Uma anailise sobre a França

Uma anailise sobre a França

(Parte 1 de 2)

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E FINANÇAS

CURSO: CIÊNCIAS ECONÔMICAS

DISCIPLINA: DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO I

PROFESSORA: Ms. ÁGUIDA CRISTINA

ALUNOS: WILLYAN D´ANGELLIS A. COSTA - 20523190

Introdução

Este trabalho foi elaborado a fim de se entender mais sobre um dos países mais fascinantes do Mundo. A França é dona de uma das histórias mais belas do mundo tendo contribuído muito, ao longo dos anos, para a economia atual. Os períodos do Iluminismo e da Revolução Francesa tiveram grandes repercussões na época e influenciaram muito, tanto a sociedade como na economia. Neste estudo, vamos analisar o país como um todo, passando pela sua economia, turismo, educação, bem como a composição da sua população, entre outros aspectos.

DADOS PRINCIPAIS

NOME OFICIAL

República Francesa (République Française);

CAPITAL

Paris

DATA NACIONAL

14 de julho (Queda da Bastilha durante a Revolução Francesa )

ÁREA

543.965 km²

POPULAÇÃO

63,58 milhões (estimativa 2006)

MOEDA

Euro

GEOGRAFIA DA FRANÇA

LOCLIZAÇÃO

Oeste da Europa

FUSO HORÁRIO

+ 4 horas em relação a Brasília

CLIMA

Temperado oceânico, mediterrâneo

CIDADES PRINCIPAIS

Paris, Marselha, Nantes, Nice, Toulose, Estrasburgo

COMPOSIÇÃO DA POPULAÇÃO

Franceses: 93,6%; Outros europeus: 2.9%; Outros: 3,5%.

IDIOMAS

Francês (oficial), línguas regionais (bretão basco)

RELIGIÃO

Católicos (76,3%), protestantes (2,9%), mulçumanos (6,4%), outras (14,5%). Censo: 1993

FRANÇA: ASPECTOS GERAIS

DADOS DEMOGRÁFICOS

112 hab./km²

CRESCIMENTO DEMOGRÁFICO

0,4% ao ano (1995 a 2000)

TAXA DE ANALFABETISMO

Menor do que 5% (censo de 2004)

PIB (paridade pelo poder de compra)

US$ 1,737 trilhões (2004 estimado)

PIB per capita

US$ 28.700

TAXA DE CRESCIMENTO DO PIB

2,1% (2004)

TAXA DE DESEMPREGO

10,1% (2004)

RENDA PER CAPITA

US$ 31.825 (estimativa 2006)

França (em francês: France) é um país localizado no continente europeu, mais especificamente na Europa Ocidental. Faz fronteira a leste com a Alemanha e Suíça; a sudeste com a Itália e a sudoeste com a Espanha e Andorra; a norte faz fronteira com a Bélgica e Luxemburgo; a oeste é limitada pelo oceano Atlântico e a sul pelo mar Mediterrâneo. Uma das grandes incentivadoras e membro-criador da União Europeia, o país foi uma potência colonial no passado, e ainda possui territórios e dependências ultramarinas, em diversos lugares ao redor do mundo.

De todos os grandes estados europeus, foi a primeira a ter a sua formação como estado, sendo sua capital em Paris. Incluindo os territórios ultramarinos, a França tem uma superfície de 675 417 km² e em torno de 64,5 milhões de habitantes.

O francês é o idioma oficial, segundo a constituição, mas outras 77 línguas regionais existem no país.

Segundo dados do FMI, a França é a 6ª economia mundial, com um PIB de 2,04 trilhões de dólares. Sua economia é um capitalismo com intervenção estatal não desprezável, desde o fim da Segunda Guerra Mundial. No entanto, desde a metade dos anos 1980, reformas sucessivas em diversos setores estão desprendendo progressivamente tais empresas do poder público.

Desde sua formação, a França foi importante política e militarmente no âmbito internacional. Sendo assim, é um país-membro do Conselho da Europa, União Européia, Zona do Euro e do Espaço Schengen. É um dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, e dispões de tecnologia nuclear, fato que reforça ainda mais sua influência militar no globo.

