Aprender a Gostar de Si.mesmo

Aprender a Gostar de Si.mesmo

(Parte 1 de 12)

AUTO-ESTIMA: Como aprender a gostar de si mesmo Nathaniel Branden

Capítulo 1 – A importância da auto-estima

A forma como nos sentimos acerca de nós mesmos é algo que afeta crucialmente todos os aspectos da nossa experiência, desde a maneira como agimos no trabalho, no amor e no sexo, até o modo como atuamos como pais, e até aonde provavelmente subiremos na vida. Nossas reações aos acontecimentos do cotidiano são determinadas por quem e pelo que pensamos que somos. Os dramas da nossa vida são reflexo das visões mais íntimas que temos de nós mesmos. Assim, a auto-estima é a chave para o sucesso ou para o fracasso. É também a chave para entendermos a nós mesmos e aos outros.

Além de problemas biológicos, não consigo pensar em uma única dificuldade psicológica – da ansiedade e depressão ao medo da intimidade ou do sucesso, ao abuso de álcool ou drogas, às deficiências na escola ou no trabalho, ao espancamento de companheiros e filhos, às disfunções sexuais ou à imaturidade emocional, ao suicídio ou aos crimes violentos – que não esteja relacionada com uma auto-estima negativa. De todos os julgamentos que fazemos, nenhum é tão importante quanto o que fazemos sobre nós mesmos. A auto-estima positiva é requisito importante para uma vida satisfatória.

Vamos entender o que é auto-estima. Ela tem dois componentes: o sentimento de competência pessoal e o sentimento de valor pessoal. Em outras palavras, a auto-estima é a soma da autoconfiança com o auto-respeito. Ela reflete o julgamento implícito da nossa capacidade de lidar com os desafios da vida (entender e dominar os problemas) e o direito de ser feliz (respeitar e defender os próprios interesses e necessidades).

Ter uma auto-estima elevada é sentir-se confiantemente adequado à vida, isto é, competente e merecedor, no sentido que acabamos de citar. Ter uma auto-estima baixa é sentir-se inadequado à vida, errado, não sobre este ou aquele assunto, mas ERRADO COMO PESSOA. Ter uma auto-estima média é flutuar entre sentir-se adequado ou inadequado, certo ou errado como pessoa e manifestar essa inconsistência no comportamento – às vezes agindo com sabedoria, às vezes como tolo – reforçando, portanto, a incerteza.

A capacidade de desenvolver uma autoconfiança e um auto-respeito saudáveis é inerente à nossa natureza, pois a capacidade de pensar é a fone básica da nossa competência, e o fato de que estamos vivos é a fonte básica do nosso direito de lutar pela felicidade. Idealmente falando, todos deveriam desfrutar um alto nível de auto-estima, vivenciando tanto a autoconfiança intelectual como a forte sensação de que a felicidade é adequada. Entetanto, infelizmente, uma grande quantidade de pessoas não se sente assim. Muitas sofrem de sentimentos de inadequação, insegurança, dúvida, culpa e medo de uma participação plena na vida – um sentimento vago de “eu não sou suficiente”. Esses sentimentos nem sempre são reconhecidos e confirmados de imediato, mas eles existem.

No processo de crescimento e no processo de vivenciar esse crescimento, é muito fácil que nos alenemos do autoconceito positivo (ou que nunca formemos um). Poderemos nunca chegar a uma visão feliz de nós mesmos devido a informações negativas vindas dos outros, ou porque falhamos em nossa própria honestidade, integridade, responsabilidade e auto-afirmação, ou porque julgamos nossas próprias ações com uma compreensão e uma compaixão inadequadas.

Entretanto, a auto-estima é sempre uma questão de grau. Não conheço ninguém que seja totalmente carente de auto-estima positiva, nem que seja incapaz de desenvolver auto-estima.

Desenvolver a auto-estima é desenvolver a convicção de que somos capazes de viver e somos merecedores da felicidade e, portanto, capazes de enfrentar a vida com mais confiança, boa vontade e otimismo, que nos ajudam a atingir nossas metas e a sentirmo-nos realizados. Desenvolver a auto-estima é expandir nossa capacidade de ser feliz.

