplina – Produção Mecânica

Professor – Wendel Silva

Sumário

1 – Introdução à solda elétrica 03

2 – Noções de elétrica aplicadas à soldagem 04

3 – Acessórios e ferramentas para soldagem 10

4 – Terminologia de Soldagem 15

5 – Processos de Soldagem 19

6 – Soldagem com eletrodo revestido 20

7 – Funções do revestimento 23

SOLDA ELÉTRICA

1 - Introdução

O progresso alcançado no campo da soldagem, bem como o desenvolvimento de processos e tecnologias avançadas nos últimos anos, é de tal ordem que todo aquele que não possuir uma mentalidade aberta, capaz de assimilar novas idéias, será ultrapassado e incapacitado para o atual ritmo do progresso industrial.

E em todos os setores relacionados com o trabalho industrial, o profissional deve estar consciente de suas atividades como um todo, bem como dos riscos decorrentes da utilização dos equipamentos manuseados.

É desejável, ainda, que possa adotar medidas capazes de minimizar acidentes, permitindo o desempenho do trabalhado de forma segura e eficaz.

Este fascículo se destina ao acompanhamento das aulas, quando haverá oportunidade de complementar o texto, apresentado sob forma de itens, ilustrações, tabelas e exemplos. Através dele são apresentados os perigos envolvidos na soldagem, descrevendo as principais medidas de segurança que devem ser adotadas, no sentido de prevenir acidentes e como tratá-los, caso ocorram.

2 - Noções de eletricidade aplicada à soldagem

2.1 – Corrente elétrica

Dá-se o nome de corrente elétrica ao movimento ordenado de cargas elétricas de um corpo.

Há dois tipos de corrente elétrica : contínua e alternada.

a) Corrente contínua ( = )

É aquela que circula sempre no mesmo sentido. A fonte fornecedora de corrente (gerador de solda ou bateria) mantém constante sua polaridade, ou seja, o borne será sempre negativo e o borne será sempre positivo;

Corrente alternada (- ~)

É aquela que passa através de um corpo sofrendo inversão de sentido em intervalos regulares de tempo, caminhando primeiro num sentido e depois no outro.

Cada borne ora será negativo, ora será positivo.

As figuras 4 e 5 mostram o sentido da corrente em um transformador.

2.2 – Intensidade da corrente elétrica

A corrente elétrica, seja ela alternada ou contínua, pode ter sua intensidade medida. Para medir a intensidade da corrente, usa-se a unidade de medida chamada ampére, que é representado pela letra A.

Portanto é correto dizer que, num determinado instante, a intensidade da corrente circulante pelo eletrodo e de 200 A.

2.3 – Tensão elétrica

Já foi visto que corrente elétrica é um movimento ordenado de cargas elétricas através de um corpo. Essas cargas, porém, não se movem sem que haja uma força atuando sobre elas, fazendo-as circularem. A essa força atuante, dá-se o nome de tensão elétrica.

Portanto, tensão elétrica é a força que movimenta as cargas elétricas através de um corpo e que tem, como unidade de medida, o volt, que é representado pela letra V.

2.4 - Resistência elétrica

É a dificuldade que um corpo oferece à passagem da corrente elétrica. Sua unidade de medida é o ohm, que é representado pela letra grega .

Ao atravessar um corpo, a corrente elétrica encontra dificuldade e gera calor. Esse calor pode ser desejável, como é o caso do chuveiro elétrico, ou indesejável, como no caso de um mau contato numa conexão elétrica.

Na soldagem elétrica, deve-se evitar o aquecimento indesejável em :

a) mau contato entre o grampo-terra e a massa;

b) mau contato entre o cabo elétrico e o porta-eletrodo;

c) mau contato entre terminais do cabo elétrico e os bornes da máquina;

d) corte parcial dos cabos elétricos

e) Grampo-terra danificado

Observação: Ao fazer uma conexão elétrica, deve-se ter o cuidado de executá-la corretamente, para que não ocorra mau contato e conseqüente perda de energia elétrica, gerando aquecimento indesejável.

2.5 - Materiais condutores

São corpos que permitem a passagem da corrente elétrica com relativa facilidade.

Os mais usados são o cobre e o alumínio.

2.6 - Materiais isolantes

São corpos que, dentro de uma determinada faixa de tensão, não permitem a passagem da corrente elétrica. Os mais usados são a borracha, a mica, a porcelana e a baquelita.

2.7 - Arco elétrico

É a passagem da corrente elétrica de um pólo (peça) para outro (eletrodo), desde que seja mantido entre eles um afastamento conveniente. Esse afastamento, chamado de comprimento do arco, deve ter aproximadamente o diâmetro do núcleo do eletrodo.

O calor intenso produzido pelo arco elétrico funde a ponta do eletrodo e a parte da peça tocada por este, formando a solda.

Além de seu papel de fonte de calor, o arco elétrico ainda conduz as gotas de metal, depositando-as de encontro à peça, o que permite executar soldas na posição sobrecabeça.

2.8 - Obtenção da corrente elétrica

Nas soldagens, a corrente elétrica pode ser obtida por meio de :

a) máquina de solda geradora;

(Parte 1 de 3)

Comentários