Apostila de Patologia Clínica

Apostila de Patologia Clínica

(Parte 1 de 11)

Apostila de patologia clínica

Adriane Pimenta da Costa Val Bicalho Rubens Antônio Carneiro

Índice Fundamentos de hematologia

Composição do sangue Volume sangüíneo Sistema hematopoiético/lítico Hematopoiese Eritropoiese Exigências Nutricionais da Hematopoiese Eritropoiese ineficaz Eritropoiese anormal Anticoagulantes Colheita de sangue Colheita de material e exame da medula óssea Bibliografia Literatura Recomendada

Estudo do eritron

Introdução Eritrograma Contagem total de eritrócitos Dosagem total de hemoglobina Hematócrito (Hc) ou volume globular (VG) Índices hematimétricos ou valores globulares médios

Bibliografia Literatura recomendada

Avaliação das anemias

Introdução Sintomatologia clínica Colheirta Classificação das anemias Hemoparasitas Intensidade da anemia Bibliografia e leitura recomendada

Avaliação das policitemias

Introdução Sintomatologia Clínica Classificação das policitemias Avaliação laboratorial Bibliografia e leitura recomendada

Os leucóticos

Leucopoiese / compartimentos Características dos leucócitos Formas de atuação dos leucócitos Os leucócitos e a inflamação Referências bibliográficas

Interpretação clínica das alterações no número dos leucócitos Alterações no número de leucócitos na circulação

Respostas leucocitárias nos ruminantes Contagens leucocitárias absolutas e relativas Interpretação do leucograma Referências bibliográficas

Hemostasia

Introdução Sintomatologia clínica Fatores envolvidos Hemostasia primária Hemostasia secundária Fibrinólise Avaliação laboratorial Esquema diagnóstico Anormalidades de hemostasia Nomenclatura internacional dos fatores de coagulação do sangue

Avaliação laboratorial do líquido céfalo raquidiano

Introdução Produção / circulação Funções Colheita Riscos e contra indicações Técnica de colheita Análise laboratorial Bibliografia e literatura recomendada

Aspectos laboratoriais das afecções de pele

Introdução Colheita Artrópodes Helmintos Fungos

Avaliação laboratorial do sistema renal

Sistema renal Formação da urina Concentração e diluição da urina Rim, órgão endócrino Avaliação e interpretação do exame de urina Características da química urinária (Elementos anormais) Bibliografia Literatura recomendada

Avaliação laboratorial das doenças hepáticas

Introdução Anatomia Circulação hepática Sistema biliar e produção de bile Funções hepáticas Causas de doenças hepáticas Sinais clínicos Mecanismo da lesão Avaliação Mecanismo da lesão Testes indicativos de lesões hepatocelulares Testes relacionados com captação, conjugação, e secreção

Testes relacionados com clareamento portal Testes relacionados com a síntese hepática

Exame de fezes

Introdução Colheita Conservação Exame físico Elementos anormais Exame químico Exame microscópico Métodos de pesquisa de parasitas Tabelas

Avaliação laboratorial das efusões corporais

Introdução Diagnóstico das efusões Exame laboratorial dos fluídos corporais

Fundamentos de hematologia

Índice

Composição do sangue Volume sangüíneo Sistema hematopoiético/lítico Hematopoiese Eritropoiese Exigências Nutricionais da Hematopoiese Eritropoiese ineficaz Eritropoiese anormal Anticoagulantes Colheita de sangue Colheita de material e exame da medula óssea Bibliografia Literatura Recomendada

Composição do sangue

O sangue é um tecido formado por três tipos de células: os glóbulos vermelhos, também conhecidos como hemácias ou eritrócitos; os glóbulos brancos ou leucócitos e ainda as plaquetas, que são fragmentos de citoplasma dos megacariócitos e por um meio intercelular, denominado plasma, que por sua vez é composto de 91,5% de água, 7,5% de sólidos orgânicos. Proteínas, tais como albumina, globulinas e o fibrinogênio e demais fatores de coagulação respondem por 7% dos sólidos orgânicos do plasma, os 0,5% restantes são um conjunto de substâncias nitrogenadas, gorduras neutras, colesterol, fosfolipídeos, glicose, enzimas e hormônios. A parte restante compõe-se de sólidos inorgânicos, os minerais como

Na, K, Mg, Cu, e HCO3.

Volume sangüíneo

O sangue é responsável por cerca de 7,5% do peso de um animal. Esse valor mantém-se estável, pela passagem de líquidos intersticiais para o meio vascular e vice e versa. Mas alguns fatores, como a ingestão de líquidos, a produção de água metabólica e perda de água corporal podem determinar variações neste percentual.

Sistema hematopoiético/lítico

Sabemos que as células do sangue possuem natureza temporária, ou seja, apresentam um período de vida curto e limitado. Portanto, para que se mantenha uma quantidade estável destas células na circulação é necessária a existência de um conjunto de órgãos e tecidos chamados de sistema hematopoiético/lítico, que tem a função de produzir e destruir glóbulos do sangue e plaquetas, de modo a manter a população sempre constante.

Medula óssea

É o tecido existente no interior das cavidades ósseas, podendo ser divido em dois meios, o intravascular e o extravascular, sendo que neste último são produzidos os glóbulos brancos, vermelhos e plaquetas.

Sistema monocítico fagocitário (S.M.F.)

É um conjunto de células com poder fagocitário que destrói os eritrócitos velhos ou anormais, desmembra a hemoglobina em globina e bilirrubina livre e armazena o ferro. O S.M.F. encontra-se espalhado por todo o organismo, mas sua maior concentração é nos órgãos linfáticos, principalmente o baço.

Baço e linfonodos

Produzem linfócitos T e B, além de serem os locais de maior concentração do S.M.F. Mantém a sua capacidade hematopoiética embrionária por toda a vida adulta, que pode ser acionada nos casos de anemias regenerativas. O baço é ainda um importante local de reserva de eritrócitos.

Fígado

É o local de reserva de vitamina B12, ácido fólico e ferro, elementos necessários à hematopoiese e à síntese de hemoglobina. É o local predominante de produção de eritropoietina no feto. Nos animais adultos, produz ainda uma pequena quantidade desta glicoproteína, exceto no cão. Também mantém sua capacidade embrionária de hematopoiese.

Mucosa estomacal

Produz ácido clorídrico, que libera o ferro das moléculas complexas e o fator intrínseco, que facilita a absorção da vitamina B12.

(Parte 1 de 11)

Comentários