Se entendermos isso, poderemos compreender o fato de que para todos é vantajoso cultivar a autoestima. Não é necessário que nos odiemos antes de aprender a nos amar mais; não é preciso nos sentir inferiores para que queiramos nos sentir mais confiantes. Não temos de nos sentir miseráveis para querer expandir nossa capacidade de alegria.

Quanto maior a nossa auto-estima, mais bem equipados estaremos para lidar com as adversidades da vida; quanto mais flexíveis formos, mais resistiremos à pressão de sucumbir ao desespero ou à derrota.

Quanto maior a nossa auto-estima, maior a probabilidade de sermos criativos em nosso trabalho, ou seja, maior a probabilidade de obtermos sucesso.

Quanto maior a nossa auto-estima, mais ambiciosos tenderemos a ser, não necessariamente na carreira ou em assuntos financeiros, mas em termos das experiências que esperamos vivenciar de maneira emocional, criativa ou espiritual.

Quanto maior a nossa auto-estima, maiores serão as nossas possibilidades de manter relações saudáveis, em vez de destrutivas, pois, assim como o amor atrai o amor, a saúde atrai a saúde, e a vitalidade e a comunicabilidade atraem mais do que o vazio e o oportunismo.

Quanto maior a nossa auto-estima, mais inclinados estaremos a tratar os outros com respeito, benevolência e boa vontade, pois não os vemos como ameaça, não nos sentimos como “estranhos e amedrontados num mundo que nós jamais criamos” (citando um poema de A. E. Housman), uma vez que o auto-respeito é o fundamento do respeito pelos outros.

Quanto maior a nossa auto-estima, mais alegria teremos pelo simples fato de ser, de despertar pela manhã, de viver dentro dos nossos próprios corpos. São essas as recompensas que a nossa autoconfiança e o nosso auto-respeito nos oferecem.

Vamos nos aprofundar mais no significado do conceito de auto-estima.

Auto-estima, seja qual for o nível, é uma experiência íntima; reside no cerne do nosso ser. É o que EU penso e sinto sobre mim mesmo, não o que o outro pensa e sente sobre mim.

Quando crianças, nossa autoconfiança e nosso auto-respeito podem ser alimentados ou destruídos pelos adultos – conforme tenhamos sido respeitados, amados, valorizados e encorajados a confiar em nós mesmos. Mas, em nossos primeiros anos de vida, nossas escolhas e decisões são muito importantes para o desenvolvimento futuro de nossa auto-estima. Estamos longe de ser meros receptáculos da visão que as outras pessoas têm sobre nós. E de qualquer forma, seja qual tenha sido nossa educação, quando adultos o assunto está em nossas próprias mãos.

Ninguém pode respirar por nós, ninguém pode pensar por nós, ninguém pode nos dar autoconfiança e amor-próprio.

Posso ser amado por minha família, por meu companheiro ou companheira e por meus amigos e, mesmo assim, não amar a mim mesmo. Posso ser admirado por meus colegas de trabalho e mesmo assim ver-me como um inútil. Posso projetar uma imagem de segurança e uma postura que iludem virtualmente a todos e ainda assim tremer secretamente ao sentir minha inadequação.

Posso preencher todas as expectativas dos outros e, no entanto, falhar em relação às minhas; posso conquistar todas as honras e apesar disso sentir que não cheguei a nada; posso ser adorado por milhões e despertar todas as manhãs com uma nauseante sensação de fraude e vazio.

Chegar ao “sucesso” sem conquistar uma auto-estima positiva é ser condenado a sentir-se um impostor que aguarda intranquilo ser desmascarado.

Assim como a aclamação dos outros não cria a nossa auto-estima, também não o fazem os conhecimentos, a competência, as posses materiais, o casamento, a paternidade, a dedicação à caridade, as conquistas sexuais ou as cirurgias plásticas. Essas coisas PODEM às vezes fazer com que nos sintamos melhor sobre nós mesmos temporariamente, ou mais confortáveis em situações particulares, mas conforto não é auto-estima.