No decorrer do século XVII, o grande século para a França, ela foi modificada pelas artes e pela filosofia. Berço do Iluminismo, ela influenciou as revoluções na América, depois a Revolução Francesa foi o exemplo de democracia para o mundo inteiro, desenvolvendo valores de liberdade, igualdade e, desde 1905, laicidade. Devido ao Renascimento e às explorações, dos séculos XVIII e XIX, a França difundiu sua cultura e língua por diversos povos, no Canadá, África e em algumas regiões do Médio Oriente, Ásia e Pacífico.

A história da França, um dos países mais antigos do Ocidente, confunde-se com a história da Europa e do próprio mundo. Na França nasceram o absolutismo monárquico, personificado na figura de Luís XIV, e a revolução burguesa, que marcou o nascimento de uma nova era.

A França, localizada no oeste da Europa, ocupa uma área de 543.965km2. Limita-se ao norte com o canal da Mancha e o mar do Norte; a nordeste com a Bélgica, a Alemanha e Luxemburgo; a leste com a Suíça e a Itália; ao sul com Mônaco e o mar Mediterrâneo; a sudoeste com Andorra e a Espanha; e a oeste com o oceano Atlântico. O território francês, que tem forma hexagonal, mede cerca de mil quilômetros tanto entre os pontos extremos ao norte e ao sul (da cidade de Dunquerque aos Pireneus, na fronteira com a Espanha), quanto a oeste e leste (da península da Bretanha ao rio Reno).

População

Durante a Idade Média, o território francês foi uma região de trânsito dos muitos povos e movimentos migratórios que percorriam o continente em várias direções. A população francesa resulta de inúmeras contribuições humanas recebidas ao longo da história.

As duas influências dominantes -- dos celtas, cuja imigração para a França ocorreu entre os séculos VI e I a.C, e dos romanos, cujo domínio sobre o território se deu do século II a.C. ao V da era cristã -- correspondem às diferenciações regionais da França: o norte francês é mais germânico e o sul, mais latino. A heterogeneidade racial, contudo, não impediu que os franceses desenvolvessem um forte sentimento nacionalista.

A língua oficial é o francês moderno, de origem neolatina, que se firmou em todo o país desde a revolução de 1789. Em áreas periféricas do país, línguas diferentes subsistem paralelamente ao francês: o bretão, no oeste da península da Bretanha, o basco, nos Pireneus, junto ao golfo de Gasconha; o catalão, no Roussillon, junto à mesma cordilheira; o dialeto alsaciano, variante do alemão (semelhante ao dialeto suíço), falado na Alsácia; e o flamengo, na fronteira belga. O provençal, de raiz latina, sobrevive apenas como curiosidade literária.

Religião

A religião predominante na França é o catolicismo, principalmente no meio rural. Entretanto, apesar de sua vinculação ao Vaticano, a Igreja Católica francesa conserva características nacionais. Assinalam-se ainda minorias de judeus, protestantes (luteranos e calvinistas) e maometanos. De acordo com uma pesquisa de 2007, 51% se disseram católicos, 31% agnósticos ou ateus, 4% muçulmanos, 3% protestantes e 1% judeus.

Demografia

Uma das principais características da demografia francesa é a estagnação da taxa de crescimento da população desde o final do século XIX. Essa situação deve-se a uma série de fatores, como o controle da natalidade, que, na França, foi implantado no final do século XVIII, muito antes das outras nações. Também houve influência das idéias difundidas pela revolução francesa (adoção do divórcio, predominância da vida urbana, individualismo, diminuição do sentimento religioso) e as várias guerras que desde então o país enfrentou, com enorme perda de vidas humanas. Nesse sentido, foi especialmente dramática a segunda guerra mundial, quando morreram cerca de 1,4 milhões de franceses.

Em 1938, o estado iniciou um programa destinado a incrementar a natalidade. Foram postas em prática medidas como ajuda financeira a famílias que tivessem filhos, maiores cuidados sanitários e incentivos psicológicos. Os primeiros resultados dessas medidas surgiram nas décadas que se seguiram à segunda guerra mundial, quando ocorreu acentuado aumento da população, resultado, sobretudo da conjugação de três fatores: o retorno de um milhão de franceses ao país, ao final do período de colonização de Marrocos, Argélia, Tunísia e Indochina; aumento da natalidade; e chegada de grande número de imigrantes.

