Analise de circuito

Analise de circuito

Capítulo V Técnicas de Análise de Circuitos

5.1 Introdução

Analisar um circuito é obter um conjunto de equações ou valores que demonstram as características de funcionamento do circuito.

A análise é fundamental para que se possa sintetizar (implementar) um circuito, ou seja, a partir da análise de circuitos, pode-se arranjar elementos que uma vez interconectados e alimentados, comportam-se de uma forma desejada.

5.2 Método da Análise Nodal

A análise nodal ou método nodal é baseado na Lei das Correntes de Kirchhoff (LCK).

Para empregar esse método se aplicam os passos que estão dispostos nos itens de ‘a’ a ‘e’ que se seguem: a) Verificar o número de nós do circuito. O número de equações necessárias para efetuar a análise do circuito é:

Número de equações = nós – 1(5.1)

b) Escolher um dos nós como “nó de referência”, atribuindo-lhe tensão nula. É interessante que o nó de referência seja o “terra” ou um nó com muitos ramos. c) Escolher um sentido arbitrário de corrente em cada elemento, atribuindo a respectiva polaridade. Em casos de elementos passivos, atribui-se a polaridade conforme mostra a figura 5.1.

Figura 5.1: Polaridade em um elemento em função da corrente (regra prática) d) Aplicar a LCK em cada nó, exceto no nó de referência, obtendo as equações. e) Resolver o sistema formado, obtendo assim as tensões nos nós e conseqüentemente as correntes circulantes do circuito.

Nas subseções desta seção seguem-se alguns exemplos de análise de circuitos utilizando análise nodal.

5.2.1 Análise nodal: Somente fontes de correntes independentes. Exemplo 5.1: Determine as equações para as tensões de cada nó do circuito da figura 5.2.

Figura 5.2: Circuito para exemplo 5.1

Exemplo 5.2: Determine as potências nas fontes de corrente do circuito da figura 5.3. Figura 5.3: Circuito para exemplo 5.2.

5.2.2 Análise nodal: Com fontes controladas de corrente. Exemplo 5.3: Calcular a potência na fonte de corrente controlada da figura 5.4.

Figura 5.4: Circuito para exemplo 5.3.

5.2.3 Análise nodal: Com fontes de tensão ligadas ao nó de referência. Exemplo 5.4: Calcular os valores das tensões VA, VB, VC e VD, no circuito da figura 5.5.

Figura 5.5: Circuito para exemplo 4.4.

5.2.4 Análise nodal: Com fontes de tensão não ligadas ao nó de referência. Exemplo 5.5: Calcular os valores das tensões VA, VB e VC, no circuito da figura 5.6.

Figura 5.6: Circuito para exemplo 5.5.

5.3 Método das Correntes das Malhas

A análise de malhas ou método das correntes das malhas é baseada na Lei das

Tensões de Kirchhoff (LTK).

Para aplicação desse método se empregam os passos que estão dispostos nos itens de ‘a’ a ‘e’ que se seguem: a) Verificar se o circuito é planar ou não planar, pois esse método só se aplica a circuitos planares. O circuito planar é aquele que pode ser desenhado em um único plano sem que dois ramos se cruzem. Por exemplo, o circuito da Figura 5.7 é planar, enquanto que o circuito da Figura 5.8 não é planar.

Figura 5.7: Circuito planar.

Figura 5.8: Circuito não planar.

L = B – N + 1(5.2)

b) Escolher arbitrariamente o sentido das correntes de malha. O número de correntes arbitrárias necessárias é:

onde: L : número de correntes de malha, B: número de ramos. N : número de nós do circuito.

O número de equações necessárias é igual ao número de correntes que por sua vez, é igual ao número de malhas do circuito analisado.

c) Todo o elemento do circuito deve ser percorrido por pelo menos uma corrente de malha. Se possível, passar apenas uma corrente em cada elemento.

d) Identificar a polaridade da tensão em cada ramo do circuito. Quando há duas correntes atravessando um único elemento, pode-se arbitrar uma ordem prioritária para correntes, ou seja, supor que uma corrente é maior que a outra e assim, identificar a polaridade da tensão em cada ramo do circuito. Por exemplo, se duas correntes percorrem o mesmo elemento como mostra a figura 4.9b, pode-se arbitrar que I1 é maior que I2, então V tem a polaridade mostrada nessa mesma figura.