A tragédia é que existem muitas pessoas que procuram a autoconfiança e a auto-estima em todos os

generosidade – então, REALMENTE me sentiria em paz comigo mesmo”. Perceberíamos então que a busca

lugares, menos dentro delas mesmas, e, assim, fracassam em sua busca. Veremos que a auto-estima positiva pode ser entendida como um tipo de CONQUISTA ESPIRITUAL, isto é, uma vitória na evolução da consciência. Quando começamos a entender a auto-estima dessa forma, como uma condição da consciência, entendemos quanta tolice há em acreditar que, se pudermos causar uma boa impressão nos outros, teremos uma auto-avaliação positiva. Pararemos de dizer a nós mesmos: “Se pelo menos eu tivesse mais uma promoção; se pelo menos me tornasse esposa e mãe; se pelo menos fosse reconhecido como um bom provedor; se pelo menos pudesse comprar um carro maior; se pelo menos pudesse escrever mais um livro, comprar mais uma empresa, ter mais um amante, mais uma recompensa, mais um reconhecimento de minha é irracional, que o anseio será sempre “por mais um”.

Se ter auto-estima é julgar que sou adequado à vida, à experiência da competência e do valor, se auto-estima é a auto-afirmação da consciência, de uma mente que confia em si, então ninguém pode gerar essa experiência a não ser eu mesmo.

Quando avaliamos a verdadeira natureza da auto-estima, vemos que ela não é competitiva ou comparativa.

A verdadeira auto-estima não se expressa pela autoglorificação à custa dos outros, ou pelo ideal de se tornar superior aos outros, ou de diminuir os outros para se elevar. A arrogância, a jactância e a superestima de nossas capacidades são atitudes que refletem uma auto-estima inadequada, e não, como imaginam alguns, excesso de auto-estima.

Uma das características mais significativas da auto-estima saudável é que ela é o ESTADO DA PESSOA QUE NÃO ESTÁ EM GUERRA CONSIGO MESMA OU COM OS OUTROS.

A importância da auto-estima saudável está no fato de que ela é o fundamento da nossa capacidade de reagir ativa e positivamente às oportunidades da vida – no trabalho, no amor e no lazer. A auto-estima saudável é também o fundamento da serenidade de espírito que torna possível desfrutar a vida.

Capítulo 2 – O autoconceito como destino

Nosso AUTOCONCEITO é quem e o que consciente e inconscientemente achamos que somos – nossas características físicas e psicológicas, nossos pontos positivos e negativos e, acima de tudo, nossa auto-estima. A auto-estima é o componente AVALIADOR do autoconceito.

Nosso autoconceito determina nosso destino, isto é, a visão mais profunda de nós mesmos influencia todas as nossas escolhas significativas e todas as nossas decisões e, portanto, determina o tipo de vida que criamos para nós.

Os exemplos que se seguem serão úteis para esclarecer como nosso autoconceito afeta os nossos sentimentos e o nosso comportamento. Leia as historias, tendo em mente essa perspectiva.

Jane, 34 anos, era vendedora numa grande loja de departamentos. Embora tivesse um relacionamento com um homem e o considerasse “agradável”, nunca se casara. No nosso primeiro encontro, explicou que não tinha queixas específicas de insatisfação de uma maneira geral, apenas um sentimento de que “a vida deve ser melhor do que isso”. E acrescentou: “Eu gostaria de me entender melhor e de aprender a me impor mais”.

Pedi-lhe que fechasse os olhos e entrasse na seguinte fantasia:

Existem árvores e flores nessa encosta da montanha?Enquanto escala, você nota algo de interessante.