A taxa de natalidade se manteve alta até a década de 1960, quando houve uma redução importante, devida, em grande parte, à difusão dos contraceptivos orais. Ao mesmo tempo, a taxa de mortalidade caiu, devido à melhoria das condições sanitárias. As conseqüências dessa evolução demográfica se manifestavam na composição da população na segunda metade do século XX.

Devido às baixas masculinas provocadas pelas guerras mundiais, o número de mulheres era bem maior que o de homens e o número de pessoas em idade ativa, bastante reduzido se comparado ao número de anciãos e de jovens. A população dependente do trabalho de outros, portanto, era muito elevada.

Os movimentos populacionais, sobretudo a chegada de grandes contingentes de imigrantes, sempre tiveram muita importância na França. A emigração, ao contrário, não é muito significativa.

Há dois tipos de imigração: um de caráter político e outro econômico. O primeiro se deve ao liberalismo francês, que admitiu grande número de refugiados políticos. Entre a primeira e a segunda guerra mundiais, três milhões de imigrantes chegaram à França.

A imigração de caráter econômico deveu-se à necessidade de mão-de-obra, que permitiu, num primeiro momento, a chegada de pessoas do resto da Europa (italianos, poloneses, espanhóis e belgas). Depois da segunda guerra mundial, juntaram-se aos imigrantes europeus os oriundos das antigas colônias: argelinos, marroquinos e tunisianos, principalmente. A partir de 1974, em função das dificuldades financeiras, a França fechou as portas à imigração.

Devem ainda ser assinalados dois tipos de movimentos demográficos internos. O primeiro, das montanhas para as planícies, provocou o despovoamento de algumas regiões. O outro movimento interno é do campo em direção à cidade, que provocou grande aumento da população urbana. O êxodo rural afetou especialmente Paris, onde, no fim do século XX, quase metade da população havia nascido fora da área metropolitana.

Marselha, Lyon, Toulouse, Nice, Nantes, Estrasburgo, Bordéus, Lille, Saint-Étienne e Grenoble, junto com Paris, são os núcleos que concentram a maior parte da população. As áreas mais despovoadas são as montanhas (Pireneus, Alpes e maciço Central), regiões de solos pobres (Landas e Sologne), e as áreas rurais isoladas.

Política

A França é uma República democrática semipresidencialista. O presidente (président de la république) é eleito por sufrágio directo e universal e reside oficialmente no Palácio do Eliseu, em Paris. É o Presidente quem nomeia o Primeiro-Ministro (premier-ministre), e preside ao conselho de ministros. Ao primeiro-ministro, cuja residência oficial é o Palácio Matignon, cabe a coordenação do governo (gouvernement). O Parlamento francês é bicameral: Senado (sénat), eleito indiretamente, e a Assembleia Nacional (assemblée nationale), eleita pelo voto popular.

Política exterior: União Européia

O Salão do Relógio foi o lugar onde se apresentou a Declaração Schuman. A Declaração Schuman é o título que informalmente conhecido como pronunciado pelo ministro de Relações Exteriores francês Robert Schuman a 9 de maio de 1950 — tal como o conhece a União Européia — se deu o primeiro passo para a formação desta organização ao propor a comunitarização do carbono e do aço de França, Alemanha e demais países aderentes.

A França faz grupo dos seis países que são originários mediantes ao Tratado de Paris e constituíram a comunidade do carbono e aço (CECA). A este tratado seguem outros que compõem a União Européia atualmente. Os franceses contam com a segunda representação mais numerosa no Parlamento Europeu, em virtude de seu número de habitantes; todavia, o francês Jean-Claude Trichet é o presidente do Banco Central Europeu e Jacques Barrot é um dos vice-presidentes da Comissão Européia para o período 2004-2009.

A presidência francesa do Conselho da União Européia no segundo semestre de 2008 está marcada dentro do sistema de administração rotativa da dita instituição.

Forças armadas

Estão divididas em quatro: Armée de Terre (Exército), Marine Nationale (Marinha), Armée de l'Air (Força Aérea), Gendarmerie Nationale (força militar que age como uma Polícia Nacional Rural e como uma Polícia Militar).