Figura 5.9: (a) Convenção de sinal em elemento passivo.

(b) Polaridade de tensão identificada considerando a suposição I1 > I2.

e) Aplicar a LTK em cada malha, percorrendo o circuito no mesmo sentido da corrente, obtendo assim, uma equação para cada malha.

Nas subseções desta seção seguem-se alguns exemplos de análise de circuitos utilizando análise nodal.

5.3.1 Análise de malhas: Determinação do número de correntes de malha necessárias.

Exemplo 5.6: Determine qual o número de equações necessárias para analisar por malha os circuitos das figuras 5.10a, b e c.

Figura 5.10: Circuitos para exemplo 5.6.

5.3.2 Análise de malhas: Somente fontes de tensão independentes.

Exemplo 5.7: Determine o sistema de equações para o circuito da figura 5.1, deixando-o na forma matricial.

Figura 5.1: Circuito para exemplo 5.7.

5.3.3 Análise de malhas: Com fontes controladas de corrente. Exemplo 5.8: Determine a potência na fonte controlada do circuito da figura 5.12.

Figura 5.12: Circuito para exemplo 5.8.

5.3.4 Análise de malhas: Com fontes de corrente pertencentes a uma única malha. Exemplo 5.9: Calcule os valores das correntes I1, I2 e I3 do circuito da figura 5.13.

Figura 5.13: Circuito para exemplo 5.9.

5.3.5 Análise de malhas: Com fontes de corrente não pertencentes a uma única malha. Exemplo 5.10: Calcule os valores das correntes I1, I2 e I3 no circuito da figura 5.14.

Figura 5.14: Circuito para exemplo 5.10.

5.4 Comparação dos Métodos

Método das Correntes de Malha (Análise das Malhas) • Aplicação direta da Lei das Tensões de Kirchhoff;

• Demanda habilidade do operador;

• Utilizado principalmente em análise feitas “manualmente”.

Método das Tensões de Nó (Análise Nodal) • Aplicação direta da Lei das Correntes de Kirchhoff;

• Método facilmente automatizável;

• Utilizado em análises computacionais.

A principal dificuldade na aplicação dos métodos é que eles resultam em sistemas de equações de grande complexidade, o que leva a simulação (análise) feita com o auxílio de computadores.

Devido a infinidade de circuitos que podem ser analisados é necessário que se saiba qual dos métodos é mais conveniente para ser aplicado. Então, antes de começar a analisar o circuito, é coerente verificar quantas incógnitas haverá:

I) Pela análise nodal: Número de incógnitas = número de nós – 1

I) Pela análise de malhas:

Número de incógnitas = número de malhas Número de malhas = B – N + 1

Se houver empate, analisar as situações que levam a escrever o menor número de equações, ou seja: - Observar se há fontes de tensão ligadas ao nó de referência (Análise nodal);

- Observar se há fontes de corrente que pertencem a uma única malha (Análise das malhas).

Exercícios E5.1 Calcular i no circuito da figura E5.1.

Figura E5.1: circuito para exercício. E5.2 Calcule a potência no resistor de 5 do circuito da figura E5.2.

Figura E5.2: Exercício. E5.3 Calcule oV no circuito da figura E5.3.

Figura E5.3: circuito para exercício.

E5.4 Calcule a potência dissipada pelo resistor de 12Ω no circuito da figura E5.4.

Figura E5.4: circuito para exercício. E5.5 Utilize análise nodal para determinar oV na rede da figura E5.5.

Figura E5.5: circuito para exercício.

E5.6 Determine oI na rede da figura E5.6: a) Utilizando equações nodais. b) Utilizando método das malhas. c) Qual dos dois métodos resultou em um número menor de equações?

Figura E5.6: exercício para exercício.

E5.7 Determine oI no circuito da figura E5.7.

Figura E5.7: circuito para exercício. E5.8 Determinar oV na rede da figura E5.8.

Figura E5.8: circuito para exercício. E5.9 Calcule a tensão oV na rede da figura E5.9.

Figura E5.9: circuito para exercício

Comentários