“Imagine que você está na base de uma montanha, qualquer tipo de montanha que deseje criar. Há uma trilha que leva ao alto, ao pico. Você começa a subir. Sente o esforço nas pernas, tentando escalar. Todas as dúvidas e inseguranças da sua vida cotidiana parecem despencar, como um excesso de bagagem de que você não precisa mais. Quanto mais escala, mais livre se sente. Aproximando-se do topo da montanha, você se sente quase sem peso. Sua mente está clara. Você se sente mais forte, mais segura de si, mais do que em qualquer outro momento de sua vida. Imagine esse estado de espírito e explore-o. Você

medos?Agora você está apenas a uns poucos passos do pico da montanha. Você está no pico, olhando o
e familiares inseguranças? Aproveite alguns minutos para examinar esse assuntoe agora volte-se e comece

gosta dele? E como o seu corpo se sente quando você está tão autoconfiante e tão livre de dúvidas e mundo de cima. Como se sente? Qual é a sensação em relação ao mundo agora? Como é ficar sem as velhas a descer a montanha. Seguindo o caminho de volta, observe se está trazendo a sua nova força e liberdade, ou se abandonou esses sentimentos no pico da montanha. Será que as velhas cargas retornam na medida em que você chega embaixo? E se voltar ao ponto de partida, poderia olhar o mundo sob um novo ângulo? Como se sente? Que mudanças ocorreram? Você se sente diferente?”.

estava diferente. E houve um momento lá em cima em queem que eu estava livre. Realmente livre. Sabia

Depois de alguns momentos, ela abriu os olhos. “Adorei lá em cima. Senti-me eu mesma, embora nunca tenha sido assim. Eu estava solitária e assustada; ouvi a voz da minha mãe dizendo: ‘Esse não é o seu lugar’. Quando estava descendo a montanha, senti voltar o peso de antes, mas não totalmente. Alguma coisa que podia fazer qualquer coisa. Sabia que nada me impedia, a não ser eu mesma. Realmente podia sentir isso, vivenciar, não como um tipo de teoria, mas como algo real, algo que eu sentia no corpo e percebia com a totalidade da mente. Quase como um momento de embriaguez, porém essa embriaguez não me cegava para a realidade. Era mais como ganhar uma nova visão.”

“Mas...”, sugeri, “subir mais ainda poderia significar ir contra sua mãe? Contradizer a visão que ela tem das coisas?”.

“Acho quenão ser mais sua filha.”

“E, visto assim, parece uma escolha difícil.” “Posso ostar de mim mesma, ainda que minha mãe não goste?” “Pode?”, atalhei.

“Não vejo por que não. E talvez ela aprenda. Talvez ela se adapte a mim, em vez de eu me adaptar a ela.”

“Você já pensou no fato de que quase todas as versões de feitos heróicos começam com o herói deixando o lar e livrando-se da atração gravitacional da família?”

O objetivo do meu trabalho com Jane era ensinar-lhe maior autoconsciência (consciência de sentimentos, desejos, pensamentos e habilidades), auto-aceitação (aprender a não rejeitar sua experiência, ou a parar de ser sua própria adversária) e auto-expressão nas ações (auto-afirmação), aspectos que se encontram entre os mais importantes pilares da auto-estima. Jane utilizou a visão de embarcar numa jornada que a ajudaria a romper os laços familiares, e isso deu-lhe uma nova perspectiva. Depois de alguns meses de terapia, ela disse que atingira sua meta, e a terapia foi encerrada.

Seis meses depois, recebi uma carta muito alegre na qual ela relatava que, uma semana depois de deixar a terapia, abandonara o emprego para iniciar seu próprio negócio de vendas a varejo, “algo que eu queria fazer há anos, mas nunca tive coragem”, e que sua loja já estava prosperando. “Em nossa família acham que as mulheres não têm cabeça para negócios, mas para mim já chega de tanta bobagem. O que lucrei com a terapia é que, agora, a minha vida me pertence – isso não é básico para a auto-estima? E se existe algo que realmente quero, por que não lutar por isso? Agora estou pronta para começar a pensar em relacionamentos.”

Quando Jane me consultou pela primeira vez, não lhe faltava auto-estima. Entretanto, uma certa parte de sua auto-estima tinha sido investida em falsos valores: na crença de que era necessária a aprovação da sua mãe para o seu bem-estar e auto-respeito. Quando aprendeu a recuperar seu investimento, a retomar a vida em suas próprias mãos e a viver segundo seu próprio julgamento, ela aumentou sua auto-estima naturalmente e abriu as portas às possibilidades que, antes, considerava além do seu alcance.

(Parte 1 de 12)

Comentários