Desde a Guerra da Argélia, a conscrição foi progressivamente reduzida e finalmente foi suspensa em 2001 por Jacques Chirac. O número total de pessoal militar é de 359.000. A França gasta 2,6% de seu PIB com defesa, ligeiramente mais do que o Reino Unido (2,4%), e é o mais elevado na União Europeia, onde a despesa da defesa é geralmente inferior a 1,5% do PIB. Juntos, eles representam 40% das despesas da defesa da UE. Por volta de 10% do orçamento da defesa da França vai para sua força de frappé, ou armas nucleares. Uma parte significante do equipamento é feita na França. Algumas armas, como o Grumman E-2 Hawkeye ou o E-3 Sentry foram compradas dos Estados Unidos. Apesar de se retirar do projeto do Eurofighter, a França está investindo em projetos europeus como o Eurocopter Tiger.

Geografia

A França está dividida em regiões. Atualmente são 26 regiões, sendo 21 regiões metropolitanas, a Córsega e mais 4 ultramarinas (Guadalupe, Martinica, Guiana Francesa e Reunião). Cada região é dividida em departamentos. Atualmente são 96 departamentos metropolitanos e 4 ultramarinos (sendo que os departamentos ultramarinos também são considerados regiões). Os departamentos são divididos em distritos (arrondissements). Os distritos são divididos em cantões (canton) e os cantões em municípios (commune).

A população da França é estimada em 64,4 milhões, sendo que aproximadamente 17% vivem ao redor de Paris (Île-de-France). A média da taxa de crescimento da população é: 0,6%. O PIB em poder de compra equivalente (PPP) foi de 35 375 mil dólares por capita em 2006. A população economicamente ativa é de 25 milhões. A taxa de desemprego está em 9%. Cerca de 20% da população passou dos 60 anos.

Economia

A França é um país rico e desenvolvido, que disputa com a Alemanha e o Reino Unido a liderança da economia na União Europeia, pois é a terceira economia da Europa (Alemanha, Reino Unido, França, Itália) e a sexta do mundo (EUA, Japão, Alemanha, República Popular da China, Reino Unido, França). Paris é uma das cidades mais populosas do continente, e figura como uma cidade mundial, ou seja, uma das mais importantes do mundo.

A França apresenta uma economia muito desenvolvida e é um dos países mais ricos do planeta. Até meados do século XIX, a economia francesa era essencialmente agrícola, com importantes atividades artesanais. O desenvolvimento dos transportes, na segunda metade do século XIX, acelerou a concentração, em certas áreas, de atividades industriais. Métodos modernos de fabricação em série foram implantados após a primeira guerra mundial.

Depois da segunda guerra mundial, mais exatamente a partir de 1950, o governo francês estabeleceu algumas medidas protecionistas de seus produtos frente aos estrangeiros, que foram paulatinamente abandonadas à medida que a indústria francesa se modernizou, tornando muito mais competitiva. Na década de 1970 a produção industrial francesa cresceu mais de 33% mas, a partir de 1980, estabilizou-se.

A França encontra-se em um processo de transição de uma economia com forte intervenção governamental para uma economia mais liberal. Muitas empresas estatais foram privatizadas, mas o governo ainda detém o controle acionário de várias empresas importantes, como a Air France, France Telecom, Renault e Thales. Além disso, o governo ainda domina alguns setores, como produção de energia elétrica, transporte público e indústrias voltadas à defesa nacional. O setor de telecomunicações vem gradualmente sendo aberto à competição. A carga de impostos é uma das mais altas da Europa (43,8% em 2003).

Exportações: $558,9 bilhões f.o.b. (2007 est.)

Ano

Exportações

Posição

Mudança Porcentual

Data da Informação

2003

$307.800.000.000

5

 

2002

2004

$346.500.000.000

5

12,57%

2003 est.

2005

$419.000.000.000

5

20,92%

2004 est.

2006

$443.400.000.000

5

5,82%

2005 est.

2007

$490.000.000.000

6

10,51%

2006 est.

2008

$558.900.000.000

5

14,06%

2007 est.

Importações: $601,4 bilhões f.o.b. (2007 est.)

Ano

Importações

Posição

Mudança Porcentual

Data da Informação

2003

$303.700.000.000

4

 

2002 est.

2004

$339.900.000.000

6

11,92%

2003 est.

2005

$419.700.000.000

5

23,48%

2004 est.

2006

$473.300.000.000

5

12,77%

2005 est.

2007

$529.100.000.000

5

11,79%

2006 est.

2008

$601.400.000.000

4

13,66%

2007 est.

Dívida externa: $4,396 trilhões (30 Junho 2007)

Ano

Dívida externa

Posição

Mudança Porcentual

Data da Informação

2006

$2.826.000.000.000

4

 

30 June 2005

2007

$3.461.000.000.000

4

22,47%

30 June 2006

2008

$4.396.000.000.000

4

27,02%

30 June 2007

Indústria

No fim do século XX, a França era a quarta nação industrial do mundo, depois dos EUA , Japão e Alemanha. O processo de forte industrialização tomou iniciativa, depois da segunda guerra mundial, com o apoio decisivo do governo, que também incentivou a fusão de pequenos grupos empresariais, o que resultou em maior concentração industrial do país.

Destacam-se no parque industrial francês as grandes montadoras de automóveis e aviões, as indústrias mecânicas, elétricas, químicas-com grande concentração financeira- e alimentícias, geralmente situadas perto dos centros urbanos. A França também desenvolveu uma extraordinária tecnologia de ponta: informática, eletrônica e aeronáutica. Por ser o país uma potência militar, destaca-se também a indústria de armamentos.

Hoje em dia a economia da França é a sexta nação mais rica do planeta em termos de PIB-nominal, atrás dos Estados Unidos, do Japão, da Alemanha, da China e do Reino Unido.

São de capital francês empresas como: Accor, Air France, Air Liquide, Alcatel, Alstom, Areva, Aventis, Axa, BNP Paribas, Bouygues, Carrefour, Champion, Citroen, Danone, EDF, Elf, FNAC, France Telecom, Leroy Merlin, Michelin, Peugeot, Renault, Saint-Gobain, Suez, Thales, Thomson, Total e Vivendi, Michigan, (entre outros). Por esse motivo, da enorme riqueza que faz da França uma das nações da "elite" mundial, podemos dizer sem dúvida alguma que a França é um dos países mais industrializados do mundo, seus produtos se espalham por lojas e casas de todo o planeta. Um dos setores que movimentam a economia da França em grande escala, sem dúvida nenhuma, é o turismo, fazendo da França o país que mais recebe turistas por ano (70 milhões de visitantes), que depositam no país dezenas de bilhões de dólares. Alguns dos principais produtos exportados pela França são seus vinhos, perfumes e culinária.

Produtos importantes da França

  • Agricultura: Trigo, batata-doce, milho, cevada, uva, batata, frutas, aveia, girassol, hortaliças, beterraba, tabacos, e vinhos.

  • Pecuária e Pesca: Bovinos, suínos, ovinos, caprinos; bacalhau, badejo, sardinha.

  • Mineração: Carvão, ferro , sais de potássio, bauxita, zinco, chumbo, ouro , petróleo, gás natural, gipsita e aço.

  • Indústria: Cimento, produtos siderúrgicos, produtos químicos, alumínio, automóveis, aviões, máquinas, metalúrgica, e produtos de alta tecnologia de ponta.

Emprego e formação

Em 2001, enquanto o emprego assalariado aumentava 2,3% de maneira geral, o emprego assalariado nos hotéis, cafés e restaurantes aumentou 2,7%, confirmando o dinamismo do setor turístico. Mas, a metade dos empregos desse setor são sazonais e, portanto, pouco atraentes. Uma penúria de mão de obra afeta, principalmente, o setor de hotéis e restaurantes, onde há um déficit de 100.000 empregos.

Existem, na França, 900 estabelecimentos de formação para profissionais de turismo, hotelaria e do ramo de restaurantes nas mais variadas funções: garçons, cozinheiros, gerentes de hotel, etc. Essas qualificações são confirmadas por diplomas do Estado de todos os níveis. Os novos serviços desenvolvidos no âmbito dos "empregos para jovens" contam também com medidas para profissionalizar e perenizar suas funções: criador de "produtos de baixa temporada" (estadas temáticas que ocorrem fora da alta estação), de turismo social (viagens acessíveis aos portadores de necessidades especiais), guarda do litoral, etc. A melhora das condições de trabalho e de acolhimento dos trabalhadores sazonais deverá contribuir também para melhorar a imagem dessas profissões.

A qualidade da oferta

(Parte 1 de 2)

Comentários